19 de abril de 2018

Ensino uma coisa e, com o coleguinha, meu filho aprende outra

Como agir diante desses confrontos?

Quantos pais investem tempo e energia para educar seus filhos! Quantos buscam introjetar valores que eles acreditam serem certos e importantes, tais como "quem fala a verdade não merece castigo!". Porém, quando os filhos começam a ter contato com valores externos, esses parecem ter uma força maior do que a dos familiares. Os filhos aprendem com os colegas que a mentira pode ser uma forma de fugir de conflitos e fazer aquilo que querem.

Como agir diante desses confrontos? Não há receita pronta, mas há trilhas que ajudam. Conquistar o coração é o início do processo para modelar a mente e a alma de seu filho, e não deixar que outros conquistem esses lugares.

Ensino uma coisa e, com o coleguinha, meu filho aprende outra-artigo

Foto Ilustrativa: kali9 / by Getty Images

A base de tudo é lembrar que as pessoas é quem decidem de quem vão aceitar a educação e como isso se dará. Portanto, todo trabalho da família deve ser buscar, junto aos filhos, ser essa pessoa para eles. A pergunta principal é: como conseguir que os filhos deleguem para você o direcionamento do processo de aprendizagem?


É preciso criar laços fortes com os filhos

Para que o filho delegue aos pais e não ao colega o ensino, o primeiro passo é criar laços fortes com ele. As crianças aprendem e assumem como verdade os ensinamentos de pessoas com as quais possuem laços afetivos e relação de confiança. Se a convivência familiar é pior do que a convivência com os amigos, o filho começa a rejeitar o processo de aprendizagem interno. Ele vai se tornando indócil, rebelde e desinteressado na fala com os pais. Mas, se no relacionamento entre eles existir o diálogo, será possível resolver as discordâncias entre a educação dada pelos pais e pelos colegas.

O segundo passo é trabalhar o canal da comunicação. É importante escutar o aprendizado externo e mediar com o interno, mostrando ganhos e perdas. Conversar sobre consequências sem moralismo é um caminho para o esclarecimento. Lembre-se de que, muitas vezes, eles trazem novidades que vão mexer com o status atual da família, os quais precisarão ser revistos. Não assuma posições radicais. Ouça, encontre as causas do conflito e busque concordâncias.

A flexibilidade dos pais pode ajudar

Outro passo é saber que, os pais não são donos da verdade; eles precisam reconhecer a necessidade de mudanças. Mostrar flexibilidade naquilo que não é importante, e firmeza em relação àquilo que é fundamental para o bem-estar dos filhos, sabemos que é uma linha tênue e difícil de ser definida. Não desanime, concentre esforços nos itens que têm alto impacto no caráter das crianças.

Outra dica importante é: trazer para dentro de casa os coleguinhas de seus filhos, conhecer com quem eles estão convivendo. Usando o conhecimento anterior, de que laços afetivos e confiança aproximam pessoas e permitem influência sobre elas, busque isso junto aos colegas de seus filhos. A prática nos ensina a usar o ensino por tabela. Às vezes, é mais fácil influenciar os coleguinhas para que, esses, atuem melhor sobre nossos filhos.

Outras pessoas podem ajudar os pais na educação dos filhos

Lembra-se de que a educação não é uma ação solitária. Os pais podem e devem buscar apoio da escola, dos colegas e de profissionais nessa tarefa. O importante nesta caminhada não é ter razão, e sim, conseguir que seu filho seja uma pessoa feliz, saudável, realizada como pessoa, ele precisa lembrar-se de que não está só no planeta. Assim, ele poderá contribuir para que outros, também, possam alcançar esse mesmo patamar. Neste processo, a caminhada espiritual ajuda muito, ela imprime valores coletivos: de perdão mútuo; de verdade que liberta; entre outros.

Nossa missão não se restringe aos nossos filhos, mas à educação de gerações. Eles serão futuros educadores de seus filhos, e como foram modelados por seus pais, provavelmente modelarão os outros.


Ângela Abdo

Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. Atua como curadora da Fundação Nossa Senhora da Penha e conduz workshops de planejamento estratégico e gestão de pessoas para lideranças pastorais.

Abdo é graduada em Serviço Social pela UFES e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e em Gestão Empresarial. Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Fucape. Atua como consultora em pequenas, médias e grandes empresas do setor privado e público como assessora de qualidade e recursos humanos e como assistente social do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador). É atual presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) do Espírito Santo e diretora, gerente e conselheira do Vitória Apart Hospital.

17 de abril de 2018

O significado de cada letra da palavra família

Saiba qual o significado de cada letra da palavra família

Qual o significado da família? Pare e pense um instante para responder essa pergunta. O valor contido nessa instituição, um ambiente familiar, é imenso, incalculável. Isso nos remete aos nossos ancestrais: pais, avós e bisavós. Graças à união deles e a nossa árvore genealógica, estamos aqui para refletir e ter o coração grato ao nosso passado.

E, para esse olhamos com gratidão; para o presente, com paixão, e contemplamos o futuro com esperança. Atento às necessidades do mundo atual, o Santo Padre acompanhou, com ternura de pai, a realização do Sínodo Ordinário dos Bispos sobre a Família até a sua conclusão. Depois de três semanas de trabalhos, o Papa ouviu atentamente as declarações dos cerca de trezentos participantes.

Foto ilustrativa: evgenyatamanenko by Getty Images

Com sabedoria e discernimento próprios dele, o primeiro Papa jesuíta da Igreja Católica, apresentou seu discurso de conclusão. A palavra "significado" acompanhou cada parágrafo do documento. As três semanas de trabalho no Vaticano foram o ponto de chegada de um longo caminho percorrido por cristãos do mundo todo.

Os debates deram demonstrações da vitalidade da Igreja Católica. Quase despercebido, no rodapé, um detalhe do discurso do Papa Francisco, disponível na internet, chama à atenção. Uma análise em forma de acróstico ajuda a resumir a missão da família na Igreja.

O significado de cada letra da palavra família

O texto original foi escrito em italiano, portanto, as iniciais são da palavra famiglia:

Formar as novas gerações para viverem seriamente o amor, não como pretensão individualista, baseada apenas no prazer e no "usa e joga fora", mas para acreditarem novamente no amor autêntico, fecundo e perpétuo, como único caminho para sair de si mesmo, para abrir-se ao outro, sair da solidão e viver a vontade de Deus, para realizar-se plenamente e compreender que o matrimônio é o "espaço onde se manifesta o amor divino, para defender a sacralidade da vida, de toda a vida, e defender a unidade e a indissolubilidade do vínculo conjugal como sinal da graça de Deus e da capacidade que o homem tem de amar seriamente" (Homilia na Missa de Abertura do Sínodo, 4 de Outubro de 2015); enfim, para valorizar os cursos pré-matrimoniais como oportunidade de aprofundar o sentido cristão do sacramento do matrimônio;

Aviar-se ao encontro dos outros, porque, uma Igreja fechada em si mesma é morta; uma Igreja que não sai do seu aprisco para procurar, acolher e conduzir todos a Cristo, atraiçoa a sua missão e vocação;


Manifestar e estender a misericórdia de Deus às famílias necessitadas; às pessoas abandonadas; aos idosos negligenciados; aos filhos feridos pela separação dos pais; às famílias pobres que lutam para sobreviver; aos pecadores que batem às nossas portas e àqueles que se mantêm longe; aos deficientes e a todos aqueles que se sentem feridos na alma e no corpo; e aos casais dilacerados pela dor, doença, morte ou perseguição;

Iluminar as consciências, frequentemente rodeadas por dinâmicas nocivas e subtis

Iluminar as consciências, frequentemente rodeadas por dinâmicas nocivas e subtis, que procuram até se pôr no lugar de Deus Criador.

Tais dinâmicas devem ser desmascaradas e combatidas no pleno respeito pela dignidade de cada pessoa; ganhar e reconstruir com humildade a confiança na Igreja, seriamente diminuída por causa da conduta e dos pecados dos seus próprios filhos.

