17 de outubro de 2018

Quantas vezes você já contou até 10 no seu relacionamento familiar?

A importância de contar até 10 quando algo der errado no relacionamento familiar

No seu relacionamento familiar, você já deve ter contado até 10 muitas vezes! E há famílias que precisam aumentar essa contagem em algumas situações para permanecerem juntas.

Somos seres únicos, cada um foi criado em uma casa, com uma cultura, com pensamentos e julgamentos diferentes. Como fazer, então, para um relacionamento durar sem grandes sofrimentos?

É preciso que uma das partes comece a olhar o outro com muito mais amor e respeito. E depois de cada atrito, não deixe guardado por muito tempo o que o está sufocando.

Diálogo e paciência

Diálogo, respeito pelo tempo do outro e misericórdia são valores que terão que ser exercitados, diariamente, durante toda a vida de um casal.

Papa Francisco também nos ensina: "Mas ouvi este conselho: não acabeis o dia sem fazer as pazes. A paz faz-se de novo cada dia em família!".

Talvez, eu esteja falando com você, que já não está mais casado e, por causa dessas situações, não conseguiu vencer ou até mesmo seu cônjuge desistiu da família. Mas quem disse que tudo está perdido?

Passo a passo para contar até dez

Recebo muitas mensagens em minhas redes sociais de várias famílias que, com muita resiliência e esforço diário, conseguiram vencer os desafios do dia a dia e passaram a respeitar as diferenças na personalidade de cada membro da família.

Primeiro: a contagem até 10 será interior e é com você mesmo.

Segundo: reflita, olhe para dentro: o que o tira do sério? Quais suas atitudes têm atrapalhado sua família, seus filhos?


Testemunho

Vou dar um exemplo: desde o ventre materno, as minhas três filhas (Pâmella, 16 anos; Paôlla, 15 anos; Polliana, 9 anos) vão à Missa comigo, pois meu marido Filipe e eu assumimos o carisma Canção Nova, e para nós a Missa é diária. Quando eram pequenas, nós as levávamos todos os dias, mas elas foram crescendo, e o combinado é que sempre que puderem vão conosco. Mas o domingo, em casa, é sagrado. Não "negociamos" Missa! Todos vão.

Monsenhor Jonas Abib sempre ensina aos casais, na Canção Nova, que os filhos, quando chegam à adolescência, jogam para cima todos os valores que os pais passam durante a infância. Como cubos, os valores serão jogados para cima, mas, na hora de remontar suas escolhas, eles terão quais cubos para usar? Os cubos dos valores que receberam dos pais. Ele ainda diz para os pais não se preocuparem, pois seus filhos nunca esquecerão o que viram e aprenderam dentro de casa quando criança.

Ele tem razão! E vamos contar até mil se for preciso para salvar os nossos relacionamentos familiares!

Eu tenho certeza que nossa família será a nossa melhor escolha!


Paula Guimarães

Paula Guimarães é missionária da Comunidade Canção Nova, administradora, jornalista, apresentadora da TV Canção Nova e mestre em Comunicação
e Semiótica pela PUC-SP. Ela é autora dos livros "Como ser feliz em família – 15 passos para encontrar felicidade em seu lar", "Esperança, cadê você? O que fazer para não entrar em desespero" e "TV Canção Nova – A vida por trás das câmeras" pela Editora Canção Nova.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/quantas-vezes-voce-ja-contou-ate-dez-no-seu-relacionamento-familiar/

15 de outubro de 2018

A influência da sexualidade entre homem e mulher

A sexualidade é algo que deve ser integrado na dinâmica geral da pessoa

Biologicamente, não existe um ser humano assexuado, mas sim homem e mulher, cada um com características sexuais próprias. Porém, a sexualidade não envolve somente a dimensão corporal e biológica.

Sabendo que a sexualidade atinge também a dimensão da subjetividade humana, verifica-se que existe uma maneira masculina e feminina de pensar, imaginar, amar, agir e reagir; é o que se pode chamar de desejo sexual.

A menina sente desejo pelo menino e vice-versa; é o desejo heterossexual. Nesse nível, a sexualidade torna-se comportamento, sentimento. Ao tornar-se vivência, a sexualidade humana configura o comportamento pessoal, revelado no modo de se vestir, na maneira como a pessoa age diante do sexo oposto entre outros. A sexualidade é algo que deve ser integrado na dinâmica geral da pessoa.

A influência da sexualidade entre homem e mulher

Foto ilustrativa: Daniel Mafra/cancaonova.com

Dimensão psicológica

A dimensão psicológica, o eros, a esfera do erótico é entendida como a área da atração, do desejo. É por meio dessa dimensão que entramos no âmbito dos sentimentos. É o campo da sensualidade, entendida em seu aspecto positivo. É algo como a irradiação da emoção sexual sobre todo o corpo.

Dimensão erótica

Na dimensão erótica, a linguagem mais comum é a da ternura, que se manifesta na vontade e na necessidade de dar e receber carinho. A sexualidade não permanece localizada exclusivamente nas zonas erógenas, encontra-se no todo do sujeito, como ser corpóreo.


Relação heterossexual

A relação heterossexual (entre homem e mulher) deve ser uma linguagem de amor. Não deve se guiar unicamente pela força do impulso biológico, mas deve ser assumida pela capacidade de amar e doar-se plenamente. Toda relação heterossexual que não consegue alcançar a linguagem humana do amor como expressão e, ao mesmo tempo, realização, acha-se distorcida e, portanto, é descartável do ponto de vista cristão.

Uma sexualidade que não apresenta a linguagem do amor é falha e compromete a realização do amor. É um comportamento sexual não condizente com a autêntica noção da sexualidade humana. A sexualidade precisa expressar-se pela linguagem do amor, do respeito, do compromisso, da fidelidade e da comunhão plena.

Linguagem de amor mútuo

O amor conjugal refere-se a algo já preestabelecido, pois, fundamentalmente, o homem está destinado à mulher e a mulher ao homem. São seres que se complementam. A sexualidade é a inscrição, na própria carne e em todo ser, de que os indivíduos não foram feitos para viver isolados. É a expressão da linguagem de amor mútuo, por isso mesmo, não pode ser considerada simplesmente um instinto fisiológico.

A pessoa se realiza no relacionamento responsável e de amor. Por ser um modo de aproximação do outro, ela pode ajudar a promover o desenvolvimento da personalidade ou bloqueá-lo. Pode, portanto, em alguns casos, criar conflitos em vez de aproximação.

A felicidade é um objeto constantemente buscado pelo homem. Não importa o que ele faça, todas as suas ações estão destinadas ao encontro da felicidade. Para que isso se realize, de fato, o homem precisa enfrentar o desafio de educar a sua sexualidade, encontrar um modo de domínio sobre ela.

Plenitude da sexualidade

A plenitude pessoal alcançada pela sexualidade só pode acontecer na vida matrimonial, pois a sexualidade é a expressão do nosso modo de amar. Por ser algo de tão grande valor e dignidade, a sua desintegração (voltada para a prostituição, estupro, pedofilia) pode ser destruidora.


Padre Mário Marcelo

Mestre em zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (MG), padre Mário é também licenciado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (SC) e bacharel em Teologia pela PUC-RJ. Mestre em Teologia Prática pelo Centro Universitário Assunção (SP). Doutor em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana de Roma/Itália. O sacerdote é autor e assessor na área de Bioética e Teologia Moral; além de professor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP). Membro da Sociedade Brasileira de Teologia Moral e da Sociedade Brasileira de Bioética.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/afetividade-e-sexualidade/castidade/a-influencia-da-sexualidade-entre-homem-e-mulher/

10 de outubro de 2018

Quais são os traços que a santidade dos nossos dias nos trazem?

