18 de março de 2013

Quando é hora de se casar?

Imagem de Destaque

Namoro é um período favorável para o conhecimento

Namorar é uma bela fase e, coincidentemente, este momento acontece na ocasião em que começamos a nos aventurar naquelas coisas que poderiam nos trazer a sonhada independência. Todas as nossas energias estão concentradas na realização de nossos projetos. Há quem prefira, primeiramente, realizar suas conquistas pessoais, isto é, estão empenhados na carreira profissional, em terminar o estudos, conseguir um bom emprego. Outros pensam em comprar uma casa, um carro, fazer viagens etc. Dificilmente, nesse momento, alguém pensaria em casar-se. Para as mulheres, além de desejarem também as mesmas coisas, elas não deixam de considerar a idade como um fator agravante, pois para elas o problema se concentra na possibilidade de que, envolvidas na busca da realização profissional, deixam de realizar, também, o sonho da maternidade.


Apesar de todas as questões, tanto homem quanto a mulher não abrem mão de viver a experiência do namoro.

Contudo, uma vez apaixonado, quem nunca se pegou pensando sobre a melhor momento para se casar? E para isso acontecer não há uma idade determinante.

Quando a pessoa acredita ter encontrado alguém para viver o resto de seus dias, os seus projetos passam a abrir espaço também para a possibilidade do casamento.

Mesmo apaixonados, sabemos que o tempo de namoro é um período favorável para o conhecimento daquela pessoa com quem poderemos, um dia, nos comprometer pelo vínculo do matrimônio. Mas isso não acontece do dia para a noite.


Desta forma, não podemos nos antecipar em estabelecer uma data ou ter aquela pessoa como o (a) esposo (a), somente porque estamos tomados por uma paixão, pois será, no decorrer do namoro, que ambos terão condições de avaliar se é por aquela pessoa que eles estarão realmente dispostos a fazer suas renúncias.


É importante ter em mente que o casamento não é uma maneira de "validar" o senso de responsabilidade de alguém, garantir a aposentadoria, tampouco remendar situações. Muitas pessoas acabam se casando por questões financeiras, por uma oportunidade para sair de casa ou por uma gravidez que acelerou os planos dos enamorados. Entretanto, nenhuma dessas situações pode garantir a felicidade que se deseja quando são assumidas como justificativas para o motrimônio. Igualmente, não será por pressão dos colegas e amigos que, por não entenderem os planos do casal dos namorados, começam a insistir em cada conversa, quando será o dia no qual os namorados pretendem, finalmente, se casar.


Haverá um momento em nossas vidas que, por livre e espontânea vontade, vamos colocar os nossos desejos em segundo lugar, tendo em vista a felicidade do outro. Assim, aquele casal que até pouco tempo atrás mal cogitava a possibilidade de um compromisso, agora, envolvido por esse sentimento, assume o desejo de estabelecer vínculos duradouros. De comum acordo, a moça e o rapaz, sentindo-se prontos, assumem a responsabilidade da exigente vida conjugal. Desta vez, sabendo que podem contar com a dedicação do outro neste projeto, no qual ambos farão juntos novas descobertas.

Essa maturidade permitirá ao casal perceber que o projeto de vida a dois somente se realiza em parceria, tendo em vista a felicidade daquele a quem se ama. É desse desejo de assumir um projeto de vida comum e por conta da intenção de fazer o outro feliz consigo que os casais jamais poderão se esquecer, pois este será o motivo e o ponto de partida em que os nubentes deverão retomar, especialmente, quando as pequenas divergências começarem a aparecer na vida conjugal.
Postar um comentário