15 de julho de 2024

Liberdade de pensamento: valores em conflito

Liberdade de pensamento: um direito a ser exercido com sabedoria e responsabilidade

A liberdade de pensamento é uma garantia fundamental, assegurada no inciso quarto do artigo quinto da Constituição Federal de 1988, é aspecto basilar do Estado Democrático de Direito e aspecto intrínseco da vida em sociedade.

Crédito: arquivo do autor/cancaonova.com

Uma conquista histórica

A data de 14 de julho foi instituída em memória do início da Revolução Francesa, iniciada em 14 de julho de 1789, a qual originou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que, por sua vez, foi base da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Esta última trata em seu XVIII da liberdade de pensamento: "todas as pessoas têm direito à liberdade de pensamento, consciência e religião".

Vivemos tempos em que a liberdade de pensamento é tão natural, e praticada de forma tão irrestrita, que nem nos damos conta de sua existência ou de sua importância. Ela é facilmente confundida com a liberdade de expressão, com a qual tem íntima relação. Entretanto, enquanto a liberdade de expressão diz respeito ao direito de manifestar opinião e se expressar a respeito daquilo que pensa e crê, a liberdade de pensamento é relacionada à liberdade de consciência, de credo, de poder adotar qualquer ideologia ou crença.

Em outro momento da história, em especial antes dos estados regidos por constituições, soberanos detinham o poder de ditar os princípios e valores pelos quais seus súditos deveriam viver. Isso é fácil de ser notado, por exemplo, no episódio narrado em Daniel 6.22, no qual o profeta é lançado na cova dos leões por recusar-se a contrariar seus princípios de fé para obedecer a um decreto.

Enxergando a mundo a partir de valores cristãos

Não há nas Sagradas Escrituras texto que melhor retrata essa liberdade do que o icônico ensinamento de São Paulo em 1ª Coríntios 6,12: "Tudo me é permitido, mas nem tudo convém. Tudo me é permitido, mas eu não me deixarei dominar por coisa alguma". Temos a liberdade de pensar e dizer aquilo que quisermos, contudo, essa liberdade é balizada pelos valores que escolhemos.

Aquilo que é denominado pelos teóricos como cosmovisão ou a lente moral com a qual percebemos a existência e interpretamos os eventos que nela ocorrem, é baseada no conjunto de valores, enraizado em nossa fé e princípios. São Paulo trata a respeito disso na Epístola aos Romanos 12,2: "Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito".

Os valores cristãos em conflito com o secularismo

Os valores íntimos à fé estarão sempre em conflito com o secularismo, pois este segundo não tem cuidado pelo bom ou o justo, mas, antes, quer aliviar a consciência daqueles que vivem distantes de Deus e não querem que seu pecado venha à luz. O Apóstolo Paulo exorta duramente a respeito disso em 2 Coríntios 4,4: "Para os incrédulos, cujas inteligências o deus deste mundo obcecou a tal ponto que não percebem a luz do Evangelho, onde resplandece a glória de Cristo, que é a imagem de Deus".

A responsabilidade no uso da liberdade

São Tiago, em sua epístola, no capítulo três, discorre sobre quão devastadora pode ser a inconsequência no uso dessa liberdade quando escolhemos, de maneira temerária, nossos valores, nossas palavras, pois elas se tornam fonte de destruição. O autor compara a língua, que é um membro pequeno do corpo, a uma pequena chama, que é capaz de causar um grande incêndio em um bosque.

Portanto, devemos ter consciência de que, hoje, podendo usufruir dessa liberdade, salvaguardados por garantias, e devemos fazê-lo com responsabilidade, escolhendo viver de acordo com a vontade de Deus e manifestando isso em nossos gestos e palavras.

 

Jonatas Passos –  natural de Cruzeiro (SP), marido, pai e colaborador da Fundação João Paulo II. Formado em Tecnologia, Informática e História. Pós-Graduado em Jornalismo e História do Brasil, com extensão em História da Religião.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/liberdade-pensamento-valores/

12 de julho de 2024

Tempo de férias: indo além do ócio e do entretenimento

Férias com propósito: mais que lazer, um tempo para crescer

Julho, mês de férias, passeio, viagem, estar junto, mas… será que é só isso? Tenho que seguir assim? Esse pensamento é único? É o melhor? Existem outras formas para viver as férias?