Precisamos atualizar a santidade

Neste artigo, vamos continuar nosso caminho rumo à santidade proposto pelo Papa Francisco na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate. Percebemos, nos artigos anteriores, que o caminho de santidade consiste no mandamento do amor. Nas Sagradas Escrituras, o próprio Senhor deixou claro ser este o maior mandamento: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e teu próximo como a ti mesmo." (Lc 10,27).

É mais do que importante sabermos as características ou os traços que podem fazer de nós santos nos tempos atuais. Bem sabemos que o contexto sociocultural no qual estamos vivendo não é nada fácil. Atualmente, temos desafios próprios, relacionados à maneira de pensar, às ideologias que surgem e um contexto humano específico dos nossos dias.

Quais são os traços que a santidade dos nossos dias trazem?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

O Papa nos alerta dos riscos

Talvez, a sua vida seja tão corrida devido aos afazeres de casa, do trabalho, dos estudos, filhos e compromissos sociais, que você tenha certas atitudes que não fazem bem para você e muito menos para os outros que convivem com você. Às vezes, você nem percebe tais atitudes. Contudo, o Papa Francisco nos lembra atitudes que são comuns a nós, mas precisamos evitar "a ansiedade nervosa e violenta que nos dispersa e enfraquece; o negativismo e a tristeza; a acídia (preguiça) cômoda, consumista e egoísta; o individualismo e tantas formas de falsa espiritualidade sem encontro com Deus que reinam no mercado religioso atual". (n. 111).

O Papa nos alerta sobre uma espiritualidade sem Deus. Parece algo paradoxal e até estranho aos nossos ouvidos, "como podemos ter uma espiritualidade cristã sem Deus?". Podemos comparar com uma festa de casamento sem os noivos. É absurdo! Mas Francisco deixa claro que acontece. Como características contrárias a essas atitudes, o Papa nos deixa cinco formas de manifestarmos o amor a Deus e ao próximo.


Cinco manifestações do amor

O primeiro ato de amor é: "permanecer centrado, firme em Deus que ama e sustenta". Essa primeira característica nos permite suportar as dificuldades e até mesmo as agressões que se apresentam a nós, afirma Francisco. (Cf. n. 112). Permanecer centrado e firme em Deus, que nos ama, será o motivo da nossa paz, e fará de nós testemunhas de uma santidade possível. Lutar contra as nossas inclinações agressivas e egocêntricas, combatendo-as com a firmeza interior que procede de Deus, eis o segredo para conservar-nos centrados na busca pela santidade. Peçamos a Deus o dom da firmeza interior.

O segundo ato consiste em "viver com alegria e sentido de humor". A santidade não consiste em ser triste ou amarga, desanimada, mas a nossa alegria contagiará os outros e atrairá a esperança. O Papa, no n. 122, utiliza de São Tomás de Aquino na Suma Teológica e nos diz: "do amor de caridade, segue-se necessariamente a alegria. Pois quem ama sempre se alegra na união com o amado". Meus irmãos, o amor é o fundamento da alegria. Se amamos a Deus, não podemos ser tristes. Ainda temos a possibilidade de amar fraternalmente e assim nos alegrar, ou seja, a alegria do outro alegra-me também. "Alegrai-vos com os que se alegram". (Rm 12,15).

Como terceiro ato, Papa Francisco traz a parresia, que significa ousadia e ardor, como impulsos do evangelizar cristão. É próprio de quem experimenta o sabor da santidade, mesmo que de forma limitada a desejar que outros também experimentem essa graça, e esse desejo é evangelização com parresia. E quem nos dá a parresia? Ela é própria do Espírito Santo, por isso peçamos o Espírito, a fim de que nos dê ousadia e ardor na evangelização.

Corremos o risco de cairmos em um comodismo, procurando as nossas próprias seguranças, afirma o Papa. Porém, Deus se faz novidade e a seu exemplo nos quer tirar da vida cômoda: "Ele próprio se fez periferia. Por isso, se ousarmos ir às periferias, lá o encontraremos […]" (n. 135). Jesus está naqueles irmãos que estão feridos e excluídos da sociedade. (Cf. n. 135).

O quarto ato de amor que nos leva à santificação é a vida em comunidade. É fato que, quando estamos sozinhos, corremos mais riscos de cairmos e sucumbirmos à tentação. Além disso, a vida comunitária também proporciona o crescimento espiritual, pois é a oportunidade de exercitarmos as virtudes. Francisco nos diz: "A comunidade é chamada a criar aquele espaço teologal onde se pode experimentar a presença mística do Senhor ressuscitado. Assim como viver os sacramentos. A comunidade é guardiã do amor.

Por fim, o quinto e último ato de amor é o que o nosso Papa chama de oração constante. Não podemos ser santos sem ter um espírito orante. Gosto da definição de oração de Santa Teresa quando ela diz: "oração é um trato de amizade, estando muitas vezes a sós com quem amamos." O santo tem necessidade de estar nessa relação com Deus. Mas para isso precisa que nós tiremos um tempo do nosso dia para estarmos com o Amado de nossas almas. Procuremos ocasiões e momentos para estar a sós com Ele, o silêncio é o nosso amigo para que esse diálogo aconteça.

Espero que, com a ajuda do nosso amado Papa Francisco, seguindo os passos indicados nesta exortação apostólica, cheguemos à santidade tão desejada por Deus para as nossas vidas. Que encarnemos essas características e busquemos a vontade de Deus no nosso dia a dia.



Fábio Nunes

Francisco Fábio Nunes
Natural de Fortaleza (CE), é missionário da Comunidade Canção Nova e candidato às Ordens Sacras. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP), Fábio Nunes é também Bacharelando em Teologia pela Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP) . Atua no Departamento de Internet da Canção Nova, no Santuário do Pai das Misericórdias e nos Confessionários.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/quais-sao-os-tracos-que-santidade-dos-nossos-dias-nos-trazem/

8 de outubro de 2018

Como controlar a internet para as crianças como uma forma de diversão?

As crianças precisam assistir a conteúdos educativos na internet e TV

Pequenas ou grandes, as crianças estão ali. Vídeos infantis, coloridos, músicas de todos os tipos, animadas por desenhos ou fotos e pronto, ali já ficam vidradas. Os olhinhos brilham, o dedinho já rola pra lá e pra cá. Nesse momento, o silêncio alivia pais e responsáveis.

É uma distração. É até um alívio mesmo às vezes. Mas até aí o cuidado precisa ser constante e monitorado.

Como controlar a internet para as crianças como uma forma de diversão

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Testemunho

Em nosso trabalho, no setor infanto-juvenil na Canção Nova, temos contato com muitas mães e suas experiências. Veja este testemunho que ainda é do tempo da TV ou DVD, mas sua atitude serve para os tempos de hoje:

" Nossos filhos pequenos, ficavam na parte da manhã em casa com uma babá e a tarde iam para a escolinha. Deixávamos um roteiro da manhã e de como deveriam ser as atividades. A sequência era, tomar café, fazer a tarefa da escola (caso não tivesse feito), sair para brincar no pátio do prédio onde morávamos e, depois, poderiam ficar por uma hora vendo TV ou DVD. Os programas e vídeos eram escolhidos por nós. Quando a TV não atendia nossas necessidades, já deixávamos os DVDs próprios com conteúdos educativos e religiosos, porém infantis e alegres, para que eles tivessem este momento. O mesmo acontecia quando nós, eu e meu esposo, estávamos em casa com eles. Eram brincadeiras, leitura de histórias, muitas vezes bíblicas, tarefas e um tempo de TV ou vídeo, já selecionados por nós. Penso que isso fez uma grande diferença na vida deles. Ainda há pouco tempo, ouvi minha filha, já adolescente, testemunhar entre amigos que, desde pequena, cresceu envolvida com produtos de evangelização. Por outro lado, já ouvi reclamações do meu filho, também adolescente, em tom de brincadeira, dizendo: "Não entendo por que vocês não deixavam a gente ver esse desenho ou aquele, e esperou nós crescermos para ver alguns deles?". Respondi: "Porque, quando você cresceu mais, eu pude lhe explicar o que ensinava aquele desenho e qual era o objetivo dele. Então, você já não assistia de maneira passiva, assumindo tudo para si, mas sim com um olhar mais esperto, para não cair nas armadilhas embutidas ali". Bom, não costumamos impedi-los de ver tudo, mas, o que conseguimos retardar para explicar ajudou muito. Em alguns casos, a explicação do que era, já fazia com que eles mesmos não quisessem ver."