Infelizmente, o contratestemunho e os escândalos cometidos dentro da Igreja por alguns clérigos afetaram a sua credibilidade e obscureceram o fulgor da sua mensagem salvífica;

Labutar intensamente por apoiar e incentivar as famílias sãs, as famílias fiéis e numerosas que continuam, não obstante as suas fadigas diárias, a dar um grande testemunho de fidelidade aos ensinamentos da Igreja e aos mandamentos do Senhor;

Tirar do coração dos jovens o medo de assumir compromissos definitivos

Idear uma pastoral familiar renovada, que esteja baseada no Evangelho e respeite as diferenças culturais; uma pastoral capaz de transmitir a Boa Nova com linguagem atraente e jubilosa, tirar do coração dos jovens o medo de assumir compromissos definitivos; uma pastoral que preste uma atenção particular aos filhos que são as verdadeiras vítimas das lacerações familiares; uma pastoral inovadora que implemente uma preparação adequada para o sacramento do matrimônio e ponha termo a costumes vigentes, os quais, muitas vezes, preocupam-se mais com a aparência de uma formalidade do que com a educação para um compromisso que dure a vida inteira;

Amar incondicionalmente todas as famílias e, de modo particular, aquelas que atravessam um período de dificuldade.

Nenhuma família deve sentir-se sozinha ou excluída do amor e do abraço da Igreja; o verdadeiro escândalo é o medo de amar e manifestar concretamente esse amor.

A Igreja não tem medo de abalar as consciências anestesiadas

O Santo Padre afirma que a Igreja "não tem medo de abalar as consciências anestesiadas ou sujar as mãos com discussões animadas e francas sobre a família".

Os bispos buscaram olhar e ler as realidades com os olhos de Deus, para acender e iluminar com a chama da fé os corações das pessoas numa época marcada por desânimo, crise social, econômica, moral e negativa.

Corações fechados também foram observados, bem como tentativas de julgamento, com sinais de superioridade e superficialidade.

No entanto, no Sínodo prevaleceram livre expressão de opiniões e resultaram em um diálogo rico e animado, "proporcionando a imagem viva de uma Igreja que não usa – impressos prontos-, mas que, da fonte inexaurível da sua fé, tira água viva para saciar os corações ressequidos".


13 de abril de 2018

Educação não é apenas um direito, mas dever gravíssimo que cabe aos pais

A decadência da educação, a nível mundial, procede do esquecimento de Deus como Criador e Mantenedor de todas as coisas

É precisamente no momento do Batismo que nascemos para a graça de Deus, e em nossa alma se imprime o caráter indelével de cristão, começa a missão dos pais em relação a educação: recebemos a herança que nos torna filhos no Filho.

A vida adquire um sentido, passa a estar ordenada para Deus e tudo deverá seguir nessa direção. Não buscamos mais as coisas deste mundo, concentrando-nos na busca de nossa santificação procurando, de forma gradual e consciente, realizar a vontade de Deus até podermos dizer: "Não sou eu quem vive, mas Cristo que vive em mim"(Gl 2,20).

Foto ilustrativa: jhandersen by Getty Images

Missão do católico

Se somos cristãos é porque cremos em tudo o que sempre nos ensinou a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. Ter fé é dar assentimento às verdades reveladas para que a alma seja salva. Assim, a missão de vida do católico é essencialmente ensinar a mesma fé aos seus filhos, e a todos aqueles que Deus lhe confiar.

Se somos pais católicos, educar não é apenas um direito, mas um dever gravíssimo pelo qual devemos rezar e trabalhar incansavelmente, de sorte que nossos filhos sejam – e permaneçam – cristãos.

E ao confiarmos nossas crianças e jovens à educação escolar, estejamos atentos para que, não somente não lhes seja arrebatada a fé de seu Batismo, mas que haja fiel cooperação com a grande obra de sua salvação por parte dos professores e diretores.

Ora, mas o que é educar senão ensinar às crianças e jovens a amar o que é bom, a admirar o que é puro; a respeitar e obedecer a autoridade (cuja fonte é Deus); a ser bons e castos; a amarem-se mutuamente e a perdoarem-se, a conservar os bons costumes e a tradição; a ser laboriosos, fiéis e conscienciosos; a preferir o dever ao prazer; a fugir de tudo o que pode corromper o espírito, corromper o coração?


Sem fé não há moral

Somente a fé católica, com sua estrutura e doutrina infalível é capaz de tudo isso, onde quer que a deixem trabalhar; aí florescerá o bem e será extirpado o mal. Sem fé, não há moral. Sem a fé e a moral não há civilização ordenada e tudo perde o sentido.

Se educar é inclinar-se sobre uma alma imortal, adivinhar cada instinto para lhe dar nobreza, espiar cada arrojo, imprimindo-lhe fortaleza¹, daí deriva a inalienável responsabilidade de apresentar a verdade, a bondade e a beleza ao espírito humano.

Para formar homens livres, educar bem é um dever de consciência para todos os cristãos que tiverem assumido a sua missão de ensinar! Contudo, nós católicos somos cúmplices, já há algum tempo, de uma educação materialista, cujo objetivo atrofiado visa o mero sucesso pessoal no mercado de trabalho.

Busca-se atingir elevado status acadêmico para obter reconhecimento de instituições; especializar-se infinitamente sem adquirir a contemplação; concordar com o impossível e irreal (ou surreal?) para não criar confusão nem ser do contra; desenvolver e propagar teorias financiadas, porém sem princípios sólidos; ocupar posições de poder sem estar submetido à autoridade divina – ora, tudo isso é subjugar almas em nome de conquistas meramente terrenas!

Essa forma de educar mata o espírito pela aridez e desvirtuamento, afogando o que há de mais nobre no homem. Como castelos de areia na praia que qualquer onda leva embora, a educação dita moderna é incontestavelmente destruidora, porque seu objetivo não está adequado à natureza humana, que tem sede de Deus.

Não encontraremos a "água que sacia", nesse poço lamacento do sistema educacional contemporâneo, imerso em conflito existencial e destinado a tais fins, nada transcendentes.

Decadência da educação

A decadência da educação a nível mundial procede, sobretudo, do esquecimento de Deus como Criador e Mantenedor de todas as coisas; esse vetor do esquecimento é resultante não somente dos erros daqueles que promovem as "novidades" educacionais (como por exemplo, a massificação que globaliza), mas principalmente da omissão daqueles que poderiam corrigir essas sandices, mas não o fazem. Nossa culpa! É mister conhecer profundamente a fé para combater os seus inimigos.

O Santo Papa Pio X (citando seu predecessor Bento XIV) em sua encíclica "Acerbo Nimis", reforça isso com clareza inexorável: "Afirmamos que a maior parte dos condenados às penas eternas padece sua perpétua desgraça por ignorar os Mistérios da Fé, que necessariamente se devem conhecer e crer, para ser contado no número dos eleitos" (Instit. 27,18). E, isso, tem custado almas!

Não podemos nos contentar com os "prêmios de consolação" politicamente corretos que o mundo oferece. A Porta é estreita!

Os insensatos, que pretendem tal educação desvirtuada não formam cristãos, mas cidadãos embrutecidos que, mesmo tendo sido batizados, aprendem a viver sem Deus, a depreciar as Santas Palavras, a debochar das santas vocações e das famílias devotas, a desmerecer as santas práticas como a castidade e o sacrifício, a ignorar a guarda do Domingo e das Festas, a submeter leis eclesiásticas às guilhotinas das leis iníquas, a desdenhar os Sacramentos e a cometer toda sorte de sacrilégios que bradam aos Céus, chegando ao egoísmo barbárico de julgar uma vida superior à outra, determinando os critérios pelos quais alguém deve viver ou morrer.

Processo de putrefação

A cauterização da mente em relação à verdade culmina sempre no horror que, envenena lentamente a sociedade, pois o erro corrompe o coração com a mesma astúcia de uma serpente que se enrola vagarosamente no tronco da "árvore da vida". O jardim até parece o mesmo, mas o pecado está lá, e já iniciou o processo de putrefação.