Questionando o propósito das férias

No tempo, o que vivemos aqui passa bem rápido e muitas vezes nos perdemos no "fazer as coisas", mas sem analisar se as mesmas estão valendo à pena, se nos fazem crescer. São Tomás de Aquino dizia que 3 coisas são necessárias para a salvação do homem: saber "o que deve crer?", "o que deve querer?" e "o que deve fazer?". Cabe aqui nos questionarmos, nessas férias, onde não teremos nenhuma obrigação de trabalho ou escola, se eu sei o que devo fazer… veja que a pergunta não se refere ao que gosto ou não, mas ao que devo! Se devo, é porque será melhor para mim, far-me-á crescer, ser melhor ou estar melhor. Isso, sim, importa! Isso sim é um investimento em mim, mesmo no lazer, mesmo nas férias.

 

Créditos: Daniel de la Hoz / GettyImagens

 

A vida não pode se tornar uma viagem aleatória, sem rumo e sem esteio, numa "selva escura" de desorientação existencial, tal como descrita no Inferno de Dante. Ela precisa ser uma viagem rumo Àquele que nos criou, sabendo que existe um fim último, e esse fim nos espera para um novo começo. Esse sim não mais terá fim. Para chegar lá, não posso desperdiçar o tempo, principalmente as férias, onde terei tempo de sobra para investir em mim mesmo e preparar mais e melhor o caminho para o Eterno.

Vivendo as férias com intenção e propósito

Sim, podemos sair, viajar, passear, mas nunca esquecendo as três perguntas de São Tomás de Aquino: "O que deve crer?", "O que deve querer?" e "O que deve fazer?". Essas devem ser as perguntas que direcionarão nas escolhas que faremos nas férias para buscarmos o CRESCIMENTO INTERIOR.

Não é fazer por fazer, viajar por viajar, ou sair por sair, mas, em tudo que fizer, ser uma atividade cujo fim último seja a busca pela salvação, que só é encontrada em Deus. Ao contrário do que se divulga na cultura atual de buscar um entretenimento imediato e numa distração ociosa para descanso domingueiro ou agitação sensível, os passeios, viagens, saídas das férias deveriam ter um senso de crescimento interior, uma diversão que nos auxilie num crescimento filosófico, moral, científico, teológico… Muitas vezes, passam desapercebidos itens da cultura clássica como música, livros e filmes que aprofundam a transcendência, aprofundando naquilo que efetivamente é permanente e essencial ao homem. São materiais que motivam o autoconhecimento, o encontro consigo mesmo, saindo de uma superficialidade e impessoalidade.

Rompendo o ciclo trabalho-entretenimento

Como ensina Sarrais, em 'Aprender a Descansar', para romper esse círculo vicioso e alienante de trabalho-entretenimento é preciso redimensionar o tempo livre, aproveitando-o de forma inteligente e produtiva, em atividades menos exigentes, mas não menos importantes: redescobrir o valor do esporte, como exercício físico de fortaleza e autossuperação; a beleza da leitura e da audição musical, como atividades silenciosas e reflexivas de autoconhecimento e observação da realidade; e a alegria da conversa espirituosa com um bom amigo ou familiar.

 


 

Veja, conforme diz Pascal, a diversão pode se tornar um grande mal para nós, já que pode nos impedir de pensar em nós mesmos. E como sermos melhores, fugindo de nós mesmos?

Aproveite suas férias. De verdade. Mas em atividades que o aproximarão mais de si mesmos, e assim, quanto mais próximo de você, mais facilmente entrarás Deus, como diz Santa Teresa d'Ávila: "Buscar-Te-ei em mim; buscar-me-ei em Ti".

Junior Alves
Missionário da Comunidade Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/ferias-com-proposito-tempo-livre-transformador/

10 de julho de 2024

Como aproveitar bem as férias?

Tempo de qualidade: fortalecendo laços familiares nas férias

O mês de julho é considerado, em muitas famílias, um mês de férias, pois os filhos têm pausa nas aulas da escola e dos cursos que fazem, e alguns pais conseguem conciliar suas férias do trabalho (ou parte das férias) para viver uma pausa nesse tempo; já alguns seguem sua rotina.