O que fazer na era virtual?

Hoje, ainda temos a TV e os DVDs, mas também temos os vídeos na internet com acesso rápido e fácil para todas as idades. O que fazer, então? Penso que a mesma tática que essa mãe usou pode ser usada também agora. Selecione os vídeos que podem fazer bem para seus filhos pequenos, dê a eles acesso a esses vídeos, alimente a parte educacional sadia e a parte religiosa, semeando ali o que realmente pode produzir frutos bons. Mas, mesmo assim, organize tempo para brincadeiras, para ler histórias para eles, para tarefas e trabalhos escolares, hora com a babá e hora com você pai e mãe, pois isso fará a diferença.

Dicas

Crianças na internet é um dos desafios de hoje, mas quando é que não teremos desafios, não é mesmo?

Deixamos aqui para você, sugestões que podem lhe ajudar na hora de selecionar os conteúdos de vídeo. Nosso mais novo vídeo – 'Cai, cai sementinha' – fala que o coração das crianças é uma terra boa e bem fofinha, é preciso plantar ali a sementinha da Palavra de Deus. Lembrando que os bem pequenos estão na idade da repetição, então, vão querer ver e ouvir os mesmos vídeos inúmeras vezes; sendo assim, é melhor que sejam vídeos saudáveis, não é mesmo?


Deus nos abençoe!

Roseni Valdez Oliveira
Missionária da Comunidade Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/educacao-de-filhos/como-controlar-a-internet-para-as-criancas-como-uma-forma-de-diversao/

3 de outubro de 2018

Como eu posso fazer para ter uma vida unida a Deus?

Reflita, passo a passo, como unir-se a Deus pelo sacramento da confissão

"Eu quero ter uma vida unida a Deus, mas  como faço isso?" É exatamente isso que vínhamos tratando, há duas semanas, nessa série de textos voltados para a meditação sobre o sacramento da confissão. Inclusive, nós não concluímos o assunto dos elementos da confissão. Escrevemos que há um modo de se libertar, de uma vez por todas, do pecado grave. Tem jeito! Só que existem alguns pontos cruciais que devem ser vividos com intensidade e sinceridade para dar certo. No texto anterior, nós já demos algumas chaves para isso, os "pulos do gato". Precisamos terminar esse assunto para seguir adiante.

Nós já tratamos, rapidamente, do exame de consciência, do arrependimento e do propósito para fazer uma boa confissão. Vale a pena dar uma olhada lá, porque colocamos alguns detalhes sobre essas ações cruciais para libertar-se do pecado grave gradativamente e em definitivo. São esclarecedores!!

Como eu posso fazer para ter uma vida unida a Deus

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Acusação

Agora vamos ao quarto passo: a acusação.

Contar os pecados ao sacerdote. É preciso ser específico na acusação das faltas e colocar, ao máximo, a quantidade de vezes que as cometeu. Não precisa contar a história nem os detalhes, basta dizer qual foi a falta e a quantidade de vezes. Se você não se confessa há muito tempo, precisa dar, pelo menos, uma ideia da quantidade de vezes que foi cometido o pecado. Por exemplo: "Passei tantos anos sem ir à missa dominical". Com relação à gravidade do pecado, isso sim é importante especificar ao máximo. Por exemplo: "Cometi adultério uma vez com uma mulher casada". Nesse caso, foram dois adultérios, o próprio e o que foi induzido à mulher casada. Outro exemplo: "Cometi um roubo, e nele houve assassinato ou violência".

Lembrando que você se encontra em um tribunal, onde o réu confessa os pecados; no entanto, será perdoado pelo juiz, na pessoa do sacerdote. Falamos disso no primeiro texto.

"Ah, mais vou me sentir envergonhado, constrangido…" Quando erramos com alguém, e pedimos perdão, o fazemos por quê? Justamente por ser uma pessoa cara a nós, e não quereríamos a ter ofendido. Essa humilhação é já parte do remédio contra o mal, pois é uma pedagogia de autocorreção nossa frente Àquele que deve ser o mais importante em nossa vida, e do qual não queremos nos afastar.

"Deus é misericórdia. Ele não precisa de nos humilhar assim". De fato, ele não precisa mesmo, somos nós que precisamos reconhecer que não somos iguais a Ele, mas sim criaturas limitadas e dependentes da Sua ajuda. Isso só se faz assumindo a humildade como virtude.


Penitência

O quinto passo trata-se da penitência: "A penitência que o confessor impõe deve ter em conta a situação pessoal do penitente e procurar o seu bem espiritual. Deve corresponder, quando possível, à gravidade e natureza dos pecados cometidos. Pode consistir na oração, num donativo, nas obras de misericórdia, no serviço do próximo, em privações voluntárias, sacrifícios e, sobretudo, na aceitação paciente da cruz que temos de levar. Tais penitências ajudam-nos a configurar-nos com Cristo, que, por Si só, expiou os nossos pecados uma vez por todas. Tais penitências fazem com que nos tornemos co-herdeiros de Cristo Ressuscitado, «uma vez que também sofremos com Ele» (Rm 8, 17)" (CIC 1460).

Por obrigação moral, é bom reparar o que for possível da falta cometida: devolver o que foi roubado, desfazer a calúnia proferida, indenizar por ferimentos etc.

A penitência, às vezes, pode parecer leve demais. Ela existe para nos fazer meditar no mal cometido, e nas suas consequências morais. No entanto, quem pagou o preço foi Cristo, com Sua Paixão, Morte e Ressurreição. Não somos capazes de expiar nenhum pecado, nem mesmo o mais leve.

Absolvição

Por fim, a absolvição: Trata-se da oração, feita pelo sacerdote, de absolvição dos pecados confessados e dos esquecidos; não dos omitidos. Lembrando: se houver omissão de pecados, a confissão torna-se inválida. O nível da graça dada por Deus, no ato da absolvição, varia de pessoa para pessoa, pois depende do grau de devoção do penitente. A devoção não produz a graça, mas é como que o caminho para ela. Logo, a pessoa perceberá o seu efeito suavemente: firmeza de propósito, aumento da fé, força gradativa contra o pecado, aumento do horror pelo mal cometido. Vamos ficando mais fortes na luta contra o pecado.

Permanecendo em estado de graça, é possível, por meio da oração, e principalmente da Eucaristia, receber de Deus as virtudes infusas que nos ajudam a permanecer firmes na luta contra o pecado. Também vamos nos tornando pessoas melhores, realizadas, voltadas para as realidades mais essenciais que nos levam a uma união com Deus.

Temos de Deus a ajuda necessária para permanecer perto d'Ele.

Semana que vem, vamos tratar, brevemente, sobre o pecado, justamente para nos ajudar no exame de consciência.



Roger de Carvalho

Roger de Carvalho, natural de Brasília – DF, é membro da Comunidade Canção Nova desde o ano 2000. Casado com Elisangela Brene e pai de dois filhos. É estudante de Teologia e Filosofia.
Autor do blog "Ad Veritaten".


