7 de outubro de 2022

Mitos e verdades sobre alimentação na gestação


A gestação é um momento precioso que as mulheres vivem, é um verdadeiro milagre e dom de Deus. Seu corpo sofre alterações hormonais, fisiológicas e físicas para adaptar-se e gerar a nova vida que trará ao mundo. Acontecem também algumas mudanças nas necessidades alimentares da mamãe, já que ela terá de consumir alguns nutrientes em maior quantidade para o desenvolvimento saudável do neném.

É importante lembrar também que, quando a mulher descobre a gravidez, muitas perguntas surgem, por isso vamos conversar um pouco sobre aquelas dúvidas mais comuns. Vejamos:

A gestante não deve comer por dois, mas sim consumir pelos dois os nutrientes essenciais para a saúde da mamãe e do bebê. A palavra-chave é qualidade, e não quantidade. É natural que o apetite da mãe aumente, mas os acréscimos de calorias nas refeições só começam a ser feitos no segundo trimestre.

Créditos: by Getty Images / halduns / cancaonova.com

Consumo de cafeína

A cafeína é encontrada em alimentos a base de café, nos refrigerantes de Cola, em alguns chás e medicamentos. Estudos mostram que o alto consumo de cafeína pela mulher, durante a gestação, pode aumentar as chances de o bebê nascer antes do tempo, com baixo peso e maior risco de aborto. Porém, não há necessidade de cortá-lo da alimentação, mas apenas controlar seu consumo, já que a digestão da cafeína se faz um pouco mais lenta no organismo da mulher grávida.

Quanto posso consumir?

A grávida pode consumir até 300mg de cafeína por dia, o equivalente a quatro xícaras de café solúvel.


Chocolate

Ele não é um vilão das mamães como muitas imaginam, mesmo possuindo cafeína na composição, pois a porção é aceitável. O cuidado que se deve ter com seu consumo em excesso é que ele pode prejudicar a mulher com um ganho de peso excessivo e também provocar azia. O ideal é consumi-lo com equilíbrio e preferir as versões meio-amargas. De acordo com alguns estudos, esse tipo de chocolate [meio-amargo] pode prevenir complicações na gravidez como a pré-eclâmpsia (pressão elevada durante a gestação).

Carnes malpassadas / Vegetais crus

As carnes bovinas ou suínas consumidas de forma malpassadas devem ser evitadas para prevenir o que chamamos de contaminação cruzada, ou seja, que a mamãe se contamine com alguma bactéria, fungo ou até mesmo uma verminose, trazendo doenças para ela e para o bebê. Essa orientação vale também para os vegetais e ovos consumidos na sua forma crua. É necessário evitar esses hábitos no período de gestação.

Castanhas, nozes e amendoim

Um estudo nos mostra que mulheres que consumiram amendoim durante a gravidez favoreceram seus filhos a não desenvolverem asma. As contraindicações quanto a esses alimentos se voltam, no entanto, para as mulheres que tenham, na família, pessoas alérgicas a esses produtos. Nestes casos, estes alimentos devem ser evitados, para não produzir processos alérgicos e afetar o sistema imunológico da mãe e do bebê.

Cerveja aumenta a produção de leite

Posso dizer que o consumo da cevada é mais um mito que ronda as gestantes. Não existe comprovação científica que indique qualquer alimento que aumente a produção de leite materno. Pelo contrário, o consumo de álcool durante a gestação e durante o aleitamento materno é prejudicial tanto para mãe quanto para o bebê, já que o álcool atravessa a placenta e é metabolizada também por ela.

A grande dica, diante de tudo o que vimos, é ter uma alimentação equilibrada e específica para as gestantes, a fim de evitar excessos e carências tanto para ela quanto para seu filho. Incentivo as futuras mamães a procurarem um nutricionista ou profissionais da área para ter um acompanhamento específico que vá garantir sua saúde e de seu bebê.


Cristiane Zandim

Cristiane Pereira Zandim nasceu em Brasília / DF. É missionária na comunidade Canção Nova desde 2011. Cursou Nutrição na Universidade Universidade Federal Dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/saude-atualidade/mitos-e-verdades-sobre-alimentacao-na-gestacao/


5 de outubro de 2022

Intercedam no poder do Espírito Santo

No Novo Testamento, o ministério de intercessão é centrado em torno de dois advogados supremos – Jesus e o Espírito Santo. A intercessão é a oração ao Pai por meio de Jesus, conduzida e fortalecida pelo Espírito Santo. Aquilo que, normalmente, nós pensamos ser uma oração de intercessão é, na verdade, uma oração de petição. Sou eu dizendo a Deus o que eu gostaria que Ele fizesse. Mas quando intercedemos, nós deveríamos ser conduzidos e dirigidos pelo Espírito Santo quanto ao que rezar e como rezar.