Mas como aproveitar bem as férias e ter, nesse tempo, um descanso propício para o bem-estar físico e mental?

Descansar não significa necessariamente viajar ou gastar muito dinheiro, mas propor um tempo de atividades diferentes e, especialmente, conviver em família ou fazer coisas que, na realidade diária, não são possíveis.

Créditos: champpixs / GettyImagens

Férias realistas: encontrando o equilíbrio entre diversão e orçamento

Acima de tudo, pense naquilo que é possível e viável para sua família e para sua realidade. Não adianta fazer viagens impossíveis para as finanças de sua vida e depois viver um estresse por ter adquirido dívidas. Portanto, vamos partir para algo possível, e, ao mesmo tempo, que seja diferente e possa ser um tempo de descanso para todos.

Vamos lá: o que pode ser feito nas férias? Quais sugestões você pode seguir aí na sua casa? Lembro que cada família observará sua realidade, e o que temos aqui são realmente sugestões que podem ser ou não viáveis para você:

  • organizar uma visita dos amigos do seu filho em casa: pode ser uma tarde para lanche compartilhado, onde cada um pode trazer alguma coisa para que seja feito depois de um filme ou de jogos, por exemplo;

  • andar de bicicleta no parque: seja emprestando uma bicicleta ou alugando algo que possa ser feito ao ar livre, traz lembranças muito positivas na vida dos filhos. As memórias afetivas são formadas das formas mais simples.

  • procurar atividades culturais gratuitas na sua cidade: observe a programação da cidade. Muitos lugares oferecem atividades para crianças e jovens, e pode ser uma ótima oportunidade para sua família.

  • cozinhar em família: uma ótima oportunidade para ensinar seu filho, mas também para conviverem juntos. Um simples macarrão com molho pode ser muito divertido.

  • fazer brincadeiras: brincar desperta a criatividade e as possibilidades nas crianças, além de ser um momento para estar afastados de telas. Jogos de tabuleiro, de adivinhação, de mímica. São muitas possibilidades que certamente alegrão o dia de vocês.

  • visitar um familiar ou amigo levando um bolo que vocês mesmo fizeram: mais uma vez, é reunir uma experiência prática com uma memória, além de ensinar a gentileza de um gesto ao seu filho.

  • promover jogos:  essa forma de diversão sempre é muito bacana, até mesmo nos videogames, para que os filhos ensinem o que jogam e os pais possam aprender novas formas de acessar a vida dos filhos.

O tempo livre e a importância do descanso real

Do ponto de vista psicológico, sempre que pudermos lidar com o descanso e o momento de recreação já conseguiremos proporcionar impactos positivos para crianças e adolescentes.

Você não necessita ocupar seu filho o tempo todo. Certamente, um pouco de tempo ocioso é bom. É nele também que haverá o descanso. Muitas crianças parecem que precisam estar o tempo todo ocupadas, mudam de jogos a todo tempo ou, sequer, finalizam algo. São preenchidas por um comportamento ansioso e incapaz de concluir uma tarefa. Observe se isso acontece com seus filhos e busque acompanhá-los.

Tempo de qualidade

Aos pais, lembrem-se: não se culpem, caso não possam estar com a família todo o tempo de férias. É importante sempre trabalharmos com a realidade e os limites de nossa vivência. Quando assim for, será mais fácil para também trabalharmos isso com os filhos. Você já deve ter visto o termo "tempo de qualidade" e é disso que precisamos. Mesmo que seja um tempo mais restrito, mas que seja com qualidade e dedicação ao que está sendo feito nesse tempo de férias.


Elaine Ribeiro dos Santos

Elaine Ribeiro dos Santos é Psicóloga Clínica pela Universidade de São Paulo (USP). Colaboradora da Comunidade Canção Nova, reúne 20 anos de experiência profissional, atuando nas cidades de São Paulo, Lorena e Cachoeira Paulista, além do atendimento on-line para o Brasil e o Exterior. Dentre suas especializações estão Terapia Cognitivo-Comportamental, Neuropsicologia e Psicologia Organizacional. Instagram:  @elaineribeiro_psicologa 


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/familia/como-aproveitar-ferias-em-familia/

8 de julho de 2024

Modéstia ou modismo?

