11 de outubro de 2017

O trabalho das mulheres na Igreja

As mulheres contagiam a comunidade com sua feminilidade e maternidade

Vivendo meu sacerdócio, entendo cada vez melhor o papel que as "santas mulheres" tiveram na vida de Jesus. A começar por Maria de Nazaré, poderíamos lembrar também muitas outras "Marias" que seguiram o Senhor fielmente. Ao pé da cruz, elas estavam lá.


Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com 

A maioria dos homens que Jesus evangelizou, durante os três nos de vida pública, simplesmente sumiu na hora do desafio maior. Judas preferiu a morte a encarar a falência do seu sonho de um Messias guerrilheiro.

Pedro, vejam só, o velho Pedro, negou Jesus três vezes diante de uma funcionária do palácio. Ele não estava ao pé da cruz. Nem Tomé, Mateus, Tiago, Judas Tadeu… ninguém. Apenas o jovem João, certamente conduzido pela Mãe de Jesus, e as outras pessoas que estavam ali eram todas mulheres.

As mulheres na Igreja

Hoje, não é diferente em nossas paróquias. São batalhões de catequistas, ministras extraordinárias da comunhão eucarística, secretárias, cozinheiras da casa paroquial, religiosas, agentes da pastoral da saúde, coordenadoras de movimentos, participantes da liturgia entre outras.

O que realmente impressiona não é a quantidade de mulheres que ocupam espaço em nossas paróquias, mas a força, a perseverança e a qualidade do trabalho delas.

As mulheres têm uma força para gerar um novo mundo, que, simplesmente, não existe nesses pobres bípedes pensantes sem útero, aos quais chamamos homens.

Em 1995, o saudoso Papa João Paulo escreveu uma "Carta para as Mulheres" em que dizia:

"Gostaria de manifestar particular gratidão às mulheres empenhadas nos mais distintos setores da atividade educativa, para além da família: creches, escolas, universidades, instituições de assistência, paróquias, associações e movimentos. Onde quer que se revele necessário um trabalho de formação, pode-se constatar a imensa disponibilidade das mulheres a dedicarem-se às relações humanas, especialmente em prol dos mais fracos e indefesos. Nesse trabalho, elas realizam uma forma de maternidade afetiva, cultural e espiritual, de valor realmente inestimável, pela incidência que têm no desenvolvimento da pessoa e no futuro da sociedade".


Feminilidade e maternidade

De fato, a importância do trabalho das mulheres na Igreja não se resume ao funcional. Elas contagiam a comunidade com sua feminilidade e maternidade.

Sem a presença forte e atuante da mulher em uma paróquia, seria impossível a Igreja viver sua dimensão de mãe, mestra e esposa. Contudo, devemos evitar a tentação feminista de criar um clima de "guerra dos sexos' ou de disputa pelos lugares.  No Reino de Jesus, reinar é servir.

Homens e mulheres precisam aprender a belíssima lição de que se completam para formar a mais perfeita imagem e semelhança de Deus, capazes de continuar a obra da criação e também de colaborarem na obra da salvação.

As mulheres têm um potencial enorme para ajudar cada comunidade a ser uma grande família. Este é o maior desafio do terceiro milênio: fazer da Igreja uma família e da família uma Igreja.

Para que isso aconteça é fundamental que todos se sintam responsáveis por uma pastoral da acolhida que esteja presente em todas as pastorais e movimentos. Aqui, novamente, as mulheres são especialistas, pois têm a vocação natural de acolher outra vida no seu ventre. Aliás, a palavra "misericórdia", em hebraico, evoca as entranhas femininas, ou seja, o útero.

A fecundidade evangelizadora da paróquia passa pela natureza feminina. Poderíamos dizer que há certos serviços sacerdotais, na sacerdotalidade própria de todo batizado, que somente podem ser exercidos pelas mulheres.

Faço minha a belíssima prece de gratidão de João Paulo II às mulheres, registrada na mesma carta de 1995

"Obrigado a ti, mulher-mãe, que te fazes ventre do ser humano na alegria e no sofrimento de uma experiência única, que te torna o sorriso de Deus pela criatura que é dada à luz, que te faz guia dos seus primeiros passos, amparo do seu crescimento, ponto de referência por todo caminho da vida.

Obrigado a ti, mulher-esposa, que unes irrevogavelmente o teu destino ao de um homem, numa relação de recíproco dom, ao serviço da comunhão e da vida.

Obrigado a ti, mulher-filha e mulher-irmã, que levas ao núcleo familiar, e depois à inteira vida social, as riquezas da tua sensibilidade, da tua intuição, da tua generosidade e constância.

Obrigado a ti, mulher-trabalhadora, empenhada em todos os âmbitos da vida social, econômica, cultural, artística, política, pela contribuição indispensável que dás à elaboração de uma cultura capaz de conjugar razão e sentimento, a uma concepção da vida sempre aberta ao sentido do «mistério», à edificação de estruturas econômicas e políticas mais ricas de humanidade.

Obrigado a ti, mulher-consagrada, que, a exemplo da maior de todas as mulheres, a Mãe de Cristo, Verbo Encarnado, te abres com docilidade e fidelidade ao amor de Deus, ajudando a Igreja e a humanidade inteira a viver para com Deus uma resposta «esponsal», que exprime maravilhosamente a comunhão que Ele quer estabelecer com a sua criatura.

Obrigado a ti, mulher, pelo simples fato de seres mulher! Com a percepção que é própria da tua feminilidade, enriqueces a compreensão do mundo e contribuis para a verdade plena das relações humanas."

Postar um comentário