18 de julho de 2019

Os dez atos para o casamento feliz

Para que a família viva bem, é preciso que o casal esteja vivendo bem. Para que uma família seja feliz, é importante que o casal experimente a felicidade. Nesses anos de trabalho como terapeutas familiares, temos atendido casais e, diante dos atendimentos, identificamos alguns atos para um casamento feliz. Muitos autores trataram sobre essa temática, no entanto, para nós, esses atos, comportamentos ou mesmo princípios que abordaremos neste capítulo, serão alguns dos quais identificamos a partir da nossa prática clínica e que julgamos serem de suma importância.

Essas atitudes ou atos dizem respeito a comportamentos que trazem a alegria para dentro da casa, e aqueles casais que os praticam têm menor chance de escolher o divórcio como saída.

Não se vive junto para ser cada vez menos feliz, mas para aprender a ser feliz de maneira nova, a partir das possibilidades que abrem uma nova etapa. (Francisco, 2016, p. 193)

Os dez atos para o casamento feliz

Foto ilustrativa: Andréia Britta/cancaonova.com

O que, na verdade, é ser feliz? O que é ter um casamento feliz?

Será que um casamento feliz é aquele isento de conflitos? Primeiro, é importante entender que não existe casamento sem conflito, pois os relacionamentos geram tensões e, certamente, teremos conflitos no casamento e na família. Mas os conflitos não significam, de forma nenhuma, que somos infelizes ou que o nosso casamento é infeliz. Segundo Ferraz, Tavares e Zilberman (2007),

a felicidade é uma emoção básica, caracterizada por um estado emocional positivo, com sentimentos de bem-estar e de prazer, associados à percepção de sucesso e à compreensão coerente e lúcida do mundo.

Os mesmos autores ressaltam ainda que "a felicidade é uma condição que difere da ausência de infelicidade", ou seja, ser feliz não significa a alegria constante, sem nenhum momento de infelicidade. Esses autores demonstram, com a ajuda de pesquisas, que fatores externos, como riqueza, poder e fama, ou mesmo o fato de nos vestirmos conforme a moda, consumirmos determinados produtos, apresentarmos determinada aparência física e tantos outros elementos são ineficazes na busca da felicidade. O artigo aponta teorias que apresentam o otimismo, a resiliência e, principalmente, a religiosidade como fatores preponderantes para a felicidade. De acordo com o trabalho, as pesquisas atestam que pessoas que se descrevem como religiosas tendem a reportar maiores índices de felicidade e satisfação com a vida.

Isso ocorre, porque a espiritualidade ajuda as pessoas a encontrarem um sentido e um propósito; além disso, ao participar da religião conjuntamente com os demais, os religiosos tendem a se sentir menos sozinhos e, talvez por isso, são mais felizes (Ferraz, Tavares e Zilberman, 2007).

O que é a felicidade?

Para nós, a felicidade, realmente, está no agradecimento e reconhecimento de pequenas situações vividas. A felicidade se encontra nas pequenas manifestações da vida. Se quisermos encontrar a felicidade em grandes acontecimentos, talvez nunca nos reconheçamos felizes. Se olharmos para o nosso casamento com um julgamento minucioso, procurando a tristeza, com certeza a encontraremos, mas se entendermos que a felicidade é simples e que o sofrimento é constitutivo da vida, poderemos perceber a felicidade no nosso cotidiano, mesmo que tenhamos sofrimentos.

Muitas vezes, nós idealizamos um final feliz, mas nos esquecemos de investir na felicidade de cada dia; essa felicidade diária se relaciona a pequenas atitudes, comportamentos simples que nos farão interpretar a vida mais positivamente e, portanto, nos tornarão mais felizes.

Então, para que possamos construir um casamento cada vez mais feliz, nós apontamos alguns atos que poderão nortear a nossa vivência, partindo-se do pressuposto de que a felicidade não se encerra nela mesma, mas no dia a dia, em alguns detalhes. É preciso olhar para o que é bom, para descobrir a felicidade. Somos muitos insatisfeitos. Existe em nós uma dificuldade de reconhecer as boas coisas e de ter um coração grato. Quando não fazemos este exercício de ver o bom e reconhecê-lo, podemos experimentar uma expressão popular que muitos dizem no final da vida: "Eu era feliz e não sabia".

Notadamente, um casamento feliz depende das atitudes tanto do esposo quanto da esposa, uma vez que se trata de um relacionamento e, por esse motivo, claramente, os dois são responsáveis pelo bom andamento do matrimônio. Assim, é indispensável o investimento de ambos os cônjuges, e é preciso que se dediquem para que tudo caminhe para o bem da família. Por isso, entendemos que o investimento deve ser de todos.


A seguir, os dez atos para um casamento feliz:

1. Ter Deus como centro;
2. Buscar a cura pessoal;
3. Estar disposto a não desistir;
4. Perdoar;
5. Ser amigo;
6. Namorar;
7. Dialogar;
8. Priorizar o outro;
9. Ser verdadeiro;
10. Ser tolerante com as diferenças e dificuldades do outro.

Para entender melhor esses mandamentos, adquira o livro "Diagnóstico familiar".

Trecho extraído do livro "Diagnóstico familiar".



Diácono João Carlos e Maria Luiza

João Carlos Medeiros é membro do segundo elo Comunidade Canção Nova. Psicólogo clínico e familiar, Medeiros também é logoterapeuta, sexólogo e mestre em sexologia humana. Casado com Maria Luiza da Silva Medeiros que também é membro do segundo elo Comunidade Canção Nova, é psicóloga clínica e familiar. Ela é pós-graduada em psicoterapias cognitivas e em neuropsicologia.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/relacionamento/casamento/os-dez-atos-para-o-casamento-feliz/

15 de julho de 2019

Quando a tribulação vem, como você age?

"É formosa a misericórdia do tempo de tribulação, como nuvem de chuva no tempo de seca" (Eclo 5,26).

Essa palavra é de inquietar o coração de qualquer ser humano, além de despertar um questionamento: como posso enxergar belo o amor do tempo de tribulação?

Muitas vezes, quando estamos passando por alguma tribulação, somos tentados a parar unicamente na dor que ela nos causa. Não enxergamos mais nada, apenas nos lamentarmos por viver aquela tribulação. Aí entra a murmuração e, se deixar, escrevemos até um livro com tanta lamentação.

Por causa disso, perdemos a grande oportunidade de experimentar e perceber o quanto é formosa a misericórdia nos tempos de tribulações de nossa vida… Acostumamos-nos a parar somente no negativo e não sabemos transformar as situações, exatamente por não enxergar a beleza das pequenas coisas, apreciar as situações com outros olhos.

Quando a tribulação vem, como você age?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

A misericórdia age no tempo da tribulação

A mão de Deus, muitas vezes, em meio às tribulações de nossa vida, age devagar, silenciosamente, de um jeito simples, até para nos poupar de coisas piores. Mas como não foi do jeito que planejamos, ou saiu dos nossos projetos, somos tentados a só enxergar o negativo da situação. Não é assim que, muitas vezes, acontece conosco?

Sempre que passarmos por tribulações e pararmos nelas, se ficarmos a olhar somente o sofrimento que nos causa, não perceberemos o que essa Palavra nos traz, nem conseguiremos experienciá-la em nossa vida. Perceber o quanto é formosa a misericórdia no tempo de tribulação, consiste em fitar nossos olhos nos pequenos gestos, pequenos fatos, acontecimentos que, muitas vezes, passam despercebidos. Isto é, ver a "nuvem de chuva" que ainda não é chuva, mas é a certeza de que a chuva virá e, por isso, em meio à tribulação, já refaz nossa esperança e confiança em Deus.

Pergunto a você: hoje, diante das tribulações da sua vida, você consegue perceber a "nuvem de chuva"?


Lembre-se de Jesus ao carregar a cruz: Ele olhou para "nuvem de chuva" (ressurreição), mesmo passando pela grande tribulação do calvário. Então, meu irmão(ã): ALEGRIA! Seja fortalecida a sua esperança! Seja fortalecida sua confiança! Todas as vezes que conseguirmos enxergar a nuvem de chuva, conseguiremos ver a formosura da misericórdia no tempo de tribulação, então, nossa esperança será fortalecida para continuarmos nossa jornada nessa vida.

Diante dessa Palavra, convido você a fazer a essa maravilhosa experiência de passar pelas tribulações da vida, mas fitar seus olhos nas "nuvens de chuva" e, assim, provar da grande alegria de ver o quanto é formosa a misericórdia do tempo de tribulação.

Deus abençoe você!

Cícera Gonçalves


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/quando-tribulacao-vem-como-voce-age/

11 de julho de 2019

Saiba os sintomas da Dependência Tecnológica

Nas mais diferentes culturas, aceitamos plenamente que a realidade em nosso tempo é o uso cada vez mais frequente das tecnologias como forma de comunicação, informação, formação e entretenimento. Embora seja um grande desafio gerenciar a quantidade do tempo que passamos diariamente frente a essas máquinas, muito do nosso trabalho está ligado à equipamentos e softwares que facilitam nossa vida, mas diminuem o contato e o relacionamento humano.