A diferença entre a modéstia interior e exterior

"Uma pessoa modesta, antes de qualquer coisa, é humilde"( Santo Tomás de Aquino). Impressiona-me a frase do Beato Carlo Acutis: "Todos nascemos originais, mas muitos morrem fotocópias", e sempre me lembro dela quando vejo alguns sendo cópias, mesmo que copiem algo aparentemente bom, mas que se contentam apenas com a aparência.

Hoje, vemos a virtude da modéstia ganhando ares de moda, sendo que a modéstia externa (roupas, modos) deve ser a evidência da modéstia interior que nasce da humildade, do controle sobre o desejo imoderado de grandeza, de saber e aprender. É da luta contra esses vícios e a busca da humildade e castidade que nasce a modéstia externa, que se transforma em atos externos de vestir-se de tal forma ou comportar-se de determinada maneira.

Créditos: Deagreez / GettyImagens

A modéstia exterior como caminho para a interior

Penso que se você começou a mudar suas vestes por uma reta intenção de mudança, essa poderá ser uma via para cultivar também a modéstia interior, que é grande proteção contra vários perigos e inúmeros vícios. Mas é uma via que precisa de muita atenção, porque a modéstia exterior pode ser fingida, sendo assim um ato de hipocrisia. Já a modéstia interior é que dá vida à exterior, uma força inabalável que não se deixará atingir facilmente pelos ataques e armadilhas do mundo e do maligno. O importante então é que não devemos procurar a aparência da modéstia sem que nosso coração seja tomado de amor à simplicidade e humildade. Já na verdadeira modéstia, a interior e a exterior andam de mãos dadas e uma ajuda a outra, ou seja, o recato exterior deve nascer do interior ordenado, e alimenta esse interior, reforçando-o.

Encontrei, no site Garotada Católica, essa linda comparação de São Francisco Sales: "Como o fogo produz a cinza, e a cinza serve admiravelmente para manter e conservar o fogo, assim sucede com essas duas modéstias: que a interior produz a exterior, e esta mantém e conserva a interior de onde brotou".

A juventude é alimentada, cotidianamente, com estímulos para aparecer – fotos, vídeos, fama. Precisamos, o tempo todo, alimentá-los com estímulos ao interior, a questionar suas motivações. Volto a pensar no beato/santo Carlo Acutis, que será canonizado em 2025. Ele, além de boa aparência, tinha acesso a tudo o que um jovem dessa idade pode querer.

Conta-se que, certa vez, ele, passando de carro com a família em frente a uma boate em sua cidade, indignou-se com uma fila enorme de jovens que esperavam para entrar na balada. Ele dizia que devia ser uma fila para entrar na Igreja, e que aqueles jovens estavam trocando a preciosa vida pelo que é passageiro. Carlo encontrou o verdadeiro tesouro, aquilo que não passa, e pautou sua vida no fogo interior que o consumiu por inteiro. Ou seja, Carlo, apesar de bela aparência e boas condições de vida, soube olhar para seu interior e alimentar as motivações corretas.

A modéstia como necessidade humana

A modéstia é uma profunda necessidade humana, e você precisa dela para ter uma estima correta e equilibrada de si mesmo, com isso reafirmando sua originalidade e integridade. Esses são fundamentos importantes para a vida de qualquer um, é a casa construída sobre a rocha.

Pense em namoros, amizades e relacionamentos assim construídos. Todo mundo quer ser amado como pessoa, não como coisa; como um "quem", não como um "quê". A virtude da modéstia é uma proteção contra um sem número de perigos e uma garantia de relações duradouras e originais, únicas!

A Virgem Maria como exemplo de modéstia

A Virgem Maria é o grande exemplo dessa virtude. Quanto à modéstia, ninguém pode se comparar a ela, ninguém há com mais merecimentos, virtudes, santidade e dignidade divinas. No entanto, não posso supor alguém mais simples, afável, bondosa, pobre e humilde do que ela. E ainda, o que dizer do desprezo que fazia da importância da sua pessoa e da sua própria excelência? Maria nos dá a chave para a modéstia interior e exterior, ou seja, uma submissão mais perfeita de todos os seus pensamentos, sentimentos e afeições à regra da razão e, desta, à vontade de Deus.

