15 de outubro de 2018

A influência da sexualidade entre homem e mulher

A sexualidade é algo que deve ser integrado na dinâmica geral da pessoa

Biologicamente, não existe um ser humano assexuado, mas sim homem e mulher, cada um com características sexuais próprias. Porém, a sexualidade não envolve somente a dimensão corporal e biológica.

Sabendo que a sexualidade atinge também a dimensão da subjetividade humana, verifica-se que existe uma maneira masculina e feminina de pensar, imaginar, amar, agir e reagir; é o que se pode chamar de desejo sexual.

A menina sente desejo pelo menino e vice-versa; é o desejo heterossexual. Nesse nível, a sexualidade torna-se comportamento, sentimento. Ao tornar-se vivência, a sexualidade humana configura o comportamento pessoal, revelado no modo de se vestir, na maneira como a pessoa age diante do sexo oposto entre outros. A sexualidade é algo que deve ser integrado na dinâmica geral da pessoa.

A influência da sexualidade entre homem e mulher

Foto ilustrativa: Daniel Mafra/cancaonova.com

Dimensão psicológica

A dimensão psicológica, o eros, a esfera do erótico é entendida como a área da atração, do desejo. É por meio dessa dimensão que entramos no âmbito dos sentimentos. É o campo da sensualidade, entendida em seu aspecto positivo. É algo como a irradiação da emoção sexual sobre todo o corpo.

Dimensão erótica

Na dimensão erótica, a linguagem mais comum é a da ternura, que se manifesta na vontade e na necessidade de dar e receber carinho. A sexualidade não permanece localizada exclusivamente nas zonas erógenas, encontra-se no todo do sujeito, como ser corpóreo.


Relação heterossexual

A relação heterossexual (entre homem e mulher) deve ser uma linguagem de amor. Não deve se guiar unicamente pela força do impulso biológico, mas deve ser assumida pela capacidade de amar e doar-se plenamente. Toda relação heterossexual que não consegue alcançar a linguagem humana do amor como expressão e, ao mesmo tempo, realização, acha-se distorcida e, portanto, é descartável do ponto de vista cristão.

Uma sexualidade que não apresenta a linguagem do amor é falha e compromete a realização do amor. É um comportamento sexual não condizente com a autêntica noção da sexualidade humana. A sexualidade precisa expressar-se pela linguagem do amor, do respeito, do compromisso, da fidelidade e da comunhão plena.

Linguagem de amor mútuo

O amor conjugal refere-se a algo já preestabelecido, pois, fundamentalmente, o homem está destinado à mulher e a mulher ao homem. São seres que se complementam. A sexualidade é a inscrição, na própria carne e em todo ser, de que os indivíduos não foram feitos para viver isolados. É a expressão da linguagem de amor mútuo, por isso mesmo, não pode ser considerada simplesmente um instinto fisiológico.

A pessoa se realiza no relacionamento responsável e de amor. Por ser um modo de aproximação do outro, ela pode ajudar a promover o desenvolvimento da personalidade ou bloqueá-lo. Pode, portanto, em alguns casos, criar conflitos em vez de aproximação.

A felicidade é um objeto constantemente buscado pelo homem. Não importa o que ele faça, todas as suas ações estão destinadas ao encontro da felicidade. Para que isso se realize, de fato, o homem precisa enfrentar o desafio de educar a sua sexualidade, encontrar um modo de domínio sobre ela.

Plenitude da sexualidade

A plenitude pessoal alcançada pela sexualidade só pode acontecer na vida matrimonial, pois a sexualidade é a expressão do nosso modo de amar. Por ser algo de tão grande valor e dignidade, a sua desintegração (voltada para a prostituição, estupro, pedofilia) pode ser destruidora.


Padre Mário Marcelo

Mestre em zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (MG), padre Mário é também licenciado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (SC) e bacharel em Teologia pela PUC-RJ. Mestre em Teologia Prática pelo Centro Universitário Assunção (SP). Doutor em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana de Roma/Itália. O sacerdote é autor e assessor na área de Bioética e Teologia Moral; além de professor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP). Membro da Sociedade Brasileira de Teologia Moral e da Sociedade Brasileira de Bioética.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/afetividade-e-sexualidade/castidade/a-influencia-da-sexualidade-entre-homem-e-mulher/

10 de outubro de 2018

Quais são os traços que a santidade dos nossos dias nos trazem?

Precisamos atualizar a santidade

Neste artigo, vamos continuar nosso caminho rumo à santidade proposto pelo Papa Francisco na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate. Percebemos, nos artigos anteriores, que o caminho de santidade consiste no mandamento do amor. Nas Sagradas Escrituras, o próprio Senhor deixou claro ser este o maior mandamento: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e teu próximo como a ti mesmo." (Lc 10,27).