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/series/confissao/como-eu-posso-fazer-para-ter-uma-vida-unida-deus/

1 de outubro de 2018

Relacionamento saudável: 10 dicas para um bom namoro

Aprenda 10 dicas para um bom namoro

1 – Só comece a namorar quando tiver a convicção de que quer, um dia, se casar. Sem um objetivo na vida, tudo o que fazemos fica vazio; o namoro também, se não tem uma meta, não tem sentido.

2 – Antes de começar a namorar alguém, conheça-o bem por meio de uma boa amizade. É na amizade que surge o namoro, e ela serve também como um pré-namoro. Não seja afoito, não comece a namorar só porque o outro tocou seu coração. Conheça-o primeiro.

3 – Faça do seu namoro um tempo de conhecimento do outro e um meio de ele conhecer você. Sem isso, não será possível saber se o namoro deve continuar ou não. Não se ama quem não se conhece. Então, cada um se revele ao outro com sinceridade.

Relacionamento saudável: 10 dicas para um bom namoro

Foto ilustrativa: skynesher by Getty Images

4 – Não tenha medo de mostrar ao outro a sua realidade e a de sua família. Se ele não o aceitar como você é, e também sua família, com todas as qualidades e defeitos, é porque não o ama de verdade.

5 – Faça o outro crescer. Namoro é tempo de crescer a dois, pelo fermento do amor, da renúncia e do sacrifício pelo outro. Um relacionamento, no qual ambos não crescem humana e espiritualmente, por estarem juntos, é vazio e deve acabar.

6 – Não deixe o egoísmo tomar conta do relacionamento, pois um casal egoísta é como duas bolas de bilhar, que só se encontram para se chocarem e se separarem. O egoísmo mata o amor e destrói o relacionamento.

7 –
Não faça do seu namoro uma vida de casado, com vida sexual e intimidades conjugais. Amanhã, o namoro pode terminar e a marca ficará em você, sobretudo, na mulher. Só tem sentido entregar-se a alguém que, antes, colocou uma aliança em sua mão esquerda e lhe jurou amor e fidelidade até o último dia de sua vida. Não desvalorize suas decisões, seu corpo e sua vida.


8 – Não prenda seu namorado pelo sexo, não faça dele uma "arma", porque a "vítima" pode ser você. Quantas ganharam uma barriga antes da hora, sem ter um berço e um teto para seu filho! Ele merece mais do que isso.

9 –
Não tenha medo de terminar um namoro, no qual só existe briga e reclamação; não empurre o problema com a barriga. Namoro é tempo de conhecer e escolher sem pressa e sem paixão que cega a razão. É melhor chorar uma separação, hoje, do que depois de casados.

10 – Não deixe Deus fora do seu namoro, pois foi Ele quem nos criou, foi Ele quem instituiu o casamento entre um homem e uma mulher, e será Ele quem os unirá para sempre. Deixe que a mão forte de Cristo esteja entre as suas mãos fracas.



Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos", na Rádio apresenta o programa "No Coração da Igreja". Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/relacionamento/namoro/relacionamento-saudavel-10-dicas-para-um-bom-namoro/

27 de setembro de 2018

Como fazer para que Deus seja presença no meu casamento?

Deus precisa ser o centro do seu casamento

O Senhor nos chamou para sermos o povo d'Ele, o Seu rebanho. Nós somos de Deus, temos uma marca. Temos uma aliança com o Senhor e, hoje, precisamos tomar posse dessa verdade: somos povo de Deus! E, o Senhor, nos selou com o Seu sangue para afirmar que somos rebanho de Deus. O seu casamento pertence ao Senhor. E Cristo morreu por você, por isso, essa realidade precisa se realizar hoje. O mundo precisa com urgência de casais cheios do Espírito Santo para evangelizar e salvar.

Como fazer para que Deus seja presença no meu casamento?

Foto ilustrativa: BraunS by Getty Images

Não podemos seguir a voz do inimigo. E a primeira coisa a que ele quer nos tentar é para que não reproduzamos mais Deus! É Deus quem coloca a mão na sua barriga e vai tecendo a criança. Ele, o encardido, tem raiva quando vê uma mulher grávida; por isso, o pecado preferido do encardido é o aborto!

Deus nos ama

Não existe solução fácil para problema difícil! Tenha amor em você e dê amor para os da sua casa. Reze pela sua esposa, pelo seu esposo, pelos seus filhos. A minha casa sempre teve Deus como dono e, também, na sua casa também Deus precisa ser o dono.

Onde você estiver, você tem que levar o Céu. Você é cristão na medida em que, por onde você passa, semeia o Reino de Deus. Dê aos seus filhos o Reino de Deus por herança. Semeie no coração dos seus filhos, no dia a dia, o Reino de Deus. Dê Deus aos seus filhos, leve-os para o Céu. Gaste a sua vida de amor, pelo filho que você tem.


Não tenha amizades com casais que não queiram ser santos. Tenha a coragem de cortar as más amizades. Saiba que o inferno tem raiva dos casais que desejam a santidade. Por isso, jogue fora de sua casa tudo que seja do demônio: revistas pornográficas, filmes pornográficos e objetos consagrados ao demônio. Experimente o prazer de uma relação sexual em Deus!

Você é chamado a reproduzir Deus. Não deixe que nada e nem ninguém o impeça de viver aquilo que você tem por direito: ter Deus no seu casamento, na sua família.

Deus te deu um presente de casamento: o Espírito Santo! Abra e use esse presente na sua casa!

(Texto retirado do livro "Sede fecundos", de Padre Léo, scj)

25 de setembro de 2018

A ingenuidade nas redes sociais e suas consequências

O mau uso das redes sociais nos transforma em semeadores de "lixos virtuais"

Muito cuidado com as pessoas que lhe enviam conteúdos pelas redes sociais. Na verdade, o problema não são elas, mas aquilo que elas enviam. Eu acredito que uma boa parte dessas pessoas sejam até bem intencionadas, muitas são nossas amigas e, por isso, estão em nossas redes. No entanto, rede social é igual rede de pescador, você a lança ao mar e depois puxa para separar os peixes bons dos ruins. Nas redes sociais, poucas coisas se salvam, porque, diferente dos pescadores que são peritos na arte de pescar, no mundo virtual somos quase todos ingênuos e insensatos.

A ingenuidade é a falta de um senso crítico apurado e amadurecido. Iludimo-nos com cores e frases bonitas, digerimos qualquer coisa e acreditamos em tudo e em todos, sem nem mesmo saber se o que está escrito procede ou não.

-A-ingenuidade-nas-redes-sociais-e-suas-consequências

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

A insensatez é a facilidade de como somos envolvidos e instrumentalizados com os semeadores de "lixos virtuais". Não se verificam as fontes, as informações nem a finalidade daquele conteúdo. O resultado é que nossas redes sociais viraram canais de boatos, fofocas, intrigas, maledicências, conteúdos impróprios, notícias falsas, falácias, guerras ideológicas e falsos conteúdos com cara de coisa boa.

Nós cristãos somos tão ou mais ingênuos e insensatos como os demais. Estou cansado de receber coisas falsas e inverídicas de irmãos na . O que colocam de palavras e afirmações na boca do Papa, bispos e padres não é brincadeira! Sem contar quando não invertem o que foi dito. Fabricam textos e afirmações falsas e espalham em todos os lugares. Geralmente, nós recebemos, falamos amém ou batemos palmas e passamos adiante.


Seguidores de Cristo não podem compactuar do fermento deste mundo. Há na sociedade uma rede de intrigas fomentada com a finalidade de colocar as pessoas umas contra as outras e desviar o foco de coisas essenciais. O mesmo modelo foi transposto para o nosso meio de vivência da fé. Incomoda-me receber de pessoas de Igreja conteúdos inadequados, falsos ou provocadores de discórdia. Não é que precisamos mandar somente flores e passagens da Bíblia. O que não podemos é espalhar o joio, a mentira, a ilusão e a fofoca, e achar isso normal e até bonito.