Edvânia Duarte Eleutério
Missionária da Comunidade Canção Nova desde 1997, onde atuou como formadora e acompanhadora de namorados, noivos e casais da Comunidade. Além de outras funções, como gestora de TV, Edvânia tem especialização em gestão de pessoas, counseling e bioética. É autora do livro "Porque (não) eu?".


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/modestia-verdadeira/

6 de julho de 2024

Laços que santificam: o poder da amizade na vida cristã

Discernimento na amizade: escolhendo quem nos aproxima de Deus

"Me diga com quem tu andas que eu direi quem tu és", um ditado popular pronunciado tantas vezes pela boca de nossos pais e avós. Um ditado comum e sempre proferido para alertar cada filho sobre a escolha de suas companhias. O fato é que uma amizade pode salvar-nos assim como pode corromper-nos. Isso é bem sabido dentro da Igreja durante toda a sua história milenar.

Créditos: Cecilie_Arcurs / GettyImagens

Companheiros para sustentar-se na caminhada rumo ao Céu

Respeitar, amar e servir é uma prática voltada para todos. Devo viver dessa maneira para agradar a Deus. Mas quando se fala de amizade e intimidade, então as coisas funcionam no campo da minha escolha e do meu querer. São Francisco de Sales afirma no seu livro Filoteia: "No mundo, é necessário que aqueles que se entregam à prática da virtude se unam por uma santa amizade, para mutuamente se animarem e conservarem nesses santos exercícios. Os que vivem no século, onde há tantas dificuldades a vencer para ir a Deus, se parecem com os viajantes que andam por caminhos difíceis, escabrosos e escorregadios, precisando sustentar-se uns nos outros para caminhar com mais segurança".

São Gregório e São Basília: amigos unidos no propósito e na esperança

São Gregório Nazianzeno fala de sua amizade com São Basílio com muito prazer, descrevendo-a deste modo: "Parecia que em nós havia uma só alma, para animar os nossos corpos, e que não se devia mais crer nos que dizem que uma coisa é em si mesma tudo quanto é e não numa outra; estávamos, pois, ambos em um de nós e um no outro. Uma única e a mesma vontade nos unia em nossos propósitos de cultivar a virtude, de conformar toda a nossa vida com a esperança do céu, trabalhando ambos unidos como uma só pessoa, para sair, já antes de morrer, desta terra perecedora".

Portanto, escolha bem suas amizades. Procure pessoas que queiram viver a virtude e a religião, sempre buscando a santidade. Lembre-se que você pode escolher alguém que o levante, mas também pode se sujeitar a alguém que o derrube.


Rafael Vitto

Rafael Vitto, seminarista CN. Graduado em Filosofia e estudante de Teologia. Atuante na paróquia São Sebastião em Cachoeira Paulista.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/relacionamento/lacos-que-santificam/

Casa edificada sobre a rocha

Oração pelo Papa: um apelo à unidade e à fé

"Oremos pelo nosso Pontífice, o Papa Francisco! O Senhor o conserve, lhe dê vida e o torne feliz na terra, e não o entregue em poder dos seus inimigos. Ó Deus, que na vossa Providência quisestes edificar a vossa Igreja sobre São Pedro, chefe dos Apóstolos, fazei que o nosso Papa Francisco, que constituístes sucessor de Pedro, seja para o vosso povo o princípio e o fundamento visível da unidade da fé e da comunhão na caridade. Por Cristo nosso Senhor. Amém." Assim reza a Igreja numa das belas orações pelo Papa, e nós desejamos assumi-la de forma especial no Dia do Papa, comemorado na Solenidade de São Pedro e São Paulo.

A escolha de Pedro e a missão da Igreja

Jesus Cristo é a Pedra Angular, que sustenta todo o edifício da Igreja. Nele o Reino de Deus chegou para toda a humanidade e na sua Palavra está a vida eterna. Fomos chamados a ser discípulos fiéis de Jesus Cristo. Ninguém pode edificar solidamente senão em Jesus Cristo. 

