10 de outubro de 2013

As opções de Vicente de Paulo

Uma vida tão intensa e longa como a de Vicente de Paulo, pode ser contada de muitas maneiras. Desta vez vamos levar em conta os caminhos de Deus e as respostas do homem, as circunstâncias e suas opções. Como diria o próprio Vicente de Paulo: "Minha fé e minha experiência".

Quais foram as opções assumidas por ele? Os Pobres, os padres, os leigos e as mulheres. Se hoje, de alguma forma, nos preocupa a atualização do carisma vicentino, temos a certeza de que Vicente de Paulo esteve à frente do seu tempo com uma naturalidade que nos espanta. E isto é o mais importante e que veremos a seguir.

1. Os Pobres

Disse Jesus que sempre teremos os Pobres entre nós (Mt. 26,11). É uma afirmação indiscutível, não porque Deus quer assim, senão porque assim querem os poderosos. A população mundial sempre pende para os Pobres. E em todos os tempos a Igreja tem se preocupado com eles, desde o princípio até nossos dias. Porém, na opção pelos Pobres, sempre houve diversos graus de intensidade e comprometimento, espiritualidades afins ou alheias, cristãos conscientes ou descompromissados.

Vicente de Paulo nasceu Pobre, de uma família de camponeses, embora eles possuíssem sua casa e algumas terras. E nos parece que perderam quase tudo como a maioria dos Pobres do seu tempo, que eram despojados de mil maneiras. Vicente disse certa ocasião que seus parentes estavam em situação de pedir esmolas.

De forma alguma ele preocupava-se com os Pobres quando ainda não era um "santo". Seu desejo era enriquecer-se. Queria posição, status, um trabalho que lhe garantisse boa renda para viver muito bem e tranquilo. Foi aqui que começaram seus projetos meramente humanos: ida para Toulouse, para Marselha atrás de uma herança, o episódio do seu cativeiro, sua ida até Tunísia, Avignon e até Roma.

De modo que no final do ano 1608 Vicente entra pela primeira vez em Paris de mãos vazias e com o espírito humilhado. Homem de fé e de experiência, tinha que se dar conta de que Deus lhe pedia um outro caminho e outras opções. Vicente de Paulo se põe em busca do crescimento espiritual e ministerial, da paróquia de Clichy ao palácio dos Gondi, do palácio dos Gondi à Chatillon-les-Dombes. E antes mesmo de Clichy, como capelão da ex-rainha Margarida de Valois, passa pela "noite escura" da tentação contra a fé e de sua experiência do Pobre no hospital de caridade. E foi desta forma, segundo seu primeiro biógrafo, quando Vicente de Paulo "para mais honrar a Jesus Cristo e imitá-lo de forma perfeita, tomou a firme resolução de entregar toda sua vida, por seu amor, a serviço dos Pobres".

Sem ter precisão de dia e hora, já poderíamos chamar Vicente de Paulo de santo. Nesta ocasião já tinha mais de trinta anos. Entregou-se totalmente à Jesus Cristo dos Pobres ou aos Pobres de Jesus Cristo. Uma entrega firme e decidida. Nada lhe faria mudar de ideia. Nasceram desta sua entrega, inumeráveis fundações, instituições, ações, e todas elas motivadas e voltada para os Pobres. Nada encontramos neste "santo" que destoasse desta sua entrega e de seu amor afetivo e efetivo aos Pobres por Jesus Cristo.

Hoje muito se fala da "opção preferencial pelos Pobres". Muitos o fazem e fizeram. Porém, depois de Jesus Cristo, ninguém superou ao que fez Vicente de Paulo.

E desta opção primeira, nasceram as demais.

2. O clero

Vicente de Paulo viveu outra experiência: a grandeza do sacerdócio, e contrastando isto, a miséria espiritual de muitos padres. O juízo de nosso "santo" não teve meio termo em ambos aspectos: a grandeza do sacerdócio. Porém sabendo que existiam sacerdotes que mostravam o pior comportamento que um sacerdote poderia ter. E sua conclusão é a de que os mais prejudicados são os Pobres.

Como se chegava até o sacerdócio sem a devida preparação, animado pelo bispo Agustin Potier da diocese de Beauvais, Vicente de Paulo iniciou em 1628 os retiros para os padres. Na verdade era um curso intensivo de formação espiritual e pastoral. Desta experiência é que nasceu alguns anos mais tarde, em 1633, as conferências de terça feira, que era uma reunião semanal para ajudar na perseverança de seus padres, motivar as missões e auxílio para as capelanias onde seus padres não podiam entrar para se dedicarem exclusivamente aos Pobres camponeses. Destas atividades assumiu os seminários, que foram defendidos pelo Concílio de Trento. Provavelmente o seminário mais antigo da França foi o de Annecy, fundado por Vicente de Paulo em 1642. Veio em seguida a casa "Bons Enfants" e muitos outros.

