18 de janeiro de 2021

O silêncio de Nossa Senhora


Gostaríamos de saber mais da vida na terra de Nossa Mãe do Céu pelos Evangelhos, e Deus nos dá a conhecer o necessário, tanto durante sua vida na terra, como agora, vinte séculos depois, através do Magistério da Igreja, quando, com a assistência do Espírito Santo, desenvolve e apresenta os dados revelados. A Virgem não comunica nada a sua prima Isabel após a Anunciação. Porém, por revelação divina, esta penetra no mistério da encarnação. Nossa Senhora não manifestou o acontecido a José, e um anjo lhe informou em sonho sobre a grandeza de sua missão, e que Ela seria sua esposa.

No Nascimento de seu Filho, Maria silenciou, mas os pastores foram informados pelos anjos. Maria e José nada disseram a Simeão e Ana, a profetisa, quando, como casal novo, foram ao Templo apresentar o Menino. Nada comentou a seus parentes e amigos. Limitou-se a "guardar estas coisas, conservando-as em seu coração" (Lc 2, 51). Maria, mestra de oração, ensina-nos a descobrir a Deus, tão próximo de nossa vida, no silêncio e na paz de nosso coração.

O silêncio de Nossa Senhora

Foto ilustrativa: worradirek by Getty Images

O que podemos aprender com Nossa Senhora?

O silêncio é o clima que torna possível a profundidade do pensamento; o falar muito dissipa o coração e este perde preciosidades contidas em seu interior (F. Suárez, 'La Virgen Nuestra Señora'). O recolhimento de Maria é semelhante ao de sua discrição. A Virgem também guardou silêncio durante os três anos de vida pública de seu Filho. O entusiasmo das multidões, os milagres, não mudaram sua atitude. Jesus se dirige a nós de muitas maneiras, mas somente entenderemos sua linguagem num clima habitual de reconhecimento, de privação dos sentidos, de oração, de paciente espera.

O silêncio interior, o reconhecimento que deve Ter o cristão é plenamente compatível com o trabalho, a atividade social e a agitação que muitas vezes traz a vida. A mesma vida humana, se não estiver dominada pela correria, pela vaidade ou pela sensualidade, tem sempre uma dimensão profunda, íntima, um certo recolhimento que tem seu pleno sentido em Deus. É aí onde conhecemos a verdade acerca dos conhecimentos e o valor das coisas. Em um mundo de tantas informações externas necessitamos "da estima pelo silêncio" (Paulo VI, 'Alocução em Nazaré'). Da Virgem, Nossa Senhora, aprendemos a estimar a cada dia mais esse silêncio do coração, que não é vazio, mas riqueza interior, e que, ao invés de separarmo-nos dos demais, aproxima-nos mais a eles, a suas inquietudes e necessidades.


Francisco Fernández Carvajal


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/nossa-senhora/devocao-nossa-senhora/o-silencio-de-nossa-senhora/

15 de janeiro de 2021

O Rosário alcança graças de conversão e santificação


A maior graça que podemos desejar e pedir de Deus, depois de que O amemos sempre mais, é a graça da nossa conversão, mas é certo que não haverá amor a Deus sem a conversão a Ele. Assim sendo, é por meio da graça da conversão que virão todas as outras graças, inclusive aquela ainda maior e mais desejável que a própria conversão e santificação pessoal, que é o amor a Deus sobre todas as coisas.

Conta-se que, já ao fim de sua vida, Nosso Senhor apareceu a São Tomás de Aquino e lhe disse: "Tu falaste bem de mim, Tomás. Qual será a tua recompensa?". São Tomás respondeu: "Nada mais do que Tu, Senhor!". Deus em Si mesmo é o maior e o melhor que podemos desejar. E tal desejo não se dá sem uma profunda conversão, uma mudança de rumo, um caminhar contínuo em direção a Ele.

A conversão é um processo que dura toda a vida, mas consta de duas etapas ou momentos distintos: uma experiência fundamental e uma realidade contínua.

O Rosário alcança graças de conversão e santificação

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

A conversão é uma experiência contínua

A experiência fundamental trata-se daquela que determina a mudança de rumo na vida, e na História temos inúmeros exemplos: a visita de Jesus a Zaqueu; o chamado de Mateus na coletoria de impostos; a libertação de Madalena dos sete demônios; a queda de São Paulo no caminho de Damasco; a visão que Santo Agostinho teve no jardim; a leitura do Evangelho na prisão por São Francisco; a ferida na perna de Santo Inácio de Loyola; e muitíssimos outros testemunhos. Tratam-se de momentos determinantes que mudam completamente os rumos da vida de quem fez tal experiência.