Porém, sabemos que a educação cristã é comprovadamente poderosa, porque liberta da ignorância e engendra metanoia, ao fazer ressoar a verdade no seio da sociedade.

Sendo assim, é necessário que a educação vá sempre animada do Espírito de Deus, para que tenha a eficácia criadora e fecundante.

A verdadeira educação é aquela que tem como fim: a salvação das almas; firmando os filhos respeitosos; os esposos fiéis; os pais solícitos; os obreiros modestos; os cidadãos retos, fraternos e patriotas; cujos olhares estão fixos na Santa Cruz, pois através dela é que vislumbram o Céu.

Em síntese: o homem instruído na fé é, consequentemente, um homem pleno, virtuoso, determinado e empenhado em defender a vida, a família, a Santa Igreja e a sociedade por amor ao Pai. Ele guarda a fé e trabalha pelo bem comum, para que Cristo reine hoje e sempre.

Capacidade e desenvolvimento do educador

O educador que realiza seu ofício com sabedoria, humildade, paciência e vida interior, construindo em si, como resposta da graça de Deus sobre sua alma despojada, terá desenvolvido a capacidade de contemplar a verdade, ordenar todas as coisas, corrigir os erros e julgar os princípios.

Exercitando-nos no amor à verdade, caminharemos de fé em fé, crescendo em santidade e frutificando os dons. E, então, teremos trilhado o caminho que conduz ao Céu, dado testemunho da Verdade e completado nossa missão neste mundo. "Se o Senhor não constrói a casa, em vão trabalham os construtores".

1 – BETHLÉEM, A. René, Catecismo da Educação, Castela Editorial, 2017

Patrícia Júlio – Católica; casada; mãe de dois filhos. Graduada em administração de empresas, pós-graduada em psicopedagogia; cursando último ano de Teologia.
Coordenadora do Curso em Defesa da Vida e da Família, na cidade de Sorocaba e região.
email : defesadavidasorocaba@gmail.com

11 de abril de 2018

Você sabia que a falta de perdão pode ser prejudicial à saúde?

O perdão é essencial para uma vida mais leve

"(…) perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aqueles que nos tem ofendido (…)". Fazemos essa oração todos os dias, mas será que a estamos praticando? Jesus nos deixou a receita para as doenças da alma, mas nós nem nos damos conta disso! O perdão é uma palavra tão conhecida, mas difícil de ser vivida na prática! Será que você sabe perdoar? Será que você consegue perdoar?

Foto ilustrativa: KatarzynaBialasiewicz by Getty Images

Acredito ser desnecessário falar sobre o que é o perdão; porém, falar sobre o que a falta dele é capaz de fazer seria melhor, apesar de ser comum também. No entanto, vale a pena! Perdão é uma ação, uma decisão, uma escolha, um verdadeiro remédio para a alma. Um sentimento provocado pelo relacionamento interpessoal, com o nome de mágoa, desgosto, amargura e ressentimento.

Relacionar-se é exigente! Exige um sair de si mesmo, constantemente, pois, quando entramos em conflito com o outro e até com nós mesmos, podemos sair da "discussão" feridos, traumatizados. Tais traumas podem produzir sentimentos desagradáveis, que ficam escondidos; e quando surgem, controlam o ser humano, tornando-o irritado, com raiva e amargo com a vida e com as pessoas que estão a sua volta.

Esses sentimentos têm poder de destruição; são capazes de desenvolver doenças psicossomáticas que nem imaginamos. Problemas cardíacos, úlcera, depressão, nódulos e até mesmo tumor. São doenças físicas, que podem ter como origem a dificuldade de perdoar. É como se a pessoa "implodisse", ou seja, explodisse para dentro dela mesma, por não conseguir liberar o perdão.

Pedir e conceder o perdão

É tão interessante que podemos falar da necessidade de pedir perdão e, também, da necessidade de dar perdão. Muitas vezes, temos dificuldade de receber o perdão. A pessoa se humilha, arrepende-se do que fez, pede perdão, mas o outro, tão preso em suas emoções, amarguras, feridas e mágoas, não consegue perdoar. Isso também é destrutivo, porque a questão está no conseguir superar o sentimento produzido. Se eu ferir o outro e conseguir fazer o movimento de pedir perdão, posso estar superando meus sentimentos nocivos. O mesmo acontece com aquele que consegue dar o perdão para aquele que lhe pede.


Quem nos destrói são os sentimentos de mágoa e ressentimento, não o ato de perdoar. E perdoar é o nosso remédio, é a via de libertação, pois, a mágoa e o ressentimento são sentimentos tão nocivos que possuem capacidade de destruição, paralisação e retrocesso. Façamos o seguinte caminho:

– Reconhecimento: olhar para os seus sentimentos e reconhecer que sente-se ferido, e isso tem paralisado, adoecido você;
– Decisão: diante da minha paralisação e adoecimento, decido sair desse lugar;
– Ação: ter a iniciativa de pedir ou receber o perdão.

Não há como viver essas três etapas ao mesmo tempo. No entanto, é preciso esforçar-se para vencer uma de cada vez, olhando para a situação atual e focando no lugar que deseja chegar, a libertação dos sentimentos que acorrentam e adoecem.

Por que é tão importante perdoar?

O perdão tem poder de libertação. Faz-nos sair de nós mesmos, do nosso orgulho, vaidade e autossuficiência; conduz-nos a um caminho que nos faz reconhecer que somos imperfeitos e humanos, mas que podemos sempre recomeçar. Você está disposto a pedir e dar perdão ou vai ficar cultivando sentimentos capazes de gerar a morte? A escolha sempre será nossa, pois perdoar é ter a capacidade de libertar-se do seu pior sentimento!


Aline Rodrigues

Aline Rodrigues é missionária da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo. É psicóloga desde 2005, com especializações na área clínica e empresarial. Possui experiência profissional tanto em atendimento clínico, quanto empresarial e docência.

9 de abril de 2018

O que fazer com uma imagem sacra que foi abençoada, mas se quebrou?

Posso jogar fora uma imagem sacra abençoada que quebrou?

Antes de pontuar o que se pode fazer com uma imagem sacra que se quebrou, é válido destacar a importância e o valor das imagens na Igreja. Começo recordando que católico não adora imagem, mas tem por ela veneração.

São João Damasceno diz que "antigamente, Deus, que não tem corpo nem aparência, não podia em absoluto ser representado por uma imagem. Mas, agora que se mostrou na carne e viveu com os homens, posso fazer uma imagem daquilo que vi de Deus. (…) Com o rosto descoberto, contemplamos a glória do Senhor" (Catecismo da Igreja Católica, n. 1159).

-O-que-fazer-com-uma-imagem-sacra-que-foi-abençoada,-mas-se-quebrou?-Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Nessa perspectiva, o Catecismo da Igreja ensina que, "na trilha da doutrina divinamente inspirada de nossos santos padres e da tradição da Igreja Católica, que sabemos ser a tradição do Espírito Santo que habita nela, definimos, com toda certeza e acerto, que as veneráveis e santas imagens […] devem ser colocadas nas santas igrejas de Deus, nas casas e nos caminhos, tanto a imagem de Nosso Senhor, Deus e Salvador, Jesus Cristo, como a de Nossa Senhora, a puríssima e santíssima Mãe de Deus, dos santos anjos, de todos os santos e dos justos" (Catecismo da Igreja Católica, n. 1161). A Igreja sempre valorizou tais práticas que conduzem para o próprio Deus.


Como dispensar com zelo imagens sacras abençoadas quebradas?

Um primeiro ponto a ser observado em relação a uma imagem sacra que se quebrou, é verificar a possibilidade de restaurá-la, se assim for oportuno.

Após uma avaliação do estado da imagem e não havendo uma possibilidade ou interesse em sua restauração, o próximo passo seria utilizar a forma mais coerente de se desfazer do objeto, levando em conta o seu significado.

