23 de novembro de 2015

Estou na crise dos 30

A crise abriu novas possibilidades na vida

A revolta dos 18 parece passado e a força de decisão dos 20 parece estar enfraquecendo. Duas horas na esteira já não queimam a mesma quantidade de calorias que há alguns anos queimava. Seus melhores amigos o convidam para festas com "brigadeiros e beijinhos",  isso mesmo, o filho dele está completando três anos e você é o padrinho. Na Igreja, você não se inscreve nos encontros de "jovens" (pois parece que estes têm superlotação da galera teen), ao mesmo tempo, não está comprometido o bastante para frequentar os encontros de casais. Bem-vindo (a) à crise dos 30 anos!

Estou na crise dos 30 - 1600x1200
Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Será que não assumi responsabilidades demais?

Mas há aqueles que estão bem no corpo, estão super-saudáveis, as rugas nem ameaçaram aparecer. Já tiveram o primeiro filho, realizaram aventuras, viagens, alcançaram estabilidade financeira e são frequentadores assíduos dos encontros de casais. Eles têm vida social satisfatória. Porém, pegam-se questionando sobre o sentido da vida. Será que se eu tivesse me casado mais tarde, eu teria aproveitado mais a vida? Tendo realizado tudo isso, por que ainda me sinto incompleto e insatisfeito? Será que não assumi responsabilidades demais? Bem-vindo (a) à crise dos 30 anos!


Fase de questionamentos, reflexões e angústias

Sem querer colocar mais uma divisão em nosso desenvolvimento humano ou sentenciá-lo a viver algo só porque bateu o ponteiro do relógio biológico, todos nós, querendo ou não, entraremos em um momento de profundo questionamento existencial. Muitos vivem isso por volta dos 30 anos. Alguns mais cedo outros mais tarde. É como se, em nosso interior, batesse o sino do "e se…". "E se" eu tivesse levado a sério aquele amor? Será que estaria casado, com filhos e feliz da vida? "E se" eu não tivesse ido a fundo demais naquela relação? Será que não estaria divorciado hoje? E se, e se…  Fase de questionamentos, reflexões, angústias e fortes decisões.

Muitos vivem um drama terrível ao ver que deixou para trás as decisões que a vida lhe pediu. Nessa hora, sentem-se meio que sobrando. Outros se sentem culpados por terem tomado decisões erradas. Assim, chega a hora de se confrontar com a própria verdade e assim assumir posturas frente a esses questionamentos.

Fico pensando o quanto precisamos ter um olhar de esperança nessa hora. E se o conforta saber, foi nos auge dos 30 anos que um grande Homem resolveu dar sua resposta de vida. Aos 30 anos, Ele resolveu sair de casa e cumprir Seus objetivos. Foi capaz de fazer as mais sólidas amizades, aquelas pelas quais Ele, literalmente, deu a vida! Na idade balzaquiana, ele foi capaz de enfrentar seus medos e levar a bom termo o que trazia no coração. Foi nessa idade que Ele realizou Suas maiores façanhas enquanto homem e enquanto Deus. Sim, eu falo de Jesus. Aos 30 anos, Ele iniciou uma nova e determinada vida, soube colocar-se no mundo de uma maneira inovadora.

O que vivo é absurdo?

Acredito que temos sim para quem olhar, e assim aproveitarmos esse tempo de profunda reflexão e dar boas respostas. A crise dos 30 anos (aqui pode ser aos 20, aos 35, aos 50) pode ser um momento em que, cansados de fazer a mesma coisa, paramos para pensar e percebemos o absurdo que podemos estar vivendo. Um absurdo de ter separado nosso eu interior do mundo exterior, de ter nos fragmentado em meio às demandas da vida. Nessa hora, chegar à conclusão de que podemos buscar a inteireza é possível.

Podemos escolher entre dois caminhos para curarmos essa fragmentação:

a) pensarmos a respeito de nossas vidas e traçarmos objetivos alinhados aos nossos desejos, sonhos e ideal de vida.

b) ficarmos perdidos diante da possibilidade de pensar. Perdermos-nos no que foi feito, deixar a culpa ser a senhora de nossa vida ou a frustração ditar nosso futuro.