A entrega das chaves a São Pedro.
Créditos: Pietro Perugino/Domínio Público

Na gratuidade do dom de Deus, que é Ele mesmo, Jesus chamou seus discípulos, que percorreram com ele um exigente caminho de formação. Com a liberdade que lhe é própria, escolheu os doze apóstolos, feitos colunas da Igreja. Três deles, Pedro, Tiago e João, foram testemunhas de alguns fatos muito significativos, como a Transfiguração e a Oração de Jesus no Horto das Oliveiras, e presenciaram milagres como volta à vida da filha de Jairo. Talvez não fossem os melhores, humanamente falando, como se vê em algumas referências a Tiago e João, assim como à fragilidade de Simão Pedro e a negação da qual se arrependeu amargamente! Mas foram os escolhidos, na infinita misericórdia do Senhor, e estiveram próximos do Senhor, recebendo depois as graças a eles destinadas para o crescimento da Igreja e do Reino de Deus.

A fortaleza na fragilidade: O legado de Pedro e a importância do Papa

Voltemo-nos para Simão Pedro! A seu nome Simão, o próprio Jesus acrescentou "Pedro", que quer dizer Pedra. Um homem de uma generosidade inigualável, aliada a um temperamento complicado, algumas vezes irascível, inseguro nos passos dados em sua fé, ao mesmo tempo humilde diante de seu Senhor. O Evangelho da Solenidade que celebramos no-lo mostra tomando a palavra em nome de seus companheiros: "E vós, quem dizeis que eu sou?" Simão Pedro respondeu: 'Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo'. Jesus então declarou: 'Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne e sangue quem te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso, eu te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus'" (Mt 16,15-19). Sabemos que quem foi feito rocha não deixou de carregar suas próprias fraquezas, mas foi o escolhido. Mais tarde, já na Última Ceia, Jesus quer reforçar nela e fonte da força que lhe será concedida: "Simão, Simão! Satanás pediu permissão para peneirar-vos, como se faz com o trigo. Eu, porém, orei por ti, para que tua fé não desfaleça. E tu, uma vez convertido, confirma os teus irmãos". Simão disse: 'Senhor, eu estou pronto para ir contigo até mesmo à prisão e à morte!' Jesus, porém, respondeu: 'Pedro, eu te digo que hoje, antes que o galo cante, três vezes negarás que me conheces'" (Lc 22,31-34).

Após a Ressurreição, tendo chorado amargamente sua negação, três vezes professou o amor a Jesus, ouvindo depois a palavra forte, antes pronunciada no primeiro chamado: "Segue-me!" Anos mais tarde, foi como o Senhor até a morte, sendo crucificado numa colina, onde se encontram referências expressivas ao seu túmulo, sobre as quais foi edificada a Basílica de São Pedro. Tudo o que foi dito a respeito de Pedro aconteceu realmente em Roma, e ele foi fundamento do crescimento da Igreja, ao lado de Paulo, o Apóstolo das gentes. "Pedro, o primeiro a confessar a fé em Cristo, fundou a Igreja primitiva sobre a herança de Israel; Paulo, mestre e doutor da fé, iluminou as profundezas do mistério e anunciou o Evangelho a todas as nações. Assim, por diferentes meios, os dois congregaram a única família de Cristo e, unidos pela coroa do martírio, recebem por toda a terra a mesma veneração" (cf. Prefácio da Solenidade de São Pedro e São Paulo).

Na sucessão dos tempos, a Igreja nunca ficou sem um sucessor de Pedro, cujo nome hoje é Papa Francisco, ponto de unidade para todos. Se queremos ser cristãos católicos, havemos de reconhecer o significado da presença do Papa na Igreja. O Papa Francisco tem exercido, de forma corajosa e cheia de unção, o ministério que lhe foi confiado!

O Papa Francisco e o chamado à fidelidade

Como ser fiéis ao Papa? É bom saber que todos os Papas e em todos os séculos foram muitas vezes criticados e julgados pela opinião pública, o que se torna mais patente em tempos de comunicação tão intensa e variegada. É necessário e urgente, da parte de todos os cristãos católicos amar o Papa, reconhecê-lo como legítimo Sucessor de Pedro. Depois, como ele mesmo pede com insistência, rezar sempre e muito pelo Santo Padre, porque ele é homem como todos nós, com a fragilidade que é característica de todas as pessoas humanas. O Papa, ensina o Concílio Vaticano I, é infalível quando declara, consciente e claramente, verdades da fé correspondentes à revelação. Muitas pessoas já se surpreenderam ao verem o Papa ajoelhar-se num confessionário da Basílica de São Pedro, como qualquer outro penitente. E nestes últimos dias, faleceu um frade franciscano, confessor do Papa, que o atendia a cada quinze dias.

