15 de setembro de 2016

Por que não devo cometer suicídio?

Hoje, alarmante o aumento do número de pessoas que recorrem ao chamado "suicídio assistido"

No dia 01/11/2014, nos Estados Unidos, Brittany Maynard, uma jovem americana, 29 anos, com um câncer no cérebro, decidiu tomar um comprimido para se suicidar com autorização do Estado.

Lamentavelmente, a sociedade "eficiente" de hoje tende a marginalizar os irmãos vulneráveis, especialmente as pessoas de idade avançada, como se elas fossem só um "peso" e um "problema para a sociedade". Muitas delas são induzidas a praticar o suicídio.
Por que não devo cometer suicídio Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

A fonte "Forum Libertas" informa que "o turismo do suicídio duplicou, na Suíça, nos 4 anos (2008-2012), "um total de 611 residentes de 31 países receberam ajuda para morrer na Suíça nesses anos. Foram 268 alemães, 126 britânicos, 66 franceses, 44 italianos, 21 americanos, 14 austríacos, 12 canadenses, 8 espanhóis, vários israelenses e algumas pessoas de outras nacionalidades".

Suicídio assistido

O suicídio é causa comum de morte entre jovens, de acordo com dados do Instituto Nacional de Saúde Mental norte-americano. Na Suíça, uma decisão da Suprema Corte abriu o caminho para a legalização da assistência ao suicídio até de pacientes mentalmente doentes. O país já permite legalmente o suicídio assistido para outros tipos de pacientes com uma ampla faixa de doenças e incapacidades físicas. O Estado ateu e laicista incentiva a morte de pessoas "improdutivas".

A partir dessa decisão, o homem passa a ocupar o lugar de Deus como senhor da vida e da morte. Voltamos ao pecado dos anjos maus e de Adão e Eva, que queriam "ser como deuses". Abrem-se as portas para a queda livre no abismo da "cultura da morte". Será que a morte pode ser solução para os problemas da vida?

A Igreja sempre ensinou que não somos proprietários da nossa vida, mas sim Deus, por isso não podemos pôr fim a ela. Em nosso tempo, a vida só tem valor enquanto o ser humano é produtivo, enquanto está feliz, bonito e saudável. Quando estamos perto da morte, a vida perde o seu valor para aqueles que não creem na vida eterna, na possibilidade da salvação da alma da pessoa, ainda que seja no sofrimento dos últimos dias de vida. Muitos se salvam na hora da morte natural, mediante um arrependimento sincero de seus pecados. Quantos decidiram chamar um padre para se confessar nos últimos momentos de vida! O suicídio pode impedir a salvação.

A vida é dom

A Igreja sempre defendeu e ensinou que a vida humana é sagrada: "A vida humana é sagrada, porque, na sua origem, ela encerra a ação criadora de Deus e permanece para sempre numa relação especial com o Criador, seu único fim. Só Deus é o dono da vida, do começo ao fim; ninguém, em nenhuma circunstância, pode reivindicar para si o direito de destruir diretamente um ser humano inocente" (Congregação da Doutrina da Fé, Donum Vitae, 5, 1988).

Na Carta Encíclica Evangelium Vitae, sobre o valor da vida e a inviolabilidade da vida humana (1995), o Papa João Paulo II afirmou que "a vida é um dom divino", daí ter "um caráter sagrado e inviolável no qual se reflete a própria inviolabilidade do Criador". "O Criador confiou a vida do homem à sua solicitude responsável, não para que disponha arbitrariamente dela, mas a guarde com sabedoria e administre com fidelidade" (n° 76, 2° parágrafo).

João Paulo II disse que "o homem vive hoje com se Deus não existisse". E o ateísmo, teórico ou prático, continua implantando no mundo a "cultura da morte".

A Igreja sempre ensinou que "cada um é responsável por sua vida diante de Deus, pois Ele é sempre o único e soberano Senhor dela. Devemos receber a vida com reconhecimento e preservá-la para honra d'Ele e salvação de nossas almas. Somos os administradores e não os proprietários da vida que Deus nos confiou. Não podemos dispor dela". (Cat. §2280)


"O suicídio contradiz a inclinação natural do ser humano a conservar e perpetuar a própria vida. É gravemente contrário ao justo amor de si mesmo. Ofende igualmente ao amor do próximo, porque rompe os vínculos de solidariedade com as sociedades familiar, nacional e humana, às quais nos ligam muitas obrigações. O suicídio é contrário ao amor do Deus vivo" (Cat. §2281). O suicídio rompe a comunhão com as pessoas amadas da família. E, muitas vezes, a família pode ficar desamparada com a morte do pai ou da mãe.

Suicídio é o fim inesperado da vida

Cooperar com o suicídio de alguém é também falta grave. A Igreja reconhece que as motivações ao suicídio podem ser complexas. Não podemos dizer que aquele que se suicidou esteja condenado por Deus. "Distúrbios psíquicos graves, a angústia ou o medo grave da provação, do sofrimento ou da tortura podem diminuir a responsabilidade do suicida". (Cat. §2282)

"Não se deve desesperar da salvação das pessoas que se mataram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, dar-lhes ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida." (Cat. §2283)

Infelizmente, alguns filósofos ateus propunham, e ainda propõem, essa prática [suicídio] diante de uma vida que consideram um absurdo e sem sentido. "A vida humana, por mais debilitada e fraca que seja, é um belo dom de Deus", ensinava o saudoso Papa João Paulo II; e de forma alguma pode ser eliminada pela pessoa.

Graças a Cristo, o sofrimento e a morte cristã tem um sentido positivo. "Para mim, a vida é Cristo, e morrer é lucro" (Fl 1,21). "Fiel é esta palavra: se com Ele morremos, com Ele viveremos" (2Tm 1,11). O nosso sofrimento é salvífico. "Completo na minha carne o que falta à paixão de Cristo no seu corpo que é a Igreja" (Col 1,24). O cristão, quando sofre e oferece seu sofrimento a Deus, está salvando o mundo com Cristo.

O nosso Catecismo ensina: "A morte é o fim da peregrinação terrestre do homem, do tempo de graça e de misericórdia que Deus lhe oferece para realizar sua vida terrestre segundo o projeto divino e para decidir seu destino último.

Quando tiver terminado "o único curso de nossa vida terrestre", não voltaremos mais a outras vidas terrestres. "Os homens devem morrer uma só vez" (Hb 9,27). Não existe "reencarnação" depois da morte" (n.1013).


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos", na Rádio apresenta o programa "No Coração da Igreja". Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/por-que-nao-devo-cometer-suicidio/

Postar um comentário