Saiba os sintomas da Dependência Tecnológica

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Há alguns indicadores para saber o quanto uma criança tem um comportamento de dependência à tecnologia

Quando falamos em crianças em plena fase de desenvolvimento, podemos pensar no seguinte: quanto tempo elas ficam on-line, jogando? Qual a frequência de tempo frente ao computador? Já parou para analisar essas questões de família? O tempo é apenas uma forma de "medir" se estamos ou não dependentes, mas há outros fatores a serem considerados.

Há alguns indicadores para saber o quanto uma criança (e até mesmo um jovem) está com dificuldade de trocar o computador [por outra atividade] ou até mesmo tem um comportamento de dependência [do equipamento]:

– Quando o jogo – ou o uso de mídias sociais – torna-se a atividade mais importante da vida da criança, dominando seus pensamentos e comportamentos;

– Modificação de humor/euforia: experiência subjetiva de prazer, euforia ou mesmo alívio da ansiedade quando está no ato de jogar;

– Necessidade de usar o computador por períodos cada vez maiores para atingir a mesma modificação de humor, ou seja, para sentir-se bem;

– Fase de Abstinência: estados emocionais e físicos desconfortáveis quando ocorre descontinuação ou redução súbita do uso do computador (intencional ou forçada);

– Vivência de conflitos: pode ser entre aquele que usa o computador excessivamente e as pessoas próximas (conflito interpessoal), conflito com outras atividades (trabalho, escola, vida social, prática de esportes etc.) ou mesmo do indivíduo com ele mesmo, relacionado ao fato de estar jogando excessivamente (conflito intrapsíquico).

Cuidado com a individualidade gerada no uso da tecnologia

Não podemos negar as maravilhas oferecidas pela tecnologia, a facilidade de acesso, a disponibilidade de informações e a realidade que se encontra com este tipo de acesso e relacionamento, porém, cada vez mais frequente se torna a realidade das famílias dividas pela individualidade gerada no uso de tecnologia. Enquanto um fala ao telefone no quarto fechado, o outro está ligado no computador horas sem falar com ninguém, e a outra prende-se à TV, sem parar.


Quantas vezes as crianças, além do uso em casa, deixam de comprar um lanche para jogar nas lan houses? São capazes de passar dias inteiros, fins de semana longe do relacionamento interpessoal. O uso do computador e seus jogos, que era reservado apenas como lazer, torna-se praticamente a atividade principal delas. O sono é prejudicado, a alimentação também, pois as crianças comem em frente ao computador sem ao menos saber quanto e o quê, gerando obesidade. O isolamento continua, e a irritação, por não usar o computador ou imaginar que vão ficar sem ele, torna-se imensa, com um grande desconforto emocional.

Como família, é muito importante que possamos voltar nossa atenção para esse assunto, a fim de que possamos desenvolver crianças e jovens com uma vida mais saudável, favorecendo as relações humanas mais sadias.



Elaine Ribeiro dos Santos

Elaine Ribeiro, Psicóloga Clínica pela USP – Universidade de São Paulo, atuando nas cidade de São Paulo  e Cachoeira Paulista. Neuropsicóloga e Psicóloga Organizacional, é colaboradora da Comunidade Canção Nova.


9 de julho de 2019

A espiritualidade dos casais em segunda união

A Igreja não quer discriminar nem punir os casais em segunda união, mas lhes oferecer um caminho espiritual-pastoral adaptado à sua situação, o qual é apontado claramente pela Familiaris Consortio. Esse caminho pode ser chamado e é, de fato, um caminho espiritual-pastoral, muito rico de frutos de vida cristã, mesmo que o "status permanente" de segunda união seja uma situação irregular.

É direito de todo cristão manter um relacionamento com Deus, inclusive os casais em segunda união

A Exortação Apostólica Familiaris Consortio, 1981, de João Paulo II, no n. 84, exorta os casais divorciados a participar de um caminho de vida cristã que deve consistir em:

"Ouvir a Palavra de Deus, frequentar o sacrifício da Missa, perseverar na oração, incrementar as obras de caridade e as iniciativas da comunidade em favor da justiça, educar os filhos na fé cristã, cultivar o espírito e as obras de penitência, que se resume em "perseverarem na oração, na penitência e na caridade".

A Exortação Apostólica Sacramentum caritatis, 2007, de Bento XVI, no n.29, reafirma o convite de cultivar, quanto possível, um estilo cristão de vida por meio da participação da Santa Missa, ainda que sem receber a comunhão, da escuta da Palavra de Deus, da adoração Eucarística, da oração, da cooperação na vida comunitária, do diálogo franco com um sacerdote ou mestre de vida espiritual, da dedicação ao serviço da caridade, das obras de penitência, do empenho na educação dos filhos.

A espiritualidade dos casais em segunda união

Foto ilustrativa: by PeopleImagens

A comunhão com a Palavra de Deus

Escutar é mais que ouvir, é atender o que se diz. É ir assimilando e tornando pessoal o que foi dito. É algo ativo, não passivo. É uma abertura a Deus que a eles dirige a Sua Palavra. Por intermédio de Isaías ou de Paulo, fala-lhes aqui e agora. Algumas vezes, essa Palavra os consola e os anima. Outras, julga suas atitudes e desautoriza seu estilo de vida, convidando-os para a conversão. Sempre os ilumina, os estimula e os alimenta.

A Palavra que Deus lhes dirige é, sobretudo, uma Pessoa: o Seu Verbo, a Sua Palavra, Jesus Cristo. Ele não se dá somente no Pão e no Vinho, mas está, realmente, presente na Palavra que nos é proclamada e que escutamos. Também a nós o Pai continua a dizer: "Este é o meu Filho muito amado: escutai-O".

A leitura da Sagrada Escritura, acompanhada pela oração, estabelece um colóquio de familiaridade entre Deus e o homem, pois a Ele falamos quando rezamos, a Ele ouvimos quando lemos os divinos oráculos (DV 25). Este colóquio torna-se mais intenso pela Lectio Divina, ou seja, pela leitura meditada da Bíblia, que se prolonga na oração contemplativa. A Lectio é divina, porque se lê a Deus na Sua Palavra e com o Seu Espírito, pode ajudar os casais em segunda união na consecução de uma grande familiaridade não só com a Palavra, mas com o mesmo Deus.

A visita e a adoração ao Santíssimo Sacramento

Jesus, sendo vivo e presente no Sacrário, pode ser visitado e adorado. Ele espera, ouve, conforta, anima, sustenta e cura. Por conseguinte, a visita e a adoração ao Santíssimo é um verdadeiro e íntimo encontro entre o visitante e o Visitado, que é Jesus. A visita e a adoração são uma escolha pessoal do visitante, e, acima de tudo, um ato de amor para com o Visitado. A simples visita ao Santíssimo transforma-se em adoração, que é o ponto mais alto desse encontro.

Os casais em segunda união são chamados e convidados para serem os adoradores do Santíssimo pela prática tradicional da hora santa, que muito os ajudará na espiritualidade, seja do grupo como também do próprio casal. A prática frequente da hora santa não é um opcional, por isso não se pode deixá-la facilmente de lado, pois ela é necessária para a perseverança.

A visita a Maria Santíssima: um conforto para o seu povo

Se o próprio Jesus, moribundo na cruz, deu Maria como Mãe ao discípulo: "Mulher, eis aí teu filho"; e a você discípulo como Mãe: "Eis aí, tua mãe!" (João 19, 26-27), é bom e recomendável que o casal em segunda união não tenha medo em fazer esta visita de carinho para receber conforto, força e consolação de sua Mãe. Essa visita pode ser feita numa capela dedicada a Virgem Maria ou em casa junto com a família ou na intimidade do seu quarto. Pensando nisso, é bom e confortável que o casal em segunda união não se esqueça de visitar, quantas vezes puder, Maria Santíssima.

Visitar Maria, a Mãe de Jesus, é ir ao seu encontro sem reservas, é entregar-se de coração a um coração que não tem limites para amar. Nossa Senhora, em Medjugorie, disse aos videntes e a nós seus filhos: "Se soubésseis quanto vos amo, choraríeis de alegria". Maria nos ama muito, como filhos queridos. O que ela mais deseja é ver seus filhos deixarem-se amar por ela. O seu desejo é o de seu Filho: salvar a todos. A Santíssima Virgem nos espera, todos os dias, e ela sabe que quanto mais perto estivermos dela, mais perto ficaremos de Jesus, pois a sua meta é a de nos levar a Ele.

Perseverança na Oração

O casal em segunda união é convidado a perseverar na oração, e essa oração pode ser pessoal, pode ser como casal, com a família e os filhos ou oração comunitária com os outros casais ou com outros fiéis.


Participação da Santa Missa: um encontro de amor

O casal de segunda união, como todo bom cristão, considerando este amor infinito de Jesus, deve participar da Santa Missa com amor fervoroso, de modo a particular do momento da consagração, pois é nesse momento que Jesus é vivo e presente.

Bento XVI, em recente discurso ao clero de Aosta, valoriza a participação dos casais recasados na Santa Missa mesmo sem a comunhão eucarística. A esse respeito, o Papa fez este lindo e confortável comentário:

"Uma Eucaristia sem a comunhão eucarística não é, certamente, completa, pois lhe falta algo essencial. Todavia, é também verdade que participar na Eucaristia sem a comunhão eucarística não é igual a nada, é sempre um estar envolvido no mistério da cruz e da ressurreição de Cristo. É sempre uma participação no grande sacramento, na dimensão espiritual, pneumática e também eclesial, se não estreitamente sacramental.