Jesus prometeu aos Seus discípulos que Ele mandaria o Espírito Santo: "E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco" (Jo 14,16). Sendo esse "outro advogado" dado a nós, o Espírito Santo advoga por nós em nossa oração de intercessão. Outrossim, o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza, porque não sabemos o que devemos pedir nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis. E aquele que perscruta os corações sabe o que deseja o Espírito, o qual intercede pelos santos, segundo Deus. (Rm 8,26-27)

Muitas vezes, nós não sabemos como rezar, porque não temos compreensão plena da situação, as causas escondidas, a complexidade do problema etc. Não conseguimos prever o futuro. Não entendemos bem o que é melhor para nós ou qual o plano de Deus para nós. O Espírito Santo é o nosso parceiro orante interior, que vem em nosso auxílio na intercessão.

Créditos: by Getty Images / pra-chid / cancaonova.com

O Espírito nos ajuda a rezar

Precisamos ser abertos ao Espírito Santo em nossa intercessão, porque Ele nos ajuda a rezar estrategicamente. Existem muitas situações complexas na intercessão, que não temos como compreender na totalidade. Deveríamos permitir que o Espírito assuma o processo da intercessão.

Num sentido mais profundo, se nos questionarmos: "O que é a intercessão?", a resposta seria: é a oração pelos outros conduzida e energizada pelo Espírito Santo. O Espírito é o ator principal da intercessão. "Orai em toda circunstância pelo Espírito" (Ef 6,18). Em nossa intercessão, nós precisamos ser conduzidos e dirigidos pelo Espírito Santo.

"Quanto a vós, a unção que dele recebestes permanece em vós. E não tendes necessidade de que alguém vos ensine, mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, assim é ela verdadeira e não mentira. Permanecei nele, como ela vos ensinou." (1Jo 2,27) A nossa intercessão se torna eficiente por meio da força e da direção dada pelo Espírito Santo. Na intercessão, é importante saber para o que Deus quer que rezemos e, ao mesmo tempo, experimentar o poder do Espírito Santo, para que a oração seja efetiva.


A importância dos carismas

Os carismas vêm em nosso auxílio na intercessão. Os carismas, ou dons espirituais, existem para "o perfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo" (Ef 4,12). Uma boa maneira de explicar os dons espirituais é dizer que eles são como ferramentas ou recursos que transmitem poder para o nosso ministério. Tem hora que o Senhor revela ao intercessor situações de emergência, como uma tendência suicida de alguém, uma calamidade natural, um acidente, uma doença fatal etc. Essencialmente, a intercessão é um dom do Espírito Santo.

Existem outros carismas que podem ser usados durante o processo de intercessão, tais como: o dom de línguas, o dom de interpretação de línguas, palavra de ciência, palavra de sabedoria, discernimento dos espíritos, dom de profecia etc. Muitas vezes, não sabemos o que rezar nem como rezar. Outras vezes, quando estamos em um grupo, existem situações nas quais não podemos explicar em detalhes tudo a todos. Em todas essas ocasiões, o dom de oração em línguas vem como um poderoso meio de intercessão. O dom de línguas ajuda a pessoa a ficar focada na intenção e a não sair dos trilhos. A intercessão se torna muito mais eficaz quando ela é conduzida pelo poder do Espírito Santo.

Texto extraído do livro "Intercessão profética", de Cyril John.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/intercedam-no-poder-espirito-santo/

3 de outubro de 2022

Jesus vai voltar?

A história da salvação acontece em diversas etapas. Deus criou e organizou o homem na face da Terra, depois, escolheu um povo, a partir de Abraão. Com essa escolha, o Senhor passa a ter um povo sobre a Terra. Logo depois, o Seu povo, por meio de Moisés, recebe a Lei, ou seja, o modo como viver neste lugar. Tudo isso apontava para o dia mais importante da nossa salvação: a chegada de Jesus.

Paulo descreve em Gálatas: "Chegada a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho nascido de uma mulher" (Gl 4,4). Jesus vem, cumpre Seu papel de revelar o Pai, redime a humanidade morrendo na cruz, forma Sua Igreja enviando o Espírito Santo e estabelece um tempo para essa Igreja até que Ele volte.

Portanto, a espera da segunda vinda de Cristo é renovada todos os dias, no mundo inteiro, na liturgia eucarística, pela Igreja, ao dizer "todas as vezes que comemos deste pão e bebemos deste cálice, anunciamos, Senhor, a vossa morte, enquanto esperamos a vossa vinda".

