18 de junho de 2024

A Igreja Católica e o aborto

A Igreja Católica é categoricamente contra o aborto provocado em qualquer circunstância.

Este artigo pretende apresentar a doutrina da Igreja acerca da defesa da vida em seus mais diversos documentos, discursos dos Santos Padres, santos e grandes personalidades católicas.

Antes de mais nada, é necessário entender que a defesa do aborto não apenas não é espontâneamente, como também é parte de um nefasto ecossistema acertadamente entitulado por São João Paulo II de cultura de morte.

A cultura de morte e suas faces

Na Solenidade da Anunciação do Senhor — e não haveria festa litúrgica mais oportuna — de 1995, São João Paulo II nos dava aquela que seria uma de suas mais importantes e proféticas encíclicas, a Evangelium vitae  (Evangelho da Vida — EV). Tratava-se de uma reafirmação precisa e firme do valor da vida humana e de sua inviolabilidade1.

As palavras do Santo Padre assumem um tom profético especialmente quando escancara a luta dramática do nosso tempo entre a cultura da morte e a cultura da vida 2. Aborto, eutanásia, contracepção, controle de natalidade, estão todos debaixo de um mesmo guarda-chuva, de uma mesma mentalidade, de uma mesma cultura que relativiza o valor da vida humana, sob disfarces de progresso científico, reforma social e direitos humanos.

Essa mesma cultura foi chamada pelo Papa Francisco de Cultura do Descarte: o descarte dos idosos, o descarte dos pobres, o descarte das crianças, em especial das crianças por nascer. Novas vidas são vistas como impedimentos, vidas antigas são obstáculos.

Controle de natalidade

Vende-se a ideia do controle de natalidade como uma reforma social, ideia que Chesterton genialmente comparou ao dizer que seria como afirmar que a decapitação é um avanço para a odontologia — é inútil praticar a odontologia em cadáveres ou a filantropia com os não nascidos 3.

Contracepção

Por meio da contracepção, contradiz-se a verdade integral do ato sexual enquanto expressão própria do amor conjugal 4, dissociando-o de uma de suas duas características — a procriativa — ou, nas palavras do famoso polemista britânico3, pretende-se gozar do prazer que advém de um processo natural, ao mesmo tempo em que se frustra esse processo de forma violenta e antinatural.

Aborto e eutanásia

Aborto e eutanásia opõe-se à virtude da justiça e violam diretamente o preceito divino "Não matarás"5. A vida que requereria mais acolhimento, amor e cuidado, é reputada inútil ou considerada como um peso insuportável, e, consequentemente, rejeitada sob múltiplas formas6. Nessa cultura do descarte, doentes terminais têm sua morte antecipada e veem tolhido seu direito a uma morte digna; bebês ainda no ventre materno diagnosticados com síndromes são abortados de forma eugênica, fruto de uma mentalidade que acolhe a vida apenas sob certas condições, e que recusa a limitação, a deficiência, a enfermidade7.

Sobre a face específica do aborto, em virtude da tramitação da ADPF 442 que visa descriminalizar o aborto até 12 semanas, gostaríamos de reafirmar o posição da Igreja Católica.

A Igreja Católica é contra o aborto

A Igreja Católica sempre foi contra o aborto

A tradição da Igreja sempre considerou a vida humana como algo que deve ser protegido e favorecido, desde o seu início, do mesmo modo que durante as diversas fases do seu desenvolvimento8.

O primeiro catecismo da Igreja, escrito por volta do ano 150 d.C., a Didaqué, já trazia em seus primeiros capítulos: Não mate a criança no seio de sua mãe e nem depois que ela tenha nascido9.

mãe segurando o pé de seu recém nascido, significando a posição da igreja católica contra o aborto

Em 197 d.C., Tertuliano escreveu em sua obra mais famosa: "Impedir um nascimento é simplesmente uma forma mais rápida de matar um homem, não importando se mata a vida de quem já nasceu, ou põe fim a de quem está para nascer. Esse é um homem que está se formando, pois tendes o fruto já em sua semente10.

A Congregação para Doutrina da Fé, na sua Declaração sobre o aborto provocado, remonta a um breve histórico de condenações ao aborto ao longo da história da Igreja11:

  • O primeiro Concílio de Mogúncia, em 847 d.C., confirma as penas estabelecidas por Concílios precedentes contra o aborto; e determina que seja imposta a penitência mais rigorosa às mulheres "que matarem as suas crianças ou que provocarem a eliminação do fruto concebido no próprio seio"
  • O Decreto de Graciano (1140 d.C.) refere estas palavras do Papa Estêvão V: "É homicida aquele que fizer perecer, mediante o aborto, o que tinha sido concebido"
  • Santo Tomás, Doutor comum da Igreja, ensina no seu Comentário sobre as Sentenças que o aborto é um pecado grave contrário à lei natural por volta de 1252 d.C.
  • Nos tempos da Renascença, o Papa Sisto V condena o aborto com a maior severidade na bula Effraenatam (1588).
  • Um século mais tarde, Inocêncio XI reprova as proposições de alguns canonistas « laxistas », que pretendiam desculpar o aborto provocado antes do momento em que certos autores fixavam dar-se a animação espiritual do novo ser.

A Igreja Católica ainda é contra o aborto

O ensinamento da Igreja Católica a respeito do aborto permanece o mesmo. E a prova cabal disso são os documentos e pronunciamentos dos Santos Padres e do Concílio Vaticano II.

Pio XI escreveu em sua encíclica Casti connubii:

Aqueles, enfim, que têm o supremo governo das nações e o poder legislativo não podem licitamente esquecer-se de que é dever da autoridade pública defender a vida dos inocentes com leis oportunas e sanções penais, tanto mais quanto menos se podem defender aqueles cuja vida está em perigo e é atacada, entre os quais ocupam, sem dúvida, o primeiro lugar as crianças ainda escondidas no seio materno12

Pio XII excluiu toda possibilidade de aborto direto, ou seja, aquele que é intentado como um fim ou como um meio para o fim:

Até ao momento em que um homem não se tornar culpado, a sua vida é intocável; e por isso é ilícito todo e qualquer acto que tenda directamente para destruí-la, quer essa destruição seja intentada como fim, ou somente como meio para o fim, quer se trate de uma vida no seu estado embrionário ou já no seu desenvolvimento pleno ou, ainda, prestes a chegar ao seu termo 13

João XXIII, na encíclica Mater et Magistra, reforçou o caráter inviolável da vida:

A vida humana é sagrada: mesmo a partir da sua origem, ela exige a intervenção direta da ação criadora de Deus. Quem viola as leis da vida, ofende a Divina Majestade, degrada-se a si e ao gênero humano, e enfraquece a comunidade de que é membro. 14

Paulo VI, na Constituição Pastoral Gaudium et Spes:

São João Paulo II, Papa, segurando uma criança; Na Igreja Católica, ele foi um grane baluarte na luta contra o aborto.

O aborto e o infanticídio são crimes abomináveis15

Dentre todos os crimes que o homem pode realizar contra a vida, o aborto provocado apresenta características que o tornam particularmente grave e abjurável16

João Paulo II discorre extensamente sobre o aborto na Evangelium Vitae já citada neste artigo:

Bento XVI, em especial, aos Bispos do Quênia, em visita Ad limina, disse que o aborto nunca pode ser justificado.

