28 de julho de 2017

Sete dicas para rezar frutuosamente o rosário segundo João Paulo II

Rezar o rosário requer dedicação

Desde a juventude, a oração do rosário teve um lugar importante na vida de São João Paulo II. Ele mesmo testemunha: "O Rosário me acompanhou nos momentos de alegria e provações. A ele confiei tantas preocupações; nele encontrei sempre conforto". A oração predileta de São João Paulo foi o Rosário.

-Sete-dicas-para-rezar-frutuosamente-o-rosário-segundo-João-Paulo-II-Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Na sua encíclica, o Rosário da Virgem Maria (Rosarium Virginis Mariae), ele mostra que essa oração simples e profunda do rosário tem grande significado, além de gerar frutos de santidade, pois, ainda que sua característica seja mariana, no seu âmago é uma oração cristológica. Assim, para melhor contemplarmos o rosto de Cristo com Maria, vejamos algumas dicas que o próprio santo nos apresenta em sua encíclica, para melhor rezarmos o rosário:

1- Ritmo tranquilo e uma certa demora para pensar no mistério

Muitas pessoas rezam o terço com pressa, agitadas, impacientes, ou seja, deixam o reflexo do mundo imediatista tomar conta dessa oração. O rosário é uma contemplativa, requer um ritmo tranquilo das orações e reflexão sobre cada mistério que se está rezando. Cada mistério bem meditado ilumina o mistério do homem.

2- Pode-se fixar um ícone ou outro elemento visível e figurativo

Enunciar o mistério com a possibilidade de fixar um ícone ou outro elemento visível e figurativo que o represente é como abrir um cenário sobre o qual se concentra a atenção. Facilita-se a concentração do espírito no mistério, principalmente quando o Rosário é recitado em momentos particulares de prolongado silêncio.

3- Ler uma passagem bíblica

Para dar fundamentação bíblica e profundidade à meditação, é útil que a enunciação do mistério seja acompanhada pela proclamação de uma passagem bíblica alusiva, que, segundo as circunstâncias, pode ser mais ou menos longa. Isso ajuda a ouvir a voz de Deus e, até em determinadas ocasiões, essa passagem bíblica pode vir com um comentário posterior.

4- Silenciar

Após a enunciação do mistério e a proclamação da Palavra, é conveniente parar um tempo e fixar o olhar sobre o mistério meditado, antes de começar a oração vocal.

5- Realçar o nome de Cristo, acrescentando-lhe uma cláusula evocativa do mistério

Acrescentar ao nome de Jesus uma cláusula evocativa do mistério intensifica a fé cristólogica, sobretudo na recitação pública. Por exemplo, se contemplamos o mistério do nascimento de Jesus, podemos rezar: "Ave Maria… fruto do vosso ventre Jesus", "que nasceu em Belém". Santa Maria… Em cada mistério que se contempla acrescenta-se uma cláusula para ajudar na meditação.

6- Destacar o "Glória"

A glorificação trinitária de cada dezena é o apogeu da contemplação, pois estamos continuamente na presença do mistério das três Pessoas divinas para as louvar, adorar e agradecer. Na recitação pública, pode-se cantar para dar maior destaque ao "Glória".


7- Terminar cada um dos mistérios com uma oração

Dessa maneira, a contemplação dos mistérios poderá manifestar melhor toda a sua fecundidade, uma vez que ela terá maior ligação com a vida cristã e se obtém os frutos específicos da meditação desse mistério. São João Paulo ensina que percorrer com Maria as cenas do Rosário é como frequentar a "escola" de Maria para ler Cristo, penetrar nos seus segredos, compreender sua mensagem. Dentre todos os seres humanos, ninguém como ela conhece melhor Cristo. Portanto, torna-se necessário rezar adequadamente o rosário, pois assim Cristo é formado no discípulo plenamente.

Postar um comentário