Créditos: kieferpix by Getty Images/cancaonova.com

Os primeiros cristãos estavam preocupados com a segunda vinda de Jesus

Nenhum teólogo ou Igreja cristã tem dúvida se Jesus vai voltar. Quando os primeiros cristãos perguntaram se era o momento de Jesus restaurar Jerusalém – como encontramos no livro dos Atos dos Apóstolos -, Ele respondeu: "não cabe a vós saber o dia e a hora, não cabe a vós vos preocupardes com este momento" (At 1,7-8). Porém, Jesus não negou esse momento, Ele não disse que a Igreja não deveria se preocupar com esse assunto.

Vejamos: a Igreja acabara de nascer, tinha, agora, a missão de levar o Evangelho até os confins da terra como descrito no versículo 8 de Atos dos Apóstolos: "Descerá sobre vós o Espírito Santo, que lhes dará força e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, na Judeia e na Samaria e até os confins da terra".

A preocupação central da Igreja recém-nascida era levar a mensagem da salvação ao mundo inteiro. Para isso, seria revestida da força do Espírito Santo e não deveria preocupar-se tanto com a segunda vinda do Senhor.

Jesus deu sinais

Mas, apesar dos primeiros cristãos estarem focados em levar o Evangelho até os confins da terra, suas pregações traziam a visão escatológica. O capítulo 3 de Atos dos Apóstolos narra o milagre realizado por Pedro e João a caminho do templo. Esse fato assombrou o povo, que, atônito, acercou-se dos dois. Pedro, então, aproveita o momento para anunciar Jesus e convidá-los a crerem n'Ele, a se arrependerem e a se converterem, a fim de que os pecados lhes fossem apagados. Imediatamente, fala-lhes da segunda vinda do Senhor quando afirma: "Então enviará Ele o Cristo, que vos foi destinado, Jesus, a quem o céu deve acolher até os tempos da restauração de todas as coisas, das quais Deus falou pela boca de seus santos profetas" (At 3,20b-21).

Há um tempo estabelecido para a vinda do Senhor?

Também o apóstolo Paulo, na primeira das diversas cartas que escreveu, no livro mais antigo do Novo Testamento, já demonstrava preocupação com a segunda vinda do Senhor, como podemos constatar no capítulo 5, 23 da primeira epístola aos Tessalonicenses: "O Deus da paz vos conceda santidade perfeita; e que o vosso ser inteiro, o espírito, a alma e o corpo sejam guardados de modo irrepreensível para o dia da Vinda de nosso Senhor Jesus Cristo."

Tanto Pedro, o apóstolo dos judeus, como Paulo, o apóstolo dos gentios, trabalharam esse tema em suas pregações e escritos. Ao lermos Mateus, "e este Evangelho do Reino será proclamado no mundo inteiro como testemunho para todas as nações. E, então, virá o fim" (Mt 24,14), percebemos que há um tempo estabelecido para a vinda do Senhor. Este tempo está compreendido entre o início da propagação do Evangelho e a chegada dessa mensagem ao mundo inteiro.

Os anjos afirmam sobre a volta de Jesus

Em Atos, os anjos afirmam que, do mesmo modo que viram Jesus subir, o verão descer dos céus: "Os anjos disseram: 'Homens da Galileia, por que estais aí a olhar para o céu? Este Jesus que foi arrebatado dentre vós para o céu, assim virá do mesmo modo como o vistes partir para o céu'" (At 1,11). Também, no final dos Evangelhos, vemos Jesus dizendo de sua segunda vinda gloriosa e dos diversos sinais que antecedem esse evento.

Os primeiros cristãos cumpriram a missão de levar o Evangelho e advertiram a Igreja sobre a vinda gloriosa do Senhor. Cabe à Igreja dos dias atuais, ao identificar os diversos sinais precursores e constatar que o Evangelho está chegando aos confins da terra, se deter sobre este assunto com mais profundidade.

(Conteúdo extraído do livro "A Segunda Vinda de Cristo" da autoria de Miguel Martini)

Autor Miguel Martini é Fundador da Com. Renovada Santo Antônio de Pádua em Belo Horizonte (MG).


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/igreja/catequese/jesus-vai-voltar/

30 de setembro de 2022

Virgem Maria, a toda pequena


Um dos conselhos deste ano para a Comunidade é entrarmos na procissão com Nossa Senhora que na pequenez mostra o caminho seguro que é o próprio filho, Jesus Cristo.

comshalomIMAGEM COMSHALOM

Todos os anos o Conselho Geral da Comunidade Católica Shalom reúne-se em retiro para ouvir o Senhor e assim discernir a sua vontade para a Comunidade e, por meio de inspirações proféticas, Deus instrui, santifica, direciona e alimenta os membros da Comunidade no caminho missionário.