O Papa Francisco, por sua vez, sempre foi claramente contrário ao aborto. Poucos dias depois da legalização do aborto na Argentina, ele declarou:

"No século passado, o mundo todo se escandalizou com o que faziam os nazistas para cuidar da pureza da raça. Hoje fazemos o mesmo, mas com luvas brancas de ferro".

A legalização do aborto e o fracasso da nossa sociedade

Zilda Arns, médica sanitarista, fundadora da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, ferrenha combatente na luta pela redução da mortalidade infantil e, por sua atuação, indicada diversas vezes ao Nobel da Paz, deu uma entrevista contundente, apontando que considerar o aborto como solução significava o fracasso da nossa sociedade:

Tentar solucionar problemas, como a gravidez indesejada na adolescência, ou atos violentos, como estupros e os milhares de abortos clandestinos realizados a cada ano no País, com a legalização do aborto, é uma ação paliativa, que apontaria o fracasso da sociedade nas áreas da saúde, da educação e da cidadania e, em especial, daqueles que são responsáveis pela legislação no país. Não se pode consertar um crime com outro ainda maior, tirando a vida de um ser humano indefeso17.

Uma oração em defesa da vida para todos os católicos

Em momentos como esse, além de ação política de pressionar os parlamentares que votamos, para que representem nossa posição, e nos posicionar publicamente como contrários ao aborto, devemos também — e em primeiro lugar — suplicar a Deus pelas almas das crianças inocentes e pedir para que não permita que manobras como a ADPF 442 sejam feitas. 

Nestes dias, Santa Gianna Beretta Molla é um grande luzeiro humano e espiritual. A santa italiana decidiu continuar com a gravidez de seu quarto filho, em vez submeter-se a um aborto, como lhe sugeriam os médicos para salvar sua vida de um câncer.  Foi canonizada em  2004 pelo então Papa João Paulo II, que a tornou padroeira da defesa da vida.
Por isso, convidamos todos a se unirem a nós rezando a Novena a Santa Gianna, disponível no nosso blog.

Referências

  1. EV, n. 5[]
  2. EV, n. 50[]
  3. G.K. Chesterton, Reforma social versus controle de natalidade, disponível em A Superstição do Divórcio e outros ensaios sobre a família, a mulher e a sociedade[][]
  4. EV, n. 3[]
  5. EV, n. 13[]
  6. EV, n. 12[]
  7. EV, n. 14[]
  8. Declaração sobre o aborto provado, n. 6[]
  9. Didaqué, Cap II, 2[]
  10. Apologia, IX[]
  11. Declaração sobre o aborto provado, n. 7[]
  12. Casti connubii, 67, disponível em Rumo a Santidade[]
  13. Discorsi e radiomessaggi, VI, p. 191, citado em Declaração sobre o aborto provado, n. 15[]
  14. Mater et Magistra, 193[]
  15. Gaudium et Spes, 51[]
  16. Evangelium Vitae, 58[]
  17. IHU Online – "Sou absolutamente contra o aborto" – Unisinos[]

12 de junho de 2024

Possessão demoníaca: discernimento e sinais

Como discernir quais são os sintomas de uma possessão demoníaca?

Essa pergunta não é tão difícil de ser respondida, uma vez que é somente necessário entender do que se trata uma possessão demoníaca.

A primeira realidade que precisa estar clara é que uma possessão demoníaca é possível, e que o próprio Jesus, nos Evangelhos, demonstra essa verdade expulsando o demônio, como por exemplo, no Evangelho de Marcos, capítulo 5; em Mateus, nos capítulos 8, 9, 12, e em outros… Os apóstolos, no capítulo 10 do Evangelho de Lucas, atestam o poder do Nome de Jesus quando dizem:

"Senhor, até os demônios nos obedecem por causa do Teu nome" (Lc 10,17).

Na tradição da Igreja, nos relatos e na vida dos santos, também é possível ver claramente essa realidade da ação demoníaca direta sobre uma pessoa.

Ação direta do demônio sobre uma pessoa

Quando nós falamos de uma ação direta do demônio sobre uma pessoa, a Igreja, com o passar do tempo e com a experiência, pôde pontuar algumas realidades que, se observadas e somadas, nos levam a um tipo maior de discernimento para concluirmos se se trata ou não de uma ação extraordinária do Mal sobre aquela pessoa.

Em geral, os sintomas de uma possessão diabólica são tão claros, e de certa forma até extraordinários, que, chegar a um discernimento não é difícil. É claro que aqui estou falando de um discernimento feito por pessoas preparadas para isso, que estão acostumadas com as realidades espirituais.

Podemos dizer que, quando falamos de uma possessão diabólica, estamos falando de uma ação do demônio diretamente sobre uma pessoa, na qual o demônio começa a ter um certo domínio sobre o corpo da pessoa, sobre os seus movimentos, sobre a sua fala e ações. A pessoa que sofre tal ação do Maligno não tem, de certo modo, responsabilidades sobre os seus atos, uma vez que não está em posse de sua plena liberdade de fazer escolhas. Só por isso já poderíamos ter, de inicio, um bom discernimento; porém, é verdade que existem certos tipos de doenças mentais que podem chegar muito próximas aos "traços" de uma possessão diabólica, por isso a Igreja nos ensina, dentro do próprio ritual dos exorcismos, mais alguns critérios que podem nos servir como ajuda no discernimento.

Em geral, uma pessoa que está sofrendo uma ação direta do demônio ficará muito incomodada em estar presente em momentos fortes de oração, seja em momentos de orações comunitárias, na oração do Santo Terço, em momentos de louvores, no Grupo de Oração e, de modo muito acentuado, na Santa Missa.

É importante frisar que uma pessoa que sofre de uma possessão diabólica não está constantemente em "transe", por isso pode levar uma vida normal, tendo, em alguns momentos, certos tipos de manifestações específicas. Por isso que frisei, em primeiro lugar, os momentos de oração, pois isso incomoda muito o demônio. Também é comum que pessoas que sofrem essa ação extraordinária do demônio, que é a possessão, acabam por experimentar outros tipos de ações do demônio, como por exemplo, obsessões diabólicas ou vexações diabólicas.

O que diz o Ritual Romano

O Ritual Romano indica alguns outros sinais que podem nos ajudar no discernimento e diagnóstico. É bom reforçar que sinais isolados precisam ser bem averiguados para se discernir com precisão, mas que, quanto mais sinais destes que serão apresentados forem possíveis confirmar, maior se torna a possibilidade de uma real possessão diabólica.

Assim descreve o Ritual Romano:

"Segundo a prática comprovada, consideram-se como sinais de possessão do demônio: dizer muitas palavras de língua desconhecida ou entender quem assim fala; revelar coisas distantes e ocultas; manifestar forças acima da sua idade ou condição natural. estes sinais podem fornecer algum indício. Como, porém, os sinais deste gênero não são necessariamente atribuíveis à intervenção do diabo, convém também atender a outros, sobretudo de ordem moral e espiritual, que manifestem de outro modo a intervenção diabólica, como por exemplo a aversão veemente a deus, ao santíssimo Nome de Jesus, à Bem-aventurada virgem Maria e aos santos, à igreja, à Palavra de deus, a objetos e ritos, especialmente sacramentais, e às imagens sagradas. Finalmente, por vezes é preciso ponderar bem a relação de todos os sinais com a fé e o combate espiritual na vida cristã, porque o Maligno é principalmente inimigo de deus e de tudo o que relaciona os fiéis com a ação salvífica". (Ritual Romano, Prel. 16)

Em síntese, esse são os sinais:

Falar ou compreender línguas desconhecidas:

Durante a manifestação diabólica, o possesso pode falar perfeitamente ou compreender línguas que nunca aprendeu e com as quais nem mesmo teve algum tipo de contato.