E dado que é o sacramento da Paixão do Senhor, é Cristo sofredor que abraça, de modo particular, essas pessoas e comunica-se com elas de outra forma; portanto, elas podem sentir-se abraçadas pelo Senhor crucificado, que cai por terra e sofre por elas e com elas.

Por conseguinte, é necessário fazer compreender que mesmo que, infelizmente, falte uma dimensão fundamental, todavia tais pessoas não devem ser excluídas do grande mistério da Eucaristia, do amor de Cristo aqui presente. Isso parece-me importante, como é importante que o pároco e a comunidade paroquial levem tais pessoas a sentir que, se por um lado, devemos respeitar a indissolubilidade do sacramento e, por outro, amamos as pessoas que sofrem também por nós. E devemos também sofrer juntamente com elas, porque dão um testemunho importante, a fim de que saibam que, no momento em que se cede por amor, se comete injustiça ao próprio sacramento, e a indissolubilidade parece cada vez mais menos verdadeira".


Pe. Alir Sanagiotto


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/segunda-uniao/a-espiritualidade-dos-casais-em-segunda-uniao/

2 de julho de 2019

Como rezar bem o rosário?

Você reza o terço? Já viu imagens de Nossa Senhora representando-a tal como apareceu em Lourdes e em Fátima? Maria está com o terço na mão. Ela acompanhou, silenciosamente, passando as contas, o terço que a menina Bernadete rezava na gruta de Lourdes. Em Fátima, também com o terço na mão, a Santíssima Virgem pediu aos Três Pastorinhos que o rezassem todos os dias. Tomara que, algum dia, você possa dizer, como o Papa João Paulo II: "O Rosário é a minha oração predileta. Oração maravilhosa! Maravilhosa na simplicidade e na profundidade!".

Mas, para isso, será preciso que você comece a rezá-lo e, se já o reza com frequência, que aprenda a fazê-lo cada dia melhor. Vamos ver como podemos fazer isso. Primeiro, vencendo as dificuldades:

Uma primeira dificuldade ao rezar o rosário

"Não sei rezar o terço", "Não conheço os vinte mistérios (ou seja, os cinco correspondentes a cada um dos quatro terços que compõem o rosário), não os sei de cor". Solução: comprar logo ou pedir a alguma pessoa amiga algum folheto ou livrinho de orações (há muitos!) que traga a explicação dessa oração: como rezá-lo, quais são os mistérios, que mistérios devem ser rezados nos diferentes dias da semana. É fácil! Pessoas simples aprenderam tudo isso em pouco tempo.

Um esclarecimento: a pessoa que reza o terço sem conhecer ou sem lembrar os "mistérios" faz, mesmo assim, uma oração válida, ainda que, naturalmente, ela fique incompleta (mas é melhor rezá-lo incompleto do que não o rezar).

Como rezar bem o rosário?

Foto ilustrativa: Daniel Mafra/cancaonova.com

Segunda dificuldade

"Não tenho terço" (o instrumento, o terço material, com as contas, a cruzinha etc.; ou então o terço em forma de anel, que se usa girando no dedo). Compre-o, pois é baratíssimo! E enquanto não o tiver, conte nos dedos, mas tenha em conta que vale a pena usar o terço material. Se o seu terço (de contas ou de anel) foi bento por um padre ou diácono, ao usá-lo para rezar você ganhará indulgências (por sinal, você sabia que pode ganhar nada menos que a indulgência plenária – com as devidas condições –, quando o reza em família, comunitariamente, num grupo?).

 Terceira dificuldade

"Não tenho tempo de rezar o terço". Essa desculpa "não gruda". O terço pode ser rezado, se for preciso, andando pela rua, fazendo exercício físico de corrida, indo de ônibus, metrô ou trem, guiando carro (melhor do que se irritar com o trânsito), na sala de espera do médico ou do laboratório, em casa entre outros lugares. E você pode rezá-lo sentado, andando, de joelhos e até deitado (se estiver doente ou em repouso forçado etc.).


Por sinal, não sei se você sabe que, nas livrarias católicas, são vendidos CDs com o rosário e também há arquivos em áudio para player portátil. Basta ligar o áudio e acompanhar o que ouve.

Quarta dificuldade

Finalmente, a dificuldade mais comum é a aparente monotonia. "Dizemos sempre a mesma coisa". "A repetição de tantas Ave-Marias acaba ficando mecânica, cansativa, sem sentido". "De que adianta fazer uma oração tão repetitiva, que fica rotineira, parece oração de papagaio?".

Deus, faça com que, após as ter lido, sobretudo depois de tentar aplicá-las, você dê razão às palavras de São Josemaria: «Há monotonia, porque falta amor».

Padre Francisco Faus é licenciado em Direito pela Universidade de Barcelona e Doutor em Direito Canônico pela Universidade de São Tomás de Aquino de Roma.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/devocao/como-rezar-bem-o-rosario/

29 de junho de 2019

Igreja e meio ambiente, olhos voltados para a Amazônia

Papa Francisco, exercendo sua missão de sucessor do apóstolo Pedro, no zelo apostólico com o povo da Amazônia e para qualificar sempre mais a presença missionária e servidora da Igreja Católica, convocou um Sínodo Especial para a Amazônia, a ser realizado de 6 a 27 de outubro deste ano, em Roma. 

Sabe-se que a Igreja Católica, incontestavelmente, tem uma qualificada presença capilar em diferentes culturas de todo o mundo e sua presença na região pan-amazônica é de especial importância, com todos os muitos desafios e exigências. Lidar com essas exigências e desafios requer o exercício da escuta para servir mais e melhor no anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. O Sínodo é, pois, um longo caminho de escuta. Oportunidade para a Igreja Católica qualificar ainda mais a sua missão na Amazônia, oferecendo a todos singular chance de se dedicar mais atenção a essa realidade ambiental, histórica, cultural, política e religiosa de notável relevância. Por isso mesmo, a realização do Sínodo interpela as pessoas a ouvirem a Amazônia, repleta de vida e sabedoria.

Igreja e meio ambiente, olhos voltados para a Amazônia

Foto ilustrativa: by Getty Images: AndamanSE

Cuidar do meio ambiente é cuidar da Casa Comum que Deus nos deu, e olhar para a Amazônia é essencial para este falar deste tema

Essa realidade clama e exige novas posturas para enfrentar o doloroso processo de desflorestamento e extrativismo, urgindo uma conversão ecológica integral. A consideração do território amazônico deve se transformar em grande oportunidade de mudanças sociais e civilizatórias com ganhos para essa região e todo o conjunto da sociedade. Essa é a valiosa contribuição promovida pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM), alargando e clareando horizontes para um tempo de muitas conversões. De modo especial, é urgente a conversão ecológica para assimilação de novos rumos e, em razão das ricas singularidades, ouvir a voz da Amazônia.

É preciso considerar a grave crise socioambiental em curso, atingindo de modo fatal a Amazônia. Ora, a Amazônia é fonte de vida. Por isso, o Sínodo considera o conjunto da vida na região amazônica – o território, a Igreja, os povos e o planeta. Avançar na consideração da Amazônia a partir dos parâmetros da ecologia integral é determinante. O horizonte é o Evangelho de Jesus Cristo e a Igreja Católica com sua presença evangelizadora é essencial. Seu foco mais importante é, pois, o discipulado no seguimento de Jesus Cristo, desdobrado em compromisso com a vida plena, oferta de Jesus que todos têm a responsabilidade de buscar, contemplando os povos indígenas –  respeitados os seus parâmetros de bem viver. Cultivar a harmonia consigo mesmo, com a natureza, com os seres humanos e com Deus é a conquista exemplar a ser buscada.

Descuidar da natureza também é descuidar da vida

Há de se encontrar caminhos para superar os processos que ameaçam a vida, pela destruição e exploração que depreda a Casa Comum e viola direitos humanos elementares da população amazônica. Essa ameaça à vida deriva de interesses econômicos e políticos de setores dominantes da sociedade com conivências de governos. É preciso, assim, enfrentar a exploração irracional e construir um novo tempo, tempo de Deus, humanizado, na Amazônia.


Importa agora estar em comunhão com esse caminho. Isso significa buscar uma participação mais ativa e estar aberto a um novo modo de viver, conforme a dinâmica do Evangelho de Jesus Cristo. Um momento para aprender e exercitar-se numa nova compreensão. Deixar-se educar à luz da Palavra de Deus, que revela a aliança fecunda entre a humanidade e o ambiente, para uma cultura do encantamento, do cuidado responsável e da beleza, inspirados no Criador que "viu que tudo era bom" (Gn 1, 31). Eis a oportunidade para grande virada civilizatória, a partir de nova compreensão desdobrada em comprometimentos com os valores do Evangelho de Jesus Cristo pela força missionária da Igreja na Amazônia.



Dom Walmor Oliveira de Azevedo

O Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, é doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Atual membro da Congregação para a Doutrina da Fé e da Congregação para as Igrejas Orientais. No Brasil, é bispo referencial para os fiéis católicos de Rito Oriental. http://www.arquidiocesebh.org.br


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/meio-ambiente/igreja-e-meio-ambiente-olhos-voltados-para-amazonia/

24 de junho de 2019

Como escolher o nome para os filhos?