É mais do que importante sabermos as características ou os traços que podem fazer de nós santos nos tempos atuais. Bem sabemos que o contexto sociocultural no qual estamos vivendo não é nada fácil. Atualmente, temos desafios próprios, relacionados à maneira de pensar, às ideologias que surgem e um contexto humano específico dos nossos dias.

Quais são os traços que a santidade dos nossos dias trazem?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

O Papa nos alerta dos riscos

Talvez, a sua vida seja tão corrida devido aos afazeres de casa, do trabalho, dos estudos, filhos e compromissos sociais, que você tenha certas atitudes que não fazem bem para você e muito menos para os outros que convivem com você. Às vezes, você nem percebe tais atitudes. Contudo, o Papa Francisco nos lembra atitudes que são comuns a nós, mas precisamos evitar "a ansiedade nervosa e violenta que nos dispersa e enfraquece; o negativismo e a tristeza; a acídia (preguiça) cômoda, consumista e egoísta; o individualismo e tantas formas de falsa espiritualidade sem encontro com Deus que reinam no mercado religioso atual". (n. 111).

O Papa nos alerta sobre uma espiritualidade sem Deus. Parece algo paradoxal e até estranho aos nossos ouvidos, "como podemos ter uma espiritualidade cristã sem Deus?". Podemos comparar com uma festa de casamento sem os noivos. É absurdo! Mas Francisco deixa claro que acontece. Como características contrárias a essas atitudes, o Papa nos deixa cinco formas de manifestarmos o amor a Deus e ao próximo.


Cinco manifestações do amor

O primeiro ato de amor é: "permanecer centrado, firme em Deus que ama e sustenta". Essa primeira característica nos permite suportar as dificuldades e até mesmo as agressões que se apresentam a nós, afirma Francisco. (Cf. n. 112). Permanecer centrado e firme em Deus, que nos ama, será o motivo da nossa paz, e fará de nós testemunhas de uma santidade possível. Lutar contra as nossas inclinações agressivas e egocêntricas, combatendo-as com a firmeza interior que procede de Deus, eis o segredo para conservar-nos centrados na busca pela santidade. Peçamos a Deus o dom da firmeza interior.

O segundo ato consiste em "viver com alegria e sentido de humor". A santidade não consiste em ser triste ou amarga, desanimada, mas a nossa alegria contagiará os outros e atrairá a esperança. O Papa, no n. 122, utiliza de São Tomás de Aquino na Suma Teológica e nos diz: "do amor de caridade, segue-se necessariamente a alegria. Pois quem ama sempre se alegra na união com o amado". Meus irmãos, o amor é o fundamento da alegria. Se amamos a Deus, não podemos ser tristes. Ainda temos a possibilidade de amar fraternalmente e assim nos alegrar, ou seja, a alegria do outro alegra-me também. "Alegrai-vos com os que se alegram". (Rm 12,15).

Como terceiro ato, Papa Francisco traz a parresia, que significa ousadia e ardor, como impulsos do evangelizar cristão. É próprio de quem experimenta o sabor da santidade, mesmo que de forma limitada a desejar que outros também experimentem essa graça, e esse desejo é evangelização com parresia. E quem nos dá a parresia? Ela é própria do Espírito Santo, por isso peçamos o Espírito, a fim de que nos dê ousadia e ardor na evangelização.

Corremos o risco de cairmos em um comodismo, procurando as nossas próprias seguranças, afirma o Papa. Porém, Deus se faz novidade e a seu exemplo nos quer tirar da vida cômoda: "Ele próprio se fez periferia. Por isso, se ousarmos ir às periferias, lá o encontraremos […]" (n. 135). Jesus está naqueles irmãos que estão feridos e excluídos da sociedade. (Cf. n. 135).

O quarto ato de amor que nos leva à santificação é a vida em comunidade. É fato que, quando estamos sozinhos, corremos mais riscos de cairmos e sucumbirmos à tentação. Além disso, a vida comunitária também proporciona o crescimento espiritual, pois é a oportunidade de exercitarmos as virtudes. Francisco nos diz: "A comunidade é chamada a criar aquele espaço teologal onde se pode experimentar a presença mística do Senhor ressuscitado. Assim como viver os sacramentos. A comunidade é guardiã do amor.