Em si, experiência que faz determinar a mudança (um milagre, uma visão, um acontecimento etc.) é um impulso, todavia a transformação tende a se tornar realidade no decorrer da nova vida que se abraça dali por diante. Assim se faz ver que a conversão é também um processo contínuo, pois trata do caminho empreendido a partir daquele momento fundamental (ou inclusive de mais de um momento fundamental: por exemplo, São José de Calasanz, Santa Tereza D'Ávila, Santa Tereza de Calcutá etc.) e que dura exatamente até o último suspiro, como bem lembrou São Luís de Montfort em suas últimas palavras antes da morte: "Minha carreira terminou; não pecarei mais." Porque esta vida será sempre um grande combate contra o pecado e busca de santificação, e estas são grandes marcas da conversão.

Oração do Rosário

A oração do Rosário é importantíssima em relação aos dois momentos ou etapas de conversão, antes de tudo, para que se prepare e aconteça o momento fundamental, caso ainda não tenha ocorrido. É como a chuva torrencial que prepara a terra para a semeadura. O momento fundamental é sempre Deus que o faz acontecer como quer, onde quer e a hora que quer; ao homem basta deixar a brecha para a ação da graça. O Rosário é instrumento eficaz a fim de consolidar o processo de conversão quotidianamente e até o fim da vida. Esse será um processo de combate, sem dúvida, e por vezes ferrenho, mas também, e certamente, de progresso nas virtudes e santificação pessoal mediante a graça.

São Paulo sentiu a tensão que há entre o homem velho e o homem novo: "Não entendo, absolutamente, o que faço, pois não faço o que quero; faço o que aborreço" (Rm 15,7). Portanto, trata-se de um combate, que é constantemente travado no interior daquele que decidiu, não sem a graça, empreender o caminho da vida nova. E mais, não só em razão de combater o pecado, mas o risco de também esvaziar as ações cristãs. São Mateus deixou-nos as palavras de Nosso Senhor a respeito da exigência da conversão traduzida em vida: "Nem todo aquele que me diz: 'Senhor, Senhor' entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos Céus" (Mt 7,21).

Assim sendo, aquele que precisa ou deseja conversão deve rezar o Rosário, que há de prepará-lo e impulsioná-lo. E aquele que já tendo iniciado tal caminho deve também rezá-lo, a fim de que a mesma conversão se consolide cada vez mais, de luta em luta, de vitória em vitória e, se houver queda, para que o mesmo Rosário infunda arrependimento, confiança e ânimo para levantar imediatamente e continuar caminhando.

A respeito desse caminho ou viagem cabem as palavras do padre Lagrange, para auxiliar e confirmar a reflexão a respeito do quanto o Rosário nos envolve do início ao fim. Diz ele: […] em nossa viagem para Deus: contempla-se primeiro o fim último, e daí o desejo da salvação e a alegria que acompanha esse desejo; é isso que nos recordam os mistérios gozosos, a Boa-Nova da Encarnação do Filho de Deus, que nos abre o caminho da salvação. Devem tomar, em seguida, os meios frequentemente dolorosos para a libertação do pecado e a conquista do Céu. É oque nos inspiram os mistérios dolorosos. Repousa-se, enfim, no fim último conquistado, na vida eterna, da qual a vida presente deve ser o prelúdio. É o que nos fazem antever os mistérios gloriosos. O Rosário […] nos toma em meio às nossas alegrias, demasiada humanas, às vezes perigosas, para nos fazer pensar naquelas muito mais altas da vinda do Salvador. Toma-nos também em meio aos sofrimentos, frequentemente irracionais, às vezes esmagadores, quase sempre mal suportados, para nos recordar de que Jesus sofreu muito mais do que nós, por amor a nós e para nos ensinar a segui-Lo, carregando a Cruz que a Providência escolheu para nos purificar. O Rosário, enfim, nos toma em meio às nossas esperanças, demasiada terrenas, para nos fazer pensar no verdadeiro objeto da esperança cristã, na vida eterna e nas graças necessárias para alcançar a realização dos grandes preceitos do amor de Deus e do próximo. (LAGRANGE, 2017, p. 245).


Conversão e santificação

O Rosário é potente instrumento de conversão e santificação graças à intercessão de Nossa Senhora, que faz com que tais graças nos envolvam. Antes de tudo porque Ela não teve pecado; foi "cheia de graça" desde o primeiro instante de sua Conceição Imaculada! Por isso, Ela tem pena de nós pecadores e sempre vem em nosso auxílio quando a invocamos. Ela nos vê a partir de Deus, e quer para nós o que Deus, em Seu infinito amor, quer; além disso, colabora com os desígnios divinos para que aconteça a nossa salvação.

Ordinariamente o processo de conversão é lento e demorado, requer muita humildade, paciência e confiança. O Rosário, pela sua própria constituição e pelas graças que lhe são anexas, contribui muito para a aquisição e vivência dessas virtudes tão especiais na vida cristã: humildade, paciência e confiança. Ainda mais por intermédio do precioso e valoroso patrocínio de Nossa Senhora. Como nos mostra o episódio da vida do Beato Alano, que, à beira do desespero, recebe da Virgem um tapa no rosto e a seguinte repreensão: "Por que não me chamaste, miserável? Eu teria te ajudado!". Mesmo se corrermos o risco do desespero, desânimo ou ansiedade, mas tivermos sido seus devotos, Ela não deixará de nos socorrer. O Rosário bem rezado e meditado assegura que Ela, de qualquer
modo, sempre materna e firme, intervirá.

