2 de maio de 2018

Luz da Fé: Deus quer o meu bem

Deus se revela, porque Ele quer o nosso bem

Neste programa 'Luz da Fé', quero refletir com você sobre o número 50 do Catecismo da Igreja Católica, o qual ensina o seguinte:

Deus vem ao encontro do homem

50. Mediante a razão natural, o homem pode conhecer Deus, com certeza, a partir de Suas obras. Existe, no entanto, outra ordem de conhecimento que o homem, de modo nenhum, pode atingir por suas próprias forças: a da Revelação Divina (22). Por uma decisão totalmente livre, Deus se revela e doa-se ao homem. Ele o faz revelando Seu mistério, Seu projeto benevolente, que concebeu, desde toda a eternidade, em Cristo e em prol de todos os homens. Revela plenamente seu projeto ao enviar Seu Filho bem-amado, nosso Senhor Jesus Cristo, e o Espírito Santo.

Créditos: Wesley Almeida / cancaonova.com

Esse número 50 afirma algo maravilhoso: Deus se revela ao homem. Anteriormente, refletimos sobre as vias de conhecimento de Deus, que são a criação e a pessoa humana. Agora, o Catecismo nos ensina que "existe outra ordem de conhecimento que o homem, de modo nenhum, pode atingir por suas próprias forças, a da Revelação divina". 

Essa Revelação Divina é uma iniciativa livre por parte de Deus. Em João 3,16-17 está escrito: "Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele". Deus tomou a iniciativa para nossa salvação! E Ele faz isso unicamente por amor.

O Catecismo ensina que "Por uma decisão totalmente livre, Deus se revela e se doa ao homem". E como Ele faz isso? O Catecismo explica que Deus toma essa iniciativa revelando seu mistério, seu projeto benevolente. Essa palavra benevolente é muito importante. Essa palavra, em sua origem no latim, significa querer o bem do outro. Não se trata somente de fazer o bem, mas querer o bem do próximo. Portanto, a gente começa a compreender que Deus se revela, porque Ele quer o nosso bem.

Meu irmão, Deus quer o seu bem! A você, que hoje está sofrendo num leito de dor, enfrentando essa enfermidade, passando por um desgastante tratamento, eu afirmo: Deus quer o seu bem. A você que está endividado, eu afirmo: Deus quer o seu bem. A você que está sofrendo no seu casamento por causa de uma terrível traição, saiba: Deus quer o seu bem. A você que sofre a dor da perda de um ente querido, eu também afirmo: Ele quer o seu bem.

O Senhor tem um projeto para sua vida, e esse projeto é benevolente, pois tem como meta, como objetivo final, nossa felicidade, ou seja, nosso bem.


As três árvores

Conta-se que havia, no alto da montanha, três pequenas árvores que sonhavam o que seriam depois de grandes.

A primeira, olhando as estrelas disse:

– Eu quero ser o baú mais precioso do mundo, cheio de tesouros. Para tal, até me disponho a ser cortada.

A segunda olhou para o riacho e suspirou:

– Eu quero ser um grande navio para transportar reis e rainhas.

A terceira árvore olhou o vale e disse:

– Quero ficar aqui, no alto da montanha, e crescer tanto, que as pessoas, ao olharem para mim, levantem seus olhos e pensem em Deus.

Muitos anos se passaram e, certo dia, veio um lenhador e cortou as três árvores. Todas ansiosas em serem transformadas naquilo que sonhavam. Mas lenhadores não costumam ouvir nem entender sonhos.

A primeira árvore acabou sendo transformada num coxo de animais, coberto de feno.

A segunda, virou um simples e pequeno barco de pesca, carregando pessoas e peixes todos os dias.

A terceira, mesmo sonhando em ficar no alto da montanha, acabou cortada em grossas vigas e colocadas num depósito.

Todas as três se perguntavam desiludidas e tristes: "Para que isso?".

Numa certa noite, cheia de luz e estrelas, onde havia mil melodias no ar, uma jovem mulher colocou seu filho recém-nascido naquele coxo de animais. De repente, a primeira árvore percebeu que continha o maior tesouro que existe: o Filho de Deus, que se encarnou para nos salvar.

A segunda árvore, anos mais tarde, acabou transportando um homem que acabou dormindo no barco, mas, quando a tempestade quase afundou o pequeno barco, o homem se levantou e disse: "Paz!". Num relance, a segunda árvore entendeu que estava carregando o Rei dos Céus e da Terra.

Tempos mais tarde, numa sexta-feira, a terceira árvore espantou-se quando suas vigas foram unidas em forma de cruz e um homem todo ferido foi pregado nela. Logo, sentiu-se horrível e cruel. Mas, no Domingo, o mundo vibrou de alegria. E a terceira árvore entendeu que nela havia sido pregado o Salvador da humanidade, e que as pessoas sempre se lembrariam de Deus e de Seu filho Jesus Cristo ao olharem para ela.

Assim como essas três árvores da historinha, nós também trazemos sonhos. E é certo que Deus tem sonhos infinitamente maiores e melhores para nossa vida. É necessário percebermos que esses sonhos divinos fazem parte desse projeto benevolente que o Senhor tem para cada um de nós, afinal, Deus quer o nosso bem.

Um forte abraço!

Alexandre Oliveira
Missionário da Comunidade Canção Nova

(22) Cf. Conc. Vaticano I: DS 3015

Postar um comentário