Por fim, o quinto e último ato de amor é o que o nosso Papa chama de oração constante. Não podemos ser santos sem ter um espírito orante. Gosto da definição de oração de Santa Teresa quando ela diz: "oração é um trato de amizade, estando muitas vezes a sós com quem amamos." O santo tem necessidade de estar nessa relação com Deus. Mas para isso precisa que nós tiremos um tempo do nosso dia para estarmos com o Amado de nossas almas. Procuremos ocasiões e momentos para estar a sós com Ele, o silêncio é o nosso amigo para que esse diálogo aconteça.

Espero que, com a ajuda do nosso amado Papa Francisco, seguindo os passos indicados nesta exortação apostólica, cheguemos à santidade tão desejada por Deus para as nossas vidas. Que encarnemos essas características e busquemos a vontade de Deus no nosso dia a dia.



Fábio Nunes

Francisco Fábio Nunes
Natural de Fortaleza (CE), é missionário da Comunidade Canção Nova e candidato às Ordens Sacras. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP), Fábio Nunes é também Bacharelando em Teologia pela Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP) . Atua no Departamento de Internet da Canção Nova, no Santuário do Pai das Misericórdias e nos Confessionários.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/quais-sao-os-tracos-que-santidade-dos-nossos-dias-nos-trazem/

8 de outubro de 2018

Como controlar a internet para as crianças como uma forma de diversão?

As crianças precisam assistir a conteúdos educativos na internet e TV

Pequenas ou grandes, as crianças estão ali. Vídeos infantis, coloridos, músicas de todos os tipos, animadas por desenhos ou fotos e pronto, ali já ficam vidradas. Os olhinhos brilham, o dedinho já rola pra lá e pra cá. Nesse momento, o silêncio alivia pais e responsáveis.

É uma distração. É até um alívio mesmo às vezes. Mas até aí o cuidado precisa ser constante e monitorado.

Como controlar a internet para as crianças como uma forma de diversão

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Testemunho

Em nosso trabalho, no setor infanto-juvenil na Canção Nova, temos contato com muitas mães e suas experiências. Veja este testemunho que ainda é do tempo da TV ou DVD, mas sua atitude serve para os tempos de hoje:

" Nossos filhos pequenos, ficavam na parte da manhã em casa com uma babá e a tarde iam para a escolinha. Deixávamos um roteiro da manhã e de como deveriam ser as atividades. A sequência era, tomar café, fazer a tarefa da escola (caso não tivesse feito), sair para brincar no pátio do prédio onde morávamos e, depois, poderiam ficar por uma hora vendo TV ou DVD. Os programas e vídeos eram escolhidos por nós. Quando a TV não atendia nossas necessidades, já deixávamos os DVDs próprios com conteúdos educativos e religiosos, porém infantis e alegres, para que eles tivessem este momento. O mesmo acontecia quando nós, eu e meu esposo, estávamos em casa com eles. Eram brincadeiras, leitura de histórias, muitas vezes bíblicas, tarefas e um tempo de TV ou vídeo, já selecionados por nós. Penso que isso fez uma grande diferença na vida deles. Ainda há pouco tempo, ouvi minha filha, já adolescente, testemunhar entre amigos que, desde pequena, cresceu envolvida com produtos de evangelização. Por outro lado, já ouvi reclamações do meu filho, também adolescente, em tom de brincadeira, dizendo: "Não entendo por que vocês não deixavam a gente ver esse desenho ou aquele, e esperou nós crescermos para ver alguns deles?". Respondi: "Porque, quando você cresceu mais, eu pude lhe explicar o que ensinava aquele desenho e qual era o objetivo dele. Então, você já não assistia de maneira passiva, assumindo tudo para si, mas sim com um olhar mais esperto, para não cair nas armadilhas embutidas ali". Bom, não costumamos impedi-los de ver tudo, mas, o que conseguimos retardar para explicar ajudou muito. Em alguns casos, a explicação do que era, já fazia com que eles mesmos não quisessem ver."

O que fazer na era virtual?

Hoje, ainda temos a TV e os DVDs, mas também temos os vídeos na internet com acesso rápido e fácil para todas as idades. O que fazer, então? Penso que a mesma tática que essa mãe usou pode ser usada também agora. Selecione os vídeos que podem fazer bem para seus filhos pequenos, dê a eles acesso a esses vídeos, alimente a parte educacional sadia e a parte religiosa, semeando ali o que realmente pode produzir frutos bons. Mas, mesmo assim, organize tempo para brincadeiras, para ler histórias para eles, para tarefas e trabalhos escolares, hora com a babá e hora com você pai e mãe, pois isso fará a diferença.

Dicas

Crianças na internet é um dos desafios de hoje, mas quando é que não teremos desafios, não é mesmo?