No ano de 2021 fomos visitados por uma imagem que muito nos impressionou:

"A imagem era a do Esposo Eucarístico saindo da capela da Diaconia (…) e formando atrás Dele uma grande procissão (…) Atrás de Jesus Eucarístico, Nossa Senhora toda pequena – continuamente essa imagem foi nos acompanhando durante o retiro de escuta -, com o seu manto cobrindo toda aquela procissão, todo aquele povo, uma multidão cheia de alegria e de júbilo."

Neste artigo desejamos dar algumas luzes para a meditação e aprofundamento desta imagem e de forma especial da maneira a qual Nossa Senhora apresentou-se a nós: a toda pequena!

A Pequena que conhece o caminho do Céu

Na imagem da procissão Maria está a um passo atrás de Jesus Eucarístico e o povo numeroso, composto por celibatários, sacerdotes, famílias, jovens, crianças, feridos, sãos … O seguem, rumo ao Pai. Um detalhe importante é que Maria, a toda pequena, a menor, está à frente de todo o povo. Podemos pensar: como é possível uma criatura tão pequena, até escondida estar nesse lugar? Ela não poderia "desaparecer" entre a multidão? Ela não tornaria imperceptível diante de tanto movimento?

Detalhe: Nossa Senhora "Toda Pequena"

Leia também| Entenda os elementos da imagem 

Para entendermos essa aparente contradição é preciso entrar na mentalidade evangélica. Da boa nova ministrada aos pobres, que retira do lixo o indigente e faz o pobre assentar-se entre os nobres (cf. Sl 113,8), que não se preocupa com o amanhã, mas confia inteiramente no Pai (cf. Mt 6, 36), que com alegria não se apega a sua condição, mas despoja-se de si (cf. Fl 2, 7), que exulta em saber que os grandes segredos do Pai foram revelados aos menores (cf. Lc 10, 21).

Essa procissão tem uma rota clara e bem definida: Jesus passa pelo mundo redimindo toda a humanidade e caminha em direção ao Céu, para o Pai e com Ele estamos nós:

"O Filho (…) está saindo deste mundo e redimindo toda a humanidade e erguendo-a ao Pai, levando-a para o Pai, introduzindo todo o povo que participa da procissão aos quatro cantos da terra."

Somos levados para o Pai, para o seu Reino, para a Vida Eterna mas, para adentrar na casa do Pai, Jesus dá orientações bem concretas, às vezes é bem enfático: "Filhos, como é difícil entrar no Reino dos Céus! É mais fácil um camelo passar pelo fundo da agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!" (Mc 10, 25). Neste caminho árduo da porta estreita é necessário empobrecer-se, pois se é impossível ao rico entrar no Reino dos Céu, Deus precisa fazê-lo pobre e pequeno.

"Bem- aventurados os pobres em espírito porque deles é o Reino dos Céus" (Mt 5,3), aos pequeninos, aos últimos, às crianças (cf. Mt 19, 14) pertence o Reino do Céu. A muitos santos o Senhor revelou esse caminho, que é capaz de conquistar o seu amoroso coração. Maria, a toda pequena e a mãe dos pequenos, caminha à frente nessa procissão, pois ela por excelência conheceu, experimentou e encarnou esse caminho de pequenez, que conduz ao Pai e lhe dá a posse do Reino dos Céus.

Seguindo os passos da Pequena

Vamos! Vamos! Rumo ao Céu seguindo os passos da Pequena, que como aurora aponta o Dia que vai chegando! Como São Bernando queremos invocar a proteção de Maria e aproveitar bem o benefício da sua oração. Para isso, é preciso "que não esqueças que tu deves caminhar sobre os passos de Maria".

Maria, jovem de uma pequena aldeia, de uma vida simples, na sua humildade atraiu o olhar do Todo Poderoso, Santa Elisabeth da Trindade ao falar de Maria no mistério da Encarnação afirma: "Conservava-se tão pequena, tão recolhida diante de Deus, no segredo do Templo, que atraiu sobre si as complacências da Santíssima Trindade". Ela toda escondida em Deus, na sua felicidade de criatura amada, pacificada em sua condição limitada, iluminada pela Verdade, inflamada pela Caridade, que é a face da humildade, foi olhada pelo Pai que "ao inclinar-se sobre esta criatura tão bela e tão indiferente à própria beleza" a fez mãe do seu próprio Filho.

A cheia de graça, Aquela que encontrou graça junto de Deus, admirada pelos anjos, amada de forma única por Deus, casa de ouro, de honras e elogios incalculáveis, mas que encontrou-se a humildade tão perfeita que nunca teve que reprimir o menor movimento de orgulho ou de vaidade. Na Encarnação disse ser a serva do Senhor e no Magnificat dá graças ao Altíssimo que se dignou olhar para a sua ínfima condição, trabalhou de maneira escondida e simples, na perfeita modéstia, na submissão à Lei.