Dar nome sempre significou uma complementação ao ato de dar a vida. É um gesto de poder, certamente legítimo, que assiste aos pais. Esse poder proveio da participação no ato criador divino. "Terás um filho, e darás a ele o nome de Jesus" (Lc 1,31).

Quanto possível, o nome será programático, e deverá ser um nome respeitado. O nome mais venerado, pronunciado de maneira devota, é o do Pai do Céu. Seu nome deve ser mais do que respeitado. Deve ser santificado (Lc 11,2). E Ele quer que todos os seus filhos tenham um nome bonito, glorioso e cheio de significado. Por isso, nosso Pai Celeste mesmo providenciou um nome para seu Filho Jesus. Para nós cristãos é o nome mais sublime sobre a face da Terra. E o nome que os pais darão aos filhos também será o mais lindo possível, porque será "afixado em nossas frontes" (Ap 22,4), para sermos salvos no final dos tempos.

Como escolher o nome para os filhos?

Foto ilustrativa: Andréia Britta/cancaonova.com

Assim como Deus escolheu sabiamente o nome de Seu Filho, também nós devemos escolher

Como escolher nomes? Hoje, isso não parece ser coisa fácil. Comecemos dizendo como eles não devem ser. A Igreja, na sua sabedoria, apenas pede que não passemos nomes de inimigos dos cristãos ou da humanidade. Caso contrário, os filhos sofrerão repulsa e suscitarão indignação, sem terem nenhuma culpa. Também não devem receber nomes que vão levantar observações desairosas. São os nomes feios, que levam as pessoas à galhofa ou ao vilipêndio. Falemos também como podem ser os nomes. Podem ser novos, inexistentes ainda, mas que tenham sentido. Como também podem provir da lista quase infinita dos nomes de santos e de santas, que lembram virtudes cristãs.

Assim, por exemplo, Roque (modéstia às favas) tem relação com rocha e leva a pensar na firmeza da fé. Os nomes bíblicos detêm inspiração permanente. Também não é proibido usar nomes de celebridades históricas. Mas atenção: não queremos ser vassalos de nenhum país do mundo, nem da América do Norte.


Também é legítimo apelar para a vasta nomenclatura de artistas de cinema, de cantores, de heróis das novelas. Mas, nesse assunto, parece que já fomos longe demais. Num mesmo dia crismei doze "Amandas" (nome bonito), mas repetitivo. Já há um bom tempo que não crismo nenhuma "Maria" e nenhum "José". Tornamo-nos vassalos dos heróis da televisão.

Dom Aloísio Roque Oppermann


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/pais-e-filhos/como-escolher-o-nome-para-os-filhos/

21 de junho de 2019

Não fomos criados para a solidão

O seu coração sabe disso, porque, certamente, já experimentou o amargo sabor da solidão. É no encontro com o outro que o eu se afirma e se constrói existencialmente. O outro é o espelho onde o eu se solidifica, preenche-se, encontra-se e fortalece-se para ser o que é. O processo contrário também é verdadeiro, pois nem sempre as pessoas se encontram a partir dessa responsabilidade que deveria perpassar as relações humanas.

Você, mesmo se tiver pouca idade, pode viver um dos momentos mais belos da vida. Você pode experimentar o ponto alto dos relacionamentos humanos, porque a juventude nos possibilita ensaiar o futuro no exercício do presente. Já me explico. Tudo o que você vive, hoje, será muito importante e determinante para a sua forma de ser amanhã.

Neste momento da vida, você tem a possibilidade de estabelecer vínculos muito diversificados. Família, amigos, grupos de objetivos diversos, namorados e namoradas. Principalmente esses últimos, que não são poucos. Namora-se muito nos dias de hoje, porque as relações humanas estão, cada vez mais, instáveis e, por isso, menos duradouras. Parece que o amor eterno está em crise.

Não fomos criados para a solidão

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Da solidão ao amor possessivo

Quando paramos para pensar um pouco, chegamos à conclusão de que o problema está, justamente, na forma como estabelecemos nossos relacionamentos. O grande problema é que, geralmente, investimos todas as nossas cartas naquela pessoa nova que chegou. Ela passa a centralizar a nossa vida, consumindo nosso tempo, nossos afetos, pensamentos e energias. Tudo passa a convergir para ela e, com isso, vamos reduzindo o nosso círculo de relações. O outro vai tomando tanto nossa atenção, que, aos poucos, até mesmo a família vai sendo esquecida. Porém, quando nos esquecemos de cultivar esses vínculos, que, até então, faziam parte de nós, vamos criando lacunas afetivas dentro do nosso coração.

É nesse momento que a confusão acontece, pois todas as necessidades começam a ser preenchidas pela pessoa enamorada. Com o passar do tempo, ela começa a carregar um fardo muito pesado, pois passou a exercer a função de pai, mãe, irmão e amigo, quando, na verdade, ela é apenas um namorado ou namorada.

Cada forma de amor no seu lugar!

Essa relação começará a ser muito pesada para ambos. Será fortemente marcada pela dependência, pelas cobranças e pelo ciúme. Ambos passam a viver uma insegurança muito grande, pois nunca sabem ao certo o papel que exercem na vida um do outro. O amor deixa de ser amor e passa a ser sentimento de posse, como se o outro fosse uma propriedade adquirida, pronta para atender todos nossos desejos.

Quando o coração humano identifica esse sentimento de posse, ele tende a se esconder de si mesmo e, consequentemente, dos outros. Teme que alguém venha quebrar o encanto, mostrando que não existe nenhuma história de amor, e que ambos viraram sapos. E, o pior, acorrentados.

A mudança, no entanto,  é sempre possível. Só é preciso que sejamos honestos. Se, por acaso, você se identificou com essa possessiva e conturbada forma de amar, vale a pena buscar uma ajuda. Comece a canalizar melhor os seus afetos. Não os direcione a uma única pessoa. Tenha amigos, cultive-os. Redescubra sua casa, seus pais, seus irmãos, mesmo que existam problemas entre vocês.

Deixe aflorar os afetos que ficaram adormecidos dentro de você. Não coloque sobre a pessoa que você diz amar a responsabilidade de ser o centro do seu mundo, nem se sinta deixado de lado o dia em que ela disser que não vai ver você, porque precisa ficar com a família. É que existem momentos que o colo da mãe é muito mais necessário do que o seu.

É duro de ouvir isso? Pois é! Muito mais duro é não compreender.



Padre Fábio de Melo

Padre Fábio de Melo, sacerdote da Diocese de Taubaté, mestre em teologia, cantor, compositor, escritor e apresentador do programa "Direção Espiritual" na TV Canção Nova.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/nao-fomos-criados-para-solidao/

19 de junho de 2019

Como educar um filho para não se tornar um adulto agressor?

Neste século, estamos vivendo distúrbios comportamentais motivados por vários fatores que demarcam a agressividade. Recordo-me dos momentos em que eu brincava de roda com meus vizinhos. Fazíamos uma fila, e duas crianças de mãos dadas representavam uma ponte. Nós tínhamos de passar por baixo dos braços delas, cantando: "três, três passará, derradeiro ficará. Bom vaqueiro, bom vaqueiro, dá licença pr'eu passar com meus filhos pequeninos, pr'eu acabar de educar". Ao parar diante das crianças com os braços em forma de ponte, respondíamos o que elas nos perguntavam. Banana ou maçã? Dependendo da resposta, cada criança ia para um lado; assim, a brincadeira chegava ao fim.

Desde essa época, eu ficava imaginando o quanto seria bom para os pais terminarem de criar seus filhos. Hoje, a experiência de ser mãe encoraja-me a pedir licença para acabar de criá-los. Pedir licença a quem? Pedir licença para quê? A este mundo descrente, para não sermos engolidos e afetados por nossas negligências. Pedir licença à violência, à falta de tempo para o outro, à intolerância, à impaciência, à falta de comunicação, à falta de afeto, de fé e de atenção. É preciso pedir licença, caso contrário, não saberemos ou não conseguiremos acabar de criar nossos filhos. Portanto, faz-se necessário escolher o melhor lado: banana ou maçã?

Como educar um filho para não se tornar um adulto agressor?

Foto ilustrativa: Andréia Britta/cancaonova.com

Fazer essa escolha é educar os filhos para que não se tornem adultos agressores. É decidir por um planejamento familiar que promova a vida e diga 'não' à cultura de morte. Contudo, essa opção exige de nós disponibilidade para cultivarmos relações humanas fortalecidas na verdade e no respeito, evitando desgastes perturbadores tanto para os pais quanto para os filhos.

Educar com limites

Cabe à família selecionar quais conteúdos ela gostaria que seus filhos aprendessem, a fim de não se tornarem adultos agressores. Para tanto, o limite precisa ser dado com ternura e serenidade, pois, desta maneira, como pais, possibilitaremos o conhecimento e a compreensão dos filhos com seus próprios sentimentos. A agressividade é um comportamento vivido por pais e filhos devido a vários fatores, quer seja por perdas significativas, falta de atenção e afeto, quer por excesso de reforço negativo; até mesmo pela falta de experiência com Deus.

