12 de agosto de 2016

Transtorno de Imagem: como lidar com essa síndrome

Um Transtorno de Imagem não aparece do dia para a noite e não vem por acaso. O autoconhecimento é uma das melhores ferramentas que você terá em mãos e que o auxiliará em inúmeras situações para o resto da sua vida. Entretanto, ele não aparece num passe de mágica. É preciso buscá-lo, construí-lo, ter coragem e persistência para adentrar alguns cantos escuros dentro de si, colocar um pouco de iluminação e reconhecer que certos lugares precisam de faxina, mudanças etc.

Transtorno de imagem como lidar - 1600x1200
Foto: Copyright:  VladimirFLoyd

Quando a preocupação por um traço indesejado no próprio corpo passa a ser obsessiva, quando traz muita ansiedade e alguns comportamentos restritivos, podemos dizer que o transtorno está ali para apontar algo mais profundo.

Não é o nariz torto ou a assimetria do rosto que são problemas. A fixação por pequenas imperfeições pode esconder um perfil extremamente controlador e intolerante com as restrições da vida. Podemos dizer que, quando falta o controle interno, a pessoa tende a desenvolver um excesso de controle externo, com desejo de que todos satisfaçam seus anseios e atendam as suas expectativas, inclusive o próprio corpo.

Diante desses quadros, é possível fazer algumas questões fundamentais, como por exemplo: o que esses desejos de controle estão querendo me dizer? Para onde estão me apontado? O que de importante estou deixando de lado?

Por mais contraditório que possa parecer, um transtorno como esse pode ser recebido como um grande amigo, que chega aos poucos, muitas vezes, sem muito alarde, e tenta mostrar algo de errado que você não consegue enxergar. E esse algo, definitivamente, não tem nada a ver com a aparência.

Quando nossa essência fica descuidada por muito tempo, uma doença como essa pode ser recebida como uma ajuda oportuna, para que algo seja modificado na sua postura em relação a si mesmo e aos outros.

Por isso, a questão do autoconhecimento é tão importante. Quando a pessoa sabe quem é verdadeiramente, quando assume seus traumas, reconcilia-se com sua história de vida e tem a coragem de mexer nos entulhos que ficaram escondidos em algum canto dentro de si mesma, terá a possibilidade de aceitar-se inteiramente, com suas falhas e virtudes, seus defeitos, limitações, potencialidades e qualidades.

Um incômodo no próprio corpo poderá trazer a possibilidade de maior aceitação de si e, consequentemente, maior tolerância com as imperfeições do outro. Se isso não é uma prática, poderá ser um comportamento adquirido com o tempo, pois temos capacidades de aprendizado e modificações que, às vezes, desconhecemos ou subestimamos.

Transtorno de imagem e as limitações no processo de cura

Diante de um quadro de Transtorno de Imagem, o primeiro passo é reconhecer uma limitação que está sendo vivenciada. Depois de reconhecer, procure acolher esse desconforto, essa realidade que se apresentou por algum motivo. Não é necessário culpa ou autocondenação de nenhuma ordem. Fique tranquilo, pois basta ser humano para ser passível de apresentar algum transtorno psíquico. E, acima de tudo, saiba que é possível superar e curar esse mal que o impede de ser mais pleno e livre.

Sugiro que faça o esforço de reconhecer as qualidades externas que possui, procurando traços no seu rosto que o agradam, vendo no seu corpo, no seu cabelo, pele, altura etc, pontos de beleza e delicadezas de Deus. Repare que existem detalhes extremamente funcionais no seu corpo, que revelam linhas de perfeição, mesmo sendo imperfeito.

Vá direto ao ponto e reconheça: não gosto da minha barriga, por exemplo. Se o externo o incomoda tanto, pense nos órgãos internos que ela abriga, lembre que existe um estômago, um fígado, intestino, rins e outros órgãos funcionando em harmonia dentro dessa barriga que o desagrada. Se é o nariz que tira o seu sossego, procure reparar na importante função que ele exerce para a sobrevivência do seu corpo, filtrando parte do ar que entra, expelindo o ar que não lhe serve mais, sendo canal de passagem para o oxigênio que lhe é vital.

Percebe como é possível lançar novos olhares para figuras antigas? Esse pode ser o ponto de partida para uma mudança mais profunda na percepção das coisas ao seu redor. Ver a essência por detrás da aparência é um movimento que exige atitude e uma postura ativa diante da vida, mas que deixará rastros de liberdade e autenticidade em você.


Um proposta prática

O olhar obcecado por algum defeito acaba aprisionando o indivíduo em um círculo pessimista de pouca aceitação de si, rebaixamento da autoestima, autorrejeição e um olhar nebuloso sobre todos os outros aspectos da vida. As dicas propostas neste artigo são um convite para soprar nessas nuvens escuras e perceber que raios de luz podem adentrar num cenário escuro.

É uma proposta, um movimento apenas, de passos que podem até doer no início, porque promovem o desalojamento de um lugar conhecido. Costumo dizer que movimento gera movimento; assim, com um passo simples e pequeno dado na direção do novo, a cura pode ir se instalando na alma oprimida por motivos ocultos.

Não deixe de buscar ajuda se reconhecer que possui um transtorno de imagem. O isolamento poderá ser uma armadilha difícil de sair, pois limitará as suas opções de agir diante desse desafio.


Postar um comentário