Estas línguas podem ser línguas atuais, modernas, e até mesmo línguas mortas. Consideram-se línguas mortas o idioma que não possui mais falantes nativos, e somente há registros de sua escrita. Por exemplo o Latim, o Fenício, sânscrito, e outras mais.

– Revelação de coisas ocultas ou distantes:

Durante a manifestação diabólica, o demônio pode, através do possesso, revelar realidades e acontecimentos escondidos e esquecidos das pessoas que estiverem presentes durante o ritual do exorcismo ou oração de libertação.

É possível também que o possesso revele um segredo ou um pecado escondido que não foi confessado ou que não houve verdadeiro arrependimento.

O demônio pode saber o nome de pessoas, sem que o possesso nem mesmo conheça essas pessoas. Pode dizer fatos que estão acontecendo em outros lugares naquele exato momento.

– Força física além do natural e outros sinais corporais:

Durante a ação diabólica, o possesso pode manifestar uma força que é desproporcional em relação à sua idade ou até mesmo em relação às suas condições físicas. Por exemplo, uma jovem franzina precisar de quatro homens fortes para segurá-la durante a possessão, ou ainda, uma pessoa de idade e até mesmo debilitada fisicamente ganhar agilidade e força desproporcional em relação à sua condição física atual.


– Aversão ao Sagrado:

Tudo o que é sagrado ou remete ao sagrado gera um certo incômodo a pessoa. Se não estiverem possessas naquele momento, qualquer momento de oração gerará certa agitação na pessoa ou fará com que ela se sinta mal fisicamente, com mal estar, fraquezas, ânsias de vômito, ódio e raiva sem explicações.

Não conseguem usar com frequência sacramentais atados ao seu corpo, passam mal ao entrar em igrejas, quando dado água benta a estas pessoas, muitas reclamam do sabor amargo.

Portanto, esses são apenas alguns sinais que podem demonstrar uma real possessão diabólica numa pessoa, o que faz com que nada mais se veja no campo da  medicina ou no campo humano. Sendo assim possível, chegarmos a um discernimento mais apurado.

Mas faço questão de frisar mais uma vez: esse campo do discernimento e da oração por tais pessoas, só devem ser realizados por pessoas habilitadas e que saibam o que está sendo feito.

Danilo Gesualdo
Missionário da Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/possessao-demoniaca-discernimento-e-sinais/

10 de junho de 2024

Existe uma forma de curar a soberba e o orgulho?

Esse é um problema universal em todas as línguas, em todos os tempos. Desde o pecado original do orgulho de Adão e Eva, todos e cada um de nós nascemos dentre um mundo de natureza soberba, que é a natureza de se rebelar. Nós tendemos a pensar que nossa carne é capaz de todas as coisas e que podemos ser autônomos, temos o direito de fazer as coisas.

Aprendamos com os padres do deserto. Certa vez, um discípulo se aproximou desse velho padre do deserto e perguntou com reverência, chamando-o de pai: "Pai, que palavras de sabedoria, que herança o senhor poderia nos deixar?" O padre então, após um longo silêncio, respondeu: "Filhos, em todos os meus anos, eu tenho aprendido apenas duas coisas: uma como uma criança, e a outra eu batalhei duramente durante toda a minha vida com todas as minhas forças. O que eu aprendi como uma criança foi que verdadeiramente há um Deus! A segunda, que eu batalhei em toda a minha vida, é: eu verdadeiramente não sou Ele."

A raiz dessa doença

A causa raiz do orgulho é a nossa herança orgulhosa herdada de nossos antepassados, dos nossos pais. Deles nós temos herdado nosso próprio desejo carnal vazio, que anseia a presença do doce hóspede da alma, que é o Espírito Santo de Deus. Pela nossa natureza pecadora, nós caímos no que nós não somos capazes de fazer e também naquilo que não é para fazermos, mas fazemos. São Paulo aos romanos (7,24) nos adverte: "Quem me libertará desta minha carne que me leva direto para a morte?".

Existe uma forma de curar a soberba e o orgulho

Foto Ilustrativa: wasja by Getty Images / cancaonova.com

Outra causa é a falta de desejo de nos rendermos ao senhorio do Senhor Jesus Cristo. Nós nos acostumamos tanto a fazer as coisas do nosso jeito, que não vemos outro caminho — e é normal pensar assim —, e nos mantemos presos ao nosso próprio ego. Quando tomamos esse caminho, passamos a ser deus de nós mesmos. Como todo deus que se prese, tem que fazer de tudo para controlar as coisas para que tudo dê certo. Assim vêm as grandes derrotas, pois não conseguimos controlar as coisas e as pessoas, aí, ao primeiro dissabor, já experimentamos o grande fracasso do vazio espiritual e o espírito de culpa. Como pudemos errar se planejamos tudo do melhor jeito? Somente quando nos rendemos ao senhorio do Senhor Jesus podemos ser livres.

Mais uma causa é a falta de vida de fé e oração constante e de crer piamente em Deus. Somente numa vida no Espírito podemos derrotar a nós mesmos (ego) e o pecado.

Três motivos para a humildade

1. O primeiro motivo é que nos fortalecemos como seres humanos. Vemos isso nos anjos e em Jesus como Filho do homem, totalmente submisso à vontade de seu Pai (Jo 5,19).

2. O segundo motivo para se humilhar é que isso me convence como pecador. Nós somos chamados à vida nova pelo Espírito do Cristo Vivo dentro de nós, e nós não podemos fazer nada sem Ele.

3. O terceiro motivo é que isso me confirma como santo. Devemos viver pela graça e assim nos perdermos no amor de Cristo, um amor redentor.

Estratégia de aconselhamento

Como devemos aconselhar alguém sobre a quebra da soberba e do orgulho? São 13 passos que devemos percorrer e completar:

1. Fazer um exame de consciência bem feito, nas profundezas do coração, e reconhecer que sem Jesus Cristo nada podemos fazer.

2.Ladainha da humildade:

Jesus manso e humilde de coração, cura-me!
Do desejo de ser estimado, liberta-me, Ó Jesus!
Do desejo de ser amado, liberta-me, Ó Jesus!
Do desejo de ser exaltado, liberta-me, Ó Jesus!
Do desejo de ser honrado, liberta-me, Ó Jesus!
Do desejo de ser louvado, liberta-me, Ó Jesus!
Do desejo de ser preferido aos outros, liberta-me, Ó Jesus!
Do desejo de ser consultado, liberta-me, Ó Jesus!
Do desejo de ser aprovado, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser humilhado, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser desprezado, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser repreendido, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser caluniado, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser esquecido, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser ridicularizado, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser enganado, liberta-me, Ó Jesus!
Do medo de ser suspeito, liberta-me, Ó Jesus!
Que os outros podem ser mais amados do que eu
Jesus, dá-me a graça de desejar isso.
Que outros possam ser mais estimados do que eu
Jesus, dá-me a graça de desejar isso.
Que na opinião do mundo outros podem aumentar, e eu, diminuir
Jesus, dá-me a graça de desejar isso.
Que outros possam ser escolhidos, e eu, deixado de lado
Jesus, dá-me a graça de desejar isso.
Que outros possam ser aclamados, e eu, ignorado
Jesus, dá-me a graça de desejar isso.
Que outros possam ser preferidos a mim em tudo
Jesus, dá-me a graça de desejar isso.
Que outros possam se tornar mais santos do que eu; faça que eu possa me tornar tão santo quanto eu deveria
Jesus, dá-me a graça de desejar isso.
Amém!