O organismo humano, controlado aversivamente por esses estímulos, responde, muitas vezes, de igual forma, ora com mentiras, ora com atitudes de furtos ou incomodando socialmente, assumindo uma conduta caótica diante dos conflitos. Provavelmente, já estará instalado, nesse comportamento, a raiva. Ela nem sempre precisa ser repreendida, mas acolhida para que seja trabalhada da melhor forma possível; evitando, assim, consequências danosas, como o próprio comportamento agressor.

Neste século, estamos vivendo distúrbios comportamentais motivados por vários fatores que demarcam a agressividade. A exemplo do bullying, da violência entre torcidas nos campos de futebol, quando os brasileiros se manifestaram diante das suas insatisfações, podemos apresentar um comportamento agressor tanto na infância como na fase adulta.

Responsabilidade de todos

Nesse momento, não podemos esquecer que o indivíduo saiu de um útero, foi educado em uma família, frequentou uma escola e, muitas vezes, visitou uma igreja. Portanto, uma educação pautada na promoção do indivíduo é responsabilidade de todos: família, sociedade e Estado.

Quando nosso filho demonstrar que precisa de ajuda, pois o seu comportamento está inadequado, deveremos acolhê-los em suas necessidades. É possível reestruturar o seu comportamento. Podemos desenvolver em nós algumas habilidades para combater essa situação quando as coisas não vão bem. Outros motivos que concorrem para a existência desse fenômeno é o consumismo, a pressa em satisfazer os desejos, o uso desordenado de jogos e a ausência de autoridade em casa. Conhecer as características da faixa etária do seu filho também se torna um fator preventivo. Fiquemos atentos às brigas na escola, às dificuldade no enfrentamento dos desafios, ao comportamento de medo e ansiedade, à arrogância, à baixa autoestima e introspecção.

Vamos assumir o amor que temos por cada um deles, expressando em gestos e palavras o quanto são queridos por nós. Que eles não são responsáveis pela dureza da vida que muitos pais vivem. Nossos filhos, para não serem adultos agressores, precisarão ter a certeza de que são desejados por nós.



Judinara Braz

Administradora de Empresa com Habilitação em Marketing.
Psicóloga especializada em Análise do Comportamento.
Autora do Livro "Sala de Aula, a vida como ela é."
Diretora Pedagógica da Escola João Paulo I – Feira de Santana (BA).


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/educacao-de-filhos/como-educar-um-filho-para-nao-se-tornar-um-adulto-agressor/

17 de junho de 2019

Que tipo de amor quero receber?

O Livro do Gêneses nos fala que o ser humano foi criado por Deus, à sua imagem e semelhança. Deus incutiu nele atributos que nenhum animal, nenhum ser possui: inteligência, liberdade entre outros. E entre eles está a capacidade de amar. O ser humano traz essa capacidade devido a sua criação, já escrita em seu coração. De modo que todos nós corremos a nossa vida inteira, saibamos ou não, para amarmos e sermos amados. Ninguém pode fugir disso, faz parte de nós. Tudo o que fazemos em nossa vida faz parte desse desejo instintivo de realizarmos aquilo para o qual Deus nos criou: amar, ser felizes, adorá-Lo.

Por que sofremos tanto, então? Porque, muitas vezes, não conseguimos visualizar tudo isso que está em nós, e que, ao mesmo tempo, todas as nossas atitudes vão ao encontro de realizar todo este desejo do nosso coração. No entanto, por não reconhecermos que a sede da nossa alma está em Deus, vamos procurar realizar a nossa felicidade em outras coisas, pessoas, lugares… A nossa felicidade está em Deus e não há outro lugar em que podemos ser completos, senão n'Ele. É Ele e somente Ele que pode completar aquilo que falta em nossa alma, que pode saciar a nossa sede, que pode nos dar aquilo que, no mais íntimo do nosso ser, desejamos.

Que tipo de amor quero receber?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Criados para amar

Nesta sede de amar, de nos realizar, de sermos felizes, buscando a felicidade nas coisas e nas pessoas, ferimo-nos profundamente. Ao comprovar que nos decepcionamos, frustramo-nos, porque a sede da nossa alma é muito grande. Naturalmente, esperamos muito dos outros, esperamos uma reação de alguém, uma palavra amiga, um gesto de carinho, sua presença, afeto, amor. E quantas expectativas geramos em nosso interior ao perceber que estamos nos doando, muitas vezes, sem reservas para alguém em um relacionamento de amizade, namoro ou em outro relacionamento. À medida que vamos nos entregando a essa pessoa, vamos percebendo que, em algum momento, ela pode não nos corresponder o suficiente, de acordo com o que esperávamos e ansiávamos. Então, começa a surgir a frustração, a desilusão e a decepção.

Quem nunca se decepcionou com alguém? Penso que todos, em algum momento da vida, já passaram por isso. Logo depois, veio aquele sentimento de não mais querer investir em ninguém, de não mais se empenhar nisso. E, assim, muitas vezes, começam a surgir os votos íntimos: "Não vou gostar mais de ninguém" e "Não dou certo com ninguém!" ou "Nasci para viver sozinho"… Quantas coisas a gente vai decretando sobre nossa vida, mesmo sem perceber, frutos da desilusão. Fato este inevitável, pois nós somos humanos e, afinal, somente Deus nos completa naquilo que a nossa alma necessita.

A presença de Deus em nossa vida

O Senhor, a todo o momento, revela o Seu amor e presença por meio das pessoas. E buscar ter uma alma completa n'Ele impele que O busquemos nelas. E ao fazê-lo, muito mais do que o outro possa nos oferecer ou ser para nós, buscamos a presença de Deus nele, a fim de que nossa alma possa ser complementada. Dessa forma, paramos de buscar as pessoas simplesmente, mas sim, Deus nelas.

Pelo batismo no Espírito Santo, tornamo-nos templos vivos do Senhor. Ao entrarmos em uma capela para rezar ou adorar ao Senhor, não levamos nada dela, a não ser o brilho e a presença de Deus em nós, pelo contato com Jesus Eucarístico. Da mesma forma, ao entrarmos nas "capelas" particulares dos demais, não podemos querer levar ou exigir nada deles, vamos lá para "adorar" a presença de Deus neles.

Quando experimentamos que somente Deus é quem pode nos fazer felizes e que não nos decepciona jamais, é que podemos nos sentir livres para não esperar dos outros aquilo que somente o Senhor pode nos oferecer, mas que nos é revelado também por meio das pessoas.

Que o nosso coração possa, realmente, ser preenchido pela felicidade que Deus pode nos dar. Amemos o Senhor!

Enilson Martins Benício, missionário da Comunidade Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/que-tipo-de-amor-quero-receber/

14 de junho de 2019

Transtorno de imagem: como lidar com essa síndrome

Um transtorno de imagem não aparece do dia para a noite e não vem por acaso. O autoconhecimento é uma das melhores ferramentas que você terá em mãos e que o auxiliará em inúmeras situações para o resto da sua vida. Entretanto, ele não aparece num passe de mágica. É preciso buscá-lo, construí-lo, ter coragem e persistência para adentrar alguns cantos escuros de si, colocar um pouco de iluminação e reconhecer que certos lugares precisam de faxina, de mudanças.

Quando a preocupação por um traço indesejado no próprio corpo passa a ser obsessiva, quando traz muita ansiedade e alguns comportamentos restritivos, podemos dizer que o transtorno está ali para apontar algo mais profundo.

Não é o nariz torto ou a assimetria do rosto que são problemas. A fixação por pequenas imperfeições pode esconder um perfil extremamente controlador e intolerante com as restrições da vida. Podemos dizer que, quando falta o controle interno, a pessoa tende a desenvolver um excesso de controle externo, com desejo de que todos satisfaçam seus anseios e atendam as suas expectativas, inclusive o próprio corpo.

Transtorno de imagem: como lidar com essa síndrome

Foto ilustrativa: Copyright: VladimirFLoyd

O que fazer diante do quadro de transtorno de imagem?

Diante desses quadros, é possível pensar algumas questões fundamentais: o que esses desejos de controle estão querendo me dizer? Para onde estão me apontado? O que de importante estou deixando de lado?

Por mais contraditório que possa parecer, um transtorno como esse pode ser recebido como um grande amigo, que chega aos poucos, muitas vezes, sem muito alarde, e tenta mostrar algo de errado que você não consegue enxergar. E esse algo, definitivamente, não tem nada a ver com a aparência. Quando nossa essência fica descuidada por muito tempo, uma doença como essa pode ser recebida como uma ajuda oportuna, para que algo seja modificado na sua postura em relação a si mesmo e aos outros.

Por isso, a questão do autoconhecimento é tão importante. Quando a pessoa sabe quem é verdadeiramente, quando assume seus traumas, reconcilia-se com sua história de vida e tem a coragem de mexer nos entulhos que ficaram escondidos em algum canto dentro de si mesma, tem a possibilidade de aceitar-se inteiramente, com suas falhas e virtudes, seus defeitos, limitações, potencialidades e qualidades.

Um incômodo no próprio corpo poderá trazer a possibilidade de maior aceitação de si e, consequentemente, maior tolerância com as imperfeições do outro. Se isso não é uma prática, poderá ser um comportamento adquirido com o tempo, pois temos capacidades de aprendizado e modificações que, às vezes, desconhecemos ou subestimamos.