Nossa Senhora disse, posteriormente, ao Beato Alano: "Aquele que, com devoção, rezar meu Rosário, considerando os mistérios, não se verá oprimido pela desgraça nem morrerá morte desgraçada; se converterá, se é pecador;  perseverará nas graças, se é justo; e em todo caso será admitido na vida eterna." — essa ficou conhecida como a sexta promessa do Rosário feita por Nossa Senhora.

Devoção ao Rosário

De fato, muitas são as ameaças que podem se abater sobre a vida no caminho de conversão. A promessa, todavia, assegura que o Rosário não permitirá que a desgraça oprima o fiel devoto nem na vida nem na hora da morte. Assegura, ainda, a conversão daquele que está no pecado, mas que se dispõe a rezar o Rosário. E mais: assegura inclusive a perseverança nas graças e a vida eterna. Essa promessa confirma o poder que tem o Rosário de alcançar a conversão e santificar aqueles que o rezam fielmente.

O primeiro anúncio de Jesus sobre o Reino de Deus foi: "Convertei-vos e crede no Evangelho!" (Mc 1,15b). Ora, a entrada e a permanência no Reino se faz mediante a conversão e a adesão de fé ao Evangelho. O Rosário assegura essa correspondência ao anúncio de Nosso Senhor. É uma adesão de fé que impõe comportamento. Vejamos as palavras do padre Lagrange (2017, p. 244–245) sobre o Rosário: é todo o Credo que passa diante de nossos olhos, não é um modo abstrato, por meio de fórmulas dogmáticas, mas de um modo concreto pela vida de Cristo, que desce até nós e sobe a seu Pai para nos conduzir a Ele. É todo o dogma cristão em sua elevação e seu esplendor, para que possamos assim todos os dias penetrá-lo, saboreá-lo e com ele alimentar a nossa alma. […] É também [uma oração] muito prática, porque nos recorda toda a moral e a espiritualidade cristã vistas do alto, pela imitação de Jesus Redentor e de Maria Medianeira, que são nossos grandes modelos. Esses mistérios devem, com efeito, reproduzir-se em nossa vida, na medida desejada para cada um de nós pela divina Providência. Cada um deles nos recorda uma virtude, sobretudo a humildade, a confiança, a paciência e a caridade.

Tão importantes são a conversão e a santificação que ainda há outras promessas que tocam diretamente uma e outra. A primeira promessa diz: "A quem me sirva, rezando diariamente meu Rosário, receberá qualquer graça que me peça." Mostra que o Rosário é como um serviço fiel e generoso que o súdito presta à sua rainha, cujos benefícios, todavia, são todos revertidos da Rainha para o súdito. Faz ver ainda que a conversão deve ser pedida, pois é uma graça que, como vimos, possibilita a aquisição de muitas outras. Mais do que esforço pessoal à conversão e à santificação pessoal, é puro dom da graça. O Rosário é instrumento eficaz para recebê-lo.

A segunda promessa assegura da parte de Nossa Senhora: "Prometo minha especialíssima proteção e grandes benefícios aos que devotamente rezarem meu Rosário". Num combate em que são sempre desferidos dardos inflamados pelos inimigos faz-se necessária poderosa proteção. O Rosário é poderosa proteção para quem o reza fiel e devotamente. E as necessidades no decorrer da vida, principalmente em relação à salvação, podem ser muitas, por isso igualmente grandes serão os benefícios, conforme a ordem da Providência. A quarta promessa diz: o Rosário fará germinar as virtudes; este também fará que seus devotos obtenham tudo da misericórdia divina; substituirá no Coração dos homens o amor do mundo pelo amor por Deus e os elevará a desejar as coisas celestiais e eternas.

Misericórdia

Quantas almas por esse meio se santificarão! E a última promessa complementa: "A devoção ao santo Rosário é um sinal de predestinação à glória".

Por fim, é preciso dizer que é importantíssimo rezar o Rosário pelos pecadores, dentre os quais os primeiros da lista somos sempre nós mesmos, mas também pregá-lo, ensiná-lo, difundi-lo, distribuí-lo, aconselhá-lo vivamente aos que perderam a esperança que comecem a rezá-lo o quanto antes e que não deixem de rezá-lo. E aqueles que se encontram no caminho de conversão que o rezem ainda com maior fervor, para alcançarem a santificação pessoal. O Rosário é caminho seguro!

Trecho extraído do livro "O poder do Rosário", do padre Alexandre L. Alessio, CR


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/cura-interior/o-rosario-alcanca-gracas-de-conversao-e-santificacao/

13 de janeiro de 2021

A Palavra de Deus assusta você?


