2 de maio de 2013

O líder comunicativo

Imagem de Destaque

Esteja disposto a aprender sempre mais

A primeira virtude fundamental para o líder amoroso é a capacidade de se comunicar. Não basta fazer barulho como um sino. É preciso aprender o jeito certo de ouvir e falar a língua dos homens, das mulheres, das crianças, dos ricos, dos pobres e até dos anjos.


O líder arrogante imagina que sabe tudo sobre o seu produto e sobre o seu negócio. Está sempre disposto a dar uma resposta. Tem muita dificuldade para fazer perguntas. Monopoliza o tempo das reuniões com intermináveis discursos. Seu orgulho é o princípio de sua mediocridade, pois quem pensa que tudo sabe não tem espaço para aprender mais e fica escravo de sua própria ignorância. 


O líder amoroso é humilde. Está disposto a aprender sempre mais. Tem o hábito de fazer muitas perguntas, mesmo aos que sabem menos do que ele. Quem ama ouve respostas, aprende lições, pergunta o porquê. Sua humildade é o princípio da sua sabedoria, pois quem sabe que não sabe abre espaço na mente para saber sempre mais. A maioria de nós sabíamos disso quando éramos crianças, pois vivíamos perguntando o "porque" disso ou o "porquê" daquilo

Há uma história da minha infância de menino perguntador. Meu pai, certa ocasião, teria perdido a paciência devido à insistência de perguntas sobre como funcionava quase tudo e acabou desabafando:

- João, pare de tanto por quê!

Dizem que minha resposta foi rápida e fulminante:

- Mas por que, pai?!

Infelizmente, crescemos e desaprendemos as lições que a natureza havia carimbado em nossa alma. Talvez seja por essas e outras que Jesus disse que é preciso ser criança para ganhar o céu. Fico impressionado com a facilidade delas de aprender idiomas. O líder comunicativo precisa voltar a ser criança se quiser aprender os mais diversos tipos de linguagens, inclusive os idiomas. Só aprendemos se ouvimos e falamos – de preferência bastante errado – como as crianças. Adultos silenciosos, diante de uma gramática, podem decorar todas as regras, mas não articularão uma frase com espontaneidade na língua que se esforçam para aprender. Crianças de três anos, na Alemanha, já se comunicam naquele difícil idioma com seus pais. Experimente estudar três anos para ver se fala como uma delas!

Quanta sabedoria pode estar escondida em nossa infância perdida! Teremos conserto ou estamos condenados a sermos cada vez mais adultos? Quem sabe possamos reaprender as lições esquecidas começando pelo bê-á-bá: fazendo perguntas!

 

(Extraído do livro "As sete virtudes do líder amoroso")

 

Postar um comentário