Transtorno de imagem e as limitações no processo de cura

Diante de um quadro de Transtorno de Imagem, o primeiro passo é reconhecer uma limitação que está sendo vivenciada. Depois de reconhecer, procure acolher esse desconforto, essa realidade que se apresentou por algum motivo. Não é necessário culpa ou autocondenação de nenhuma ordem. Fique tranquilo, pois basta ser humano para ser passível de apresentar algum transtorno psíquico. E, acima de tudo, saiba que é possível superar e curar esse mal que o impede de ser mais pleno e livre.

Sugiro que faça o esforço de reconhecer as qualidades externas que possui, procurando traços no seu rosto que o agradam, vendo no seu corpo, no seu cabelo, pele, altura etc., pontos de beleza e delicadezas de Deus. Repare que existem detalhes extremamente funcionais no seu corpo, que revelam linhas de perfeição, mesmo sendo imperfeito.

Vá direto ao ponto e reconheça: não gosto da minha barriga, por exemplo. Se o externo o incomoda tanto, pense nos órgãos internos que ela abriga, lembre-se de que existe um estômago, um fígado, intestino, rins e outros órgãos funcionando em harmonia dentro dessa barriga que o desagrada. Se é o nariz que tira o seu sossego, procure reparar na importante função que ele exerce para a sobrevivência do seu corpo, filtrando parte do ar que entra, expelindo o ar que não lhe serve mais, sendo canal de passagem para o oxigênio que lhe é vital.

Percebe como é possível lançar novos olhares para figuras antigas? Esse pode ser o ponto de partida para uma mudança mais profunda na percepção das coisas ao seu redor. Ver a essência por detrás da aparência é um movimento que exige atitude e uma postura ativa diante da vida, mas que deixará rastros de liberdade e autenticidade em você.

Um proposta prática

O olhar obcecado por algum defeito acaba aprisionando o indivíduo em um círculo pessimista de pouca aceitação de si, rebaixamento da autoestima, autorrejeição e um olhar nebuloso sobre todos os outros aspectos da vida. As dicas propostas, neste artigo, são um convite para soprar nessas nuvens escuras e perceber que raios de luz podem adentrar num cenário escuro.


É uma proposta, um movimento apenas, de passos que podem até doer no início, porque promovem o desalojamento de um lugar conhecido. Costumo dizer que movimento gera movimento; assim, com um passo simples e pequeno dado na direção do novo, a cura pode ir se instalando na alma oprimida por motivos ocultos.

Não deixe de buscar ajuda se reconhecer que possui um transtorno de imagem. O isolamento poderá ser uma armadilha difícil de sair, pois limitará as suas opções de agir diante desse desafio.



Milena Carbonari

Palestrante em empresas, escolas e comunidades, a psicóloga Milena Carbonari é pós-graduanda em Educação e Terapia Sexual e terapeuta de EMDR (tratamento de traumas e fobias). Contato: psicologa@milenacarbonari.com. br

12 de junho de 2019

Que mal faz uma mentira?

Que mal faz uma mentira? "Foi por uma boa causa!" "Eu não tinha outra escolha." "Foi para proteger a pessoa." "Teria sido muito pior se tivesse contado a verdade."

Quantas desculpas são apresentadas para sustentar as pequenas mentiras do dia a dia! Diante de tantas justificativas, talvez nos convençamos de que, afinal, mentir não é algo tão grave assim. Não existem aqueles que "mentem e nem sentem"? Esse é o resultado de nos acostumarmos com as mentiras, esse "pecado de estimação". Mas se acreditarmos que Jesus é o caminho, a verdade e a vida, o que nos impedirá de agir conforme aquilo que dizemos acreditar?

Você já mentiu hoje? Seja honesto. Já passou alguma informação distorcida, exagerada ou enganosa pela internet ou no meio em que convive? Já assinou o ponto fora de hora? Quantas desculpas você já deu de atrasos e pequenas infrações? E quando a mentira tem a finalidade de evitar que alguém se decepcione ou fique magoado com você?

Que mal faz uma mentira?

Foto ilustrativa: Bruno Marques/cancaonova.com

Quando a mentira entra em nossa vida

Como a mentira entra em nossa vida? Como aprendemos a mentir? Algumas questões são úteis para você deixar, definitivamente, a mentira de lado. Na sua família, existe o hábito de justificar as coisas com pequenas mentiras? Quando alguém telefona para sua mãe e ela não quer atender, como você responde a quem ligou? O que você é orientada a falar? Pois é, são essas pequenas mentiras, muitas vezes aprendidas em família, na orientação dos pais para os filhos ou em seu modelo, que formam a base do hábito de mentir. Um hábito que os próprios pais estabelecem, mesmo não querendo.

Talvez, seja possível perceber, com um pouco de honestidade e ao avaliar as situações em que mentimos, que isso acontece por não sabermos como fazer o certo. Será que essa é uma desculpa para não nos empenharmos em melhorar? Se nos propusermos a ser melhores, o caminho será um só: aprender a falar sempre a verdade, por mais difícil que seja! Ouvi, certa vez, uma senhora dizer que "a verdade, quando dita com ternura, nunca prejudica ninguém".

Mentira, uma forma de encobrir os fracassos

A mentira serve para encobrir os fracassos que experimentamos quando erramos, quando optamos pelo "mal", quando justificamos nossas incoerências, quando não conseguimos fazer o bem que gostaríamos (Rm 7,19) nem conseguimos expressar, de forma clara, objetiva e direta o que sentimos, o que pensamos, o que esperamos, o que gostaríamos. Quantas vezes fugimos de situações constrangedoras, dizendo estar ocupados, cansados ou doentes? Quantas vezes foi necessário recorrer às mentiras para esconder nossa dificuldade em dizer 'não'?

Ser sincero parece ser mais difícil, porque nos expõe mais. Se você conhece a alegria de uma relação transparente, com certeza vai optar por assumir suas fraquezas e dificuldades. Mentiras "leves" ou "pesadas", não importa! Se você quer buscar a vida, é preciso buscar a verdade. Essa é a busca que nos abre as portas para descobrirmos o que há de melhor em nós, mas que, muitas vezes, desconhecemos: os dons que nos foram agraciados para, com eles, lidarmos com todas as dificuldades (ternura, paciência, brandura). Não podemos mais ser coniventes com a mentira.

Reconhecer-se mentiroso

O principal problema para o mentiroso é a recusa em reconhecer-se um mentiroso. Por isso, talvez seja o momento de rever as perguntas iniciais, identificar as mentiras na sua vida, as mentiras que você vive e conta para si mesmo, pensar nas causas e, principalmente, assumir sua responsabilidade por uma conversão, por uma mudança. Observe-se. Identifique as mentiras. Analise o motivo, a dificuldade em se comprometer com a verdade naquela situação. Proponha-se, então, a enfrentar essa dificuldade.

A alegria consiste em viver reconciliado com sua realidade, sem fugas, sem esquivas, sem desculpas, portanto, sem mentiras. Ser livre consiste em assumir as consequências dos nossos atos. Por pior que seja a realidade, as verdadeiras ervas daninhas são aquelas que você cultiva no seu coração quando foge de viver o que sua realidade lhe oferece.


Só para finalizar: aquela história de "no dia que ele mudar, eu mudo", muitas vezes, é um tipo de mentira também. Portanto, não olhe para o outro, mas para aquilo que hoje em você precisa encontrar a verdade.

Cláudia May Philippi – Psicóloga Clínica – CRP 2357/1
Kleuton Izidio Brandão e Silva – Psicólogo Clínico – CRP 6089/1


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/que-mal-faz-uma-mentira/

10 de junho de 2019

O essencial é invisível aos olhos

Você já percebeu que o mundo está dominado pelo consumismo, pela vaidade do corpo, pelo amor à vanglória e pela busca do prazer (hedonismo)? O importante, hoje, é a "cultura do corpo", não mais a do espírito; e essa inversão pôs o homem de cabeça para baixo. Por isso, ele está desnorteado, sem norte. As academias de ginástica, os salões de beleza e os consultórios dos cirurgiões plásticos se multiplicam a cada dia, mas os homens e as mulheres continuam infelizes. Falta-lhes algo invisível. A indústria de cosméticos é uma das que mais faturam em todo o mundo.

O essencial da pessoa humana é o espírito, a alma criada à imagem do Criador; depois, vem o corpo, a bela morada da alma. Se o corpo pesa sobre o espírito, este agoniza e o homem fica aniquilado, frustrado, vazio. Se você bater num tambor cheio d'água, ele não fará barulho, mas se você bater num tambor vazio, vai fazer um barulhão.

O essencial é invisível aos olhos

Foto ilustrativa: AscentXmedia by Getty Images

Busquemos valorizar o que é essencial em nós, e não o superficial

Os homens também são assim, fazem muito barulho quando estão vazios. Se a hierarquia de valores for invertida, a grandeza do homem fica comprometida. Quando você permite que as paixões do corpo sufoquem o espírito, não há mais homem ou uma mulher em você, mas uma "caricatura" de homem ou de mulher.

O homem do século XX dominou a matéria e a tecnologia, mas, lamentavelmente, está de cabeça para baixo. É por isso que vimos a matança de dez milhões de irmãos na Primeira Guerra Mundial, o extermínio de cinquenta milhões na Segunda; e de mais de cem milhões de vítimas do comunismo na União Soviética e na China.