Conta-nos São Lucas, no capítulo 24 dos Atos dos Apóstolos, que Paulo estava sendo acusado pelos judeus diante do governador Félix. Enquanto aguardava o julgamento, Paulo foi chamado pelo governador e por sua esposa, que pediram que lhes falasse da fé em Jesus Cristo. Paulo começou a fazer a exposição, mas como em sua pregação falou sobre a justiça, a castidade e o juízo futuro, Félix, todo atemorizado, disse-lhe: "Por ora podes retirar-te; eu te chamarei em outra ocasião". De fato, ele o chamou em outras ocasiões, mas, conforme diz a Palavra de Deus, ele assim o fazia porque se entretinha com Paulo e porque esperava que o apóstolo lhe desse algum dinheiro.

Félix parece em grande medida um cidadão do nosso tempo. Ele buscava o Evangelho interessado nos bens materiais que poderia obter, mas quando ouvia que era necessário se converter, ser santo, casto e que haveria um julgamento futuro, isso o assustava e ele preferia parar de ouvir. Esse episódio é bem significativo para refletirmos sobre uma realidade evidente, mas que muitas vezes parecemos querer esquecer: nem todos se converterão ao ouvir o anúncio do Evangelho, mas não é por isso que devemos suavizar a Boa Nova para atrair mais pessoas. Muitos de nós poderemos até passar anos ouvindo a Palavra, participando da Santa Missa, ouvindo pregações, rezando, indo a grupos de oração, mas com o coração voltado para as realidades terrenas – bens, saúde, vitória aqui nesse mundo – e não para a conversão que precisamos viver para passarmos pelo julgamento futuro. É como aquela pessoa que diz: "Eu gosto muito do padre fulano, só não gosto mesmo quando ele começa a falar desse negócio de ir para o inferno", ou "o padre beltrano é muito bom, mas ele exagera quando fala que o casal não pode usar anticoncepcional".

A Palavra de Deus assusta você

Foto Ilustrativa: by Getty Images / worradirek

A Palavra de Deus atinge a alma e o corpo

Félix foi até Paulo talvez esperando ouvir coisas bonitas, românticas, que fizessem carinho no seu ego. Quem sabe ele quisesse ouvir palavras de esperança, promessas de vitória, anúncio de maravilhas e milagres, mas nada que "incomodasse" o seu modo de viver. Nada muito diferente da nossa geração, frise-se. A Palavra de Deus, contudo, não é uma escova massageadora, feita para nos sentirmos bem. Pelo contrário, ela é "mais penetrante que uma espada de dois gumes e atinge até a divisão da alma e do corpo, das juntas e medulas". Paulo sabia muito bem que não existe "versão light" do Evangelho. Ele não poderia aliviar o seu discurso para não ofender ou assustar o governador, ou mesmo para que o governador, naquele momento, aderisse à Fé em Cristo, sem necessariamente saber de toda a verdade. O Evangelho é a Verdade. Se você oculta partes incômodas ou que pareçam radicais demais para ouvidos sensíveis, não pode haver verdadeira conversão.

Se Paulo enfatizou a vivência da castidade na sua primeira pregação para Félix é porque muito provavelmente ali se vivia uma devassidão moral muito grande. O que Jesus ensinava às multidões era "convertei-vos e crede no Evangelho". Tudo começa com a conversão. O Evangelho, portanto, é essa espada que penetra o coração e nos leva a perceber que é necessário um rompimento do homem velho com o homem novo, guiado pelo Espírito Santo. A Palavra de Deus precisa me incomodar, tocar nas minhas feridas, precisa me atemorizar como atemorizou Félix. A diferença é a maneira como eu respondo à Palavra. Posso decidir fugir ou me esquivar do que me incomoda ou crer na Misericórdia Divina e decidir mudar de vida. E aqui é fundamental que fique bem claro que não existe meio do caminho. Uma pessoa que se esquiva de um pedaço do Evangelho não está vivendo "quase tudo". Ela continua sem seguir Cristo. O Evangelho pede adesão total: "Sede santos, assim como o vosso Pai Celeste é santo".


Você é o Felix quando o assunto é o Evangelho?

Examine a sua vida, meu caro irmão, e veja se você não tem se comportado como Félix, que fica chocado com algumas partes do Evangelho e diz que ouvirá aquilo em outra ocasião. Pode não haver outra ocasião. O tempo para se converter não é amanhã ou depois, porque só temos o hoje. Assim como Félix visitava Paulo na esperança de que ele lhe desse algum dinheiro, nós rezamos a Deus pedindo que nossos negócios prosperem, que tenhamos saúde, que consigamos um marido ou uma esposa. Tudo isso é coisa boa e lícita, mas "o mundo está pegando fogo", nos adverte Santa Teresa d'Ávila. As almas estão se perdendo por viverem no pecado e nós perdemos tempo pedindo coisas que não contribuem para a nossa salvação nem para a salvação das almas.