A sugestão é que não há "necessidade" de se levar as imagens quebradas para depositar nas Igrejas, cemitérios, jogar em rios ou em outros lugares, mas elas podem ser trituradas e enterradas no jardim ou em um vaso de sua casa. O sentido é evitar a possibilidade de as imagens que foram abençoadas serem escarnecidas, ao serem jogadas no lixo com indignidade ou deixadas em lugar indevido.

Com isso, deve-se desfazer das imagens danificadas de forma que o seu valor espiritual e significado religioso não sejam afetados, evitando qualquer sinal de desrespeito.

Dizia São João Damasceno que "a beleza e a cor das imagens estimulam minha oração. É uma festa para os meus olhos, tanto quanto o espetáculo do campo estimula meu coração a dar glória a Deus".

Assim, a função tanto das imagens abençoadas quanto dos ícones santos em boas condições é entrar "na harmonia dos sinais da celebração, para que o mistério celebrado se grave na memória do coração e se exprima em seguida na vida nova dos fiéis" (Catecismo da Igreja Católica, n. 1162).

Portanto, uma imagem que está quebrada ou danificada não atinge todo o seu objetivo, por isso, pode ser dispensada sem nenhum problema.


Márcio Leandro Fernandes

Natural de Sete Lagoas (MG), é missionário da Comunidade Canção Nova e candidato às Ordens Sacras. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP), Márcio Leandro é também Bacharelando em Teologia pela Faculdade Dehoniana, em Taubaté (SP). Atua no Departamento de Internet da Canção Nova, no Santuário do Pai das Misericórdias e nos Confessionários.

7 de abril de 2018

Deixe-se ser conduzido pelo Espírito Santo ao deserto

O deserto é a oportunidade que temos para encontrar com Deus

Deserto, vem do latim desertu = desabitado, despovoado, solitário, lugar em que não vive gente, lugar solitário, solidão. O povo de Deus caminhou pelo deserto por quarenta anos. O profeta Oseias escreve: "Por isso a atrairei, conduzi-la-ei ao deserto e falar-lhe-ei ao coração" (Oseias 2,16). Jesus também foi conduzido pelo Espírito ao deserto. Vemos em outros textos bíblicos que Jesus sempre procurou ficar a sós para falar com Deus. O deserto é o lugar do encontro: encontro com Deus e consigo mesmo. Ir ao deserto, a fim de, encontrar-se com a própria alma e com Deus, que fez dela sua morada.

Deixe-se ser conduzido pelo Espírito Santo ao deserto

Foto Ilustrativa: Paula Dizaró/cancaonova.com

Ver a Deus, viver em sua presença é o desejo profundo e persistente de toda a alma. A solidão a chama, o silêncio a atrai, o deserto a conquista. O deserto de que falamos aqui não é este lugar desabitado, solitário, não é ausência de vida, não é cemitério de presenças que passaram, ou areia movediça, que o vento arrasta e recolhe sem ordem, sem rumo. Que seria então o deserto, se não fosse um grande santuário, se não fosse "casa de Deus e a porta do céu?".

A presença de Deus no deserto

Falamos de um deserto que vive, que pulsa, que canta. A presença do Deus vivo e, três vezes Santo, envolve e vivifica o grande santuário. O Espírito Santo nos leva a descobrir essa presença de Deus que nos chama a uma intimidade profunda e que quer se relacionar conosco.

O Espírito Santo nos leva a descobrir o caminho da verdadeira adoração, no qual reconhecemos os direitos soberanos que Deus tem sobre nós, onde antecipamos na terra o que vamos viver para sempre no céu: viver na presença de Deus, cantar a sua glória e o seu louvor.


Seja amigo do Espírito Santo

Vivemos para testemunhar a glória de Deus. O Espírito ensina-nos a louvar e a amar a Deus. Não tenha medo de ir para o deserto como fez Jesus, não tenha medo da presença de Deus que nos seduz para vivermos com Ele. Deixe o Espírito Santo iluminar os seus "eus" interiores para revelar a sua verdade e dissipar aquilo que não proclama Deus em sua vida. Este é o caminho de conversão que precisamos trilhar. Que a luz seja! Esta seja a nossa oração! Que eu veja! Esse seja o nosso clamor.

O Espírito Santo é o Amigo que revela os mistérios do Reino, que nos aponta a vontade de Deus e nos faz romper com todo o mal, para que toda a nossa vida seja um canto de louvor à bondade do Senhor. Venha, Espírito Santo! Vinde logo! Vinde, Espírito Santo!

Vera Lucia Reis
Missionária da Comunidade Canção Nova

5 de abril de 2018

Como posso experimentar o poder da cura interior?

Abra-se para o processo de cura interior e descubra as maravilhas de Deus

Gostaria de fazer-lhe um convite, o de mergulharmos juntos nos braços de Deus Pai, sermos íntimos d'Ele e poder dizer: "Abba Pai".

Você pode olhar para dentro de si e perceber todas as maravilhas que Deus tem feito em sua vida?

Às vezes, corremos o risco de parar somente em nossas derrotas, em nossos medos e limitações e acabamos nos esquecendo de contemplar as bênçãos que Deus, abundantemente, derrama sobre nós.

Como posso experimentar o poder da cura interior

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Meu amado, minha amada, creio que você pode estar se perguntando: "Como contemplar as maravilhas de Deus, Carlos, se tudo em minha vida está desabando?".

Viva verdadeiramente sua fé

Meu (minha) irmão (ã), quero lhe trazer uma boa nova: "Porque todo o que nasceu de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que vence o mundo: a nossa " (1Jo 5,4).

Você já é mais do que vencedor (a), assuma isso para sua vida. Hoje, quero orar com você, pedindo a Deus que cure seu coração. Cure todo sentimento de perda, toda carência, seja de pai, de mãe, seja qual for. Apresente-se agora para o Senhor, pois Ele quer curá-lo (a), quer restaurar sua vida. Chega de andar nas trevas, chega de viver oprimido (a) pela ação do mal. Deus lhe deu vida e vida em abundância.

Rezemos juntos

Eu creio que no nome de Jesus, você pode ser curado (a), agora. Abra seu coração e ore comigo:

"Senhor Jesus, reconheço o Seu Senhorio sobre minha vida, por isso, suplico a Sua graça, a Sua bênção. Peço-Lhe, Senhor, que possa colocar Sua luz em meu coração, que devido às situações do dia a dia, decepções, traições, medos, traumas, ressentimentos, e outros obstáculos, hoje, me impedem de experimentar esta vida nova.

Pelo poder de Sua palavra. 'Invoca-me nos dias de tribulação, e eu te livrarei e me darás glória' (Sl 49,15). Tomando posse dessa promessa, eu clamo, Senhor Jesus, cure-me, toque-me com Seu poder de cura. Eu abro o meu coração agora, e permito que purifique meu interior, Senhor. Tire todos os entulhos que guardei, há anos, em meu coração. Chega, Senhor, não quero mais viver neste mundo de trevas, quero a luz, a Sua luz que ilumina minha vida".


Curai e transformai seu coração

"Derrame Sua unção de cura, Senhor! Transforme meu coração para que eu seja renovado dia após dia. Obrigado, Senhor, pois sei em quem coloquei a minha confiança. Amém!".

"Ó, Papaizinho!". É assim que Deus Pai quer ser chamado, pois Ele tem por nós um carinho muito grande. Você é o filho, a filha mais amada. Deus é apaixonado por você!

"Jesus Cristo, testemunha fiel, primogênito dentre os mortos e soberano dos reis da terra. Àquele que nos ama, que nos lavou de nossos pecados no Seu Sangue" (Ap 1,5).

Peça a cura e a libertação

Veja o quanto Jesus nos ama, a ponto de se dar por nós. Por isso, Ele quer nos curar e nos libertar. Sinta-se envolvido (a) nestes braços amorosos de Pai. Ele o (a) acaricia, o (a) envolve. Que todo sentimento de inferioridade que você possa ter, caia por terra; para que nasça em você a mulher nova, o homem novo.