As redes sociais podem e fazem um bem enorme para a comunicação entre as pessoas, inclusive para a evangelização. Os estragos promovidos pelos ingênuos e insensatos se tornam, muitas vezes, incalculáveis e irreparáveis. Afirmo que o problema, na maioria dos casos, não são as pessoas, mas o conteúdo, porém eles não se espalham sem a nossa ajuda; então, repensemos nossa conduta diante das redes sociais que fazemos uso.


 


Padre Roger Araújo

[:pb]Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.comFacebook

[:es]Sacerdote de la Comunidad Canción Nueva, periodista y colaborador de la Página Canción Nueva. Contacto: padrerogercn@gmail.com – Facebook

21 de setembro de 2018

Com Deus tem jeito: um testemunho de fé e esperança

É preciso tomar cuidado para não perder os valores da alegria e da esperança

Quero lhe falar de uma história real. Trata-se da vida de um jovem que, aos 25 anos de idade, não tinha mais nenhuma perspectiva, não conseguia ver esperança em sua vida, era só um vazio existencial.

Os dias foram passando e o desespero aumentava no coração dele, por não avistar uma saída. A entrada para o mercado de trabalho lhe parecia muito difícil sem faculdade e sem currículo. Quem o contrataria e quanto ganharia? Pois quem ganha bem é quem tem um excelente currículo e uma boa formação acadêmica, pensava este jovem. Casar-se e formar família também era complexo, já que não conseguia dirigir sua própria vida. Então, não conseguia mirar uma vida de fidelidade a partir de uma única mulher. Outro ponto se tornava mais distante ainda: ter filhos e dar a eles uma educação moral e cristã.

Com Deus tem jeito: um testemunho de fé e esperança

Foto ilustrativa: Daniel Mafra/cancaonova.com

Situações que resultavam numa conclusão: sem perspectiva profissional e sem perspectiva de ser bom esposo e bom pai. Além desses fatos, tinha jogado fora todas as oportunidades que estiveram em suas mãos, uma delas a carreira profissional de jogador de futebol de salão. O mais complicado para este jovem era achar que não tinha mais jeito de dar a volta por cima, não existia esperança em sair do caos.


Alegria e esperança

Não sei a sua idade nem quais são as suas perdas, mas sei de uma coisa: em meio a uma situação de desesperança, é hora de tomar cuidado para não perder os valores da alegria e da esperança.

Há uma música que diz: "Reconhece a queda e não desanima; levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima". Jovem, é preciso reconhecer a queda, reconhecer a perda, reconhecer-se pequeno, mas não desanimar. É preciso ter consciência de que para levantar e dar a volta por cima é preciso o auxílio do Alto, do Céu. Levante a cabeça, acredite, é possível começar um tempo novo! Levantar-se sem Deus é arriscado e levantar-se com Ele é humildade.

"A alegria do coração é a vida da pessoa, tesouro inesgotável de santidade, a alegria da pessoa prolonga-lhe a vida. Tem compreensão contigo mesmo e consola teu coração; afugenta para longe de ti a tristeza. A tristeza matou a muitos e não traz proveito algum." (Eclo 30,23-25).

Essa passagem bíblica nos apresenta um valor que deve ser cultivado: a alegria. Jovem, não deixe que nenhuma perda lhe roube a alegria. Somente a perda de Jesus é que deve nos questionar, pois Ele diz: "sem mim, nada podeis fazer". Viver a vida sem Cristo é perder a esperança de dias melhores.

Jesus é o seu amigo e está junto de você nestes momentos tão difíceis. Ele é o único que não pode se fazer presente na sua lista de perdas. "Eu vos chamo amigos" (Jo 15,15). O lindo desafio para este dia é virar a folha e começar a escrever um tempo novo. Coloque, no início dessa folha, "Jesus é meu amigo" e isso me basta para dar a volta por cima.

Este jovem, hoje, tem 49 anos de idade, é casado há 20 anos e tem três filhos. Este jovem sou eu, Cleto Coelho. Hoje, sou "semeador de alegria e esperança" e aprendiz em descobrir valor em meio às perdas. Não me canso de repetir: "Com Deus tem jeito!"


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/testemunhos/com-deus-tem-jeito-um-testemunho-de-fe-e-esperanca/

19 de setembro de 2018

Quais são as prioridades para uma família ser santa?

A família precisa ter momentos juntos de oração

Diariamente, vivemos, na nossa casa, situações em família, e precisamos tomar decisões: "Os filhos vão à festa de aniversário do amigo da escola?", "Vão sair?", "Como serão as próximas férias?".

Há também situações que são preciosas para o fortalecimento da família, como ir à Missa, ter momentos de orações individuais e também em família. Guardo, em meu coração, uma frase de São João Paulo II sobre a importância da oração dentro de casa: "Não esqueçais que a oração em família é garantia de unidade num estilo de vida coerente com a vontade de Deus".

Quais-as-prioridades-para-uma-família-ser-santa

Foto: Arquivo Pessoal (Paula Freitas)

Oração em família

Responda para você mesmo: "Você consegue rezar junto com sua família?".

A maioria das famílias, hoje, não reza. Há também muitos que rezam. Os que já aderiram a essa prática, continuem, não desistam! Mas os que ainda não conseguiram, deixo aqui o convite: comecem agora!

Você pode estar pensando: "Paula, eu sou uma pessoa boa, minha família é do bem, está tudo certo na minha casa, mas eu não rezo!". Se você já é uma boa mãe, imagina com a oração, ficará melhor ainda! Se você é um bom pai, será um superpai, muito melhor para seus filhos!

Se sua família já vai à Missa aos domingos, está aí uma grande vitória. Podemos, no entanto, receber mais graças se fizermos da nossa vida uma oração. Além de participarmos das Missas aos domingos e dias santos, como nos orienta a Igreja, podemos receber mais graças ainda se fizermos da nossa vida uma oração.

Não é ficar o dia inteiro de joelhos na igreja. Isso nem Deus quer! O Evangelho é oração e ação. O fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib, sempre nos ensinou que podemos orar ao ritmo da vida. Em casa, no serviço doméstico, no trabalho, sempre oferecendo ao Senhor o que estamos fazendo. Oração ao ritmo da vida. Cuidando das crianças, educando-as com o coração voltado para Deus, e assim você já está orando. Você pode não estar percebendo, mas você está orando.


Sem a caminhada fica mais difícil. Por isso, deixo a você uma dica: "Não sei o que você está passando em seu lar, se é a doença que visitou sua vida, se é uma traição. Mas acredite: o que vai sustentá-lo e mantê-lo firme para vencer todas as dificuldades do cotidiano é a oração".

Em 2015, estive na abertura de um Grupo de Oração para Famílias, em Belém (PA). Foram dois dias de orações e palestras para as famílias. Quanta riqueza nas partilhas! Famílias inteiras participando, rezando por sua casa e escolhendo colocar Deus dentro de seu lar.

Fica a dica

Eu dizia a eles e repito a vocês:

– A oração precisa ser prioridade para a nossa casa;

– Todos nós precisamos rezar mais;

– Homens, vocês precisam ser homens de oração;

– Mulheres, vocês precisam ser mulheres de oração;

– A nossa família precisa ser uma família de oração;

– Família que crê tem sabor diferente.

Temos tempo para tudo, até para o que não é construtivo. Sabemos que tempo é questão de preferência; então, decida-se pela oração!

 


Paula Guimarães

Paula Guimarães é missionária da Comunidade Canção Nova, administradora, jornalista, apresentadora da TV Canção Nova e mestre em Comunicação
e Semiótica pela PUC-SP. Ela é autora dos livros "Como ser feliz em família – 15 passos para encontrar felicidade em seu lar", "Esperança, cadê você? O que fazer para não entrar em desespero" e "TV Canção Nova – A vida por trás das câmeras" pela Editora Canção Nova.