Como é um disparate a humildade de Maria e o orgulho devastador dos degredados filhos de Eva. Quantas vezes somos capazes de perder tempo, como os discípulos discutindo quem é o maior? Fazemos exigência e às vezes pedimos até a quem amamos as glórias, podemos até perder o tempo da nossa oração e pedir a nossa Mãe que escolhamos o nosso lugar na glória (cf. Mt 20, 20-28). Quando a Virgem Maria escolheu de forma feliz os últimos lugares tão logo foi convidada para se aproximar do Rei, como na parábola da festa de casamento (Lc 14, 8 -9).

A via da humildade

Que Maria nos ensine a andar sob os passos da sua humildade, escolhendo o último lugar, aquele que não há disputa e que o Pai, no segredo, dá a recompensa que não passa. "O que Maria não pôde encontrar em si mesma, encontra naquele que é a soberana riqueza".

Maria consciente de sua pequenez e pobreza soube confiar em Deus, a sua soberania e grandeza não foi capaz de assustá-la, porque Ela não conservava no seu coração nenhuma glória mundana, somente a Glória de Deus! Por isso que um canto antigo elogia a Maria como aquela que para o homem clemência de Deus e do homem confiança em Deus.

Se no princípio "o homem preferiu a si mesmo a Deus" (Cf. Gn 3, 1-11) gerando a marca da desconfiança e do medo de Deus do pecado original, pelo caminho de abaixamento e humildade vivido por Cristo e seguido por Maria, é possível assumir a liberdade de confiar, sem restrições, em Alguém que é infinitamente maior que a si mesmo!

A Pequena que nos socorre

O Padre Garrigou-Lagrange define que Maria, em sua pequenez torna-se uma criatura ao mesmo tempo tão elevada e tão acessível a todos, tão eficaz e tão doce para levantar a todos. Em muitas orações é dirigida a ela o título de aurora da manhã, pois como a luz que dissipa as trevas e orienta os pobres no caminho.

Na imagem da Revista Escuta ainda há um sinal muito importante: Maria, a toda pequena, um passo atrás de Jesus, traz um manto desproporcional, muito grande, dinâmico que cobre a humanidade toda. Ela que sabe o caminho da procissão nos auxilia e protege em vista da conversão e da santificação.

Detalhe – Esposo Eucarístico, o mesmo que se encontra na Capela da Diaconia Geral

Neste caminho rumo ao Pai, Maria vem ao nosso socorro como a saúde dos enfermos, quantos testemunhos podemos dar das inumeráveis e providenciais curas ao longo da história obtidas por sua intercessão, e não somente para a cura dos corpos, mas também para trazer remédio às enfermidades da alma. Também a invocamos como refúgio dos pecadores, porque é sua mãe santíssima que detesta o pecado, mas acolhe e exorta seus filhos ao arrependimento, ajuda a libertar-se dos maus hábitos e a ter a reconciliação com Deus, como nas suas aparições (Fátima, Lourdes) ela insiste ao mundo o caminho da a conversão.

Maria, a pequena, é também a consoladora dos aflitos, pois "Não somente consola os pobres pelo exemplo de sua pobreza e pelo seu socorro, mas é particularmente atenta à nossa pobreza oculta; compreende a penúria secreta de nosso coração e assiste-nos". A Virgem Maria é também o auxílio dos cristãos, quantos testemunhos podemos dar que uma simples e pequena oração da Ave-Maria capaz de salvar, uma oração dos pequenos que cabe em qualquer lugar, que pode sair de quaisquer lábios e transformar qualquer situação.

Peçamos junto com Santo Ambrósio "Que a alma de Maria esteja em nós para glorificar o Senhor; que o espírito de Maria esteja em nós para exultar de alegria em Deus, nosso Salvador, para que seu reina venha a nós pelo cumprimento da sua vontade".

Vamos conhecer mais sobre a Mãe de Deus? 

A Virgem Maria" é o novo volume da Série Philippos. De autoria de Ana Paula Gomes, missionária da Comunidade de Vida Shalom, a obra pode ser considerada um pequeno manual de doutrina sobre a Mãe de Deus.  



Mariana Daros
Consagrada Comunidade de Vida
Assistência de Formação/ Pastoreio


Fonte: https://comshalom.org/virgem-maria-a-toda-pequena/


26 de setembro de 2022

Quando nos calamos, Deus se mostra e fala conosco

Estamos em um mundo marcado por muitos avanços científicos e tecnológicos, em que o ser humano tem ficado esquecido. As pessoas nunca têm tempo; mesmo os que não têm grandes responsabilidades sobre suas costas estão sempre entretidos com alguma coisa, todo mundo corre, quase ninguém para, e as pessoas já não sabem mais ouvir Deus.