Eu creio no poder de Deus. Ele vai restaurá-lo, amado de Deus. Não há apatia espiritual e desespero que não sejam destruídos pelo poder do Senhor. Pois, nada se compara ao que o Senhor pode nos oferecer.

Que seja liberada toda a unção de cura no seu corpo, que sua vida seja abençoada no nome de Jesus. "A Vossa mão direita, ó Senhor, manifestou a Sua força. Vossa mão direita aniquilou o inimigo" (Ex 15,6). A mão poderosa de Deus pode e quer destruir todos os inimigos que têm levantado-se sobre sua vida, todos os muros que o têm impedido de viver na bênção.

Meu Deus, eu peço-Lhe que cure a todos que lerem este artigo, o qual muito mais que um artigo, é um clamor pela manifestação de Seu poder na vida desses meus irmãos e irmãs, que suplicam pela Sua graça. Obrigado, Senhor! Toda glória e honra está somente em Ti, Senhor Jesus.

Irmãos, irmãs, se preparem para tudo o que Deus irá fazer por vocês. Realmente é algo maravilhoso! Aguardo o seu testemunho.

Paz e bênção!

Carlos Biajoni
Missionário da Comunidade Canção Nova

3 de abril de 2018

A face mais bela do amor no namoro é o perdão e a fidelidade

Desde o namoro é preciso ter em mente que a beleza do amor está exatamente na construção da pessoa amada

Uma vez que o egoísmo é o oposto do amor, um casal egoísta pode ser comparado a duas bolas de bilhar: só se encontram para se chocarem e se afastarem em sentidos opostos.

Será que você é daquelas que vivem mal-humoradas ou que "derruba o beiço" por qualquer contrariedade? Será que você é daqueles que irrita-se por qualquer coisinha dela que não esteja do seu gosto? Você perdeu a linha porque ele atrasou-se quinze minutos? Você deixou o seu namoro azedar porque ele olhou, apenas um instante, para outra moça que passou ao lado?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Perdão

"O amor não guarda rancor" – diz o apóstolo; mas é claro que haverá no namoro momentos de "desencontros". São normais os pequenos desentendimentos, são frutos das diferenças individuais e das circunstâncias da vida. O feio não é brigar, e sim, não reconciliar-se, não saber perdoar, não quebrar o silêncio mortal e não dialogar.

Para evitar as brigas e desentendimentos é preciso saber combinar as coisas; o povo diz que "aquilo que é combinado não é caro". Aprendam a combinarem sobre o passeio, sobre as atividades que cada um gosta de fazer, etc.

É preciso dizer aqui que: a face mais bela do amor no namoro é o perdão.

Você tem o direito de ser perdoada, porque errar é humano; mas, tem também, o dever de perdoar quando ele errar e pedir perdão. O gesto mais nobre de Jesus foi o de perdoar os algozes que o crucificavam. E não há futuro para um casal que não se perdoam mutuamente, esta é a maior reserva de estabilidade para o casal: o perdão.


Fidelidade

Outra face bela do amor é a fidelidade. Ser fiel ao outro não quer dizer apenas não ter outro parceiro; é muito mais do que isto, é ser verdadeiro em tudo; e não enganar o outro em nada; é não ser fingido, mascarado ou dissimulador.

Se você mente para a sua namorada, saiba que está destruindo o amor entre vocês. Nada é mais fatal para o amor do que a mentira. A mentira gera a desconfiança; a desconfiança gera o ciúme; o ciúme gera a briga e a separação. "A mentira tem pernas curtas", a verdade logo aparece, e quando isso ocorre, deixa o mentiroso desqualificado, e não mais digno de confiança. Portanto, quebre toda falsidade, dissimulação e fingimento, porque essas coisas destroem o amor.

Se você fizer do seu namoro uma brincadeira de "esconde-esconde', você estará brincando de amar, e isso é muito mal e ser fiel ao outro é saber respeitá-lo, defendê-lo, e não traí-lo de nenhuma forma, seja pelos pensamentos, atitudes, ou com palavras.

Desde o namoro é preciso ter em mente que a beleza do amor está exatamente na construção da pessoa amada, e isso, é uma missão para gente madura, com grandeza de alma. Construir uma pessoa é educá-la em todos os aspectos; é uma obra do coração.

Não há o que o amor não possa fazer; quando não ajudamos o outro a crescer é sinal de que o nosso amor por ele ainda é pequeno. Se o seu namoro não for exercício constante do amor, ele fica vazio, monótono, a sem sabor. E como a natureza tem horror ao vácuo, esse vazio será preenchido por desentendimentos e brigas.

Namorando aprende-se a amar, mas, amando aprende-se a namorar.


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos", na Rádio apresenta o programa "No Coração da Igreja". Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

1 de abril de 2018

Nossa religião gira em torno da Páscoa

No dia de Páscoa, relembramos os feitos que Cristo empreendeu por amor à humanidade

O centro de tudo está na Eucaristia, que é a atualização dos efeitos da Páscoa em nossa vida. E essa força faz-se eficaz em nosso ser (alma e corpo) por meio da iniciativa de Deus, pela Sua permanência conosco. Para isso, no entanto, o Senhor quer contar com a nossa aceitação, que somente é verdadeira quando expressa uma resposta pela forma de atualização e memória.

Contudo, devemos entender o significado de tais palavras à luz da Sagrada Escritura, para compreendermos a real comunicação do que Jesus fez por nós e o que Ele pede de cada um, para aderir ao Seu plano de amor e salvação.

Crédito: D-Keine/ by Getty Images

Primeiramente, o verbo "permanecer"

Encontramos diversos versículos que tratam da permanência de Deus entre nós. O próprio nome do Emanuel significa: Deus conosco.

A identidade bíblica dessa palavra "permanecer" não exemplifica simplesmente o local onde algo ou alguém está. É, além disso, a totalidade do ser numa realidade, onde se deposita ou insere toda a amplitude do que porta aquele que permanece.

"Porque assim diz o Alto e o Excelso, que habita (hb. ןכש , shokhên) na eternidade e cujo nome é santo" (Is 57, 15).

A palavra "habitar" é, portanto, em hebraico, shakan, que significa "residir", "morar", "continuar", "permanecer" e "descansar". A palavra shakan está relacionada a shakab, que significa "descer", "deitar". É por isso que, o verbo shakan, deu origem ao substantivo shekinah que, apesar de não constar na Bíblia dessa forma, sua ideia já se encontra nas Escrituras, utilizada para referir-se à manifestação da glória de Deus, como no caso de Êxodo 24,16;40.35 e Números 9,16-18. Ou seja, onde Deus "habita ou permanece" está Sua presença, glória e esplendor.

Sinais divinos

Jesus atribui a procedência de seus sinais divinos a uma movimentação entre o Pai e Ele, que permanecem um no outro. "Não credes que estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que permanece em mim, é que realiza as suas próprias obras " (Jo 14,10).

Outro exemplo que Cristo nos revela é que a verdade só será infusa naqueles que aceitarem a permanência do Espírito Santo em si. "O Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós " (Jo 14,17).

Se pois, Deus habita entre os homens, então significa que Jesus aconchegou toda a Sua pessoa, com todo Seu poder e majestade, entre os seres humanos.

Não estamos sozinhos, Ele está entre nós e é nossa constante companhia em todos os momentos, mesmo se não O sentimos. E voltar, tendo vencido a morte e conquistado a Ressurreição, insere que essa parte de Seu Ser, está presente, permanece, é continua e reside entre a realidade humana.

Não somos escravos de nenhum tipo de morte, nem física nem eterna. Esse aguilhão das trevas não é o fim de tudo, sua palavra não é a definitiva. Portanto, devemos viver pela esperança de que todas as coisas um dia se farão novas e a alegria brilhará aos nossos olhos.

Para existir, trazendo em nós essas certezas, pede-nos uma adesão à salvação de Jesus, que só poderá ser feita pela atualização e memória.


O que é atualizar e rememorar?

No dia de Páscoa e os que o antecedem, relembramos os feitos que o Cristo empreendeu por amor à humanidade.

