5 de novembro de 2014

Qual a melhor idade para engravidar?

Em cada etapa da vida há vantagens e desvantagens

Qual a melhor idade para engravidar? Antes ou depois dos 40 anos? A resposta será sua depois que ponderar o lado bom e ruim da gravidez em cada faixa etária.

Deixar a gravidez para depois dos 40 compensa - 940x500

Se pensarmos no ponto de vista católico, o Catecismo nos ensina sobre a paternidade responsável, a qual não nos permite métodos contraceptivos que não sejam naturais, quando os casais podem evitar relações nos períodos férteis por motivos fortes e não egoístas.

Agora, se nossa reflexão partir do ponto de vista humano, teremos de ponderar com a razão as vantagens e desvantagens da melhor hora, desde que acreditem que exista a melhor hora para engravidar ou que essa hora aconteça depois que você engravida. Temos visto casais que não queriam engravidar, mas quando isso aconteceu, várias bênçãos foram derramadas em seus lares.

Alguns casais vão ponderar e decidir que, antes de terem filhos, precisam estudar, ter estabilidade profissional e financeira, ou mesmo fazerem uma poupança para enfrentar as futuras despesas com os filhos. Outra alegação é que, antes de terem filhos, as pessoas precisam curtir a vida, conviver bastante para saber se querem ficar juntos, amadurecer para cuidar de uma criança e buscar capacitação para fazer escolhas mais acertadas sobre a educação dos pequenos.

Todas as reflexões são válidas dependendo do ponto de vista. A pergunta que não pode calar é: essas razões estão baseadas em questões econômicas e individualistas ou, realmente, no que é melhor para os filhos?  Por outro lado, sabemos que as chances de engravidar não são as mesmas com o passar do tempo, a não ser que se utilizem as tecnologias atuais, sendo que muitas delas não encontram respaldo na nossa religião e também têm custos significativos num orçamento familiar, fora do acesso para a grande maioria.

Outra preocupação deve ser considerada por quem quer engravidar depois dos 40: as possíveis complicações para a mulher durante a gestação e os riscos de problemas genéticos nas crianças, que também são maiores. Outra ponderação é que as mulheres, provavelmente, terão de trabalhar até mais tarde, pois os custos com educação e saúde dos filhos exigem valores que nem sempre os vencimentos da aposentadoria conseguem fazer frente.

É claro que todos esses argumentos não devem ser desanimadores para quem não conseguiu engravidar antes dos 40, pois existem muitos exemplos bíblicos e atuais de mulheres que tiveram gravidez e bebês saudáveis.

Não podemos deixar de fazer uma alerta sobre a gravidez na adolescência, que também deve ser considerada uma atitude de perigo para a mãe e a criança. Nessa situação, as reflexões sobre falta de capacidade física, mental, emocional e financeira para a maternidade são justas e não egoístas.

A diferença é saber se a escolha foi sua ou das circunstâncias, por isso, a resposta para a pergunta inicial nos diz que a medida correta deve ser uma maternidade e paternidade responsáveis, baseadas em valores cristãos e éticos, e não numa cultura individualista, onde a sua felicidade vem na frente dos direitos dos seus filhos.


Ângela Abdo

Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. Atua como curadora da Fundação Nossa Senhora da Penha e conduz workshops de planejamento estratégico e gestão de pessoas para lideranças pastorais. Abdo é graduada em Serviço Social pela UFES e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e em Gestão Empresarial. Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Fucape. Atua como consultora em pequenas, médias e grandes empresas do setor privado e público como assessora de qualidade e recursos humanos e como assistente social do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador). É atual presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) do Espírito Santo e diretora, gerente e conselheira do Vitória Apart Hospital.


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/familia/planejamento-familiar/qual-a-melhor-idade-para-engravidar/

Postar um comentário