Com a imprensa, o rádio, a televisão e a internet, a quantidade de informações descarregadas sobre cada um de nós é alucinante; em toda parte, há muito barulho, todo mundo fala, e o ouvido vai ficar calejado. Fala-se muito de coisas que nos cercam e muito pouco do que está dentro do nosso coração. A verdade é que "desaprendemos" a arte de escutar. Se não conseguimos dar ouvidos à pessoa que está perto de nós, a quem vemos e tocamos, como poderemos escutar Deus, cuja voz não impressiona os tímpanos?

Se um homem deixa o barulho e a agitação do mundo para procurar, no silêncio, o seu descanso, Deus se manifesta para ele. O Senhor prefere mostrar-se na suavidade da brisa a mostrar-se no estardalhaço do trovão.

O silêncio na oração

Na oração, Deus fala, escuta, Ele tem o que dizer a nós. Ele é o Absoluto, e, quando se manifesta, a melhor oração que podemos fazer é nos calar. Quando o homem cala, Deus fala.

Crédito: Pra-chid by GettyImages / cancaonova.com


Assim, em nossa oração, devemos fazer tudo o que está ao nosso alcance, para nos colocarmos na presença de Deus, que já estava ali à nossa espera. Quando percebemos que nos aproximamos do Senhor e estamos diante d'Ele, devemos calar, porque as palavras já não são necessárias; então, podemos contemplar e ser contemplados.

Não temos ideia do quanto Deus nos cura e liberta, neste momento de silêncio, quando só o amor transita.

Exemplo de Nossa Senhora

Ninguém mais que Nossa Senhora ouviu Deus, porque ninguém tanto quanto Ela se calou. Muitos acham que a Virgem Maria não é importante, pois as Sagradas Escrituras mostram que Ela quase não se pronunciou. Não percebem que é justamente aí que reside a importância dela. Quando ninguém deu lugar a seu Filho para nascer, Ela se calou; entre os doutores e diante da cruz, Ela também se calou. Ela sabia que a vitória que temos sobre o sofrimento está no silêncio.

Quem se cala ante o sofrimento, guarda-se só para Deus o perfume desse sacrifício; quem fala, dissipa-o. Nossa Senhora falou pouco, mas, quando abriu a boca, a criação estremeceu.

Que o Espírito Santo nos coloque no coração o desejo de guardar o silêncio sagrado, o mesmo que Maria honrou e guardou, tornando-se a mestra, a educadora de todos os que, de longe, perceberam a profundidade desse mistério, e agora anseiam por penetrá-lo!

Dê-nos, ó Senhor, um anjo para nos guardar nesse bom propósito.

Artigo extraído do livro: 'Quando só Deus é a resposta'



Márcio Mendes

Nascido em Brasília, em 1974, Márcio Mendes é casado e pai de dois filhos. Ex-cadete da Academia da Força Área Brasileira, Mendes é missionário da Comunidade Canção Nova, desde 1994, onde atua em áreas ligadas à comunicação. Teólogo, é autor de vários livros publicados pela Editora Canção Nova, dentre eles '30 minutos para mudar o seu dia', um poderoso instrumento de Deus na vida de centenas de milhares de pessoas.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/quando-nos-calamos-deus-se-mostra-e-fala-conosco/

19 de setembro de 2022

Quem são e como foram criados os santos anjos do Senhor?

A existência dos anjos é dogma de fé confirmado por vários Concílios, pela Sagrada Escritura e pela Tradição da Igreja que os apresenta nos escritos dos Santos Padres e dos Santos doutores.
O primeiro Concílio Ecumênico, que confirmou a existência dos seres espirituais, foi o de Nicéia, em 325, quando fala "dos seres invisíveis" criados por Deus.

O Magistério da Igreja confirmou a realidade dos anjos no Concílio de Latrão IV (1215), ao declarar contra o dualismo dos hereges cátaros: "Deus é o Criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis, espirituais e corporais; por sua onipotência, no início do tempo, criou igualmente, do nada, as criaturas espirituais e corporais, isto é, o mundo dos anjos e o mundo terrestre; em seguida criou o homem, que, de certo modo, compreende umas e outras, pois consta de espírito e corpo. O diabo e os outros demônios foram por Deus criados bons, mas por livre iniciativa tornaram-se maus. O homem pecou por sugestão do diabo" (DS 800 [428]).

São Paulo ensinava em sua primeira Carta aos fiéis de Colossos: "Nele, foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as criaturas visíveis e invisíveis, Tronos, Dominações (ou Soberanias), Principados, Potestades (ou Autoridades): tudo foi criado por Ele e para Ele" (Cl 1, 16).