Fidelidade ao Papa exige nossa adesão aos ensinamentos dele emanados e disposição para colocá-los em prática, sabendo que todos eles são frutos de muita oração e abertura ao Espírito Santo, além da assessoria que lhe é oferecida por tantos estudiosos e pastores, que contribuem na elaboração dos Documentos. Estamos vivendo um tempo especial, entre duas partes do Sínodo dos Bispos, justamente a respeito da Sinodalidade, que significa caminhar juntos, urgência para o nosso tempo e para a nossa plena fidelidade ao Evangelho. Ao mesmo tempo, haveremos de responder aos seus apelos, como nesta Solenidade de São Pedro e São Paulo, para a Coleta do Óbolo de São Pedro, com a qual o Santo Padre vai ao encontro de muitas necessidades da Igreja no mundo inteiro. Vida longa, Saúde, Força e Inspiração ao Santo Padre o Papa Francisco!

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/igreja/igreja-catolica-missao-do-papa/

3 de julho de 2024

O poder do Sangue de Jesus contra os demônios

Sangue precioso: a força que nos liberta das garras do mal

O Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo é o selo da Nova Aliança, simbolizando o restabelecimento de nossa comunhão com Deus, rompida por Adão e Eva6. Na época de Jesus Cristo, um selo representava autenticidade e autoridade3. A autenticidade4 reside no fato de que essa comunhão é restaurada pelo próprio Deus encarnado, a segunda pessoa da Trindade Santa, e não por qualquer humano, garantindo sua veracidade. Já a autoridade5 decorre do poder de Deus em realizar tal restauração.

Créditos: jchizhe / GettyImagens

A rebelião e a queda

Satanás, o Diabo, e os demais demônios são anjos decaídos por terem livremente rejeitado servir a Deus e seu desígnio. Sua escolha contra Deus é irreversível, buscando sempre associar a humanidade à sua rebelião (CIC 414).

O homem, inicialmente estabelecido por Deus em santidade, foi seduzido pelo Maligno desde os primórdios da história, abusando de sua liberdade ao se rebelar contra Deus e buscar um destino à parte Dele (CIC 415).

Ao aceitarem a sedução de Satanás (a serpente) no paraíso, nossos primeiros pais romperam a antiga aliança. No entanto, o poder redentor do Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo nos resgatou das garras de Satanás e seus seguidores.

"Porque vós sabeis que não é por bens perecíveis, como a prata e o ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, recebida por tradição de vossos pais, mas pelo Sangue Precioso de Cristo, o Cordeiro imaculado e sem defeito algum, aquele que foi predestinado antes da criação do mundo." (1 Pedro 1,18-19).

Independente de nossas vivências até hoje, é crucial lembrar que, ao nos arrependermos e voltarmos a buscar a Deus através da obediência aos Seus mandamentos, da aceitação de Sua vontade e do oferecimento de amor em todas as nossas ações, mesmo nas menores, seremos purificados por seu sangue, conforme Sua promessa:

"Se, porém, andarmos na luz, como Ele mesmo está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o Sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado." (1 João 1,7)

A firmeza da fé

Se o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo derramado na Cruz foi o preço pago para nos restaurar ao Paraíso, então devemos enfrentar cada tentação e situação que nos leve à desobediência aos mandamentos de Deus, ou mesmo ao menor pecado venial, com a mesma firmeza de São Gaspar Del Búfalo, apóstolo da devoção ao preciosíssimo Sangue de Jesus: "Non posso, non debbo, non voglio" (Não posso, não devo, não quero)7. Devemos repetir sempre, em cada situação de perigo para nossa alma, como na Ladainha em honra ao Preciosíssimo Sangue de Cristo: "Sangue de Cristo, força dos tentados, salvai-nos"8.

 

Almir Rivas
Missionário da Comunidade Canção Nova


Referências

[1] Mateus 22,20. Bíblia Católica Ave-Maria. 204ª edição. Edição Claretiana, 2014.