Alegre-se pela alegria do próximo

3. Rejubilar na sua fraqueza: este exercício fará você se manter mais humilde, aberto à graça. Ajudará no caminho da verdadeira compaixão, e não da pena, tornando-lhe mais compassivo com os erros dos outros, fazendo-lhe menos julgador.

4. Alegre-se quando o outro está exaltado: essa exaltação faz com que você melhore, pois eles são seus irmãos e suas irmãs.

5. Aceite toda humilhação e provas; por todos seus pecados, você merece muito mais.


7. Torne-se um servo humilde: tenha sempre em seu caminho o exemplo de Jesus, que disse que não veio ao mundo para ser servido, e sim para servir.

8. Interceda diariamente por aqueles ao seu redor para que cresçam em sabedoria, santidade e graça.

9. Nunca condene, ao contrário, entenda que, pela graça de Deus, vou eu, faço eu!

10. Medite em frente à cruz de Cristo.

11. Receba a Eucaristia frequentemente. Entenda que cada vez que você O recebe, você se torna osso com Seu osso, santidade com Sua santidade e humildade com Sua humildade.

12. Humilhe-se indo à confissão mais frequentemente. Sempre comece dizendo: abençoe-me, padre, por eu ter pecado. E reze: Senhor, seja misericordioso comigo, pois sou pecador.

13. Entenda que nós somos chamados a grandes coisas, seguindo Maria, que disse: "O Senhor fez em mim maravilhas, santo é o seu nome!" Nós somos chamados a pensar e a amar como Jesus faz pelo poder do seu Espírito.

Palavras a serem proclamadas no momento dessa oração de poder:

• "Quem quiser ser o maior que seja o último, que seja o que serve" (Mt 23,11).
• "Aprenda comigo, que sou manso e humilde de coração"(Mt 11,29).
• "Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado" (Mt 23,12).
• "Os 24 anciãos davam glória, honra e ação de graças ao que estava sentado no trono e que vive para sempre. E cada vez que os seres vivos faziam isto, os 24 anciãos se prostravam diante daquele que estava sentado no trono, para adorar o que vive para todo o sempre. Depunham suas coroas diante do trono de Deus e diziam: 'Tu és digno, Senhor nosso Deus, de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas. Por tua vontade é que elas existem e foram criadas.'" (Ap 4,8-11).
• "Haja entre vós o mesmo sentir e pensar que no Cristo Jesus. Ele, existindo em forma divina, não considerou como presa agarrar o ser igual a Deus, mas despojou-se, assumindo a forma de escravo e tornando-se semelhante ao ser humano. E encontrado em aspecto humano, humilhou-se, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz" (Fl 2,5-11).
• "Eu, porém, estou entre vocês com aquele que serve" (Lc 22,27).

Oração

Senhor, ajuda-me a compreender que a humildade em relação ao meu irmão é a única prova verdadeira de que eu sou humilde perante vós. Tornar-me um servo fiel ao Senhor é a única verdadeira prova de que a humildade preenche todo o meu coração. Desse modo, na tua presença, meu coração não será mais vazio, mas preenchido pelo teu Espírito Santo, que vivifica. Ajuda-me, como Santa Teresa de Calcutá e tantos outros santos, e que a insignificância de cada dia no serviço ao Senhor e aos outros me teste e me capacite para alcançar a vida eterna.

Que minha humildade possa me acompanhar diariamente. E permita-me te oferecer toda a glória, toda a honra, pois somente por tua graça conseguimos vencer a nós mesmos, pois sem ela nada podemos fazer. Amém!

Trecho extraído do livro "Tratado da cura interior", de José Augusto Nasser dos Santos


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/cura-interior/existe-uma-forma-de-curar-a-soberba-e-o-orgulho/

7 de junho de 2024

Os olhares para as faces de Jesus de Nazaré – Marcos 3,20-35

O evangelho de hoje apresenta uma cena que desperta múltiplos olhares para Jesus de Nazaré. Assim como na dinâmica do cotidiano, somos instados a ver a vida sob perspectivas diversas. O que vemos é fruto de vivências, saberes, ideologias, intencionalidades que nem sempre dialogam com a realidade.

Encontros acontecem, os abraços são possíveis quando as energias fluem com liberdade.  Quando o coração deseja algo mais, o melhor pode surgir. O texto apresenta como cenário a casa para onde Jesus volta. Os personagens: uma multidão que o segue, os parentes que o acusam de insanidade, os líderes religiosos que o descredibilizam. Por fim, a mãe e seus irmãos. O que acontece na narrativa diz das distintas formas de olhar para o Nazareno.

Sempre é tempo de pensarmos no modo como olhamos para as pessoas. Há olhares risonhos, distraídos, mas há um momento mágico, num instante de graça, quando a força dos olhos se cruzam numa sintonia fina, baixa a guarda para ser quem é. Olhar profundo de aceitação. Reciprocidade no mesmo tom.  Há de construir caminhos livres para que os afetos circulem e se multipliquem.

No texto, os olhares são diversos e emitem julgamentos contundentes sobre a pessoa de Jesus de Nazaré. Sua própria trajetória ensejou cada forma com que recebeu cada olhar. Viveu rodeado pelos empobrecidos e não poupou crítica às autoridades religiosas, pois identificava o quanto determinadas práticas eram danosas para os pequeninos e pequeninas.

Os parentes o olharam como "louco" (v.21). Logo, todo louco precisa ser contido. Assim é o olhar de muitos para quem leva a vida numa perspectiva diferente da maioria. Assim fizeram com o "endemoninhado gadareno" em Marcos 5, 4-5. O louco, sem filtros nem regras deve ser retirado do convívio social. É vergonha para a família. Por não se submeter aos ditames de uma sociedade excludente, passa a ser visto como louco, mesmo por aqueles que estão no círculo familiar. Esta é parte do preço a pagar ao trilhar pelos caminhos do reino.

Os líderes religiosos o demonizaram (v.22). Por que têm tanta pressa em demonizar o diferente? Por que o que incomoda e desafia é imputado como demoníaco? Esta acusação pesou sobre Jesus naqueles dias, mas continua sendo a tônica acusatória contra todos as pessoas que assumem posturas e valores que confrontam as bases tradicionais da religião hegemônica. Essa estratégia continua vitimando comunidades inteiras com suas legítimas bandeiras de fé e luta.

O outro olhar é lançado sobre a família de Jesus (v.33). Aqui há o alargamento da visão sobre ser família. Para além da núcleo primeiro, ser família passa pela compreensão de valores que unem e sedimentam as relações humanas. Tem a ver com a profundidade espiritual que norteia a experiência nos diferentes estágios da caminhada.