Créditos: KavalenkavaVolha by Getty Images/cancaonova.com

Catecismo da Igreja

O Catecismo da Igreja afirma, sem hesitação, a existência dos anjos: "A existência dos seres espirituais, não-corporais, que a Sagrada Escritura, chama habitualmente de anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura a respeito é tão claro quanto a unanimidade da Tradição" (§ 328).
O Papa Pio XII, na sua encíclica Humani Generis (1959), reafirmou que os anjos são "criaturas pessoais", dotadas de inteligência sagaz e vontade livre (DS 3891).

Anjos dos pequeninos!

São Gregório Magno, doutor da Igreja (540-604), dizia que "cada página da Revelação escrita atesta a existência dos Anjos". A presença e a ação dos anjos bons e maus estão a tal ponto inseridas na história da salvação, na Sagrada Escritura e na Tradição da Igreja, que não podemos negar a sua existência e ação, sem destruir a Revelação de Deus. Eles são mencionados mais de 300 vezes na Bíblia.

O Catecismo lembra que "Cristo é o centro do mundo angélico" (§ 331). Eles pertencem a Cristo porque são criados por Ele e para Ele, como disse São Paulo (cf.Cl 1, 16). O Catecismo nos ensina ainda que: "Ainda aqui, na terra, a vida cristã participa, na fé da sociedade bem-aventurada dos anjos e dos homens, unidos em Deus" (§ 336).
Os anjos são servidores e mensageiros de Deus, como diz o salmista: poderosos executores da sua palavra, obedientes ao som da sua palavra (Sl 103,20).

Jesus disse que os anjos dos pequeninos contemplam, "constantemente, a face de meu Pai que está nos céus" (Mt 18,10), e a Igreja viu aí uma alusão ao Anjo da Guarda, guardião do corpo e da alma dos homens, cuja Festa celebra, liturgicamente, no dia 2 de outubro, desde o século XVI, universalizada pelo Papa Paulo V, depois que Leão X, em 1508, aprovou o ofício composto por João Colombi.

Muitas coisas São Tomás deixou escritas sobre os anjos. Também Santo Agostinho e outros santos doutores.
Santo Agostinho afirmou que: "Só conheceremos a natureza dos anjos de modo perfeitamente claro, quando estivermos, para sempre, unidos a eles na posse da bem-aventurança eterna" (Enchiridion, cap. 58).

Criação dos anjos

Para São Tomás, a criação dos anjos, os seres que mais se assemelham a Deus (puros espíritos), é necessária para a perfeição do universo. Os anjos possuem o intelecto superior ao dos homens, que, neste caso, depende dos sentidos. Para o anjo, o intelecto puro pode compreender as realidades sem a necessidade dos sentidos. Em outras palavras, o anjo pode intuir, conhecer, sem precisar raciocinar.

Sobre essa maneira de conhecer as realidades, São Tomás ensina que: "O intelecto angélico é um verdadeiro quadro pintado ou melhor ainda, um espelho vivo que o anjo precisa apenas contemplar para conhecer as coisas naturais deste mundo" (De Veritate, questão 8, e 9). Os Concílios de Latrão IV e Vaticano I afirmaram que: "Deus, com sua virtude onipotente, no início dos tempos, simultânea e igualmente, criou uma e outra criatura, a espiritual e a corporal, isto é, a angélica e a material e depois a humana; esta, composta de espírito e de corpo".

O que eles podem fazer?

Os anjos, por seu intelecto muito mais perfeito do que o nosso, podem prever certos acontecimentos futuros que dependem de leis físicas, que eles conhecem; é o que ensina São Tomás. Podem mesmo prever acontecimentos que dependem de leis naturais, como os fenômenos meteorológicos, mortes, destruições de cidades, fome, epidemias, etc. Isto não quer dizer que o anjo seja onisciente (sabe tudo); é apenas fruto do entendimento mais penetrante que ele tem das coisas; mas não pode pressupor um acontecimento imprevisível.

O mesmo se pode dizer dos demônios. Eles só podem conhecer os fatos futuros desde que as causas que o determinam existam e não possam ser impedidas por outras, ou provocadas por ações de vontades livres.
São Tomás afirma que só por uma revelação especial de Deus os anjos podem conhecer o futuro que dependa de uma vontade livre ou de uma causa fortuita (causa que não depende de leis naturais).

Segundo São Basílio Magno, doutor da Igreja (330-369): "Os anjos não foram criados como crianças imperfeitas, que aos poucos foram se aperfeiçoando pelo exercício, de tal forma que se fizeram dignos e receber o Espírito Santo. Ao contrário, desde o primeiro instante de sua existência, juntamente e em conjunto com a sua substância, receberam a santidade, isto é, a Graça Santificante (In Psalm., homilia 32,4).criados?

Anjos de Deus!