[2] Nota de rodapé da Bíblia Católica Ave-Maria, referente a Mateus 22,20. Bíblia Católica Ave-Maria. 204ª edição. Edição Claretiana, 2014.

[3] "Escrevei, portanto, vós mesmos em nome do rei em favor dos judeus, como bem vos parecer e selai com o selo real, porque toda ordem escrita em nome do rei e firmada com seu selo é irrevogável" – Ester 8,8. Bíblia Católica Ave-Maria. 204ª edição. Edição Claretiana, 2014.

[4] Qualidade ou caráter do que é autêntico, do que não é falso, forjado, nem sofreu adulteração (autenticidade da gravação/mensagem/foto); FIDEDIGNIDADE; VERACIDADE. DICIONÁRIO AULETE DIGITAL. Autenticidade. Disponível em: https://www.aulete.com.br/autenticidade. Acesso em: 26 jun. 2024.

[5] Pessoa que tem esse direito ou poder. DICIONÁRIO AULETE DIGITAL. Autoridade. Disponível em:https://www.aulete.com.br/autoridade.Acesso em: 26 jun. 2024.

[6] Gênesis 3, 6-23. Bíblia Católica Ave-Maria. 204ª edição. Edição Claretiana, 2014.

[7] Vatican News. Disponível em: https://www.vaticannews.va/pt/santo-do-dia/10/21/s–gaspar-del-bufalo–presbitero–fundador-dos-missionarios-do-p.html. Acesso em: 26 jun. 2024.

[8] Padre Paulo Ricardo em: https://padrepauloricardo.org/blog/ladainha-em-honra-ao-preciosissimo-sangue-de-cristo. Acesso em: 26 jun. 2024.


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/purificacao-sangue-cristo/

1 de julho de 2024

O sangue precioso de Jesus, um símbolo de amor e redenção

O sangue de Jesus, derramado em sacrifício na cruz, cura as feridas da alma

Cada gota desse sangue precioso convoca ao verdadeiro Amor, que transforma a morte em vida, o ódio em amor e a dor em esperança!

A festa do sangue de Jesus, derramado na cruz, é mais do que um evento histórico, ele representa um ato de amor e sacrifício incomparável, que trouxe esperança e redenção para toda a humanidade.

A dádiva por meio Eucaristia: perdão, purificação e vida

Ademais, em todas as Missas celebradas o ano inteiro e em todo lugar, esse sangue real se faz dádiva através da Eucaristia e podemos comungá-lo, sob as espécies do pão e do vinho.

Para os cristãos, representa o preço pago pela nossa salvação. Através dele, somos purificados de nossos pecados, recebendo perdão e a possibilidade de uma vida plena em Cristo.

Conheça a história da devoção ao Preciosíssimo Sangue de Jesus

Créditos: jchizhe by GettyImages/cancaonova.com

O Evangelho de Lucas 22,44 nos diz: "E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão". Nesse ato de amor de Jesus rompeu-se a barreira do pecado abrindo caminho para uma relação íntima com Deus.

A aliança que nos fez povo eleito

Por meio de Seu Filho único, Deus selou um pacto eterno conosco, seus filhos, povo eleito, garantindo o amor de Pai para sempre. Essa aliança nos garante a sua Misericórdia e Justiça mesmo diante das dificuldades da vida.

Além da redenção e da aliança, o sangue de Jesus nos direciona à vivência do amor incondicional, já que, mesmo sendo Filho de Deus, Deus feito homem que se encarnou no seio da Virgem Maria, não se poupou, mas se entregou por nós, mesmo que não merecêssemos. Esse ato de abnegação e sacrifício nos convoca a amarmos uns aos outros, a perdoarmos e a oferecermos o nosso melhor neste mundo para a honra e glória do Nome de Jesus.

Clamemos o poder do Sangue de Cristo

Para que bem celebremos esse mês de julho, convidamos a missionária Adriana Queirós para juntos clamarmos o poder que emana do Sangue de Nosso Senhor e rezarmos a Ladainha ao Preciosíssimo Sangue de Cristo.


Micheline Teixeira
Missionária da Comunidade Canção Nova


Fonte: https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/o-sangue-precioso-de-jesus-um-simbolo-de-amor-e-redencao/