17 de setembro de 2018

Vício em eletrônicos pode desenvolver patologias

As pessoas estão se tornando dependentes das tecnologias, o que pode ocasionar vícios eletrônicos

O que antes era uma preocupação apenas com os adolescentes, por ficarem horas e horas em jogos virtuais, estende-se à classe dos adultos; e o pior, até mesmo das crianças. Muitos pais, na ânsia de ter um tempo "livre" para eles, sem choro nem necessidade de dedicação aos filhos, usam como moeda de troca o tablet e o celular, oferecendo precocemente aquele que pode ser o grande vilão da vida adulta do seu filho. Por isso, gostaria de questionar: será que estamos sabendo utilizar os eletrônicos, em especial os meios de comunicação?

Essa tem sido a pergunta de muitos estudiosos, saber quais são as influências e, para bem dizer, os malefícios que esse vício pode causar, assim como sua forma de tratamento.

Vício em eletrônicos pode desenvolver patologias

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Muito já se falou dos jogos, mas agora gostaria de levantar os questionamentos acerca dos meios de comunicação virtual. Pode se dizer que nunca foi tão fácil acessar a internet como atualmente, são poucos os lugares em que não é possível se conectar. E quando isso não acontece, o caos está instalado. Quem nunca ouviu uma pessoa dizer: "Aqui não tem nada para fazer, não tem nem internet!" ou "Aqui tem Wi-Fi? Qual a senha?".

Atendimento psicológico

Partindo do princípio de que tudo o que está em exagero pode se tornar uma doença, podemos, então, dizer que o excesso de tempo envolvido com tais eletrônicos é uma patologia, e que, para isso, já existem clínicas de recuperação nos grandes centros. Já se imaginou internado em uma clínica de recuperação por não conseguir se controlar com uso desses meios? Ainda não se trata de uma realidade comum tais internações, no entanto, o número de pessoas atendidas em consultórios psicológicos sim.

As pessoas não chegam nos consultórios dizendo que possuem dependência de internet, jogo patológico ou nomofobia ("no mobile fobia", ou "fobia de ficar sem celular"), eles chegam se queixando das consequências de tais patologias, que são a baixa autoestima, distúrbios de humor, depressão, fobias e irritabilidade.

Normalmente, esses comportamentos dificultam as relações sociais feitas na vida real, sendo então um "refúgio" para aqueles que são retraídos, tímidos, inseguros, complexados, pois, nesse mundo imaginário, posso me refugiar, distrair, ser quem eu desejo ser, porque hoje é muito comum criar um fake (pessoa imaginária) e fazer tudo aquilo que gostaria de fazer e não "consigo".

Distúrbios atencionais

No entanto, não são apenas alterações emocionais que podem gerar essas dependências. Estudiosos da mente humana têm buscado estudar quais implicações neurológicas tais dependências têm causado. A princípio, o que se pode dizer é que esses tais excessos, podem causar distúrbios atencionais.

Uma vez que, durante as atividades virtuais – sejam elas jogos, trabalho, estudo, lazer, dentre outros – estimula-se mais o campo da atenção alternada (alternância do foco entre mais de um estímulo para captar cada uma das atividades em separado, eficazmente), geramos no cérebro uma necessidade de receber constantemente esse estímulo. Em contrapartida, o campo da atenção concentrada (capacidade de desconectar-se de um campo mais amplo de atração, seja visual ou auditivo, a fim de isolar-se ou focar-se em um número reduzido de estímulos), um outro tipo de atenção humana, não menos inferior que a atenção alternada, fica "atrofiada", pois não tem recebido estímulo suficiente. Esse desequilíbrio prejudica diretamente o processo de aprendizagem e memória do ser humano, uma vez que auxilia a transição de informações novas da área da memória de trabalho para a memória de longo prazo.

Se, contudo, você acha que não depende tanto da internet para relacionar-se, distrair-se e manter-se informado (jornais impressos e televisionados também oferecem informações), lanço um desafio: desligue sua internet por um período do dia, observe suas reações e veja até onde você depende emocionalmente dessa ferramenta.



Aline Rodrigues

Aline Rodrigues é missionária da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo. É psicóloga desde 2005, com especializações na área clínica e empresarial e pós-graduada em Terapia Cognitiva Comportamental. Possui experiência profissional tanto em atendimento clínico, quanto empresarial e docência.

12 de setembro de 2018

Por que a Igreja dedica um dia ao nome de Maria?

O anjo enviado por Deus disse a Nossa Senhora: "Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus"

A liturgia celebra, no dia 12 de setembro, o Nome Santíssimo da Virgem Maria (Miryam, em hebraico). O objetivo dessa festa é que os fiéis possam recomendar a Deus, de modo especial pela intercessão de Sua Santíssima Mãe, as necessidades da Igreja e as próprias necessidades, além de agradecer ao Senhor as graças recebidas por intermédio da intercessão da Virgem Maria.

Essa festa teve início na Espanha, em 1513, e espalhou-se por todo o país. Em 1683, o Papa Inocêncio XI a estendeu para toda a Igreja do Ocidente como um ato de ação de graças pelo levantamento do cerco de Viena e a derrota dos turcos por João Sobieski, rei da Polônia. Na época, a data dessa celebração foi definida para ser no domingo, dentro da oitava da Natividade de Nossa Senhora.

O nome de uma pessoa é muito importante na Bíblia, pois representa a própria pessoa. Certamente, São Joaquim e Santa Ana foram inspirados pelo céu ao escolherem esse nome para a Virgem que seria, um dia, a Mãe do Redentor e nossa Mãe.

Por que a Igreja dedica um dia ao nome de Maria?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

O nome de Maria é poderoso

São Lucas registra: "O nome da Virgem era Maria". O anjo enviado por Deus diz a ela: "Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus". Segundo os mariólogos, o nome "Miryam" pode ter origens diversas. Alguns estudiosos afirmam que ele é derivado da raiz "mery", que em egípcio significa "muito amada". Também são atribuídos a ela o significado de "Estrela do Mar", entre outros.

Mais importante do que o significado exato desse nome é saber que ele é poderoso, pois é o nome da Mãe de Deus e deve ser invocado sempre.

O nome de Maria é como um bálsamo que corre agradavelmente sobre os membros dos enfermos e os penetra com eficácia, os reanima e suaviza, lhes dá força e saúde. Mais do que o nome de todos os santos, Maria pede a Deus que Ele cure os nossos males, ilumine nossa cegueira e nos encoraje em nossos desânimos.

O nome de Maria abre o coração de Deus

Ricardo de São Vítor disse: "O nome de Maria cura os males do pecador com mais eficácia que os unguentos mais procurados. Não há doença, por desastrosa que seja, que não ceda imediatamente à voz desse bendito nome".

Alguém disse que o nome de Maria desarma o coração de Deus. Não há pecador, por mais criminoso que seja, que o pronuncie em vão. Por ela, o perdão desce sobre as almas pecadoras, não porque tenha ela o direito de o conceder, mas porque é onipotente para o implorar a Deus. O nome de Maria abre o coração de Deus e põe todos os tesouros d'Ele à disposição da alma que o invoca. São Bernardo a chamou de "onipotência suplicante".

Um santo disse que Jesus Cristo entrega tudo o que tem àqueles que Lhe estendem a mão em nome de Sua Mãe. Deus Pai, fonte de toda riqueza, concede toda graça àqueles que pedem algo a Ele invocando o nome de Sua Filha bem-amada.