O Evangelho de São João, talvez, seja o que significará melhor o entendimento sobre o que vem a ser este "recordar" bíblico. Pelo menos em três passagens, João utiliza o termo recordar. "Os seus discípulos recordaram-se que está escrito: "o zelo pela tua casa consuma-me" (Jo 2,17; cf. Sl 69,10); também, depois da ressurreição, quando seus discípulos se recordaram que Ele os teria comunicado sobre esse acontecimento (cf. Jo 2, 22) e no Domingo de Ramos (Jo 12, 14s; cf. Zc 9, 9).

Assim, João, em seus escritos, quis nos despertar para a realidade de que, os acontecimentos do passado não encerram seu sentido no fato, mas, caminha para além do tempo e espaço em que ocorreram.

O Antigo Testamento não pronuncia um fato histórico definido apenas pelo seu sentido literal, porém encontra significado na pessoa e missão de Jesus. Também nossa história de vida está carregada de acontecimentos que provam o amor de Deus por nós e de chances que há muito tempo Ele vem nos proporcionando de uma vida nova.

O sentido e os efeitos do amor de Deus

Atualizamos nossa fé quando a recordamos. Trazemos para o tempo presente o sentido e os efeitos do amor de Deus nas ocorrências ordinárias do cotidiano. Para Ele não existe o tempo chronos.

A palavra grega "anamnese" foi usada pelo Mestre ao instituir o sacramento da Eucaristia, e quer dizer "fazer de novo". "Tomou em seguida o pão e depois de ter dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: 'Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim'"(Lc 22,19). Na nossa língua, equivale a: "Façam isso novamente por mim".

O evangelista João nos ensina a esclarecer o sofrimento do Cristo e o nosso próprio à luz da escolha que fizemos por Ele. Por isso, a cada dia chegamos a uma nova iluminação ao que conhecemos da pessoa de Jesus e de Sua permanência em nossa vida através das alegrias e tristezas, de quando o fardo é leve ou de quando a Cruz torna-se pesada demais. Entendemos, talvez no momento, talvez no futuro, o "para que" aquela provação.

O melhor de tudo é que não somente nos vêm a compreensão intelectual, e também, pela contemplação do mistério de amor de Jesus Cristo, enchemo-nos de força para atravessar qualquer desafio, e esse torna-se objeto de ressurreição em nossa vida.

Ao fazer memória das Escrituras Sagradas, das obras e do Calvário de Jesus, elas fazem-se presentes/permanentes nos dias de hoje e em nossa vida. Jesus torna-se vivo e atuante no coração e na alma do crente.

À luz do Espírito Santo, a sabedoria nos chega, mas é preciso estar disposto a atualizar a Palavra e a Cruz do Cristo, entranhando-as em nós, pois, dessa forma, podemos dizer verdadeiramente "Cristo ressuscitou em mim! Aleluia!"

Feliz Páscoa para você!

Deus o abençoe!

29 de março de 2018

O significado da celebração e o rito do Tríduo Pascal

O Tríduo Pascal

Está chegando a Páscoa do Senhor, o período do Tríduo Pascal, que é celebrado sempre no dia de domingo e antecedida pela celebração da Sexta-feira Santa, feriado nacional.

É claro que, muitos de nós, pensamos em um determinado momento, no feriado prolongado, com planos de descansar, viajar ou de receber visitas, mas, no fundo, sabemos que não é só isso. O período de tempo que vai da tarde de Quinta-feira Santa até a manhã do Domingo de Páscoa é chamado de Triduum Sacrum; e nesses dias estão contidos o mistério pascal e o mistério Eucarístico.

A celebração desse período litúrgico nos garante a lembrança profunda dos fundamentos da nossa , que Jesus Cristo morreu e ressuscitou para nos livrar do pecado.

-O-significado-da-celebração-e-o-rito-do-Tríduo-Pascal

Foto ilustrativa: Daniel Mafra/cancaonova.com

Na carta do Papa João Paulo II aos sacerdotes, por ocasião da Quinta-feira Santa, do ano de 1999, encontramos: "o Triduum Sacrum, os dias santos por excelência, durante os quais, misteriosamente, participamos no regresso de Cristo ao Pai, por meio da Sua Paixão, Morte e Ressurreição. De fato, a fé garante-nos que essa passagem de Cristo ao Pai, ou seja, a Sua Páscoa, não é um acontecimento que diga respeito só a Ele; também nós somos chamados a tomar parte nela: a Sua Páscoa é a nossa Páscoa".

De fato, a celebração do Triduum Sacrum representa nossa aproximação com a memória do sacrifício de Jesus Cristo por nós, do Cordeiro de Deus imolado, para remissão dos pecados. E não se resume em relembrar o sacrifício de Cristo, mas em nós mesmos nos voltarmos para o caminho de Deus, renovados pelo perdão.

Esperança de vida eterna

Participar do Triduum Sacrum é também cumprir o mandamento de guardar domingos e festas de guarda e obedecer à Doutrina Católica Apostólica Romana. É que o cânone 1.247 do Código de Direito Canônico dispõe que "No domingo e nos outros dias festivos de preceito, os fiéis têm obrigação de participar na Missa; abstenham-se ainda daqueles trabalhos e negócios que impeçam o culto a prestar a Deus, a alegria própria do dia do Senhor ou o devido repouso do espírito e do corpo".

Ao lembrarmos do mandamento de guardar domingos e festas de guarda, temos que reacender em nós a perseverança que nos mantêm no caminho dos céus.

Ao ser questionado sobre como alcançar a vida eterna, Jesus respondeu: "Por que você me pergunta sobre o que é bom? Há somente um que é bom. Se você quer entrar na vida, obedeça aos mandamentos" (Mt 19,17).

Papa Francisco também nos ensinou sobre o Decálogo (dez mandamentos) em sua Carta Encíclica Lumen Fidei: "O Decálogo não é um conjunto de preceitos negativos, mas de indicações concretas para sair do deserto do «eu» autorreferencial, fechado em si mesmo, e entrar em diálogo com Deus, deixando-se abraçar pela sua misericórdia, a fim de a irradiar".


Dessas palavras do Papa Francisco podemos refletir: que momento melhor para deixar a si mesmo e ir ao encontro do Deus, do que o tempo Pascal?

Não há dúvidas de que Deus nos recebe a todo momento de braços abertos, ainda que, saídos de um caminho de pecado, o Pai recebe o filho pródigo com uma festa. E se, por vezes, o retorno é sofrido, por estarmos com o coração cheio de mágoas, o tempo Pascal se mostra a oportunidade de retornar.

Tempo de perdão

É neste tempo que as paróquias costumam organizar as confissões comunitárias, mais acessíveis àqueles que estão a tempos afastados da Igreja. Também, o Catecismo da Igreja Canônica nos ensina os preceitos da Igreja que se inserem na linha duma vida moral ligada à vida litúrgica e nutrindo-se dela, sendo que o terceiro preceito (comungar ao menos pela Páscoa da Ressurreição) garante um mínimo da comunhão com o Corpo e Sangue do Senhor, em ligação com as festas pascais, origem e centro da liturgia cristã.

Nesta Páscoa, ainda que em viagem de turismo ou para visitar a família, mesmo que se dedique estes dias ao descanso, não podemos deixar de lado aquelas poucas horas em que acontecem as celebrações pascais.

Se for viajar, informe-se sobre as paróquias próximas e dos horários das celebrações. Se for receber visitas, faça aos hóspedes este belo convite, de celebrar com sua família a memória do sacrifício de Jesus Cristo em amor à humanidade.

REFERÊNCIAS:

A BÍBLIA SAGRADA. Edição Pastoral. 86 ed. São Paulo: Paulus. 2012.

CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO, promulgado por João Paulo II, Papa. Conferência

Episcopal Portuguesa. 4. ed. Editorial Apostolado da Oração – BRAGA, 2007.

