14 de outubro de 2015

A pressa está roubando de nós o bem-estar e os relacionamentos

É importante percebermos que a pressa está nos consumindo

Tenho pensado muito no sentido que estamos dando à nossa vida. Olho em volta e observo o quanto estamos apressados, sem nos encontrar, olhar e conviver. Essa falta de tempo, na busca de "ser" o melhor possível, tem trazido consequências lastimosas para as famílias e para os locais de trabalho, para a convivência comunitária e, principalmente, os relacionamentos considerados importantes para o bem-estar.

A pressa está roubando de nós os relacionamentos e o bem-estar - 1600x1200
Foto: mediaphotos, 17216015, by getty images iStock

Um dia desses, lá na escola em que eu trabalho, o avô de um aluno me chamou e disse: "Professora, vou te contar um caso: é tanto corre-corre que as pessoas estão passando pelas outras e não dão mais 'bom-dia!'. A senhora acredita que, um dia desses, uma mãe pegou o filho, na porta da sala do meu neto, com tanta ligeireza que o filhinho disse:
– Calma, mãe!
– Não posso. Estou com pressa – ela respondeu.
– Pressa? E quem é pressa? – indagou o filho."

Após escutá-lo, fiquei também me perguntando – aproveito para lhe perguntar também, caro leitor –: Quem é pressa? O que você responderia ao seu filho se ele lhe fizesse essa pergunta?

A pressa parece uma sombra que não sai do nosso pé por causa das escolhas e necessidades criadas por nós mesmos. Pressa, corre-corre… são vários os nomes e apelidos, mas que sempre nos acompanham, não resta dúvida!

Pois bem, conseguiu responder a pergunta? Quem é pressa?

Caso ainda não tenha conseguido, você pode identificar as suas consequências: estresse, irritação, falta de habilidades sociais, grosserias, impaciência, consumismo, trânsito conflituoso… Ufa! De fato, não tenho mais dúvidas, a pressa tornou-se uma sombra.

Constantemente, enfrentamos problemas por causa da pressa, e cada vez mais arranjamos meios para justificá-la. Quem, nesses últimos tempos, não precisou contornar, esclarecer, desmentir ou mediar conversas que surgiram nos grupos de aplicativos de bate-papo?  As pessoas estão dando vida a uma falsa crença: "Fala pelo WhatsApp, que é mais rápido!". Manda pelo "zapzap", é ligeirinho!

Vício e dependência

O uso frequente desses recursos, com aspecto de um vício ou de uma dependência, tem sinalizado que os usuários têm necessidades de não parar diante de si mesmos ou das coisas simples da vida. Por exemplo: antes de rezar  ao acordar, agradecer a Deus pela noite que passou. Em vez disso, imediatamente pega o celular para ver as horas e as últimas mensagens do dia anterior. É uma verdadeira busca de satisfação. Costumo perguntar: "Essa pressa toda de se comunicar, de se fazer presente é por qual motivo mesmo? Quer ganhar quem? Tudo isso em nome da pressa. Ledo engano!

Estamos sem noção de limites

Carência de companhia, busca de reforço positivo em estar sempre dando opiniões ou alívio para ansiedade… não sei!  Tudo isso, "junto e misturado", tem nos deixado sem noção de limites. Usamos os aplicativos mesmo enquanto as pessoas estão falando conosco, no meio de um aniversário – do início ao fim –, em velórios e também para disfarçar nossa timidez.

Muitas pessoas têm escrito o que querem sem nenhuma responsabilidade. Elas se acham no direito de passar informações inadequadas no grupo. Existe a manipulação de opinião, e o pior, interpretação inadequada do que está sendo lido. Há tanta confusão que, certo dia, não aguentei quando uma amiga do grupo da igreja me disse: "O nosso grupo já brigou. Já saíram vários amigos da nossa época". Diante disso, reforcei a minha opinião sobre a formação desses grupos, geralmente de pessoas desconhecidas e que se amam tão rapidamente. Tudo por causa da pressa e do significado que se tem dado ao uso do WhatsApp ou qualquer outro instrumento rápido de comunicação e de fácil acesso.

A maioria das pessoas, a partir da terceira mensagem, já virou "gente boa", dá conselhos, escreve desabafos e partilha segredos. Seria ótimo se todos do grupo já estivessem realmente nesse grau de maturidade. Acho até que o mundo seria outro, porque não há nada mais gostoso do que um bom papo, a troca de ideias e a conversa com os amigos. Contudo, por causa da pressa, seja ela vinda das nossas próprias necessidades ou daquelas produzidas no ambiente em que vivemos, é possível perceber que ela está nos consumindo.

Falta de equilíbrio

Desculpe, D. Pressa, a senhora não é responsável por nada! Falta-nos equilíbrio, bom senso, calma e tempo. Falta-nos também discernimento para escolhermos o melhor para nossas vidas.

Nenhuma contingência tirará de nós a certeza de que, para formar pessoas por meio da educação, será necessária a prática da verdade e do amor, do respeito, da calma e paciência. Portanto, que o uso do WhatsApp fortaleça o que nos falta como seres humanos e que não seja motivo de esconderijo do que somos, do que sentimos e do que, verdadeiramente, precisamos escrever. Às vezes, nem o "kkkk" ou o "rs" têm lógica em algumas mensagens.

Pois bem, conseguimos completar a ideia inicial deste texto: É preciso saber viver, porque a vida não deve ser feita de ilusão.


Judinara Braz

Administradora de Empresa com Habilitação em Marketing.
Psicóloga especializada em Análise do Comportamento.
Autora do Livro "Sala de Aula, a vida como ela é."
Diretora Pedagógica da Escola João Paulo I – Feira de Santana (BA).


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/a-pressa-esta-roubando-de-nos-o-bem-estar-e-os-relacionamentos/

Postar um comentário