15 de abril de 2009

O amor humano, sinal do Amor de Deus!

Imagem de Destaque

O ser humano é chamado à existência e, pelo amor, à coexistência

O amor humano é algo fascinante. É símbolo do amor de Deus, amor este que, por sua vez, é modelo para todo amor humano. Dentre os amores humanos, o mais encantador é o do casal. Tanto é que o Senhor usa desse nobre sentimento para falar do Seu amor para conosco. Chega a dizer, por intermédio dos profetas, que o amor d'Ele por nós chega ao ciúme.

O amor de um casal nasce do que chamamos de harmonia pré-estabelecida, daí chegarmos a falar até em almas gêmeas. Somos tomados por um afeto inesperado com relação ao(à) outro(a). Somos como que roubados pelo(a) outro(a) e tudo só passa a ter sentido se ele(a) estiver junto. No começo é um desconhecido que se torna hóspede e de hóspede passa a ser dono da casa. É o amor mais forte do que a morte! Esse amor dá sentido à nossa história. O ser humano é chamado à existência e, pelo amor, à coexistência, na doação de si. É isso que dá sentido à vida. Bom, para algo tão importante é preciso se preparar. O matrimônio cristão envolve um para sempre. A união é pública, estável e indissolúvel. A graça de Deus vem em socorro do casal, pelo sacramento do matrimônio, para que sejam fiéis às promessas feitas e aos compromissos assumidos.

O que chamamos de "Encontro de Noivos", na Igreja, visa suprir qualquer deficiência nessa preparação para a vida conjugal e familiar. A preparação em si deve vir desde o berço; o momento com os noivos deveria ser só o coroamento de um caminho já feito. Nesse encontro procuramos interpretar o amor do casal como sinal do amor de Deus, a importância da família para a transformação da sociedade e para a edificação da comunidade eclesial, o responsável planejamento familiar, os desafios que serão enfrentados, enfim, uma série de temas que chega até à celebração religiosa. Uma experiência que vale a pena.

Num mundo marcadamente individualista e egoísta, o casal é o caminho do humano e o caminho do humano é a comunhão. Todas as promessas e compromissos daquele dia único e marcado pelo Eterno convidam à comunhão de vida. O compromisso é selado por um Deus que conhece as fraquezas do humano e o socorre com Sua graça. O amor é para sempre ou não é amor. Não é possível alguém dizer "eu te amo até daqui a pouco".

Amor não tem prazo de validade, se apresentar algum prazo, repito: não é amor, vai ser apenas um compromisso momentâneo para realizar a satisfação de um ou outro. O saudoso Papa João Paulo II dizia: "O futuro da humanidade passa pela família e por sua adequada preparação". Na prática, nós sabemos disso e experimentamos na pele seus efeitos.

Deus abençoe aos noivos que tiverem este artigo em suas mãos. Que este momento marcado pelo céu coroe o amor de vocês com o Amor-Doação-Comunhão do Deus, que nos criou à Sua imagem, segundo a Sua semelhança!

Pe. Rinaldo Roberto de Rezende
Cura da Catedral de São Dimas - S.J. Campos- SP

Postar um comentário