A ação de Vicente de Paulo em favor do clero teve seu auge com sua presença no Conselho de Consciência da Rainha Ana de Áustria e de Mazarino, onde contribuiu eficazmente na nomeação de um episcopado zeloso e reformador da Igreja na França. Porém, antes disto tudo, Vicente havia fundado em 1625 a Congregação da Missão, cujo objetivo ele definiu desta forma: "Fazer com que os Pobres conheçam a Deus, anunciar-lhes Jesus Cristo, dizer-lhes que está próximo o Reino dos Céus e que este Reino é para Eles". Naturalmente, todo seu empenho em prol do clero não tinha outro objetivo a não ser a evangelização dos Pobres.

3. Os leigos

A opção pelos leigos é sem dúvida a que mostra a grandeza e a originalidade de Vicente de Paulo. O modelo de igreja de seu tempo era próprio do Concílio de Trento, que em oposição à Martinho Lutero, exaltava o estado sacerdotal, minimizando o laicato mais ainda do que já estava. Vicente de Paulo, sem desobedecer o Concílio de Trento, nem esquecendo-se dos Pobres, deu um pulo a frente da história. Recordemos sua famosa pregação dos 800 anos para as Damas da Caridade: "Fazem 800 anos que vocês não tem nenhuma ocupação pública na igreja...". E foi convocando a todos, homens e mulheres, Pobres e ricos, para a caridade eclesial. Sua sensibilidade para com os leigos, que não existia em seu tempo, o coloca dentro do pensamento do Concílio Vaticano II e da encíclica "Christifideles laici" de João Paulo II (1988).

4. As mulheres

A mão direita de Vicente de Paulo foram as mulheres. Por detrás de um grande homem, sempre tem uma grande mulher. É um ditado popular. Ao redor de Vicente de Paulo existe uma legião de grandes mulheres. Desde Francisca Bachet e Carlota de Brie em Chatillon-les-Dombes, passando pela Senhora de Gondi, Luísa de Marillac, a Senhora de Goussault, a duquesa de Aiguillon e tantas outras em Paris, até chegar as Filhas de Caridade: Margarida Naseau, Bárbara Angiboust, Maturina Guerin, Margarita Chetif... Uma e outra se tornaram responsáveis pela ação caritativa nas aldeias, no Hotel-Dieu em Paris e todas as obras fundadas para ajudar as vítimas das incessantes guerras: hospitais, galés, escolas, crianças abandonadas, enfermos, mendigos, idosos... Sem elas Vicente de Paulo não teria sido proclamado o grande santo da caridade, e nem elas teriam saído do anonimato sem Vicente de Paulo. Qual era o segredo daquele magnetismo que irradiava nosso santo sobre as mulheres que o escutavam e o acompanhavam com verdadeiro sacrifício na ajuda dos mais Pobres? Não era outro a não ser sua autenticidade e sua santidade.

5. Outras opções

Dentro destas opções citadas acima, Vicente de Paulo quis e teve que fazer outras. Por exemplo, dentro dos ministérios de sua Congregação, optou pelas missões entre os camponeses: "Deus nos guarde para não abandonarmos estas missões", dizia insistentemente a seus missionários, qualquer que fosse o ministério ou trabalho que fossem convidados.

Depois optou mais tarde pelas missões AD GENTES. Quando a Congregação da Propaganda da Fé, fundada em 1622, lhe pedia sacerdotes, Vicente de Paulo escreve ao superior da Casa de Roma: "Ao celebrar a santa missa, me ocorreu o seguinte pensamento, que como o poder de enviar ad gentes reside na terra unicamente na pessoa de Sua Santidade, tem consequentemente o poder de enviar a todos os eclesiásticos por toda a terra, e que todos os eclesiásticos tem a obrigação de obedecer-lhe; segundo este princípio, ofereço a sua divina Majestade nossa pobre companhia para ir onde Sua Santidade ordene".

E começou o envio de missionários vicentinos fora das fronteiras da França. Teve mais projetos, porém, os que ele conseguiu desenvolver e pôr em prática foram Barbária (Tunísia e Argélia) em 1645 e 1646, Madagascar em 1648, Polônia em 1651 e Irlanda e Escócia também em 1651. Todas estas missões foram de muito sacrifício, especialmente a de Madagascar que de 18 missionários enviados, chegaram somente 8 e que morreram logo em seguida. Isto nunca desanimou Vicente de Paulo. A um dos missionários ele escreveu: "A Companhia coloca seu olhar em vocês como a melhor hóstia que tem para render graças a Nosso Soberano Criador e prestar-lhe este serviço! Vocação tão grande e adorável como a dos maiores apóstolos e santos da Igreja de Deus! Lance as redes com valentia".

Dizia assim porque na verdade ele soube lançar as redes com valentia desde o momento de sua "conversão" até o final de seus dias, agindo sempre com o mesmo entusiasmo e determinação. "Dá-me um homem de oração e ele será capaz de tudo", dizia ele. E foi capaz de tudo o que um ser humano pode fazer em prol dos Pobres. Cumpriu sem romper em momento algum sua primeira "resolução firme e decisiva de entregar-se por toda sua vida, por amor a Jesus Cristo, ao serviço dos Pobres".

Fonte: Texto escrito por Vicente de Dios, CM, extraído de: Caminos de Misión. Traduzido do espanhol para o português por Joelson Cezar Sotem, CM em 09 de outubro de 2013.

Postar um comentário