1 de julho de 2008

A falta de fé


Imagem de Destaque
No tempo em que vivemos só é possível sobreviver se tivermos fé

O Evangelho de São Marcos, no capítulo 9, versículos de 14 a 29, coloca-nos diante de um pai desesperado, alguém que já esgotou todos os recursos para ver o filho curado e liberto. Desde criança este é oprimido por um demônio que causava nele uma terrível epilepsia.

A falta de fé do pai levou-o a procurar todo tipo de ajuda em muitos lugares. Mas agora está ali, diante de Jesus, Aquele que de fato pode curá-lo.

Aflito, o pai diz ao Senhor: "Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos" (v. 22). Esse modo de falar revela a atitude de alguém que já está prestes a desistir, revela desespero e não fé. Por isso, Jesus o exorta: "Se podes!… Tudo é possível para quem tem fé!" (v. 23).

Então, o pai, com humildade, reconhece sua falta de fé e pede socorro. Na verdade, não é só o filho que precisa de ajuda, mas também o genitor. Jesus vem em auxílio deles, liberta o filho e devolve a fé àquele pai.

Dessa forma, o Senhor revela duas realidades fundamentais para quem quer viver liberto: Fé e Oração.

No tempo em que vivemos só é possível sobreviver se tivermos fé e se mantivermos uma constância na oração. Não existe outro modo.

Jesus é Aquele que, de fato, pode trazer uma solução às realidades mais difíceis e para isso é preciso ter fé. Se não recorremos a Ele, as coisas vão ficando cada vez mais difíceis. O bom é que sempre podemos recorrer ao Senhor.

Não podemos ter medo de assumir diante de Jesus nossa falta de fé e pedir que Ele a aumente; isso é sinal de humildade e desejo sincero de mudança. E fé aqui não é apenas crer em Jesus, mas crer também naquilo que Ele pode fazer, visto que Ele realmente pode!

O caso desse filho é uma situação de muito sofrimento não somente para ele, mas para o próprio pai. Não sei se você conhece alguém que sofreu algum tipo de crise epiléptica, é muito doloroso para quem está tendo a crise e desesperador para quem está ali próximo tentando ajudar. Se não se tem um pouco de instrução de como lidar com essa situação, realmente fica difícil fazer alguma coisa. Nesse caso narrado pelo Evangelho, a causa da epilepsia estava vinculada a um ataque do demônio, isso agrava ainda mais a situação para o pai, que, muito provavelmente, tenha sido alvo de zombaria e de desprezo por parte das pessoas que estavam ali apenas para ver o "espetáculo". A atitude de Cristo foi a de libertar o filho e devolver a alegria para o genitor. Jesus agiu de maneira muito respeitosa para com a situação e na verdade o fez porque teve compaixão, viu o sofrimento daquele jovem e de seu pai.

A fé que o Senhor nos exorta a ter é uma atitude de confiança em Deus, e, ao mesmo tempo, uma atitude de misericórdia e de compaixão para com aquele que sofre. Foi por isso que Ele afirmou que alguns demônios só são expulsos pela oração, ou seja, por uma intimidade e confiança em Deus. Quando oramos, depositamos em Deus nossa confiança e cremos que Ele verdadeiramente pode agir e mudar a situação. É também uma atitude de abandono n'Ele.

Esse Evangelho é um verdadeiro convite de Deus para que renovemos nossa confiança e fé n'Ele e também um convite para uma vida de oração mais intensa e verdadeira.

Deus abençoe você e aumente sua fé!

Pe. Clovis
Postar um comentário