5 de julho de 2016

Como devemos reconhecer Jesus no partir do pão

Eles O reconheceram no partir do pão

O Senhor antecipou sacramentalmente Sua entrega na Última Ceia. Após a Ressurreição, Ele se manifestou a Seus discípulos. Como somos peregrinos na história, queremos pedir ajuda aos discípulos de Emaús, para aprender a reconhecê-lo no partir do Pão. Nosso desejo sincero é que todos os participantes do XVII Congresso Eucarístico Nacional reconheçam sua presença e se tornem missionárias e missionárias, levando consigo a riqueza do que viveremos juntos, ajudados pela reflexão oferecida pelo Padre Giovanni Martoccia SX, cujos pontos principais oferecemos a todos (Cf. Texto-base do XVII Congresso Eucarístico  Nacional, Edição da Arquidiocese de Belém).

Como devemos reconhecer Jesus no partir do pão
Foto: Arquivo CN

O dia estava cinzento como o coração de todos os discípulos, cheios de medo, dúvida e  tristeza. As esperanças messiânicas alimentadas por Jesus dissiparam-se no vento da repressão romana; e, junto com elas, também o sonhos de um Reino de Deus, por tanto tempo acalentado, espatifou-se no iníquo patíbulo que recebeu a condenação do Justo. O testemunho das mulheres de que o corpo de Jesus não estava no túmulo não foi suficiente para convencer os apóstolos de que algo extraordinário havia acontecido. Ninguém do grupo quis acreditar.

Quantas vezes lhes confirmara que iria ressuscitar! Entesourar a memória de Sua Palavra era pré-requisito indispensável para não naufragar no meio da tragédia. Sua Palavra, meditada no coração, é âncora segura da fé, fonte de esperança e força propulsora do anúncio da Boa Nova.

Reconhecer Jesus

Dois discípulos, tendo deixado a cidade de Jerusalém, teatro dos tristes acontecimentos da prisão e execução do Mestre, dirigiram-se a Emaús, aldeia a duas horas de boa caminhada. Parecem querer voltar a seu passado e esquecer tudo o que havia acontecido, enterrando a última lembrança de suas esperanças frustradas. Mas era justamente esse pavio fumegante que os impelia a conversar sobre aqueles mesmos eventos inesquecíveis. O caminho pedregoso e acidentado ritmava os inconstantes e ríspidos pensamentos de seus corações. Os olhos de sua memória parecem fechados, completamente vedados, a ponto de não reconhecer nem mesmo o próprio Jesus que, aproximando-se, pôs-se a caminhar com eles.

Estavam tão concentrados que não deram nenhuma atenção ao desconhecido, que toma a iniciativa e puxa conversa, perguntando sobre o assunto que os preocupava e que parecia tão sério: "Que é que vocês vão discutindo pelo caminho?". Estavam tristes e abatidos pela morte de seu Mestre, decepcionados, porque pensavam que ele fosse o Messias, e agora acham que se enganaram. Finalmente, eles param. Uma parada, nessa caminhada, símbolo da nossa caminhada de vida, é o primeiro passo para compreender como nos afastamos d'Ele, a ponto que nem O reconhecermos mais, e quanta tristeza sua falta trouxe em nossa vida! Ele nos visita, mas, muitas vezes, não percebemos Sua presença, porque ficamos amarrados ao nosso velho modo de pensar, à nossa imaginação que quer determinar o agir de Deus. O mesmo Jesus que eles conheciam tão bem estava diante deles, conversando com eles e, mesmo assim, não O reconheceram.

Como é possível?

Na verdade, Jesus é o mesmo. São os discípulos que mudaram; fechando-se em
sua esperança frustrada, não conseguem mais reconhecê-Lo. Antes, eles olhavam para
Jesus com confiança, acreditavam n'Ele. Agora, estão decepcionados e seu olhar é
diferente. As falsas expectativas lhes vendaram os olhos. No entanto, Jesus cumpriu todas as Suas palavras, mas não como eles imaginavam. É preciso receber algo novo,
nova luz para que os olhos se abram e, finalmente, reconheçam-No.

A Jesus, que pede esclarecimentos sobre esses acontecimentos tão graves, responde Cléopas com outra pergunta que parece expressar espanto e irritação: "Serás tu o único forasteiro em Jerusalém que desconhece o que se passou aí nesses últimos dias?". Jesus se mostra muito interessado e pronto a ouvir tudo o que ocorreu. Cléopas informa o curioso forasteiro dos fatos que tanto marcaram a vida deles. Conta tudo a partir do ministério de Jesus, conhecido como o Nazareno. Mas os dois discípulos não souberam acolher os acontecimentos e interpretá-los. Estão decepcionados!