Não é tempo de tratar com Deus de assuntos de pouca importância, nos admoesta Santa Teresa. É urgente a salvação das almas, a começar pela nossa própria. Gastemos nosso tempo diante de Deus pedindo a graça da conversão, da mudança de vida. Vivamos em vista do Reino de Deus, do dia do juízo. Obedeçamos ao que nos foi ordenado por Nosso Senhor Jesus Cristo: "Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e tudo mais vos será dado em acréscimo". Todo o resto é acréscimo. Félix passou cerca de dois anos ouvindo Paulo. Não sabemos se em algum momento após o primeiro encontro ele se converteu ou não, pois Lucas guarda silêncio a respeito disso. Eu sei da minha necessidade de conversão. Você, caro leitor, deve saber da sua. Não fuja de Cristo. Pelo contrário, deixe-se alcançar por Ele e peça ao Espírito Santo a graça da prontidão quando ouvir o convite sempre urgente do Senhor para abandonar a vida velha e sonolenta e segui-lo até a cruz: "Levantai-vos, vamos!"



José Leonardo Nascimento

José Leonardo Ribeiro Nascimento é casado, pai de quatro filhos e membro do segundo elo da Comunidade Canção Nova desde 2007. Natural de Paripiranga (BA), cursou Ciências Contábeis na Universidade Federal de Sergipe e fez pós-graduação em economia por meio do Minerva Program, na George Washington University, nos Estados Unidos. Trabalha, há 18 anos, como Auditor Federal na Controladoria-Geral da União em Aracaju (SE). Ele e sua esposa trabalham, há muitos anos, com a evangelização de casais e de famílias, coordenando grupos e pregando em retiros e encontros.
Instagram: @leonardonascimentocn | Facebook: @leonardonascimentocn


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/biblia/estudo-biblico/palavra-de-deus-assusta-voce/

11 de janeiro de 2021

A amizade é o estágio mais aperfeiçoado do amor


Quantas vezes nossa alma precisa ser saciada por presença? Quantas vezes, em meio à pressa, queremos alguém que nos olhe com calma? Quantas vezes, em meio às tribulações e desilusões, desejamos alguém que nos levante, alguém que nos impulsione a ser mais? Quantas vezes, nesta vida passageira, queremos alguém que escolha ficar? Quantas vezes desejamos que alguém seja cura em meio a um deserto árido de feridas? Inúmeras vezes, nossa alma deseja a presença daquele que é um dos maiores dons dado por Deus: o amigo! Em cada alma existe o desejo de saber que seu coração é conhecido e que ele não precisa de máscaras.

Jesus escolheu amigos, trouxe-os para perto, ensinou-os a viver na alegria e na dor, mostrou-lhes com a Sua vida que o olhar capaz de nos devolver é o olhar de quem nos olha por dentro. Ensinou que a amizade é uma forma de amar, que ela é um caminho construído por duas mãos, um caminho de rosas e espinhos. A amizade é aperfeiçoada no caminho do calvário, no caminho do verdadeiro amor. Por isso, ela é assim, um misto de dores e alegrias, de lutas e conquistas, de distância e presença, ela é junção de todas as estações, do inverno à primavera.

Foto Ilustrativa: Arquivo CN/cancaonova.com

A amizade nos ensina e nos devolve a nós mesmos

Amigo é aquele que deseja e escolhe permanecer sabendo que haverá momentos em que, na escuridão da alma, ele será a luz capaz de mostrar uma saída. Por isso "um amigo fiel é bálsamo de vida" (Eclo 6,16), porque nele moram remédios, curas, confrontos e luzes capazes de iluminar o coração que, tantas vezes, se esquece de quem é. A amizade tem o poder de nos devolver a nós mesmos, e assim nos devolver ao próprio amor que é Deus.

Eu experimentei que ser amigo é escolher ficar, é permanecer tendo todos os motivos para ir. A amizade é um caminho certo que nos ensina a sair de nós, ensina-nos a demonstrar afeto, a cuidar e zelar pelo sagrado que o outro é. Com a amizade, eu aprendi a me doar por inteiro e a reconstruir os meus lugares feridos. Ela tem o poder de nos curar e nos abrir para o amor!


Por isso, a importância de alimentarmos as amizades que nos conduzem para o lugar de encontro que é o amor: Deus! A importância de valorizarmos, cuidarmos do dom que é o amigo! A importância de demonstrarmos amor, cuidado e, mais do que isso, viver, continuamente, na verdade. Isso sim trará para perto os verdadeiros amigos.

Não desperdice tempo

Jesus quis precisar de amigos, confiar neles, abrir Seu coração e lhes mostrar a Sua missão. Assim devemos ser nós: ter amigos capazes de nos mostrar aquilo que a visão não enxerga, mostrar o caminho de felicidade que Deus tem para nós.