O cuidado de Jesus ao responder a alguns desses olhares é admirável. Ele não se deixou moldar pelo olhar de outros, mas foi pedagógico no falar. Aos religiosos, adverte da necessidade de aprender a ver o agir de Deus, onde a divina Ruah sopra com liberdade. Fechar os olhos para esta manifestação é se negar a ver o óbvio, não tem perdão. Aos que trilham os caminhos da vontade de Deus, declara-se filho, irmão e irmã (v.35).

Ante as declarações do evangelho, lancemos os olhares de quem senta para ouvir os ensinamentos e levanta para partilhar cada palavra de libertação e acolhida a todas as pessoas com quem cruzarmos na jornada existencial.

Waldir Martins Barbosa – CEBI-BA


Fonte: https://cebi.org.br/reflexao-do-evangelho/os-olhares-para-as-faces-de-jesus-de-nazare-marcos-320-35/

O Coração de Jesus: um refúgio para os tempos atuais

Sagrado Coração de Jesus: a devoção de que o mundo necessita

Junho é muito conhecido como mês das festas juninas. De fato, aqui no Brasil, essas celebrações são bem difundidas e têm sua importância, principalmente para a fé católica. Mas a grande solenidade deste mês é o Sagrado Coração de Jesus.

Sim, irmãos e irmãs na fé, é no Sagrado Coração de Nosso Senhor que enaltecemos o grande amor que Deus dispensa a cada um de nós. Desde o pecado de Adão e Eva descrito em Gênesis 3, que passamos a ter medo d'Aquele que tanto nos amou. Foi assim,que Jesus desceu a nossa miséria. O Verbo encarnado se fez presença no meio de nós, morreu numa cruz para nos aproximar definitivamente do Seu coração.

É isso que celebramos neste mês, o Deus que se apresenta a nós com um corpo humano, sem deixar de ser divino. Ademais, atinemos que, diante de tanto amor, ainda somos tão ingratos a Deus. Portanto, precisamos reparar todos os nossos pecados que causam sofrimentos a Ele e que transpassam com muitas lanças o seu venturoso coração. Amemos ao Senhor, vivamos por Ele e para Ele, como se cada dia fosse o último de nossa existência aqui na Terra.

Revelação privada de Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque

O mundo carece de pessoas que queiram viver o espírito de sacrifício diante das paixões desordenadas, e façam penitências com retidão expiatória diante dessa urgente devoção.

"Se alguém quiser vir comigo, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e siga-me" (Mt 16,24).
Sendo o Coração de Jesus o organizador de nossa vida, a paz que tanto procuramos se fará estabelecida, promessa feita a Santa Margarida Maria Alacoque a todos que a Ele se consagrarem.

Em 1673, a santa francesa Margarida Maria Alacoque teve uma revelação privada de Jesus, em que o próprio Cristo pediu a todos que honrassem o seu Sagrado Coração, e fez as 12 promessas específicas a todos os que venerassem e difundissem a devoção ao Sagrado Coração.

12 promessas a todos os que veneram e difundem a devoção ao Sagrado Coração

1.- "Darei às almas devotas todas as graças necessárias ao seu estado de vida".
Quantas são as nossas lutas diárias e quantas são as graças de que necessitamos! O próprio Deus vem em nossa ajuda, e não percamos tempo em confiar em Sua Providência que rege todas as coisas.

2.- "Vou estabelecer a paz em suas casas".
Como sempre cantou Eugênio Jorge, missionário católico, "A paz que é tão sonhada, cantada em canções tão lindas, só chegará até nós quando ouvirmos a voz do Senhor (Sonho de Paz – Mensagem Brasil). Que o Coração de Jesus nos conceda a paz que é Dom do Espírito Santo".

3.- "Eu te consolarei em todas as tuas aflições"
O Sagrado Coração de Jesus é o nosso consolador, assim como fez no caminho do calvário: "Jesus, porém, voltando-se para elas, disse: 'Filhas de Jerusalém, não choreis por mim; chorai antes por vós mesmas, e por vossos filhos. (Lucas 23,28-29). Ele, que sabe o quanto assumir a nossa cruz vai expiar os nossos pecados, se coloca ao nosso lado. É nessa hora que a Igreja, corpo de Cristo nos aponta os sacramentos para que renovemos a nossa fé.

4.- "Eu serei seu porto seguro na vida, e especialmente na hora da morte." Lembremos sempre que, enquanto tivermos energia e compreensão da vida, devemos buscar a santidade, pois, somente assim, faremos parte do número dos Vossos eleitos.

5.- "Vou conceder bênçãos abundantes sobretudo aos vossos empreendimentos temporais e espirituais."  No seu infinito amor, Jesus age em sua Providência, pois sabe que, enquanto aqui nesta vida, temos necessidades temporais, mas que bom que Ele não age conforme a nossa vontade, mas conforme o que é Sua Lei, pois sabe o que é melhor para todos nós. Não nos entristeçamos, portanto, quando nossos pedidos não forem aceitos pois a prioridade de Deus sempre será em vista dos bens espirituais.

6.- "Os pecadores encontrarão em Meu Coração a fonte e o oceano infinito de misericórdia". Diante da nossa necessidade de redenção, o Senhor não poupa esforços para que todos se voltem para Ele. Assim, sejamos fiéis em todos os momentos para que alcancemos a libertação de todas as paixões desordenadas que nos afastam da salvação eterna.

7.- "As almas mornas se tornarão fervorosas"
"Conheço suas obras: você não é quente nem frio. Eu gostaria que você fosse quente ou frio! Portanto, porque você é morno, vou cuspir você da minha boca." (Ap 3,15-16) O remédio para nossa alma é vivermos unidos ao amoroso Coração de Jesus, para que o nosso seja aquecido em busca da  verdadeira conversão. Corramos ao encontro daquele que tanto nos ama.

8.- "As almas fervorosas alcançarão maior perfeição".
Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito (cf.Col 3,14). Que em sua vida Ele esteja em primeiro lugar, eleja a Palavra de Deus e a Sua vontade e tudo o mais virá, pela mais pura bondade de Cristo.

9.- "Abençoarei cada lugar onde for exposta e venerada uma imagem do meu sagrado coração".
A imagem do Coração de Jesus, nos demonstra o seu amor verdadeiro, que com o seu olhar divino, nos assume até o fim. Bendito Coração que sofre por nós e vem ao nosso encontro.

10.- "Darei aos sacerdotes e a todos os que se ocupam da salvação das almas, o dom de tocar os corações mais endurecidos".
O Coração de Jesus nos permite vivenciar o Seu amor divino que refina os nossos sentimentos, ao mesmo tempo que nos livra do nosso fechamento interior, e assim podemos levar essa experiência a tantos que ainda não conhecem Aquele que é "caminho, e a verdade, e a vida" (João 14,6).

11.- "Aqueles que propagarem esta devoção terão seus nomes escritos em Meu Coração, e jamais serão apagados". Aos devotos do Sagrado Coração de Jesus, seus fiéis amigos, é prometido o que é mais essencial, a vida eterna.