Além disso, jovem, saiba de uma realidade muito triste: neste século das maravilhas da tecnologia, não houve, um dia sequer, sem que houvesse, em algum lugar do planeta, uma guerra. Em nenhum dia deste século XX, que há pouco terminou, a humanidade conheceu cem por cento o gosto da paz!

Não é à toa, caro jovem, que a nossa geração é a que mais consome antidepressivos e remédios para dormir e necessita, cada vez mais, de psicólogos e psiquiatras. Não é mais o corpo que está doente, é a alma. E quando o espírito adoece toda a pessoa fica enferma.

A cultura do corpo

A cultura do corpo, da glória e do prazer deixa um vazio, porque o homem só pode se satisfazer com aquilo que está acima dele, não com o que está abaixo. O prazer, sobretudo, se é imoral, passa e deixa sabor de morte; a alegria, por outro lado, que é a satisfação do espírito, deixa gosto de vida.

Se você se frustrar no âmbito biológico, porque tem algum defeito físico, pode sublimar essa frustração e ser feliz se realizando num grau mais alto, o da cultura e o do saber. Se você não pode se realizar racionalmente, pode realizar-se espiritualmente, que é o mais elevado, numa relação íntima com Deus. Se, no entanto, você desprezar o nível espiritual, não poderá se realizar, porque, acima deste, não há outro no qual você possa buscar a compensação.

O essencial é invisível aos olhos

O grande poeta francês Exupèry dizia que "o essencial é invisível aos olhos". A razão é simples: tudo que é visível e material passa e acaba; o invisível, o espiritual, o essencial, fica para sempre.

Você sabe que todos os seres criados voltam ao seu nada, voltam ao pó da terra. Por quê? Porque a força que os mantém vivos está em cada um, mas não lhes pertence. O poder de ser uma rosa está na rosa, mas não é dela. Quando você vê uma bela flor murchar, é como se ela estivesse lhe dizendo: "A beleza estava em mim, mas não me pertencia; Deus a tinha me emprestado". Da mesma forma, o poder de ser um cavalo está no cavalo, mas não é dele. Se fosse dele, jamais ele morreria. Ele foi criado por Alguém que o mantém vivo. Assim como quando uma bela artista envelhece, e surgem as rugas, ela está dizendo que a beleza estava nela, mas não era propriedade dela.

Deus disse a Moisés: "Eu Sou Aquele que Sou! Yahweh!". Isso quer dizer: somente Deus é a fonte da vida, e todos os seres dependem d'Ele para existir. Se você ficar cultivando apenas o seu belo corpo e se esquecer de sua alma, amanhã estará amargurado, pois, do mesmo jeito que a rosa murchou, o seu corpo também envelhecerá; e isso é para todos, de maneira inexorável.


Por outro lado, quanto mais você viver, tanto mais a alma poderá se tornar bela e jovem, tanto mais o espírito poderá se renovar. São Paulo expressou muito bem esta mensagem cristã:

"É por isso que não desfalecemos. Ainda que exteriormente se desconjunte nosso homem exterior, nosso interior renova-se de dia para dia […] Porque não miramos as coisas que se veem, mas sim as que não se veem, pois as coisas que se veem são temporais e as que não se veem são eternas" (II Cor 4, 16-17).

Não fomos criados para vida passageira

Jovem, você não foi criado apenas para esta vida transitória e passageira, na qual tudo fica velho e se acaba. Você foi feito para a eternidade, para uma vida que nunca acaba.

O jovem fogoso que foi Santo Agostinho, um dia, chegou a esta conclusão: "De que vale viver bem, se não posso viver sempre?". Para você viver sempre, vai precisar cultivar a sua alma, muito mais do que o seu corpo.



Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos", na Rádio apresenta o programa "No Coração da Igreja". Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/o-essencial-e-invisivel-aos-olhos/

7 de junho de 2019

E se não existisse purgatório?

Vivemos em um mundo como se tudo fosse eterno. As pessoas se apegam tanto aos seus bens, que nada parece não ser passageiro. O homem perdeu a esperança, talvez até mesmo por não ter uma educação religiosa, alguém que o instruísse na fé. Enfim, o homem vive como Deus não existisse.

O mundo está tão secularizado, que as pessoas não comentam mais de Deus. E quando isso ocorre, falam, simplesmente, por falar, mas não há fé suficiente. O homem até que confia que virão dias melhores em sua vida, mas, infelizmente, não espera o dia do Senhor. Nos tempos atuais, o ser humano consegue "viver bem" e até mesmo dar um jeito de conseguir tudo e todas as coisas que lhe favorecem e que lhe traz conforto. Mas quando nos depararmos com o nosso encontro definitivo com Deus, estaremos preparados?

E se não existisse purgatório?

Foto ilustrativa

Morreremos todos, um dia, e teremos o nosso julgamento final. A partir de então, seremos destinados para o céu, purgatório ou inferno. O Céu é a morada de Deus e daqueles que viveram para Ele. O inferno é onde o demônio e os que rejeitaram a Deus estão. O purgatório ocorre quando, após a morte, a alma passa por um determinado tempo para se purificar dos resquícios de pecados cometidos. E depois desse tempo, é levada para o céu.

Qual seria nosso posicionamento na vida se não existisse o purgatório?

Restariam-nos, então, o céu ou o inferno. Você poderia dizer: "Nesse caso, seria muito mais exigente!?". Sim! Seria como se fosse a nossa prova final, onde o resultado seria a nossa aprovação (salvação/Céu) ou reprovação (condenação/Inferno). A recuperação (Purificação/purgatório) não existiria.

Precisamos viver como se não existisse o purgatório, sendo radicais na busca incessante de querer conhecer mais a Deus e buscar viver a santidade. Sermos santos a ponto de não precisarmos passar pelo purgatório.

A Palavra de Deus nos fala: "Procurai a paz com todos e a santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor" (HB 12,14).

Existem aqueles que dizem "essa coisa de santidade é para padres, freiras, para aquelas beatas que estão penduradas nas túnicas dos padres e assim consequentemente". Desculpa-me, mas você ainda não entendeu. A Palavra é verdadeira e ela nos fala que, sem a santidade, "ninguém verá o Senhor".

Deus quer que sejamos santos. Pode até, muitas vezes, parecer algo muito distante de nós, ou até pode parecer impossível, mas a santidade é para todos. Talvez você possa estar se perguntando: "o que é santidade?", "como uma pessoa se torna santo?".

Em Gênesis 1,26 Deus disse: "Façamos o ser humano à nossa imagem e segundo nossa semelhança". Sabemos que Deus é Santo por excelência, e Ele nos criou à Sua imagem e semelhança, sendo assim, somos chamados todos, sem exceção, a sermos santos como Ele é santo.


"A santidade é basicamente a estreita união do homem com Deus; desse contato resulta a perfeição moral. Deus é santo por natureza; os homens são santos na medida em que se aproximam d'Ele."

Não desanime! Estamos todos juntos nessa peregrinação!

A conquista do céu vai depender do nosso esforço e das conquistas, e é claro, da nossa santidade. O purgatório é uma certeza do céu e a santidade é a garantia da eternidade.

Deus abençoe você!

Divino Guimarães
Comunidade Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/e-se-nao-existisse-purgatorio/

5 de junho de 2019

Como falar da doutrina católica com os filhos adolescentes?

Alguns princípios precisam existir para que as pessoas cumpram sua vocação paterna e materna de educarem seus filhos na fé crista. O primeiro princípio (para aqueles que querem ser catequistas dos seus filhos) é ter um encontro pessoal com Deus, porque só se pode falar daquilo que se ama; e, para amar, é preciso conhecer. O mundo atual é permeado de muitas igrejas e ideologias diferentes, sendo assim, como podem ensinar se não estudam a doutrina católica? É preciso ter coração e mente abertos para fundamentar a fé individual, sanar as dúvidas dos filhos e iniciá-los no caminho da salvação.

O segundo princípio é fazer aquilo que prega, porque, em especial, os adolescentes se espelham em atos, e não em palavras. Muitos falam de virtudes a serem adquiridas, mas no fundo possuem uma falsa modéstia, um rigor excessivo nas leis divinas e aderem às falsas profecias. Como os filhos podem aderir a essa doutrina, se não enxergam coerência entre o falar e agir dos pais? É imprescindível preocupar-se com o que estão repassando para as futuras gerações.

Como falar da doutrina católica com os filhos adolescentes?

Foto ilustrativa: Larissa Carvalho/cancaonova.com

Filhos não vivem em uma bolha

Uma das características da adolescência é questionar o "status", por isso, são indispensáveis aos pais a busca de diferentes pontos de vista para entender e refutar os questionamentos, baseando sua argumentação sempre nas Sagradas Escrituras. É bom lembrar de que os filhos não vivem em uma bolha, eles estão expostos aos conceitos e costumes diferentes da doutrina católica. Portanto, precisam conhecer sobre diversos assuntos e ter confiança naquilo que foi ensinado. A credibilidade vem da certeza na fala e aderência na ação; não adianta mandar os filhos para a Missa e ficar vendo TV em casa. É preciso ser um cristão que cumpra os preceitos não por obrigação, mas por gratidão a Deus.