Não desperdicemos nosso tempo, cuidemos de nossos amigos, procuremos todo eles e os amemos. Não tenhamos medo do inverno nem da primavera. Na amizade, todas as estações são importantes. Não descarte nada que acontece! Viva o inverno, viva a primavera e o outono da alma! Seja amigo e permaneça!



Brigite Cortez

Brigite Cortez, natural de Portugal, é missionária na Comunidade Canção Nova onde atua na Casa de Missão da França.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/relacionamento/amizade/a-amizade-e-o-estagio-mais-aperfeicoado-do-amor/

6 de janeiro de 2021

No seu momento de descanso você também dá férias pra Deus?


Mesmo não querendo desenvolver uma teologia de férias ou de descanso, nos propomos a olhar à Palavra de Deus, com esse tema em mente. Ao fazer isso, nos deparamos com alguns fatos que deveriam nos conduzir a uma reflexão pessoal de como encaramos esse período de descanso e de como esse tempo é vivido para a glória do Criador.

Para quem pensa nesse assuntos, nas primeiras páginas da Bíblia, vemos um fato que não pode passar despercebido. Vemos ali como Deus nos apresenta, pelo exemplo, o que deveria ser nossa atitude para com o trabalho e para com o descanso: "No sétimo dia, Deus já havia concluído a obra que realizara, e nesse dia descansou. Abençoou Deus o sétimo dia e o santificou, porque nele descansou de toda a obra que realizara na criação" (Gn 2,2-3).

 

Foto Ilustrativa: by Getty Image / Solovyova

O primeiro exemplo de férias após a criação

O primeiro ensinamento a respeito de descanso e de férias é dado pelo exemplo de Deus, logo após a criação. Mas, em seguida, nas próximas páginas da Bíblia, encontramos uma palavra de Deus a esse respeito, em forma de ordenação: "Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo. Trabalharás seis dias e neles farás todos os teus trabalhos, mas o sétimo dia é o sábado dedicado ao Senhor, o teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teus filhos ou filhas, nem teus servos ou servas, nem teus animais, nem os estrangeiros que morarem em tuas cidades" (Ex 20,8-10).

Certamente, Deus não faz nada sem propósito. Se Ele ordena que descansemos no sétimo dia, então, além de usarmos esse dia para a glória do Criador, o Senhor está consciente do fato de precisarmos regularmente do descanso. O Novo Testamento nos diz que, o nosso corpo é o templo de Espírito Santo. Diante disso, é difícil imaginar que Deus Pai queira para si um templo que esteja cansado e exausto. Isso não seria um lugar agradável para morar.

Virando várias páginas da Sagrada Escritura, chegamos ao Novo Testamento. Ali, nos deparamos com um fato bem interessante em relação ao descanso e, porque não dizer, com relação às férias: "Os apóstolos reuniram-se a Jesus e lhe relataram tudo o que tinham feito e ensinado. Havia muita gente indo e vindo, a ponto de eles não terem tempo para comer. Jesus lhes disse: 'Venham comigo para um lugar deserto e descansem um pouco'" (Mc 6,30-31). Os apóstolos acabam de retornar de um esforço missionário evangelístico. Além disso, recebem a notícia de que João Batista fora decapitado. O movimento em torno de Nosso Senhor Jesus Cristo estava tão intenso que nem mesmo havia condições para alimentação adequada. Naquele momento, Cristo entra em ação com esta proposta brilhante: Ele afirma que devem procurar um lugar deserto, isto é, um lugar em que não haja tantas pessoas, um lugar que proporcione tempo e oportunidade de estarem a sós com Ele. Apesar do sucesso do Seu ministério, o Senhor está consciente de que precisa prevenir o estresse, como resultado de atividades tão intensas.

A Bíblia é esclarecedora

Temos ainda outro assunto discutido na Bíblia e bem destacado. Lemos, em Êxodo 20, que todos da unidade doméstica estariam incluídos no descanso regular semanal. Interessante notar ali que, inclusive, os animais não deveriam fazer tarefa alguma no dia do descanso. Isso fez com que, me desse conta de que, o Criador, prevê o descanso para a natureza. Veja, por exemplo, o que lemos em Levítico 25,2-5: " Diga o seguinte aos israelitas: 'Quando vocês entrarem na terra que lhes dou, a própria terra guardará um sábado para o Senhor. Durante seis anos semeiem as suas lavouras, aparem as suas vinhas e façam a colheita de suas plantações. Mas no sétimo ano a terra terá um sábado de descanso, um sábado dedicado ao Senhor. Não semeiem as suas lavouras nem aparem as suas vinhas'". Assim como os homens e os animais precisam de descanso, a natureza também precisa dessa pausa e, Deus já estabeleceu isso junto ao Seu povo.