12.- "A quem comungar na primeira sexta-feira de cada mês, durante nove meses consecutivos, concederei a graça da perseverança final".
Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Filipenses 3,14 O Apóstolo Paulo com a sua vivência nos leva a descobrir sobre o esforço da perseverança, mas que junto a isso podemos desfrutar da alegria nos aproximar mais de Jesus.


Aqueles que perseverarem na Devoção ao Coração de Jesus, jamais o negará. Preparemo-nos pois os tempos urgem firmeza de fé.
Portanto, permitamos que o nosso coração, lugar do agir de Deus, chegue ao mais íntimo coração do nosso Deus.

Micheline Teixeira 
Missionária da Comunidade Canção Nova:: Enfatiza as 12 promessas do Sagrado Coração, um ponto atrativo para o público.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/devocao/o-coracao-de-jesus-um-refugio-para-os-tempos-atuais/

5 de junho de 2024

O ambiente humano e o ambiente natural se degradam em conjunto

Meio Ambiente e Dignidade Humana: Reflexões sobre Laudato Si' no Dia Mundial do Meio Ambiente

A celebração do Dia Mundial do Meio Ambiente começou, em 1974, com o tema "Uma Só Terra", refletindo a necessidade de proteger nossa casa comum, um conceito central na encíclica Laudato Si'. Estabelecida, em 1972, pela Assembleia Geral das Nações Unidas, durante a Conferência de Estocolmo sobre o Meio Ambiente Humano, essa data tem o objetivo de sensibilizar e mobilizar a população mundial para a proteção ambiental.

Em Laudato Si', publicada em maio de 2015, o Papa Francisco não apenas aborda o cuidado com o meio ambiente, mas enfatiza a dignidade e o valor intrínseco de cada ser humano. Ele critica a cultura do descarte, o qual, muitas vezes, ignora ou marginaliza os mais vulneráveis: imigrantes, os nascituros, os pobres entre outros.

Já na introdução do documento, Francisco destaca que tudo está interligado na casa comum:

A relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta, a convicção de que tudo está estreitamente interligado no mundo, a crítica do novo paradigma e das formas de poder que derivam da tecnologia, o convite a procurar outras maneiras de entender a economia e o progresso, o valor próprio de cada criatura, o sentido humano da ecologia, a necessidade de debates sinceros e honestos, a grave responsabilidade da política internacional e local, a cultura do descarte e a proposta dum novo estilo de vida. Esses temas nunca se dão por encerrados nem se abandonam, mas são constantemente retomados e enriquecidos.

Créditos: AvigatorPhotographer / GettyImagens

Como o Papa destaca em outro trecho da carta, uma vez que tudo está relacionado, também não é compatível a defesa da natureza com a justificação do aborto. Para o Papa, não parece viável um percurso educativo para acolher os seres frágeis que nos rodeiam e que, às vezes, são molestos e inoportunos, quando não se dá proteção a um embrião humano, ainda que a sua chegada seja causa de incômodos e dificuldades.

Soluções para a sociedade

No "Capítulo Quatro: Uma Ecologia Integral", o documento destaca a principal solução para os desafios sociais e ambientais contemporâneos. A ecologia integral reconhece que os seres humanos são parte integrante de um mundo mais amplo, e defende a necessidade de "soluções abrangentes que levem em conta as interações entre os sistemas naturais e sociais" (LS 139).
O que é uma encíclica?

Laudato Si' é uma encíclica do Papa Francisco, publicada em maio de 2015, que aborda o cuidado com o meio ambiente e todas as pessoas, além de explorar a relação entre Deus, os seres humanos e a Terra. Vale recordar que uma encíclica é uma carta pública do Papa que desenvolve a doutrina católica sobre um tópico, muitas vezes à luz de eventos atuais. Neste sentido, Laudato Si dá continuidade à Doutrina Social da Igreja.

No documento, Francisco aborda vários temas importantes sobre a dignidade humana, o cuidado da "Casa Comum" e reforça o ensinamento da Doutrina Social da Igreja, essa doutrina dá continuidade aos ensinamentos de outros pontífices como: São João Paulo II que escreveu a "Laborem Exercens" (1981), "Sollicitudo Rei Socialis" (1987), "Centesimus Annum" (1991), e Compêndio da Doutrina Social da Igreja (2004) teve sua assinatura apostólica, e o Papa Bento XVI escreveu a "Caritas in veritate" (2009). Portanto, uma infinidade de documentos que podem ser explorados e estudados, e complementam Laudato Si.


Últimos acontecimentos climáticos no Brasil

Com os últimos acontecimentos trágicos, devido às ações climáticas como: enchentes e chuvas no Sul do Brasil, o tema do meio ambiente ganhou mais espaço de discussão no meio acadêmico, nos jornais e debates políticos.

O Brasil e o mundo viram, pelas mídias sociais, o quanto o brasileiro é solidário diante das catástrofes no Rio Grande do Sul; a sociedade civil e poder público somaram forças para mitigar o sofrimento do povo gaúcho que continuam reconstruindo suas vidas.

Cabe ao poder público colocar todos os recursos e meios possíveis para solucionar os problemas causados pelas chuvas, além de realizar ações de prevenção e conscientização para futuros eventos climáticos. Especialistas afirmam que muito poderia ter sido evitado com medidas adequadas. À população, cabe fiscalizar o uso dos recursos públicos, evitar a corrupção e cobrar dos representantes políticos ações concretas sobre o tema.

Uma alerta para os comunicadores

Mais do que em outra época, a Lautado Si necessita ser estudada e explorada. Cabe aos comunicadores, principalmente os cristãos, não serem confundidos com os temas que norteiam o meio ambiente nas discussões públicas, que diversas vezes são utilizados como "Cortina de Fumaça" para favorecer interesses pessoais e egoístas.

Palestras, cursos, rodas de conversa e paralisações vão ganhar mais espaço sobre o tema neste Dia Mundial do Meio Ambiente, que é muito importante e urgente. Entretanto, usando as palavras do próprio Papa, não podemos encontrar soluções não só na técnica, mas também numa mudança do ser humano; caso contrário, estaríamos a enfrentar apenas os sintomas.

Por fim, o Papa convida a população atual a explorar os recursos naturais com consciência, visando o futuro das novas gerações: "Cada comunidade pode tomar da bondade da terra aquilo de que necessita para a sua sobrevivência, mas tem também o dever de protegê-la e garantir a continuidade da sua fertilidade para as gerações futuras." (LS 67).


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/meio-ambiente/o-ambiente-humano-e-o-ambiente-natural-se-degradam-em-conjunto/

1 de junho de 2024

A visitação de Maria a Isabel e o Magnificat da Virgem Maria

São Lucas evidencia que a Mãe do Senhor respondeu à saudação louvável de Santa Isabel com o cântico do Magnificat, uma verdadeira oração de ação de graças a Deus por Sua bondade e fidelidade, impressionante, sobretudo, por sua profundidade e elevação teológica. Nós aprendemos a louvar, a exemplo da Virgem Maria, quando rezamos com a palavra de Deus diariamente. Mas quando deixamos de rezar e de viver a Palavra de Deus, a nossa vida de oração entra em crise.

A experiência espiritual de Maria Santíssima é profunda. Num gesto de serviço, indo ao encontro de sua prima Isabel, Ela nos mostra, mediante sua experiência espiritual com o Anjo Gabriel, que a oração precisa levar à caridade, isto é, que, consequentemente, temos que amar o próximo com gestos de serviço. O seu testemunho nos assegura, desde o início do Evangelho, que a verdadeira oração leva a amar mais concretamente os outros. Amar concretamente o próximo é a característica de quem sabe rezar.

