7 de dezembro de 2015

É normal os pais brigarem na frente dos filhos?

Conflitos conjugais são comuns, mas é normal os pais brigarem na frente dos filhos?

Os conflitos conjugais são normais, porque as pessoas possuem valores diferentes. Quando convivem juntas nem sempre enxergam uma situação da mesma forma. Outro fato, são casais que nunca se entendem e transformam as brigas familiares em verdadeiros campos de guerra.

É normal os pais brigarem na frente dos filhos - 1600x1200
Foto: gerenme, 15037002, iStock by getty image

A percepção positiva ou negativa da criança vai depender da forma como a situação é conduzida pelos pais. Uma pesquisa na Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, conclui que é benéfico para as crianças presenciarem os debates, desde que o bom senso predomine.

Não perder o respeito pelo outro na hora do desentendimento

Numa briga cada um deve colocar os seus sentimentos e pontos de vista de uma forma tranquila, sem agressões físicas ou verbais, buscando a solução do problema. O que limita a situação é a forma respeitosa no tratamento.

Quando não conseguem consenso, mas depois fazem as pazes, ensinam aos filhos que os conflitos existem, mas que a maturidade emocional é obtida com aceitação das frustrações e busca da aceitação das diferenças individuais.


A principal percepção que deve ficar para a criança é que os pais não se odeiam, pois isso causa ansiedade e medo nelas. No entanto, naquela situação, eles estão tendo divergências, o que é comum no relacionamento humano. Nesse caso, no lugar de ser ruim, passa a ser educativo para a criança, pois o comportamento dos pais modela o dos filhos para se relacionarem com o mundo exterior.

A culpa que os filhos sentem pelas brigas

A briga na frente das crianças é maléfica, principalmente quando elas assistem, sem entender, ao que está acontecendo, e os pais não lhes explicam os motivos. Assim, elas podem pensar que são culpadas pelo desentendimento conjugal.

Outra questão são as discussões quando os ânimos estão acirrados e as palavras ditas são motivadas pela raiva e o desrespeito. Nesse caso, a criança, por não entender direito o que está acontecendo, interpreta o fato da sua forma, provocando marcas profundas, que se traduzem em sintomas físicos e emocionais, os quais impactam a vida presente e futura delas.

A criança até os cinco anos não consegue se expressar, mas percebe o que está acontecendo; a partir dos oito anos, consegue perceber e pedir para não brigarem; acima disso, dependendo da frequência e da agressividade, ela preferem que o casal se separe.

O impacto das brigas no futuro dos filhos

Independente da idade, as consequências impactam a vida escolar, a forma de se relacionar com as pessoas e também o desejo de se casarem. Pesquisas norte-americanas mostram que crianças submetidas a esse tipo de estresse, principalmente quando existem agressões físicas, tendem a ser inseguros na adolescência e apresentam depressão e ansiedade.


A criança, independente dos conflitos, precisa demostrar respeito, manter-se neutra e deixar que os pais busquem o acordo, dizer para eles os seus sentimentos de tristeza, irritação e medo diante das brigas, não jogar um contra o outro e, principalmente, dentro do possível, não deixar que o comportamento errado dos pais modele o seu de forma distorcida.

Não entrar em brigas acirradas na frente dos filhos, independente da idade destes, precisa ser uma regra geral para que pais e filhos não se culpem de algo que não é da responsabilidade deles.



Ângela Abdo

Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. Atua como curadora da Fundação Nossa Senhora da Penha e conduz workshops de planejamento estratégico e gestão de pessoas para lideranças pastorais.

Abdo é graduada em Serviço Social pela UFES e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e em Gestão Empresarial. Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Fucape. Atua como consultora em pequenas, médias e grandes empresas do setor privado e público como assessora de qualidade e recursos humanos e como assistente social do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador). É atual presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) do Espírito Santo e diretora, gerente e conselheira do Vitória Apart Hospital.


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/familia/pais-e-filhos/e-normal-os-pais-brigarem-na-frente-dos-filhos/

Postar um comentário