Deixamos aqui para você, sugestões que podem lhe ajudar na hora de selecionar os conteúdos de vídeo. Nosso mais novo vídeo – 'Cai, cai sementinha' – fala que o coração das crianças é uma terra boa e bem fofinha, é preciso plantar ali a sementinha da Palavra de Deus. Lembrando que os bem pequenos estão na idade da repetição, então, vão querer ver e ouvir os mesmos vídeos inúmeras vezes; sendo assim, é melhor que sejam vídeos saudáveis, não é mesmo?


Deus nos abençoe!

Roseni Valdez Oliveira
Missionária da Comunidade Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/educacao-de-filhos/como-controlar-a-internet-para-as-criancas-como-uma-forma-de-diversao/

3 de outubro de 2018

Como eu posso fazer para ter uma vida unida a Deus?

Reflita, passo a passo, como unir-se a Deus pelo sacramento da confissão

"Eu quero ter uma vida unida a Deus, mas  como faço isso?" É exatamente isso que vínhamos tratando, há duas semanas, nessa série de textos voltados para a meditação sobre o sacramento da confissão. Inclusive, nós não concluímos o assunto dos elementos da confissão. Escrevemos que há um modo de se libertar, de uma vez por todas, do pecado grave. Tem jeito! Só que existem alguns pontos cruciais que devem ser vividos com intensidade e sinceridade para dar certo. No texto anterior, nós já demos algumas chaves para isso, os "pulos do gato". Precisamos terminar esse assunto para seguir adiante.

Nós já tratamos, rapidamente, do exame de consciência, do arrependimento e do propósito para fazer uma boa confissão. Vale a pena dar uma olhada lá, porque colocamos alguns detalhes sobre essas ações cruciais para libertar-se do pecado grave gradativamente e em definitivo. São esclarecedores!!

Como eu posso fazer para ter uma vida unida a Deus

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Acusação

Agora vamos ao quarto passo: a acusação.

Contar os pecados ao sacerdote. É preciso ser específico na acusação das faltas e colocar, ao máximo, a quantidade de vezes que as cometeu. Não precisa contar a história nem os detalhes, basta dizer qual foi a falta e a quantidade de vezes. Se você não se confessa há muito tempo, precisa dar, pelo menos, uma ideia da quantidade de vezes que foi cometido o pecado. Por exemplo: "Passei tantos anos sem ir à missa dominical". Com relação à gravidade do pecado, isso sim é importante especificar ao máximo. Por exemplo: "Cometi adultério uma vez com uma mulher casada". Nesse caso, foram dois adultérios, o próprio e o que foi induzido à mulher casada. Outro exemplo: "Cometi um roubo, e nele houve assassinato ou violência".

Lembrando que você se encontra em um tribunal, onde o réu confessa os pecados; no entanto, será perdoado pelo juiz, na pessoa do sacerdote. Falamos disso no primeiro texto.

"Ah, mais vou me sentir envergonhado, constrangido…" Quando erramos com alguém, e pedimos perdão, o fazemos por quê? Justamente por ser uma pessoa cara a nós, e não quereríamos a ter ofendido. Essa humilhação é já parte do remédio contra o mal, pois é uma pedagogia de autocorreção nossa frente Àquele que deve ser o mais importante em nossa vida, e do qual não queremos nos afastar.

"Deus é misericórdia. Ele não precisa de nos humilhar assim". De fato, ele não precisa mesmo, somos nós que precisamos reconhecer que não somos iguais a Ele, mas sim criaturas limitadas e dependentes da Sua ajuda. Isso só se faz assumindo a humildade como virtude.


Penitência

O quinto passo trata-se da penitência: "A penitência que o confessor impõe deve ter em conta a situação pessoal do penitente e procurar o seu bem espiritual. Deve corresponder, quando possível, à gravidade e natureza dos pecados cometidos. Pode consistir na oração, num donativo, nas obras de misericórdia, no serviço do próximo, em privações voluntárias, sacrifícios e, sobretudo, na aceitação paciente da cruz que temos de levar. Tais penitências ajudam-nos a configurar-nos com Cristo, que, por Si só, expiou os nossos pecados uma vez por todas. Tais penitências fazem com que nos tornemos co-herdeiros de Cristo Ressuscitado, «uma vez que também sofremos com Ele» (Rm 8, 17)" (CIC 1460).

Por obrigação moral, é bom reparar o que for possível da falta cometida: devolver o que foi roubado, desfazer a calúnia proferida, indenizar por ferimentos etc.

A penitência, às vezes, pode parecer leve demais. Ela existe para nos fazer meditar no mal cometido, e nas suas consequências morais. No entanto, quem pagou o preço foi Cristo, com Sua Paixão, Morte e Ressurreição. Não somos capazes de expiar nenhum pecado, nem mesmo o mais leve.