Santo Agostinho diz que: "Deus criou os anjos dando-lhes a natureza e infundindo-lhes ao mesmo tempo a Graça" (A Cidade de Deus; lv.XII, 9,9). São Tomás, sobre a perfeição dos anjos, ensina na Questão LXII da sua Suma Teológica, entre outras coisas que: "O anjo, tão logo realizou o primeiro ato de caridade (amor a Deus), mereceu a bem-aventurança e tornou-se, imediatamente, bem-aventurado" (Art. V). "É razoável supor-se que os anjos receberam os dons da Graça e a perfeição da bem-aventurança, de acordo com o grau de sua perfeição natural" (Art.VI ). "Os anjos bem-aventurados não podem pecar" (Art. VIII). "Os anjos bem-aventurados não podem aumentar o merecimento nem progredir, quando já na bem-aventurança" (Art.IX).

Com relação ao lugar onde o anjo se encontra, São Tomás ensina, na Questão III da Suma Teológica, o seguinte: "Os anjos não estão em um lugar, tal como os corpos, isto é, de uma maneira própria e circunscritiva, mas de uma maneira que transcende o lugar" (Art. I).

A Igreja conhece o nome dos Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, cuja festa litúrgica é no dia 29 de setembro.
Os Anjos participaram ativamente na vida de Jesus, desde o anúncio de sua concepção no seio da Virgem Maria até a sua Ascensão ao Céu. E Cristo voltará com eles em sua glória no fim da História.



Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos", na Rádio apresenta o programa "No Coração da Igreja". Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br e Twitter: @pfelipeaquino


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/igreja/catequese/quem-sao-e-como-foram-criados-os-santos-anjos-do-senhor/

16 de setembro de 2022

Se você quer que Deus o escute, ouça-o primeiro

A maioria das pessoas acredita em coincidência, mas a vida foi me mostrando que nada é por acaso, que não cai um fio de cabelo sem que Deus o saiba. Não tenho dúvidas de que este texto é para você; e uma coisa é certa: foi o próprio Jesus quem o colocou em suas mãos, porque o ama e se interessa por você.

Há algumas coisas que Deus quer que você saiba. Ele o tem visto ocupado, com a cabeça sempre cheia; também o tem visto, algumas vezes, triste e cansado. Por isso, Ele quer falar com você.

As coisas podem ser diferentes. Pode ser que, muitas vezes, você tenha dificuldade em escutá-Lo e acabe acreditando que Ele não ouve as suas orações. O Senhor, no entanto, tem coisas para lhe falar, perguntas para responder. Ele também quer escutar você.

Créditos: kieferpix by Getty Images/cancaonova.com

Pare e escute

Se você quer que Deus o escute, então, procure ouvi-Lo primeiro.

O Senhor quer fazer mais do que ouvir, Ele quer lhe dar uma prova do que pode fazer em seu favor, quer abastecê-lo com Sua graça. Esteja preparado porque o que Deus tem para você vai além do que imagina! Antes mesmo de terminar esta página, você já terá feito uma experiência que superará suas expectativas.

Deus é bom, e o que Ele tem para você é maravilhoso! Deixe que Ele lhe mostre!


Amor misericordioso

Não se trata de aprender mais coisas, e sim de fazer uma experiência. Você vai experimentar Deus! De uma maneira diferente, mas muito concreta, você vai tocar o Senhor. Experimentará o que muitos chamam de poder de Deus e que eu chamo de "Amor misericordioso do Senhor, que atua salvando e curando" todos os que d'Ele precisam.

Deus pode tudo! É Ele quem virá ao seu encontro. O que digo, não digo por mim mesmo; foi o próprio Senhor quem nos assegurou: "Eu vos darei um coração novo e um espírito novo". Ele está disposto a lhe fazer isso, hoje.

Eu tenho a certeza de que Ele não falhará com você. Acredito que sua vida jamais será a mesma depois de tê-lo deixado agir em seu coração. Não se preocupe! Você verá como Jesus tem o poder de libertá-lo de toda tristeza, do sentimento de vazio e devolver o sentido à vida dos que o buscam com fé.

Eu mesmo experimentei e tenho visto isso se realizar na vida de tantas pessoas. Uma vida completamente diferente, mais rica e mais feliz. É o que o espera, é o que Senhor tem para você.



Márcio Mendes

Nascido em Brasília, em 1974, Márcio Mendes é casado e pai de dois filhos. Ex-cadete da Academia da Força Área Brasileira, Mendes é missionário da Comunidade Canção Nova, desde 1994, onde atua em áreas ligadas à comunicação. Teólogo, é autor de vários livros publicados pela Editora Canção Nova, dentre eles '30 minutos para mudar o seu dia', um poderoso instrumento de Deus na vida de centenas de milhares de pessoas.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/se-voce-quer-que-deus-o-escute-ouca-o-primeiro/