Disponível em: <http://www.vatican.va/archive/cod-iuris- canonici/portuguese/codex-

iuris-canonici_po.pdf>

JOÃO PAULO II. Carta do Papa aos Sacerdotes por Ocasião da Quinta-Feira Santa de1999. Disponível em: <http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/letters/1999/documents/hf_jp-ii_let_14031999_priests.html>

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA. In textos fundamentais. Arquivo do Vaticano. Disponível em: <http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p1s1c3_142-184_po.html>

LUMEN FIDEI. Carta Encíclica do Sumo Pontífice Francisco: 29 de jun. 2013. Disponível em: <http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20130629_enciclica-lumen- fidei.html>


Luis Gustavo Conde

Advogado com atuação na área de Direito de Família e Direito Bancário. Professor de cursos técnicos. Catequista no Santuário de Nossa Senhora Aparecida em Ribeirão Preto/SP. Palestrante focado na doutrina cristã. Contato: lg.conde@icloud.com Twitter: @guconde12

28 de março de 2018

Luz da Fé: Onde encontrar a felicidade

Somente em Deus o homem há de encontrar a felicidade, que não cessa de procurar

Neste programa "Luz da Fé", quero refletir com você sobre o número 27 do Catecismo da Igreja Católica, que ensina o seguinte:

Foto ilustrativa: Jorge Ribeiro / cancaonova.com

O desejo de Deus

O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que, o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem para si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar:

«O aspecto mais sublime da dignidade humana está nesta vocação do homem à comunhão com Deus. Este convite que Deus dirige ao homem, de dialogar com ele, começa com a existência humana. Pois se o homem existe, é porque Deus o criou por amor e, por amor, não cessa de dar-lhe o ser, e o homem só vive plenamente, segundo a verdade, se reconhecer livremente este amor e se entregar ao seu Criador»(1).

O GPS para a felicidade

Deixa eu contar algo pra você: certa vez, eu fui com a minha esposa a uma consulta médica numa cidade aqui do Vale do Paraíba. Ao final da consulta, a médica insistiu para que fizéssemos o medicamento num certo laboratório que havia naquela cidade. Ela, então, fez toda uma explicação demorada de como chegar naquele endereço (inclusive desenhou um mapa, numa folha para que eu não me perdesse). Eu tentava explicar, em vão, àquela médica que eu tinha um aparelho GPS no meu carro, ou seja, era só me dar o endereço que o GPS se encarregaria de indicar-me o caminho. Aceitei educadamente o mapa que ela fez, mas não o utilizei, pois usei o GPS mesmo.

Por que estou lhe contando isso? Porque nesse número 27 do Catecismo da Igreja Católica, vemos a indicação de um "GPS" que nos direciona rumo à felicidade. Sim, mais ainda: existe Alguém que nos guia acertadamente para a felicidade: "somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar".


Hoje, meu irmão, você sente-se infeliz? Então, busque a Deus; procure por Ele. Somente em Deus – nos ensina a Mãe Igreja – o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar. Então, não procure mais a felicidade no álcool, nos vícios, na prostituição. Não procure a felicidade onde ela não está.

A felicidade só encontramos em Deus. Ele é o "GPS" que nos indica, com segurança, o caminho. Você quer acertar a direção rumo à felicidade? A resposta está em Deus; com Ele você encontrará a felicidade para a sua vida.

Um forte abraço!

Alexandre Oliveira
Missionário da Comunidade Canção Nova

(1) Constituição Pastoral "Gaudium et spes" 19,1

26 de março de 2018

Todo pecado confessado na Missa é perdoado?

O pecado confessado na Missa nos ajuda a celebrar melhor a Eucaristia

A Eucaristia é o ápice da vida cristã, pois é o memorial do sacrifício de amor de Jesus. Logo, o homem, que só encontra a sua realização em Deus, deve celebrar com todo amor e zelo esse memorial. Para isso, o ato penitencial colabora e faz com que ele reconheça quem realmente é: um filho que tem pecado e necessita do amor.

Foto ilustrativa: Wesley Almeida / cancaonova.com

Missa: união com Cristo e perdão do pecado

O cristão, ao participar da Missa, comunga de duas mesas: da mesa da Palavra e da Eucarística. Mas, assim como antes de fazermos qualquer refeição lavamos as nossas mãos por motivos de higiene, o cristão também é chamado a "lavar as mãos" antes de participar desse banquete, e esse "lavar as mãos" é no sentido de pedir perdão pelos seus pecados no ato penitencial.

Há uma motivação do sacerdote que diz: "Preparemo-nos, pois, para celebrar dignamente esses santos mistérios, reconhecendo que somos pecadores". Assim, quando o cristão reconhece que é pecador e pede perdão, ele lava a alma, celebrando com mais dignidade os mistérios do Senhor.

Na Missa, o cristão é convidado a se unir mais a Cristo e progredir na amizade com Ele. Ela não é destinada a perdoar os pecados, tampouco se deve confundi-la com o sacramento da reconciliação (Cf. CIC 1396). Na Missa, Deus perdoa os nossos pecados veniais. Não que Ele não seja capaz de perdoar os mortais, mas, como um pai que não dá tudo fácil para o filho, a fim de educá-lo para os verdadeiros valores, é preciso dirigirmo-nos ao Sacramento da Reconciliação. Pois a Igreja ensina que "quem está consciente de um pecado grave deve receber o Sacramento da Reconciliação antes de receber a comunhão (CIC 1386).

O pecado: venial e mortal

O pecado é uma falha contra o verdadeiro amor para com Deus e para com o próximo, por causa dum apego perverso a certos bens (Cf. CIC 1850). O pecado venial é aquele ato que não priva o homem da amizade total com Deus. Já o pecado mortal é o ato pelo qual o homem, com liberdade e advertência, rejeita Deus. Mas "Cristo instituiu o sacramento da Penitência para todos os membros pecadores de sua Igreja, antes de tudo para aqueles que, depois do batismo, cometeram pecado grave e, com isso, perderam a graça batismal e feriram a comunhão eclesial. É a eles que o sacramento da Penitência oferece uma nova possibilidade de converter-se e de recobrar a graça da justificação. Os padres da Igreja apresentam esse sacramento como a segunda tábua (de salvação) depois do naufrágio que é a perda da graça" (CIC 1446).

Sobre o pecado mortal, na Encíclica "O Esplendor da Verdade" do Santo João Paulo II é mencionado o seguinte: "Separar a opção fundamental dos comportamentos concretos, significa contradizer a integridade substancial ou a unidade pessoal do agente moral no seu corpo e a alma" (67). A partir disso, João Paulo II acrescenta que alguns teólogos dizem que "o pecado mortal, que separa o homem de Deus, verificar-se-ia somente na rejeição de Deus, feita a um nível da liberdade que não é identificável com um ato de escolha, nem alcançável com consciência reflexa. Neste sentido — acrescentam —, é difícil, pelos menos psicologicamente, aceitar o fato de que um cristão, que quer permanecer unido a Jesus Cristo e à Sua Igreja, possa cometer pecados mortais tão fácil e repetidamente, como indicaria, às vezes, a mesma matéria dos seus atos" (69).


O sentido do ato penitencial

O cristão é convidado a reconhecer sua pequenez, sua limitação, sua condição de pecador no ato penitencial da Missa. Assim, Deus pode vir ao seu encontro com Sua graça, pois o homem é chamado a ser filho da luz. Santo Agostinho afirma que "a confissão das más obras é o começo das boas obras, contribui para a verdade e consegues chegar à luz".

Na Eucaristia, o homem é elevado a Deus e a comunhão com Ele e com os irmãos. A unidade do Corpo Místico vence todas as divisões humanas: "Todos vós, com efeito, que fostes batizados em Cristo, vos vestistes de Cristo. Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há homem nem mulher, pois todos vós sois um só em Cristo Jesus" (Gl 3, 27-28).