Absolvição

Por fim, a absolvição: Trata-se da oração, feita pelo sacerdote, de absolvição dos pecados confessados e dos esquecidos; não dos omitidos. Lembrando: se houver omissão de pecados, a confissão torna-se inválida. O nível da graça dada por Deus, no ato da absolvição, varia de pessoa para pessoa, pois depende do grau de devoção do penitente. A devoção não produz a graça, mas é como que o caminho para ela. Logo, a pessoa perceberá o seu efeito suavemente: firmeza de propósito, aumento da fé, força gradativa contra o pecado, aumento do horror pelo mal cometido. Vamos ficando mais fortes na luta contra o pecado.

Permanecendo em estado de graça, é possível, por meio da oração, e principalmente da Eucaristia, receber de Deus as virtudes infusas que nos ajudam a permanecer firmes na luta contra o pecado. Também vamos nos tornando pessoas melhores, realizadas, voltadas para as realidades mais essenciais que nos levam a uma união com Deus.

Temos de Deus a ajuda necessária para permanecer perto d'Ele.

Semana que vem, vamos tratar, brevemente, sobre o pecado, justamente para nos ajudar no exame de consciência.



Roger de Carvalho

Roger de Carvalho, natural de Brasília – DF, é membro da Comunidade Canção Nova desde o ano 2000. Casado com Elisangela Brene e pai de dois filhos. É estudante de Teologia e Filosofia.
Autor do blog "Ad Veritaten".


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/series/confissao/como-eu-posso-fazer-para-ter-uma-vida-unida-deus/

1 de outubro de 2018

Relacionamento saudável: 10 dicas para um bom namoro

Aprenda 10 dicas para um bom namoro

1 – Só comece a namorar quando tiver a convicção de que quer, um dia, se casar. Sem um objetivo na vida, tudo o que fazemos fica vazio; o namoro também, se não tem uma meta, não tem sentido.

2 – Antes de começar a namorar alguém, conheça-o bem por meio de uma boa amizade. É na amizade que surge o namoro, e ela serve também como um pré-namoro. Não seja afoito, não comece a namorar só porque o outro tocou seu coração. Conheça-o primeiro.

3 – Faça do seu namoro um tempo de conhecimento do outro e um meio de ele conhecer você. Sem isso, não será possível saber se o namoro deve continuar ou não. Não se ama quem não se conhece. Então, cada um se revele ao outro com sinceridade.

Relacionamento saudável: 10 dicas para um bom namoro

Foto ilustrativa: skynesher by Getty Images

4 – Não tenha medo de mostrar ao outro a sua realidade e a de sua família. Se ele não o aceitar como você é, e também sua família, com todas as qualidades e defeitos, é porque não o ama de verdade.

5 – Faça o outro crescer. Namoro é tempo de crescer a dois, pelo fermento do amor, da renúncia e do sacrifício pelo outro. Um relacionamento, no qual ambos não crescem humana e espiritualmente, por estarem juntos, é vazio e deve acabar.

6 – Não deixe o egoísmo tomar conta do relacionamento, pois um casal egoísta é como duas bolas de bilhar, que só se encontram para se chocarem e se separarem. O egoísmo mata o amor e destrói o relacionamento.

7 –
Não faça do seu namoro uma vida de casado, com vida sexual e intimidades conjugais. Amanhã, o namoro pode terminar e a marca ficará em você, sobretudo, na mulher. Só tem sentido entregar-se a alguém que, antes, colocou uma aliança em sua mão esquerda e lhe jurou amor e fidelidade até o último dia de sua vida. Não desvalorize suas decisões, seu corpo e sua vida.


8 – Não prenda seu namorado pelo sexo, não faça dele uma "arma", porque a "vítima" pode ser você. Quantas ganharam uma barriga antes da hora, sem ter um berço e um teto para seu filho! Ele merece mais do que isso.

9 –
Não tenha medo de terminar um namoro, no qual só existe briga e reclamação; não empurre o problema com a barriga. Namoro é tempo de conhecer e escolher sem pressa e sem paixão que cega a razão. É melhor chorar uma separação, hoje, do que depois de casados.

10 – Não deixe Deus fora do seu namoro, pois foi Ele quem nos criou, foi Ele quem instituiu o casamento entre um homem e uma mulher, e será Ele quem os unirá para sempre. Deixe que a mão forte de Cristo esteja entre as suas mãos fracas.



Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos", na Rádio apresenta o programa "No Coração da Igreja". Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/relacionamento/namoro/relacionamento-saudavel-10-dicas-para-um-bom-namoro/