A decepção dos discípulos é justificada pelo fato que "já faz três dias que todas essas coisas aconteceram!" e Jesus não apareceu. Depois de ter escutado com atenção toda a história que eles tinham para contar, de repente os repreende com severidade. Jesus, com uma pergunta sobre a necessidade do sofrimento do Messias, dá início à catequese pascal. É preciso que a vida de Jesus seja interpretada à luz das Sagradas Escrituras.

Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Ele fez de conta que ia mais adiante. "Fica conosco, porque é tarde e o dia já declina". Entrou, então, para ficar com eles.  Realmente, a vida sem Ele fica muito escura, sem luz nem sentido, como peregrino em noite de lua nova. Uma vez à mesa com eles, tomou o pão, pronunciou a bênção, o partiu e distribuiu entre eles. Então, seus olhos se abriram e O reconheceram. É Jesus quem toma a iniciativa, que se aproxima deles e lhes explica tudo. Na fração do pão, fez com que seus olhos se abrissem. Eles agora O reconhecem. Será ainda Jesus que abrirá a mente aos onze apóstolo para entenderem as Escrituras, pois tudo o que estava escrito tinha de se cumprir.

Jesus é reconhecido pela fração do pão

Jesus desaparece no momento em que os dois discípulos O reconhecem. É para nos advertir que não se trata de uma visão extraordinária, mas do normal caminho da fé que nos conduz ao encontro com o Cristo vivo na Eucaristia, na convivência fraterna, na escuta da Palavra, no testemunho generoso e no compromisso evangelizador. Não são as feições físicas que permitem reconhecer Jesus ressuscitado como o mesmo que foi crucificado, mas o gesto distintivo de Sua existência: a fração do pão, gesto que expressa e traz presente Seu dom de amor total e incondicional, Seu serviço, Seu viver para os outros. No testemunho recíproco, a fé manifesta sua dimensão comunitária, revela sua força transformadora, revigora o coração e ilumina os caminhos da Igreja. E disseram um ao outro: "Não ardia o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho, quando nos explicava as Escrituras?" Sob esse impulso jubiloso, dois voltaram para Jerusalém.

Voltou a esperança, o entusiasmo, a fé e a força para retomar o caminho, ainda que seja longo e difícil, e a noite adiantada. Mas a escuridão da noite já não assusta mais. A luz  que agora brilha no coração é mais que suficiente para vencer a treva ameaçadora. Ao  chegar a Jerusalém, mais uma surpresa agradável os aguarda. Acharam aí reunidos os onze e seus companheiros, que disseram: "É verdade! O Senhor ressurgiu e apareceu a Simão!" Então, por sua vez, também contaram os acontecimentos do caminho e como Jesus fora por eles reconhecido na fração do pão.

À comunidade que se perguntava sobre como reencontrar o Senhor Jesus, hoje, Lucas narra o episódio dos discípulos de Emaús. O relato visa transmitir à comunidade a alegria do encontro com o Senhor, o Vivente, e incentivá-la a buscar na comunhão e na vivência de Igreja uma experiência pessoal de Sua presença. Todos aqueles que buscam o Senhor, de coração sincero e apaixonado, abrindo-se ao alimento de Sua Palavra e da Ceia eucarística, perceberão Sua voz e presença. Jesus se faz presente, como desconhecido, nos caminhos da vida, nos encontros inesperados, nos acontecimentos cotidianos, que precisam ser compreendidos à luz de Sua Palavra. Trata-se de identificar a ação de Deus em nossa história, adquirindo uma inteligência espiritual dos acontecimentos e fazendo "memória", como Maria, no coração.



Dom Alberto Taveira Corrêa

Dom Alberto Taveira foi Reitor do Seminário Provincial Coração Eucarístico de Jesus em Belo Horizonte. Na Arquidiocese de Belo Horizonte foi ainda vigário Episcopal para a Pastoral e Professor de Liturgia na PUC-MG. Em Brasília, assumiu a coordenação do Vicariato Sul da Arquidiocese, além das diversas atividades de Bispo Auxiliar, entre outras. No dia 30 de dezembro de 2009, foi nomeado Arcebispo da Arquidiocese de Belém – PA.


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/biblia/estudo-biblico/como-devemos-reconhecer-jesus-no-partir-do-pao/

Postar um comentário