Acredito que a segunda possibilidade tem sido a mais comum, pois temos dificuldade de pensar, por isso queremos logo olhar para o que foi feito e não para o que precisa ser feito. Aí entra a culpa ou a frustração, nem sequer gastamos tempo para pensar nas inúmeras possibilidades que a vida nos reserva.

A crise abriu novas possibilidades na vida

Não nos encaixamos nos grupos e já nos sentenciamos como "sobras"; mas, ao contrário, acredito que aí encontramos a oportunidade de criar novos grupos. Conheço duas realidades dentro da Igreja onde vejo que os jovens de 30 anos souberam se adaptar; uma experiência foi em Curitiba (PR) e outra em Belo Horizonte (MG). Lá, os jovens não se viam nos tradicionais grupos de jovens, tanto quanto em relação à faixa etária quanto à temática abordada neles, por isso fundaram um grupo para esses jovens de 30 e poucos anos, cujas vivências são diferentes. Digo a você que eles estão dando "show de bola". A crise abriu novas possibilidades na vida deles.

Quando pensamos, podemos nos dar conta de que existe uma ausência de motivos para vivermos; então, o desespero pode querer tomar conta de nós, de tal maneira que podemos ter as mais variadas reações, até mesmo a recusa pelo enfrentamento do mundo e suas exigências. O vazio pode querer falar mais alto, no entanto, aproveitemos que já temos 30 anos e aprendamos com o passado, com suas respostas e maneiras de enfrentar a vida. Encaremos os erros com coragem e determinação. Podemos aproveitar a maturidade atual para pensarmos nos projetos que ainda podem ser feitos. Contemos com a paciência de quem tem uma história e que não precisa tomar uma decisão eterna para amanhã, nem sairá ganhando muita coisa se criar uma revolta contra tudo e todos.

A escolha pela felicidade requer a coragem de um enfrentamento com aquilo que nos incomoda. Como Jesus, você pode usar a experiência de uma vida para encarar a verdade e ter uma causa pela qual vale a pena lutar. Um grande amor, uma grande causa, um grande sonho! Sonhe grande. Acredite. Ouse.

Crise é sinal de desenvolvimento

Gosto da palavra crise, e não vejo nela um sentido negativo, pois para mim é sinal de transição, saída e movimento. Como você a encara é que determina como dela você sairá. Com quem você a viverá também faz grande diferença, seja sua esposa ou seus amigos próximos, com os quais você fala de suas angústias. Eles podem ajudar você a alargar sua visão e se tornar protagonista de um filme do Arnold schwarzenegger, ou seja, um 'Exterminador do futuro'. Um bom diretor espiritual, e em alguns casos até um bom terapeuta, possa estar com você nesse momento de "redirecionamento".

Parar, perceber-se e avançar: esse é o segredo! Termino este texto com a fala do Papa Francisco: "Eu desafio você. Diga 'não' a uma cultura efêmera, superficial e descartável, uma cultura que assume que você não é forte, que você não é capaz de enfrentar grandes desafios em sua vida. Pense grande! Como Beato Pier Giorgio Frassati disse uma vez: "Para viver sem fé, não ter patrimônio para defender, sem lutar constantemente para defender a verdade: isso não é viver. É fingir que se vive. Nós nunca devemos fingir que vivemos, mas realmente viver."

Tamu junto


Adriano Gonçalves

Mineiro de Contagem (MG), Adriano Gonçalves dos Santos é membro da Comunidade Canção Nova. Cursou Filosofia no Instituto da Comunidade e é acadêmico de Psicologia na Unisal (Lorena). Atua na TV Canção Nova como apresentador do programa Revolução Jesus. Mais que um programa, o Revolução Jesus é uma missão que desafia o jovem a ser santo sem deixar de ser jovem. Dessa forma, propõe uma nova geração: a geração dos Santos de Calça Jeans. É autor dos seguintes livros: "Santos de Calça Jeans", "Nasci pra Dar Certo!" e "Quero um Amor Maior"


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/afetividade-e-sexualidade/afetividade-masculina/to-na-crise-dos-30/

Postar um comentário