O nome da Santíssima Virgem Maria nos salva dos perigos de pecar, das tentações e de todas as dificuldades. Ele dissipa a tristeza na alma que o pronuncia. Quem tem temor de Deus e de Seus julgamentos deve pensar sempre em Maria e invocar o nome dela. Assim, sua confiança em Deus renascerá. Diante de qualquer dificuldade humana, diante dos adversários e dos perigos, pense em Nossa Senhora e invoque o seu santo nome, porque dele os demônios fogem.


A Santíssima Virgem nos fortalece

Da mesma forma, se há o medo da morte, pensemos na Santíssima Virgem Maria e invoquemos sempre seu nome para termos a coragem de aceitar esse supremo e último sacrifício. Quaisquer que sejam os inimigos que nos ameacem, venham eles do inferno ou do mundo, invoquemos o poderoso nome de Maria e a todos eles venceremos.

Diante de nossas fraquezas e pecados – orgulho, ganância, sensualidade, gula, inveja e preguiça – confiemos o nosso fraco coração aos cuidados da Mãe de Deus, invocando o seu poderoso nome.

"O nome de Maria, diz Santo Antônio de Pádua, é júbilo para o coração, mel para a boca e doce melodia para o ouvido."

São Boaventura afirma: "Bem-aventurado o que ama vosso nome, ó Maria, porque este é uma fonte de graça que refresca a alma sedenta e a faz produzir frutos de justiça. Ó Mãe de Deus, que glorioso e admirável é vosso nome! Quem o leva em seu coração se verá livre do medo da morte. Basta pronunciá-lo para fazer tremer todo o inferno e por em fuga todos os demônios. O que deseja possuir a paz e a alegria do coração, que honre vosso santo nome."

São Pedro Crisólogo destaca: "O nome de Maria é salvação para os regenerados, sinal de todas as virtudes, honra da castidade; é o sacrifício agradável a Deus; é a virtude da hospitalidade; é a escola de santidade; é, enfim, um nome completamente maternal."

São Bernardo declarou: "Ó amabilíssima Maria, vosso santo nome não pode passar pela boca sem abrasar o coração. Os que vos amam não podem pensar em vós sem um consolo e um gozo muito particulares. Nunca entrais sem doçura na memória dos que vos honram."

Tomás de Kempis, em seu livro "Imitação de Cristo", escreveu a respeito do glorioso nome da Mãe de Deus: "Os espíritos malignos tremem ante a Rainha dos Céus e fogem como se corre do fogo ao ouvir seu santo nome. Causa-lhes pavor o santo e terrível nome de Maria, que para o cristão é um extremo amável e constantemente celebrado".


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos", na Rádio apresenta o programa "No Coração da Igreja". Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino


Fonte:

10 de setembro de 2018

A perfeita unidade do casal é cultivada pela oração

O casal que ora junto faz frutificar seus talentos e se fortalece espiritualmente

Só Deus é uno, só a Ele pertence o caráter de ser único, portanto, somente Deus pode transmitir a unidade do casal. "Que todos sejam um; como tu ó Pai, estás em mim e eu em ti, que também eles estejam em nós" (Jo 17,22).

Homem e mulher que deixam pai e mãe partem rumo ao belíssimo desafio da vivência da unidade, contam com a graça de estado do matrimônio. "Aquilo que Deus uniu, não o separe o homem" (Mc 10,9).

O matrimônio é um sacramento celebrado pelos cônjuges e abençoado pela Igreja na pessoa do sacerdote. Porém, é essencial que ambas as partes, homem e mulher, tomem consciência de que, desde a bênção nupcial, a unidade entre eles se faz perfeita. Percebe-se, então, com clareza, que esse sacramento não é uma sociedade humana, tampouco um reconhecimento, por parte da Igreja, de um casal que já vivia junto e passa a viver sob a bênção de Deus.

A perfeita unidade do casal é cultivada pela oração

Foto ilustrativa: jjneff by Getty Images

Unidade em Deus

Desde o princípio, o homem e a mulher foram criados para serem unidos e viverem o mistério da unidade em Deus. Unidade semelhante àquela vivenciada pela Santíssima Trindade. É a experiência mística de aprender a amar o seu próximo mais próximo, como a si mesmo.

Nesse relacionamento, onde Deus gera a unidade, existe continuamente uma batalha espiritual a dois. Um cônjuge está sempre erguendo o outro no momento de uma possível queda, pois Deus nunca permite que ambos caiam ao mesmo tempo.

Os cônjuges veem a imagem de Jesus Cristo na face um do outro, e assim aprendem a se amar. No entanto, se existe uma batalha espiritual no relacionamento matrimonial, se o inimigo de Deus tenta de todas as maneiras destruir os casamentos, faz-se necessário que os esposos estejam sempre muito bem armados para se defenderem.

No mundo moderno, dificilmente os cônjuges têm a consciência do que é o matrimônio. Normalmente, quando surge uma situação mais difícil ou mesmo uma pequena discordância de ideias, ambos reagem humanamente, tantas vezes assumindo posturas precipitadas, ignorando as armas que Deus põe em suas mãos por ocasião do casamento.

A missão do casal

Os casais têm a missão de fazer seu matrimônio cada vez mais santo. Para que esse objetivo seja atingido, faz-se necessário uma labuta incansável, uma lapidação da pedra bruta, do diamante, para que ele, transformando-se em brilhante, reflita Jesus Cristo para todos os que o cercam e d'Ele têm sede.

A vida espiritual é dinâmica. O Espírito Santo é a espada santa de todo casal. Quantas palavras incompreendidas e duras podem ser trocadas entre os esposos que ainda não sabem que sua união é sinal vivo e eficaz de Jesus!

Um casal precisa orar junto, tendo em vista o carisma de sua unidade. Homem e mulher, tornados um pelo sacramento do matrimônio, necessitam rezar. Essa oração não pode ser apenas pessoal, ela precisa acontecer no casal. A perfeita unidade da alma e do corpo é cultivada pela oração.

Quantas vezes os casais propagam sua unidade intelectual e de corpos, mas não experimentam ainda a união de suas almas! Uma harmonia perfeita no casamento deve ser fundada, alicerçada em Jesus.

O casal que, reconhecendo sua pequenez enquanto pecadores, mas sua grandeza por sua filiação divina, coloca-se totalmente carente e despojado diante da única e verdadeira fonte de amor e sabedoria lá derrama sua alma, viverá plenamente as graças de sua unidade. "Quando dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, eu estou no meio deles" (Mt 18,20).


A unidade divina do casal

A oração do casal leva-o a perceber que seu matrimônio não se situa mais no plano humano. Esse modo de orar aprofunda, pois, a unidade do casal no mistério da unidade divina.

Se a oração do casal é algo tão maravilhoso, frutuoso e que tanto agrada ao coração de Deus, por que não acontece sempre? Muitas vezes, sob a desculpa de sono ou cansaço, os cônjuges são confundidos pelo inimigo de Deus e as justificativas, parecendo legítimas, adiam ou impedem que a graça se derrame mais e mais sobre os esposos.

Um casal unido em Jesus terá uma família fundada na rocha. Satanás tenta impedir essa harmonia. Ao casal cabe enfrentar essa batalha com a Espada Santa do Espírito e prostrar-se diariamente aos pés da cruz do seu Redentor, para clamar por sabedoria e unidade, gemer pela graça de poder perdoar-se mutuamente e, acima de tudo, de se amar de modo verdadeiro.

Os esposos que oram juntos, que recebem a Eucaristia em conjunto, fazem frutificar seus talentos e nutrem-se espiritualmente. Não mais caminharão tendo o mundo e seus valores como modelo, mas sim Cristo, e, com destemor, enfrentarão todas as batalhas e desafios advindos do fato de viverem no mundo sem a ele pertencerem.