Há mais um momento na vida de Jesus Cristo que merece a nossa atenção nesse contexto. Mesmo que, anteriormente, tenha estimulado o descanso ao levar os discípulos a uma viagem de recreação, o Senhor aponta agora que o repouso também pode ocorrer em hora errada. Ele diz aos Seus seguidores, ali no Getsêmani, o seguinte: "Vocês ainda dormem e descansam? Basta! Chegou a hora! Eis que o Filho do homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores" (Mc 14,41). Há momentos em que não comportam descanso e ócio; é preciso adotar uma atitude bem diferente. Na realidade, não se pode indicar os momentos não apropriados para o descanso, mas, certamente, teremos a devida orientação por parte de Deus a respeito dessa questão.

Dar férias também para Deus?

Ciente de não ter esgotado esse pano de fundo para as férias e descanso, nós nos propomos, agora, a fazer algumas indagações e reflexões. Deus quer que tenhamos tempo para restaurar as forças físicas, mentais e espirituais. No entanto, nossa inquietação é: o que nós chamamos de descanso, o que nós praticamos como descanso e que nós encaramos como as "bem merecidas férias"? Estaria, o Senhor, contente com o repouso que praticamos? Ele convidou os discípulos para uma viagem de férias, para estarem com Ele e terem tempo para estarem em sintonia com o Filho de Deus. Será que planejamos as nossas férias para alcançar esse propósito?

Podemos nos perguntar também: – Será que Deus aprovaria os locais que escolhemos para descansar? Os lugares mais badalados e, também, procurados são as praias e os balneários das termas. Será que esses lugares nos proporcionam descanso e restauração física, mental e espiritual? Uma vez que ali há um aglomerado tão grande de pessoas, sempre há alguma coisa acontecendo e nos convidando para o envolvimento. Por outro lado, corre solta a sensualidade em todas as formas, ela parece ser o fator principal nesses "locais de férias". Se formos honestos e atenciosos, descobriremos que, em vez de descanso, alcançaremos algo bem mais forte em emoções e adrenalina e em estímulos sexuais? Como se isso ainda não bastasse, muitos ali ficarão com a autoestima tão abalada ao verem que o corpo não está dentro dos padrões de beleza estabelecidos por aqueles que procuram e desenvolvem os padrões de beleza em nossos dias. Toda a mídia se esforça em desenvolver um modelo de repouso ideal, esse prevê e precisa que as férias sejam regadas de muita bebida alcoólica.

O cansaço afeta o corpo e a mente

É evidente que, em nossos dias, realmente precisamos de férias, precisamos de descanso, precisamos "recarregar as nossas baterias". O nosso esgotamento ocorre nas três áreas que já indicamos anteriormente: física, mental e espiritual. Muitas vezes, somos exigidos de forma tão vigorosa fisicamente que o corpo fica arrasado. Isso tem consequências sobre a mente e, certamente, também sobre a parte espiritual.

Outras vezes, e isso depende da nossa atividade, é exigido tanto da mente que afeta até o corpo e, em consequência disso, o nosso espírito. Já outras atividades exigem tanto do "coração e do espírito" que nos deixam arrasados nessa área. E, se estamos exaustos, esse cansaço também afeta o corpo e a mente. Mesmo que teoricamente funcionemos em áreas, formamos um todo, e esse todo sofre com dificuldades em uma ou outra área. Dentro desse raciocínio, deve-se ter uma inquietação: nossas férias facilmente se tornam o momento ou o período em que nós também damos férias a Deus? As coisas parecem estar tão perfeitas e gostosas que não precisamos do Senhor? Ou então dormimos tanto pela manhã, para já não haver mais tempo para um período devocional antes de irmos aos passeios. Por outro lado, esses passeios nos cansam tanto que, à tarde, temos de ter aquela soneca gostosa? À noite, muitas vezes, acontece alguma festa com amigos ou parentes, que estão no mesmo lugar, e a hora fica avançada demais para ainda termos tempo para Deus? Dentro dessa linha, uma outra pergunta: "Será que Deus aprovaria o fato de darmos, em nossas férias, férias também para Ele?".



Padre Anderson Marçal

Anderson Marçal Moreira é padre da Igreja Católica Apostólica Romana. Natural da cidade de São Paulo (SP), padre Anderson é membro da comunidade Canção Nova desde o ano 2000. No dia 16 de dezembro de 2007, foi ordenado sacerdote. Estudou Teologia Pastoral Bíblica-Litúrgica na Universidade Salesiana de Roma. Autor de livros publicados pela Editora Canção Nova.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/no-seu-momento-de-descanso-voce-tambem-da-ferias-pra-deus/

4 de janeiro de 2021

Ano novo, vida nova: o clichê que traz revisão de vida


A primeira parte do título acima é uma daquelas frases prontas. Um clichê falado e escrito por muita gente em toda virada de ano. Contudo, expressa um desejo de que essa vida nova aconteça, de fato, a partir da mudança de calendário.