Os pais devem ter respostas para as perguntas difíceis que os filhos são obrigados a responder diante de um mundo tão secularizado. Professores ateus, geralmente são bem preparados para refundar as verdades da fé; se os adolescentes também estiverem preparados na doutrina católica, eles terão argumentos para enfrentar esses mestres e seus discípulos.

Os adolescentes podem criticar quando os pais dizem que estão rezando por eles na Missa ou na oração do terço e, ainda, quando oram diante de uma dificuldade ou para alcançarem uma graça que necessitam. Entretanto, é necessário rezar com eles para que aprendam e criem o hábito de entregarem suas vidas a Deus. Um exemplo bonito é da família que reza antes das refeições, quando o adulto esquece, normalmente a criança o lembra. Essa criança será um adulto que não terá vergonha de professar a sua fé.

Não menospreze práticas simples, porque aprendemos que "o hábito faz o monge". É preciso que o ambiente dentro de casa seja visto como um altar, como um espaço de honra, não só como lugar físico, e sim cheio de diálogos que propiciem aprofundamentos espirituais. Invista seu tempo lendo a Palavra com ele, porque são histórias que cativam e que podem ser oportunidades de evangelizar e introjetar verdades que farão diferença diante das seduções do mundo.

A primeira Igreja é a família

Incentive seu filho a praticar os ensinamentos de amar o próximo, de doar aos mais necessitados e de perdoar. O Papa nos ensina a sermos uma Igreja em saída, porém, a primeira Igreja é a família. Para sairmos precisamos, primeiro, praticar. O lar é um lugar por excelência para aprendermos. O Evangelho deve ser exercitado, primeiramente, entre os seus como uma semente plantada desde a infância que florescerá na adolescência diante de tantas incertezas.

Adolescentes gostam de assumir e defender causas, então, quando veem os pais comprometidos com ações na Igreja, acabam engajando-se para ajudar e, depois, tomam para si essas questões. Filhos catequizados podem até se afastarem da Igreja, entretanto, diante das dificuldades saberão buscar ajuda no lugar certo, porque sempre voltarão às raízes diante das incertezas.



Ângela Abdo

Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. Atua como curadora da Fundação Nossa Senhora da Penha e conduz workshops de planejamento estratégico e gestão de pessoas para lideranças pastorais.

Abdo é graduada em Serviço Social pela UFES e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e em Gestão Empresarial. Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Fucape. Atua como consultora em pequenas, médias e grandes empresas do setor privado e público como assessora de qualidade e recursos humanos e como assistente social do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador). É atual presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) do Espírito Santo e diretora, gerente e conselheira do Vitória Apart Hospital.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/educacao-de-filhos/como-falar-da-doutrina-catolica-com-os-filhos-adolescentes/

3 de junho de 2019

O problema social da autossuficiência

No mundo da ciência e da tecnologia, a palavra de ordem que comanda é "perfeição", a alta definição. Acontece que isso não satisfaz as exigências dos seus destinatários, isto é, a realização da felicidade da realidade social, e as pessoas não têm sido mais felizes por isso. É sinal de que algo não está totalmente certo e perfeito. De outro lado, temos os indicativos precisos da Palavra de Deus. Jesus convida as pessoas para que deixem a arrogância, a autossuficiência, o querer ocupar os primeiros lugares e o ser melhores do que os outros. A forma de ser feliz passa por outros caminhos, pela prática da sabedoria e da gratuidade.

O problema social da autossuficiência

Foto ilustrativa: Andréia Britta/cancaonova.com

Não podemos nos conformar com uma cultura de "qualidade total" no seu instrumental de ação deixando na marginalidade os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos e desvalidos de hoje. Um tempo de prosperidade e de desenvolvimento não pode ser excludente a ponto de privilegiar alguns e não levar em conta a maioria da população.

Um mundo de igualdade, apesar dos direitos individuais adquiridos honestamente, leva a superar as desigualdades e a competição social existente. Não é fácil entender e praticar a proposta do Evangelho quando diz que "o primeiro é aquele que serve, o maior é o último". Nestas atitudes estão os autênticos valores para o cristão.

A sociedade capitalista vive num intercâmbio de favores. Ela negocia com quem é capaz de competir, deixando de lado o valor da gratuidade, do perdão a quem não pode pagar e da realidade do pobre. Esses últimos não têm lugar à mesa da classe abastada e privilegiada na posse de bens materiais.


O importante é viver com sabedoria, confiante em Deus e na humildade de coração. O afeto das pessoas e de Deus se conquista com os gestos simples de humildade, muito mais do que com presentes valiosos, mas sem a força do amor e da espiritualidade. Isso significa que os mistérios de Deus são revelados aos simples e não aos orgulhosos e autossuficientes.

Dom Paulo Mendes Peixoto


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/o-problema-social-da-autossuficiencia/

31 de maio de 2019

A exposição dos filhos na internet

Definitivamente, a internet e as redes sociais se transformaram numa realidade habitual para nós. Costumeiro também se tornou o fenômeno da superexposição da intimidade no ambiente digital, onde tudo é motivo para uma selfie, um post ou um compartilhamento na rede. Tal comportamento, no entanto, começa a extrapolar os limites do bom senso, sobretudo entre as mamães e os papais conectados que adoram publicar, quase que de hora em hora, uma foto da intimidade dos filhos e da família nas redes sociais.

Recentemente, uma pesquisa no Reino Unido revelou que a superexposição dos filhos na internet, atualmente, já começa nas primeiras horas de vida. Neste país, cerca de 57% dos recém-nascidos tiveram fotos publicadas uma hora após o seu nascimento.

A exposição dos filhos na internet

Foto Ilustrativa: Zurijeta / by Getty Images

Entenda por que a superexposição dos filhos, na internet, pode revelar uma desordem psíquica nos pais

Os pequeninos, no entanto, são indefesos diante da lente de seus genitores, da mesma forma que se tornam reféns da necessidade de exposição dos pais, os quais transformaram os filhos numa espécie de extensão de si mesmos na internet.

Cabe a nós analisarmos dois pontos desse fenômeno da superexposição dos filhos na internet. O primeiro é: o que esse comportamento revela do mundo interior dos pais? E um segundo ponto: quais as consequências e os perigos para a formação da personalidade da criança?

Superexposição e personalidade dos pais

Não é difícil perceber que uma pessoa que tem o costume de se expor excessivamente no mundo digital, quando se torna pai ou mãe, transforma o filho no objeto da exposição. Trata-se de pais narcisistas*, que se preocupam exageradamente com a própria imagem e a estende para a imagem do filho.

O narcisista gosta de ser visto, aprecia o prestígio e a fama, quer feedback sobre tudo o que posta na internet. Quando falamos de pais com essa personalidade, não precisamos ir longe para constatar que qualquer comentário na foto dos filhos do tipo "fofinho", "tá lindo", "ai, que belezinha!", serve, na verdade, como uma massagem no ego narcísico dos pais. Entenda bem que não estamos falando de uma foto ou outra, mas sim do excesso de exposição dos "babys", o que, no fundo, denuncia uma desordem psíquica dos pais.

Consequências para a personalidade dos filhos

Françoise Dolto, pediatra e psicanalista francesa, disse que "a criança pequena e o adolescente são porta-vozes de seus pais". Assim, uma criança que cresce num ambiente em que tudo merece um clique pode desenvolver uma personalidade narcísica semelhante a dos pais. E isso por dois motivos: 1) a superexposição a coloca como o "centro das atenções" a todo momento; 2) porque a linguagem da criança, sobretudo as menores, baseia-se muito mais no que os pais fazem do que no que falam.

Respeitar o momento e o espaço sagrado da criança

Existem momentos na vida que são únicos e merecem recordações, e também são sagrados e merecem proteção. A hora do sono, da amamentação, do banho, do cocô etc., são momentos íntimos da criança. Isso não significa que não possam ser eternizados numa foto, para compor o álbum da família, mas vamos entender que "sagrado" diz respeito àquilo que o mundo não tem acesso. Ao postar uma foto atrás da outra, da intimidade dos filhos, os pais passam de protetores a invasores desse mundo sagrado. E quando falamos em proteção, podemos também dizer dos perigos que rondam o mundo virtual, sobretudo quando o assunto é criança.

É importante que os pais mais conectados façam essa reflexão sobre a superexposição dos filhos nas mídias sociais e se perguntem: "O que quero com essa postagem do meu filho?". "Por que vou postar outra foto dele agora?".


É importante que os pais tracem filtros e limites do que e quando postar algo das crianças na internet; afinal, estamos falando do patrimônio mais importante que temos: os nossos filhos.

*O termo "narcisista" foi introduzido no século XIX pela psiquiatria e, posteriormente, por Sigmund Freud na psicanálise, para designar o amor exagerado de uma pessoa por si mesma, em referência ao personagem da mitologia grega Narciso, um jovem de bela aparência que, ao ver sua imagem projetada na água, apaixonou-se por si mesmo.



Daniel Machado

Daniel Machado de Assis, natural de São Bernardo do Campo-SP, é membro da Canção Nova desde 2002. Psicólogo formado pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo, também estudou filosofia pelo Instituto Canção Nova. Atualmente é coordenador do Núcleo de Psicologia Canção Nova que tem por objetivo assessorar e auxiliar a formação dos membros desta instituição.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/pais-e-filhos/a-exposicao-dos-filhos-na-internet/