11 de fevereiro de 2015

Os animais de estimação vão para o céu?

São Francisco de Assis é mundialmente conhecido pelo amor que nutriu por toda a criação

Nestes tempos em que o cuidado com a natureza se faz essencialmente necessário para a preservação de nosso habitat, uma questão recente tem gerado polêmica: os animais de estimação vão para o céu? Essa dúvida veio à tona em uma recente declaração atribuída ao Papa Francisco, quando ele consolava um menino que havia perdido seu cachorro: "O paraíso está aberto a todas as criaturas do Senhor". Essa notícia, segundo relatos, foi desmentida pelo próprio repórter que a divulgou em um veículo de comunicação americano, mas se espalhou pelo mundo.

Os animais de estimação vão para o céu940x500

Essa pergunta tem gerado polêmica e dividido muitas opiniões, mas o que a Igreja Católica Apostólica Romana fala sobre essa questão? Vejamos o que diz o Catecismo da Igreja Católica:

"O sétimo mandamento exige o respeito pela integridade da criação. Os animais, tal como as plantas e os seres inanimados, são naturalmente destinados ao bem comum da humanidade. O uso dos recursos minerais, vegetais e animais do universo não pode ser desvinculado do respeito pelas exigências morais. O domínio concedido pelo Criador ao homem sobre os seres inanimados e os outros seres vivos não é absoluto, mas regulado pela preocupação com a qualidade de vida do próximo, inclusive das gerações futuras; exige respeito religioso pela integridade da criação.

Os animais são criaturas de Deus. Ele os envolve na sua solicitude providencial. Pelo simples fato de existirem, eles O bendizem e Lhe dão glória. Por isso, os homens devem estimá-los. É importante lembrar com que delicadeza os santos, como São Francisco de Assis ou São Filipe de Néri, tratavam os animais.

Deus confiou os animais ao governo daquele que foi criado à Sua imagem. É, portanto, legítimo nos servirmos deles para a alimentação e para a confecção do vestuário. Podemos domesticá-los para que sirvam ao homem nos seus trabalhos e lazeres. As experiências médicas e científicas em animais são práticas moralmente admissíveis, desde que não ultrapassem os limites do razoável e contribuam para curar ou poupar vidas humanas.

É contrário à dignidade humana fazer sofrer inutilmente os animais e dispor indiscriminadamente da vida deles. É igualmente indigno gastar com eles somas que deveriam, prioritariamente, aliviar a miséria dos homens. Pode-se amar os animais, mas não se deve desviar para eles o afeto só devido às pessoas" (Catecismo da Igreja Católica, 2415-2418).

O que o Catecismo afirma é isso: "Os animais são criaturas de Deus. Simplesmente pelo fato de existirem, eles O bendizem e Lhe dão glória". O presente documento, em momento algum, afirma que os animais irão para o céu após o término de sua vida terrestre. Nem mesmo encontramos declarações oficiais de algum Sumo Pontífice a esse respeito.

O que difere o homem dos animais é que o ser humano foi criado à imagem e semelhança de Deus. Somente o homem tem uma alma transcendente, imortal. Os animais não possuem uma alma imortal.

Somos chamados a cuidar da criação de Deus, e isso inclui os animais. No entanto, é preciso discernimento diante dessa questão. Não é raro encontrarmos pessoas que gastam uma verdadeira fortuna com seus animais e não ajudam o pobre que passa fome. Outros ainda valorizam mais seus animais de estimação que os próprios familiares de sua casa. Muitos pais não deixam seus filhos colocarem os pés no sofá, mas deixam o gatinho de estimação passar o dia todo dormindo em cima do móvel.

Cuidemos da criação sem nos descuidarmos dos nossos irmãos e irmãs que sofrem ao nosso lado e clamam por nossa ajuda e misericórdia.

Padre Flávio Sobreiro

Padre Flávio Sobreiro Bacharel em Filosofia pela PUCCAMP. Teólogo pela Faculdade Católica de Pouso Alegre – MG. Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Carmo (Cambuí-MG). Padre da Arquidiocese de Pouso Alegre – MG. Página pessoal do padre Flávio na internet. Perfil no Facebook


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/igreja/catequese/os-animais-de-estimacao-vao-para-o-ceu/

Postar um comentário