30 de julho de 2014

Sinais de Bençãos

Numa fazenda há um pasto onde vivem dois cavalos. São animais muito bonitos como outros bem tratados que têm por aí, porém, um deles é cego. Mesmo assim, o dono não se desfez dele quando nasceu; pelo contrário, deu-lhe um amigo mais jovem.
Observando melhor, percebe-se que há um pequeno sino no pescoço do cavalo menor; isso para que o cavalo cego saiba onde está seu companheiro e vá até ele. No final do dia, um segue o outro até o estábulo e, quando o mais velho se atrasa na caminhada, o outro para e espera que o amigo o alcance. Assim, o cavalo cego passa o dia guiado pelo sino, confiante que o outro o está levando para o caminho certo.
E como o dono dos cavalos, Deus não se desfaz de nós só porque não somos perfeitos ou porque temos grandes problemas para resolver. Ele cuida de cada um e faz com que outras pessoas venham em nosso auxílio quando precisamos. Algumas vezes, somos o cavalo cego guiado pelo som do sino daquele que Deus coloca em nossas vidas. Outras vezes, somos o cavalo que guia, ajudando outras pessoas a reencontrarem o caminho.
Assim são os bons amigos: você não precisa vê-los, pois sempre estarão por perto. Ouça os sinos deles e, quando precisarem, também ouvirão o seu. Reze por eles e uma grande bênção estará ao seu alcance, como sinal da graça de Deus aos filhos que praticam o bem ao próximo.
Na verdade, todos nós nascemos com um 'sino' no pescoço. Por isso é que somos notados por onde passamos e, muitas vezes, algumas pessoas nos seguem. Se tivéssemos consciência do quanto influenciamos os destinos dos outros, nunca andaríamos por estradas ruins; mas, infelizmente, o ser humano insiste em conduzir pessoas a erros de comportamento.
Como vicentino, eu já passei por experiências diversas. Hoje sei que um pedaço de pão é uma bênção para quem tem fome, e um carro novo pode não ser aceito por aquele que exige determinadas marcas e modelos. Ambos são presentes de Deus, mas os valores são muito diferentes por parte de quem os recebe. O pão é mais valorizado pelo pobre do que o automóvel pelo milionário. Podemos considerar que são fatos normais no cotidiano de cada um?
Se a Palavra Sagrada fosse mais bem compreendida e praticada em nosso meio, as coisas seriam diferentes. Há muitas falhas na comunicação que vem do Céu; logicamente, não da parte do Senhor, mas devidas às dificuldades humanas em completar o ciclo da bênção. Sei que não posso generalizar, porém, quase sempre deixamos de concluir aquilo que seria a vontade de Deus.
Primeiro, porque não conhecemos plenamente a Bíblia. Mesmo reconhecendo que se refere à 'Carta de Amor do Criador' por nós, exageramos na preguiça de conhecê-la melhor. Segundo, porque nas partes que sabemos de cor, não comentamos com as pessoas que se relacionam conosco no trabalho e na roda de amigos. Terceiro, porque nem sempre damos bons exemplos influenciados pelos ensinamentos bíblicos, mostrando que pouco nos importamos com a salvação da alma.
Há uma história que faz menção à nossa falha de comunicação:
Uma senhora idosa estava parada na calçada, hesitante na tentativa de fazer a travessia diante de um tráfego intenso. Temerosa, não conseguia sair do lugar. Então, apareceu um cavalheiro que, tocando-a, perguntou se poderia atravessar a rua com ela. Alegre e muito agradecida, a senhora tomou seu braço e juntos partiram em direção ao lado oposto.
Foi então que ela começou a ficar mais apavorada ao ver que o homem ziguezagueava pelo meio da rua enquanto buzinas soavam, freios eram acionados e motoristas gritavam palavras ofensivas. Quando chegaram do outro lado, ela disse furiosa:
– Quase morremos! Você caminha como se fosse cego!
– Mas eu sou cego! Foi por isso que lhe perguntei se poderia atravessar junto com a senhora!
Isto nos faz pensar: quantas vezes somos mal compreendidos! Precisamos aprender que comunicação não é somente o que a gente fala, mas principalmente o que o outro entende. Se não quisermos entender que só entra no Céu quem tem compaixão dos sofredores, de que adianta vivermos dezenas de anos aqui na Terra?
Tudo aquilo que faço, que tenho e que sou, são sinais visíveis de bênçãos em minha vida. O grupo de pessoas amigas que me relaciono diariamente – no trabalho e na comunidade que sirvo – certamente toca o 'sino da misericórdia' bem alto para que eu ouça. Estou convicto disto porque ninguém diz 'não' quando peço ajuda. E, assim, com amor no coração, vamos completando o ciclo da bênção um para com o outro.
Eis uma grande possibilidade desse ciclo se realizar:
1.      valorizando cada vez mais a Palavra de Deus;
2.      melhorando dia-a-dia a comunicação evangélica;
3.      fazendo soar o sino que indica os bons caminhos; e
4.      perseverando na fé com as pessoas que nos seguem.
Mais cedo ou mais tarde, com firme confiança na graça, a bênção divina nos atingirá.

Ø  Paulo R. Labegalini
Vicentino de Itajubá – MG
Postar um comentário