A Virgem Maria, com seu exemplo, nos ensina o que significa amar: significa ter a coragem de encarar o compromisso do serviço, como Ela que enfrentou uma difícil viagem de alguns dias, para servir a Sua prima que morava longe.

Com efeito, no seu cântico do Magnificat, a Virgem Maria louva a Deus pelos feitos em Sua vida, ao mesmo tempo em que reconhece a misericórdia d'Ele, que 'perdura de geração em geração', ressaltando a atitude 'daqueles que O temem'. Mas, de maneira particular, Ela agradece a Deus por Sua misericórdia oferecida a Israel, mediante o cumprimento das promessas feitas a Abraão, que estão se realizando através da Encarnação do Filho de Deus em Seu seio.

Imagem Ilustrativa

O cântico Magnificat

Neste sentido, o biblista Jean-Pierre Prévost (1988, p. 116) explicita que, por ser o Magnificat um cântico inserido na narrativa da Infância de Jesus, a sua riqueza está, sobretudo, no acontecimento que, segundo São Lucas, a Virgem Maria celebra: a concepção de Jesus, sendo esta a mais surpreendente e decisiva das grandes coisas que Deus fez pela salvação de Seu povo e de toda a humanidade. Vejamos então, as palavras deste Cântico inspirado da Virgem Maria e meditamos no que Ela disse:

Minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador, porque olhou a humilhação de Sua serva. Sim! Doravante as gerações todas me chamarão de bem-aventurada, pois o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. Seu nome é santo e sua misericórdia perdura de geração em geração para aqueles que o temem. Agiu com a força de seu braço, dispersou os homens de coração orgulhoso. Depôs poderosos de seus tronos, e a humildes exaltou. Cumulou de bens a famintos e despediu ricos de mãos vazias. Socorreu Israel, Seu servo, lembrado de Sua misericórdia – conforme prometera a nossos pais – em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre! (Lc 1, 46-55).

Observa-se que a Virgem Maria agradece a Deus, sobretudo pela Encarnação do Verbo em seu seio, contemplando em Sua vida a concretização dos anseios de seus antepassados. O evangelista São Lucas apresenta a Mãe do Senhor como uma pessoa instruída nas Escrituras e capaz de entender, através da fé, o plano divino da Salvação: uma fé já testemunhada por ocasião da Anunciação do Anjo e exaltada por Sua prima Santa Isabel.


No encontro com Isabel, acontece um grande milagre na vida da Virgem Maria. Ela recebe a graça de saber expressar o que Lhe aconteceu em Nazaré. A partir desse encontro, Maria se anima para rezar, numa alegria que se transforma em canto. Isso evidencia que, a partir das nossas sadias relações, manifesta-se, dentro de nós, o que sozinhos não conseguimos compreender e exprimir. E demonstra que a nossa oração tem necessidade da comunidade da Igreja e de relacionamentos marcados pelo amor divino.

Quando somos Igreja, a graça de Deus vem ao nosso encontro. Efetivamente, a Igreja não é somente uma instituição, é Cristo em cada um de nós. É dessa relação com a Igreja que podemos compreender melhor o mistério de Deus a nosso respeito como a Virgem Maria nos mostra, pois Ela compreendeu este Plano de Deus ao entoar o Magnificat. Portanto, a nossa oração precisa unir-se à vida sacramental que nos dá forças para caminhar e enfrentar os desafios da vida cotidiana.

O cântico de Maria nos assegura que Jesus continua a visitar cada um de nós com Sua Santíssima Mãe, como visitou Isabel, nos convencendo de que, pela oração de louvor, tornamo-nos cada vez mais livres e alegres para proclamar as maravilhas de Deus. A alegria cristã consiste em acreditar em Deus apesar dos sofrimentos da vida cotidiana, confiando que a Sua Palavra se cumprirá em nossa vida.

Orar com alegria

De fato, o misterioso fruto da oração é a alegria, é a luz divina, é a paz. Quem reza não é só portador da alegria, é alegria, não é só portador da luz, é luz, não é só portador da paz, é paz. Há realidades que não se declaram, masque se veem. As pessoas veem quando portamos Deus: A Virgem Maria mostra esta realidade no Magnificat.

Em suma, com a Virgem Maria somos chamados a evangelizar, a tornar Jesus Cristo visível ao mundo, vivo e Ressuscitado em cada um de nós.

Referências

BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. Tradução de Euclides Martins Balancin et al. São Paulo: Paulus, 2002. 2206 p.

PRÉVOST, J.-P. Magnificat. In: CAZELLES, H.; BOSSARD, A.; HOLSTEIN, H. (dir.) et al. Dicionário Mariano. Tradução de António Vieira. Porto, Portugal-Aparecida: Perpétuo Socorro-Santuário, 1988. p. 115-117.

Áurea Maria
Comunidade Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/devocao/a-visitacao-de-maria-a-isabel-e-o-magnificat-da-virgem-maria/

30 de maio de 2024

Reflita: O que vale a pena ser postado nas redes sociais?

É interessante pensar que a vida, há 30 anos, acontecia normalmente sem redes sociais, internet e tantas outras realidades virtuais, não é verdade? Pois a relação de dependência ficou tão grande com esse meio, que seria impossível pensar a vida sem esses recursos. Pois então, é possível e saudável ter uma vida off-line. Não que tenhamos que nos desligar do mundo virtual, muito menos que ele seja algo ruim; pelo contrário, se você está lendo este texto, neste momento, é por causa dessa realidade tão importante dos nossos tempos.

A questão é apenas o equilíbrio das coisas. Todos já sabem o quão viciante é para o cérebro esse mundo virtual, por isso não irei falar sobre esse tema aqui, afinal de contas, você já o sabe. O que quero tratar com você, leitor, neste momento, é conduzi-lo a uma reflexão sobre a sua relação com o mundo virtual e as plataformas tecnológicas. Qual lugar as redes sociais ocupam em sua vida? Com que frequência você entra no aplicativo de relacionamento só para olhar se alguém postou algo novo ou se alguém curtiu sua postagem? Quanto tempo do seu dia você passa assistindo a pequenos ou longos vídeos, saltando de plataforma em plataforma, cada uma com um discurso diferente, seja ele para distrair e relaxar ou para estudar e aprender algo novo?

Valorize sua vida off-line

Se for parar para pensar, sempre encontraremos uma desculpa que justifique a postagem ou o tempo gasto no mundo virtual, porém, segue uma nova pergunta: Quanto tempo você tem gastado na vida de verdade? Você se lembra da última vez que saiu com os amigos, que foi a um parque, andou de bicicleta ou foi a uma cachoeira, fazenda, sentiu o ar tocando a sua pele? Qual foi a última vez que foi ao cinema, assistiu a um filme em família ou com os amigos sem ter o celular em mãos?

Créditos: Ivan Pantic / GettyImagens / cancaonova.com

Você se lembra do toque do abraço dado e recebido? Da lágrima que enxugou do amigo, namorado, noivo, esposo ou filho? Do consolo que recebeu ou deu diante de uma frustração vivida? Qual foi a última vez que fez uma refeição completa sem ter o celular na mão ou apoiado na mesa, ao lado do prato? Qual foi a última conversa que você teve e estava inteiro naquela conversa, sem dividir a atenção com o celular? Qual foi a última vez que saiu de casa sem o celular e não surtou por causa disso?