O homem participa da comunhão dos santos, ou seja, cada alma que se eleva a Deus dignifica o mundo, porque existe uma solidariedade humana misteriosa. Assim, também há a solidariedade do pecado. Por isso, escreve São João Paulo II: "A esta lei da elevação corresponde, infelizmente, a lei da descida, de tal modo que se pode falar de uma comunhão no pecado, em razão da qual uma alma que se rebaixa pelo pecado arrasta consigo a Igreja, e, de certa maneira, o mundo inteiro" (Reconciliação e Penitência, 16). Desta forma, todo ato pecaminoso repercute na sociedade, assim como todo ato caridoso edifica a Igreja e o mundo. Reconhecer-se pecador, no ato penitencial, já é um início para edificar um mundo melhor.

Não tenhamos medo

Existe ainda o rito da aspersão da água que substitui o rito penitencial, pois lembra a aliança batismal que se renova em cada Missa e recorda o nosso compromisso de batizados, acentuando nossa identidade de povo sacerdotal.

Enfim, sempre sujamos as mãos no decorrer da história com o pecado, mas que não tenhamos medo de lavar as nossas mãos, ou seja, nossa alma. Recorramos à Misericórdia de Deus, porque na Missa somos perdoados dos nossos pecados veniais e, especialmente no Sacramento da Reconciliação, somos perdoados de todos os pecados. Assim, participamos dignamente do Banquete que Ele preparou, desde sempre, para nós.


Ricardo Cordeiro

Ricardo é membro da Comunidade Canção Nova. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP).  Bacharelando em Teologia pela Faculdade Dehoniana, Taubaté (SP) e pós-graduando em Bioética pela Faculdade Canção Nova.

23 de março de 2018

Luz da Fé: Deus está perto de você

Você que, hoje, está passando por tantas dificuldades, tome posse desta verdade: Deus está perto de você

Neste programa "Luz da Fé", quero refletir com você sobre o primeiro parágrafo do Catecismo da Igreja Católica, que ensina o seguinte:

Foto ilustrativa: Wesley Almeida / cancaonova.com

A vida do homem – conhecer e amar a Deus

"Deus, infinitamente Perfeito e Bem-aventurado em si mesmo, em um desígnio de pura bondade, criou livremente o homem para fazê-lo participar de sua vida bem-aventurada. Eis por que, desde sempre e em todo lugar, está perto do homem. Chama-o e ajuda-o a procurá-lo, a conhecê-lo e a amá-lo com todas as suas forças. Convoca todos os homens, dispersos pelo pecado, para a unidade de sua família, a Igreja. Faz isto por meio do Filho, que enviou como Redentor e Salvador quando os tempos se cumpriram. Nele e por Ele, chama os homens a se tornarem, no Espírito Santo, seus filhos adotivos, e portanto os herdeiros de sua vida bem-aventurada".

Nossa vocação é algo maravilhoso! Somos chamados a viver uma vida de plenitude com Deus, uma vida bem-aventurada. O Catecismo da Igreja Católica nos traz esta importante afirmação: "Eis por que, desde sempre e em todo lugar, [Deus] está perto do homem". Que ótima notícia: Deus está perto de nós!

Você que, hoje, está passando por tantas dificuldades, tome posse desta verdade: Deus está perto de você. Diante das adversidades, podemos pensar que Deus nos abandonou, mas, o Catecismo da Igreja Católica afirma exatamente o contrário: Deus nunca nos abandona. Ele sempre está perto de nós.


Além de estar perto de nós, aprendemos nesse primeiro parágrafo que, o próprio Deus também chama o ser humano e o ajuda a procurá-Lo [Deus].

Deus se deixa encontrar

Recordo-me de uma brincadeira em família, que fazíamos durante o tempo de missão, o qual vivemos na cidade de Gravatá (Pernambuco). Lá, brincávamos de esconde-esconde dentro de casa. Só que era uma brincadeira um tanto diferente, pois, eu gostava de esconder-me em algum cômodo da casa como, por exemplo, na cozinha. Então, me "escondia" deitado sobre a mesa segurando um vaso de flor ou então me "escondia" ficando em pé no corredor da casa, com uma toalha cobrindo minha cabeça. Eram só risadas! Meus filhos diziam: "Mas o papai não se esconde coisa nenhuma!". E era aquela alegria dentro de casa, porque a ideia – durante a brincadeira – era a de que, deixasse-me ser encontrado pelos meus filhos.

É exatamente isso que, o Catecismo da Igreja Católica, nos transmite ao afirmar que Deus chama o homem e o ajuda a procurá-Lo, a conhecê-Lo e a amá-Lo com todas as suas forças. Estamos diante deste Deus que deixa-se encontrar. Portanto, para você que, hoje, está sofrendo, creia que Deus não está "brincando de esconde-esconde" com você, mas Ele se deixa ser encontrado. Acredite que na sua dor e angústia, Deus está mais perto de você, mais do que você imagina.

Um forte abraço!

Alexandre Oliveira
Missionário da Comunidade Canção Nova

21 de março de 2018

Você quer se casar?

Vale a pena se casar!

Eu sempre nutri o sonho de me formar e de casar; sempre quis que o meu casamento fosse um testemunho positivo para o mundo, diante de tantas realidades negativas que vemos hoje relacionadas a isso.

Foto ilustrativa: aldomurillo by Getty Images

Eu posso lhe afirmar que vale a pena se casar! Sou plenamente realizada hoje. O matrimônio é a doação de um para o outro. É o morrer para si próprio para que o outro esteja bem, para que o outro seja feliz. O "destaque" precisa ser sempre o outro.

Namoro é tempo de conhecer e deixar-se conhecer nas qualidades e também nos defeitos. Por isso, o diálogo é muito importante nessa época. Procure partilhar e conhecer o outro.

Precisamos buscar acolher o outro como ele é realmente, e não ter medo de buscar a cura na história do outro. Nós trazemos muitas marcas de relacionamentos anteriores, e quando queremos viver um novo relacionamento em Deus, tudo isso vem à tona. Mas, não podemos ter medo de que o outro toque em nossas feridas.

Jovem, não tenha medo de falar de si mesmo; de falar dos seus sonhos e projetos para que o outro possa conhecê-lo profundamente. Só podemos fazer feliz a quem, de fato, conhecemos.

Meu testemunho sobre o casamento

Posso dizer sem medo que fui curada por meio do relacionamento com o meu esposo. Aprendi o significado real da palavra AMOR. Diante de minha história, eu não acreditava que seria possível amar de forma pura, respeitando a liberdade do outro, colocando limites. Pois, passei por relacionamentos nos quais o dito "amor" era egoísta. Hoje, em meu relacionamento com meu esposo, conheço o amor-doação, que é um amor também de amigos; fui curada disso porque nunca consegui ser amiga daquelas pessoas com quem me relacionava. Hoje, a maior conquista do nosso relacionamento é a amizade e a confiança que temos um no outro.


Dicas para as noivas

A noiva se preocupa muito com a roupa, com a festa, com os convidados. etc.; mas, eu vivi uma experiência de ficar muito linda, neste tempo de preparação, ao ficar perto da família, dos amigos, das pessoas que fizeram parte da nossa história. Este é um tempo de doação, não de preocupação.

Pode ter a certeza de que o seu casamento será o mais lindo do mundo, porque é o seu casamento, não tenha medo!

É um tempo também de se buscar a partilha com outros casais, com os quais converse muito e pergunte a eles como é a experiência de viver junto com o outro, principalmente nos primeiros meses.

Não é um tempo de se entregar à preocupação, mas de viver a alegria intensa da escolha de Deus para você e vivê-la sem medo.

Em meio a tudo isso, a oração é um ponto fundamental para sustentar quem está namorando e quem já está noivo. Se quisermos ter um bom casamento, precisamos ser pessoas de oração. Confiando em Deus experimentamos a Providência Divina em todas as coisas, no tempo adequado, seja nas coisas materiais, seja nas espirituais. A única coisa que não pode faltar nunca é a oração, a intimidade com Deus.

Eu consagrei meu matrimônio à Sagrada Família, essa é uma dica para você também: consagre-o à Sagrada Família para que seu matrimônio siga o exemplo da Família de Nazaré.

Testemunho: Cristiane Rocha