Maria Adília Ramos de Castro
Comunidade Shalom

3 de setembro de 2018

Deus nos capacita e auxilia nos processos de cura interior

Devemos pedir a Deus que cure nossas feridas ao longo da vida

Ninguém se coloca sob o sol sem se queimar. Se tomarmos sol em excesso, vamos sofrer as consequências dele. Com Deus acontece algo semelhante, pois ninguém se coloca na presença d'Ele sem ser beneficiado por Suas graças. As marcas da presença do Todo-poderoso também são irreversíveis para a nossa salvação. Quando nós nos deixamos conduzir pelo Espírito Santo, Ele nos dá liberdade. Nunca o Senhor pensou em nos trazer para perto d'Ele a fim de tira algo de nós, muito menos para limitar a nossa liberdade. Se Ele não quisesse a nossa liberdade, por que teria nos criado livres?

Nossa liberdade ficou comprometida por nossa própria culpa, porque quem peca se torna escravo do pecado. Pelos erros e vícios que entram em nossa vida ficamos debilitados. O Pai nos deu Cristo para nos libertar daquilo que nos amarra. Deus nos mostra quais caminhos podemos seguir, mas a liberdade de escolher é nossa. O desejo do Senhor é nos libertar de toda angústia, de toda opressão. O desejo d'Ele é nos ver felizes.

Deus nos capacita e auxilia nos processos de cura interior

Foto Ilustrativa: Paula Dizaró/cancaonova.com

Em Gálatas 5,1 lemos: "É para que sejamos homens livres que Cristo nos libertou. Ficai, portanto, firmes e não vos submetais outra vez ao jugo da escravidão". Cristo nos amou, morreu numa cruz por nossa causa, para que não fôssemos escravos do pecado. O Ressuscitado nos libertou de todo mal, de toda armadilha do inimigo para que permanecêssemos livres. Contudo, ninguém é livre na maldade. Uma vez que o Espírito Santo nos visita, não há brechas para o pecado.

Conhecer Deus

Quem conhece as coisas que há no homem senão o espírito do homem que nele reside? (cf. Coríntios 2,10-16). Assim também ninguém conhece as coisas de Deus senão o Seu Espírito.

Ninguém pode saber o que há em nosso interior se não abrirmos a boca e dissermos o que pensamos. Quando rezamos, Deus Pai nos refaz e o Espírito Santo nos cura e liberta. Rezar é ficar nu na presença de Deus, é abrir-se a Ele. Quando rezamos, colocamo-nos na presença do Altíssimo, nos expomos e somos curados. Quando tiramos a roupa diante do espelho, vemos o que queremos e o que não queremos. Na hora em que estamos rezando, caem as nossas vestes espirituais; assim, vemos aquilo que queremos e o que não queremos. Tudo que fazemos de mau volta para nós no momento da oração. No momento em que o Senhor nos mostra quem somos, Ele também nos mostra quem Ele é. Se Ele nos revela uma coisa que não está boa, é porque precisamos consertá-la.


Na oração, nós aprendemos a ouvir o Senhor. Não existe ninguém que, tendo rezado, Deus não o tenha respondido. E se Ele não lhe responde diretamente, vai fazê-lo por meio de uma pessoa ou de um fato, mas Ele responde. Nós precisamos aprender a ouvi-Lo na oração, para conhecermos os planos que Ele tem para nossa vida.

Cura interior

Nós precisamos, na oração, pedir ao Espírito Santo que nos faça descobrir o que está ruim dentro de nós. Deus sabe o quando fomos machucados e sabe como nos curar.

A nossa vida inteira é um processo de cura interior. Enquanto estivermos com os pés nesta terra, nossa vida será um processo de cura interior. Nós temos de nos apresentar diante de Deus. O Todo-poderoso tem um plano para nossa vida, um plano de amor, de realização e e felicidade para nós. Se não abrirmos o nosso coração para a oração, correremos o sério risco de morrer sem conhecer o plano que Deus tinha para nós.



Márcio Mendes

Nascido em Brasília, em 1974, Márcio Mendes é casado e pai de dois filhos. Ex-cadete da Academia da Força Área Brasileira, Mendes é missionário da Comunidade Canção Nova, desde 1994, onde atua em áreas ligadas à comunicação. Teólogo, é autor de vários livros, dentre eles '30 minutos para mudar o seu dia', um poderoso instrumento de Deus na vida de centenas de milhares de pessoas.

31 de agosto de 2018

Um dia, todos já nos questionamos: qual é o sentido da vida?

A vida tem um sentido? Para onde ela se dirige?

A e a razão (fides et ratio) constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade. Foi Deus quem colocou, no coração do homem, o desejo de conhecer a verdade e, em última análise, de O conhecer a Ele, para que, conhecendo-O e amando-O, possa chegar também à verdade plena sobre si próprio (cf. Ex 33, 18; Sal 2726, 8-9; 6362, 2-3; Jo 14, 8; 1 Jo 3, 2) […] A princípio, a verdade apresenta-se ao homem sob forma interrogativa: A vida tem um sentido? Para onde se dirige? À primeira vista, a existência pessoal poderia aparecer radicalmente sem sentido. Não é preciso recorrer aos filósofos do absurdo nem às perguntas provocatórias que se encontram no livro de Jó para duvidar do sentido da vida.

Um dia, todos já nos questionamos: qual é o sentido da vida?

Foto e arte ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

A experiência cotidiana do sofrimento, pessoal e alheio, e a observação de muitos fatos, que à luz da razão se revelam inexplicáveis, bastam para tornar iniludível um problema tão dramático como é a questão do sentido da vida. A isso se deve acrescentar que a primeira verdade absolutamente certa da nossa existência, para além do fato de existirmos, é a inevitabilidade da morte.

Perante um dado tão desconcertante como este, impõe-se a busca de uma resposta exaustiva. Cada um quer, e deve, conhecer a verdade sobre o seu fim. Quer saber se a morte será o termo definitivo da sua existência ou se algo permanece para além da morte; se pode esperar uma vida posterior ou não […]

Busca pela verdade

Aquilo que é verdadeiro deve ser verdadeiro sempre e para todos. Contudo, para além dessa universalidade, o homem procura um absoluto que seja capaz de dar resposta e sentido a toda a sua pesquisa: algo de definitivo, que sirva de fundamento a tudo o mais. Por outras palavras, procura uma explicação definitiva, um valor supremo, para além do qual não existam nem possam existir interiores perguntas ou apelos.

As hipóteses podem seduzir, mas não saciam. Para todos, chega o momento em que, admitam-no ou não, há necessidade de ancorar a existência a uma verdade reconhecida como definitiva, que forneça uma certeza livre de qualquer dúvida. […]

Outros interesses de variada ordem podem sobrepor-se à verdade. Acontece também que o próprio homem a evite, quando começa a entrevê-la, porque teme as suas exigências. Apesar disso, mesmo quando a evita, é sempre a verdade que preside à sua existência. Com efeito, nunca poderia fundar a sua vida sobre a dúvida, a incerteza ou a mentira; tal existência estaria constantemente ameaçada pelo medo e a angústia. Assim, pode-se definir o homem como aquele que procura a verdade. […]


Todo o homem está integrado numa cultura, depende dela e sobre ela influi. É simultaneamente filho e pai da cultura onde está inserido. Em cada manifestação da sua vida, o homem traz consigo algo que o caracteriza no meio da criação: a sua constante abertura ao mistério e o seu desejo inexaurível de conhecimento. Em consequência, cada cultura traz gravada em si mesma e deixa transparecer a tensão para uma plenitude. Pode-se, portanto, dizer que a cultura contém em si própria a possibilidade de acolher a revelação divina.

Papa João Paulo II
(Equipe Formação Portal Canção Nova)


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/igreja/doutrina/um-dia-todos-ja-nos-questionamos-qual-e-o-sentido-da-vida/