9 de junho de 2015

O noivado é uma escola para o casamento

Para muitas pessoas, o noivado é um tempo de preparar as festividades do casamento

Os casais se tornam noivos quando têm a data do casamento agendada, mas noivado é muito mais que isso, é um momento que o casal tem de amadurecer a sua consciência para as exigências e a realidade do matrimônio. É um momento de aterrissar nos desafios que um relacionamento a dois vai impor aos noivos.

Noivado - Uma escola para o casamento - 1600x1200
Foto: Roger Ferrari

Por isso, é preciso fazer do noivado um momento de grande diálogo, conhecimento mútuo e decisões, inclusive no campo financeiro e material. O magistério da Igreja, no documento "Preparação para o Sacramento do Matrimônio", do Pontifício Conselho para a Família, chama esse momento de "preparação próxima". O tempo do noivado, que vai incluir a preparação da liturgia do matrimônio e outras coisas, é chamado por esse documento de "preparação imediata".

É preciso fazer desse tempo um momento de preparação para a nova realidade do casamento, da família e do relacionamento a dois. Quem casa está assumindo a proposta de vida de Jesus Cristo, inclusive uma instituição cristã. Então, antes de assumir esse compromisso, é preciso entender muito bem o que se está assumindo: o que é um matrimônio, o que é uma família cristã, o que é o relacionamento a dois dentro dessas realidades. Um grande erro e causa de nulidade da validade de muitos matrimônios é justamente a falta de conhecimento da realidade do que se está assumindo. Casar, sem fazer essa preparação, é como assinar um contrato sem ter a menor ideia do que ele diz, sem lê-lo. Na hora que a pessoa menos esperar, estará cheia de dívidas impagáveis.

Para isso são importantes alguns aspectos:

1) Aprofundamento da vida de fé na Igreja. Crescer na oração, na escuta da Palavra de Deus e, sobretudo, a oração a dois.

2) Aprofundamento do significado do matrimônio e da família cristã. Dentro disso, destaco alguns tópicos que precisam ser conhecidos:
* O que é a liberdade de consentimento, sem o qual não pode acontecer o vínculo matrimonial;
* O que é e como acontece a unidade do casal;
* A importância e o significado da indissolubilidade matrimonial;
* A educação para a paternidade e a maternidade responsável;
* Estudo e aprendizado sobre aspectos da sexualidade conjugal respeitando a lei natural;
* Reflexão sobre a educação dos filhos.

3) Crescimento na imitação de Cristo como modelo a ser seguido: consciência de doação e renúncia de si. Deve haver um dinamismo sacramental, de maneira especial o sacramento da reconciliação e Eucaristia.

4) Ter consciência da missão própria da família nos campos educativo, social e eclesial.

5) Ser formado nos valores da dignidade da vida humana e da família. A mentalidade contraceptiva, a relativização do significado do amor humano, ideias feministas e machistas levam muitos noivos a entrarem no casamento com muitos valores deformados. É grave a necessidade de que eles sejam bem formados quanto a essas questões.

6) É importante que os noivos discutam questões práticas e fundamentais como o número de filhos que gostariam de ter (lembrando que um casal não aberto à vida não constitui um matrimônio valido), o trabalho da mulher diante das exigências do lar, as atividades religiosas e a educação dos filhos na fé e outras questões. Porém, também é importante ajustar questões aparentemente bobas, mas que podem ser causas de conflitos como a organização da casa, o relacionamento com a família do outro, comportamentos constrangedores, higiene e educação na vida íntima (coisas do dia a dia).

Tornar-se noivo não é firmar um compromisso quase indissolúvel. Por isso, a Igreja coloca o noivado fora da celebração da Santa Missa. O grande vínculo, indissolúvel, só será feito no matrimônio. Claro, é um passo a mais, uma maturidade maior no relacionamento, e isso implica compromisso. Porém, o grande compromisso do noivado é a preparação para o matrimônio, e este deve durar o tempo que for necessário para que o futuro casal esteja em condições de constituir uma nova igreja doméstica, uma família, uma casa de amor, que maravilhosamente anuncia a comunhão que existe na Trindade Santa.

 


André Botelho

André L. Botelho de Andrade é casado e pai de três filhos. Com formação em Teologia e Filosofia Tomista, Andrade é fundador e moderador geral da comunidade católica Pantokrator, à qual se dedica integralmente.
http://www.pantokrator.org.br


Fonte: http://formacao.cancaonova.com/relacionamento/namoro/o-noivado-e-uma-escola-para-o-casamento/

Postar um comentário