30 de agosto de 2013

Vocação Vicentina

Escrito por JCS   

" ... O Senhor me desperta todas as manhãs; desperta meu ouvido para que eu o ouça como discípulo" 

(Is 50, 4-5)

A confiança, o compromisso, a coragem e a entrega dos profetas do Antigo Testamento, estavam fundamentadas em sua vocação. Por  isso anunciavam e denunciavam  sem cessar, dia e noite, com entusiasmo e com alegria na alma.  Assim, o compromisso, a responsabilidade e a confiança dos confrades e consócias deverão estar fundamentos na vocação vicentina, no carisma de São Vicente de Paulo

Mas somos de fato vocacionados? Ou somos voluntários?

O voluntário é aquele que faz, quando quer, se der e quando der pra fazer. Faz quando sentir vontade e não quando houver necessidade de fazer. O voluntariado tem seu valor , mas não é a característica essencial para a SSVP.

O vicentino vocacionado vai além disso. Ele segue Jesus Cristo, através do serviço aos Pobres.  Ele dá  testemunha do amor a Deus , através da entrega e da doação de si mesmo.  Ele é um missionário: evangeliza e resgata os Pobres e oprimidos, vê o outro como Jesus via, ama como Jesus amava, vive como Jesus vivia.

A SSVP, precisa de confrades e consócias vocacionados, pois nós não somos seguidores de uma idéia, de uma lenda, de um mito histórico... somos seguidores de "uma pessoa situada na história, viva e presente, somos seguidores de Jesus Cristo!"

E o vocacionado é aquele que consegue enxergar a verdade evangélica: amar e seguir Jesus no Pobre. E como diz  São Vicente de Paulo: " Deus ama os Pobres e por conseguinte, ama quem ama os Pobres"  E Santa Luiza de Marillac, nos diz: "... Servir os Pobres  doentes, em espírito de mansidão e grande compaixão à imitação de Nosso Senhor que assim tratava  os mais desagradáveis. E só o vicentino vocacionado é capaz de enxergar esta verdade." 

"…. Quando a caridade mora em uma alma toma posse de todas as suas potências; não lhe dá descanso; é um fogo que está constantemente ativo; mantém sempre em ação a pessoa que está por ela inflamada." (SVP).  É desta forma que o vocacionado vive sua missão.! A caridade toma posse do vocacionado e ele toma posse da caridade; o vocacionado  sente prazer, sente alegria quando serve, quando visita o Pobre em sua residência e muitas vezes chora com o Pobre, toma para si sua dor, sua tristeza, suas mazelas.

Nós confrades e consócias, temos em nossos sangue os genes de Luiza e de Vicente de Paulo; somos o coração e o espírito destes dois Profetas da Caridade; somos o legado de  seu amor. E ainda, somos o sonho de Ozanam: numa grande rede de caridade.

E cada dia temos que nos perguntar: O que fazer para alimentar nossa vocação? O que fazer para que nosso trabalho  não caia no voluntariado?

O povo de Israel releu sua Aliança com Deus, quando estava desolado, perdido e oprimido,  e descobriu sua identidade como Povo Escolhido ; São Vicente releu o Evangelho e descobriu sua Vocação; Ozanam releu sua fé e deu origem a um sonho que marcou seu tempo e fez História! 

E nós, o que precisamos reler para que a nossa vocação perdure? Para que o legado  de nossos fundadores continue vivo?  O  que precisamos reler para que a chama da caridade  não se apague?

Precisamos alimentar nossa vocação precisamos ser "profetas da caridade", como o foram, nossos fundadores! E para isso precisamos, como o profeta Isaías, estar com os ouvidos bem abertos para ouvir, a cada manhã  a voz de Deus que clama no Pobre sofredor.

Vera Lúcia dos Santos e Santos

Coordenadora da ECAFO do CMPA
Postar um comentário