Enfim, quero convidá-lo a uma vida saudável e equilibrada. Sei que, como muitos, você deseja estar ativo na redes, mas qual seria o ponto de equilíbrio? O que postar? Quando postar? Essas duas perguntas precisam caminhar juntas de duas outras: Para quem estou postando? O que estou procurando com essa postagem? Todo tipo de postagem tem um objetivo: ser uma revista de fofoca digital que precisa ficar exibindo o que tenho ou gostaria de ter, criando um mundo de fantasias, ou tem o objetivo de ensinar, educar um público, colocando informações que irão agregar na vida de qualquer um que ler, assistir ao vídeo ou aquilo que a internet se tornou: um grande comércio.

Respeito on-line

Sendo assim, você precisa saber em qual lugar você está para saber o que postar, quando postar, qual a frequência de o fazer e o tempo que vai gastar para estar ali. Agora que encontrou o seu lugar e sabe como deve se comportar, lembre-se de uma coisa: existe uma ética que precisa ser vivida e respeitada no mundo virtual, não é porque é virtual que posso falar o que quero e mostrar o que quero. Haverá fotos de lugares em que você estará, como na casa de uma amiga, e talvez ela não se sinta confortável em você postar, afinal de contas, é a casa dela e pode querer manter a discrição daquele momento com você.


Então, não seja indelicado, mostrando algo que irá gerar desconforto. E tem o óbvio, mas que precisa ser lembrado, que são os comentários desnecessários, agressivos, cheios de mágoa, cujo único objetivo é atacar o outro. Lembre-se!

Esse problema é seu! A mágoa é sua! A chateação ou o ressentimento foi com você, e ninguém precisa saber que o seu coração está ferido ou que você não sabe lidar com aquela situação ou pessoa. A maior exposição não é para quem é atacado, mas para quem ataca com as palavras ou nos vídeos, pois revela muito mais dela. O que era dito ou visto, na vida real, muitas vezes ficou apenas na memória daqueles que estão envolvidos na situação, porém, o que fica 30 segundos na internet, por mais que seja removido, fica marcado para sempre.

Aline Rodrigues
Psicóloga e Missionária da Canção Nova

25 de maio de 2024

Filha testemunha a alegria da adoção

Não nasci do útero de minha mãe, mas nasci do coração dela!

A prática da adoção ainda é um desafio a ser vencido no Brasil, no entanto, muitas famílias têm superado as barreiras do preconceito e da dúvida e colhido os frutos da bela decisão. Como é o caso da fisioterapeuta Maria Isabel Ferminio, que contou ao formacao.cancaonova.com como foi sua história de adoção.

Redação: Com quantos anos você foi adotada? E como aconteceu todo o processo?

Fui adotada com quatro meses de gestação. Minha mãe biológica não tinha condições de me criar e o meu pai biológico não queria assumir um relacionamento com ela, nem me assumir por julgar que ele não era realmente o meu pai. Minha avó biológica, após a tentativa de aborto frustrada da minha mãe, quis, de imediato, procurar um família que pudesse me adotar. Então, ela partilhou a história com a minha mãe adotiva, que trabalhava na mesma escola que ela. Em conversa com meu pai e com meus irmãos adotivos, eles me disseram que, desde então, me adotaram no coração. No dia seguinte ao meu nascimento, fui diretamente para a casa da minha família adotiva.

940x350-Destaque

Redação: Você foi adotada ainda no período de gestação. Como sua família se preparou para receber você?

Quando foi acertada a minha adoção, não sabiam o meu sexo ainda, e a expectativa era se seria menino ou menina. Assim que souberam que eu era uma menina, pouco a pouco meus pais foram comprando o enxoval. Minha mãe disse que compraram apenas o básico, pois eles ganharam muitas roupinhas e coisinhas de bebê. E sempre combinaram em me dizer a verdade sobre a minha origem.

Redação: Como seus irmãos a acolheram?

Muito bem! Meus irmãos sempre foram maravilhosos. Minha irmã, por ser vinte anos mais velha que eu, se organizava no trabalho para sair mais cedo, e meu pai poder trabalhar no período da tarde. Meu irmão, 10 anos mais velho, hoje falecido, também cuidava de mim. Recordo-me, até hoje, que, muitas vezes, ele deixou de sair para brincar com os amigos, para poder cuidar de mim. Nunca houve nenhum tipo de diferença entre nós, penso até que fui paparicada demais.

Redação: Como foi o relacionamento com sua mãe?

Sempre me relacionei muito bem com ela. Eu a admiro muito pela coragem de ter me adotado e a forma como ela e meu pai me criaram. O cuidado que sempre teve comigo é digno de toda admiração que tenho por ela! Não nasci do útero dela, mas nasci do coração!


Redação: Em que sua mãe contribuiu na sua formação, para você se tornar uma mulher e uma profissional tão cheia de valores?

Em tudo. Percebo o quanto a minha mãe me ensinou a fazer as escolhas certas, a liberdade na dose exata para cada momento, os incentivos nos momentos em que tive vontade de desistir, as broncas quando estas foram necessárias. Foi o amor dela que me impulsionou a dar passos e a ter a ousadia que, muitas vezes, julguei não ter. Aos poucos foi me moldando em tudo que sou hoje, e sou grata a ela por tudo isso, não sei como medir isso em palavras.

Redação: Como foi descobrir que seus pais a adotaram? Como você reagiu?

Eu percebia que eu era muito diferente das pessoas em casa. Sou negra e todos eles são brancos; meu irmão é um pouco mais moreno, mas bem parecido com minha mãe. Então, certo dia, perguntei se, quando ela estava grávida de mim, havia tomado muita Coca-cola e café, porque eu era mais escura que todos eles, ou se era porque eu havia sido adotada. E ela disse que havia me adotado. No início, eu fiquei sem entender, e perguntei por que meus pais biológicos não haviam ficado comigo, e minha mãe me explicou que eles não tinham dinheiro para me criar. E conforme eu fui crescendo, ela foi me contando o restante da história e nunca me escondeu nada.

Redação: Você conheceu a sua mãe biológica? Como foi o contato com ela?

Não sabia como iniciar a conversa com ela ao conhecê-la, pedia que ela contasse a minha história e, depois, lhe fiz algumas perguntas. Ela chorou muito durante a partilha e me pediu perdão. Eu a agradeci por ter me dado a meus pais em vez de tentar novamente me abortar.

Redação: Qual foi sua expectativa ao conhecê-la?

Eu queria saber se eu era parecida fisicamente com ela, mas não vi tanta semelhança. De certa forma, gostei. Fiquei muito feliz em saber que, ao longo de minha vida, meus pais adotivos nunca omitiram nada da minha vida. A mesma história que eles me relataram foi a mesma que minha mãe biológica me contou.

Deixe uma mensagem para essas mulheres.

A generosidade materna é capaz de gestar, no coração, a vida de alguém que Deus lhe confiou por amor. Deus proverá todas as coisas.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/pais-e-filhos/filha-testemunha-a-alegria-da-adocao/