Diante da pandemia que o mundo ainda enfrenta, muitos dizem que 2020 foi um ano para ser esquecido. Mas não seria melhor, neste início de ano, ver o ano passado como uma grande oportunidade de revisão de vida e, a partir de agora, estabelecer novas metas e planos para 2021?

Ano novo, vida nova: o clichê que traz revisão de vida

Foto ilustrativa: RomoloTavani by Getty Images

Vejamos agora um passo a passo prático para a nossa retrospectiva pessoal:

  • Como enfrentei, interiormente, um ano de 2020 tão inesperado? Dei lugar ao medo ou à esperança?
  • Tive os devidos cuidados de saúde física comigo, com o outro, minha família e sociedade?
  • Fui responsável e empenhado(a) com minhas responsabilidades de trabalho, com os filhos, casa, atividades na Igreja, apesar de todas as adaptações?
  • Como organizei meu tempo? Priorizei o que era essencial? Vida de oração, família, leitura, menos tempo no celular etc.
  • Mantive minha relação com Deus, na confiança de que Sua Providência rege todos os acontecimentos da história mundial e pessoal?

Que tal um retiro para iniciar o ano?

Pronto! Já temos aí um pequeno roteiro de revisão de vida. Que tal pegarmos estes questionamentos (e outros mais que desejar) para realizar um retiro neste começo de 2021? Sempre é fundamental pararmos, silenciarmos e rezarmos a fim de ouvir de Deus o que ele tem para nós e qual deve ser a nossa parte.

Um pensamento que pode nos encher de ânimo, esperança e disposição vem de Santo Inácio de Loyola: "Ore como se tudo dependesse de Deus e trabalhe se como tudo dependesse de si". Ou seja, vamos arregaçar as mangas para realizar o que a nós compete, contando com a graça e o dom de Deus que nos precedem.

Analisamos o que ficou para trás e nos projetamos para o que há de vir. A partir dessa sugestão de realizar um retiro no início de 2021, podemos estabelecer ainda as nossas metas e planos pessoais. Eis algumas dicas:

  • Ainda há incertezas diante do contexto atual. Porém, como posso me planejar e me lançar ao novo?
  • Estabelecer metas factíveis e irrealizáveis. Ficar só nos planos das ideias não vai adiantar.
  • Lerei mais livros? (Re)começarei atividade física ou algum outro empreendimento?
  • Preciso investir e cuidar mais da minha saúde, lado profissional e familiar?
  • O que Deus me pede? Necessito perdoar alguém e buscar mais a conversão? Que pontos concretos podem ser transformados em mim?
  • O que desejo consagrar a Virgem Maria e, em especial, ao seu esposo, neste Ano de São José?
  • Quero cultivar mais a minha relação com Deus? Alimentar a fé e a esperança pode transformar e contribuir consideravelmente em todas as áreas da vida.


Renovação!

Uma inspiração que me acompanhou, desde o início da pandemia, quando as atividades foram encerradas, igrejas fechadas e o mundo se viu no "novo normal", foi de que a humanidade estava toda dentro do sepulcro de Cristo. Ele morreu na Cruz, desceu à mansão dos mortos e, na liturgia do Tríduo Pascal, da Sexta-feira Santa até a Vigília Pascal, no Sábado Santo, não há Missa, adoração ao Santíssimo e os sacrários ficam sem a hóstia consagrada. Um dia de silêncio profundo pela morte de Jesus. Céus e terra aguardam o terceiro dia, quando o Cristo Ressuscitado vence a morte e traz a vida nova!

Portanto, não é só um jargão: "ano novo, vida nova". Estamos todos também, na atualidade, no silêncio, no "confinamento", na interiorização, esperando que morram as atitudes velhas e o medo para, na verdade, tudo isso dar lugar à Ressurreição, à vida nova trazida pelo Cristo Jesus!

Ele não permaneceu na Cruz. Todo sofrimento passou. Tudo passa também em nossas vidas, momentos tristes e alegres. O que não passa e não podemos deixar passar é Deus como o Senhor de nossas vidas, como centro de tudo!

Se não nos afastamos dessa essência, o "ano novo, vida nova" não será mais um clichê, mas a grande certeza de nossa existência e a confiança do Senhor que intervém em nossa história, não importa o tempo, o lugar nem as circunstâncias. Ele é mestre do novo, da novidade, da renovação!



Gracielle Reis

Missionária da Comunidade Canção Nova, carioca, jornalista pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e bacharel em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Gracielle já atuou em coberturas jornalísticas nacionais e internacionais, especialmente na Terra Santa. A jornalista tem experiência em rádio, TV e plataformas digitais, além de projetos de evangelização nacionais para a juventude. Atualmente, é jornalista da TV Canção Nova de Portugal. No país luso, lançou-se em novas atividades, como instrutora do Billings Portugal e consultora de coloração pessoal.

Contatos: graciellereis@gmail.com

Instagram: @graciellereiscn


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/ano-novo/ano-novo-vida-nova-o-cliche-que-traz-revisao-de-vida/